Banca

Os pro­du­tos do ac­ci­o­nis­ta do Mon­te­pio ain­da são ven­di­dos co­mo al­ter­na­ti­va sem risco aos de­pó­si­tos.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Bru­no Fa­ria Lopes

Fi­ze­mos de cli­en­te-mis­té­rio no Mon­te­pio

Va­mos ti­rar as no­tí­ci­as do ca­mi­nho”, dis­pa­ra lo­go à ca­be­ça a fun­ci­o­ná­ria ao bal­cão da Cai­xa Eco­nó­mi­ca Mon­te­pio Ge­ral. Mo­men­tos an­tes eu ti­nha con­ta­do a mi­nha bre­ve história: 4.000 eu­ros de pou­pan­ças no bol­so pa­ra apli­car, to­le­rân­cia zero ao risco e tem­po pa­ra pro­cu­rar al­ter­na­ti­vas nos ban­cos. De fo­ra dei­xei que o que que­ria sa­ber é co­mo são co­mer­ci­a­li­za­dos os pro­du­tos de pou­pan­ça da do­na do Mon­te­pio, a Mon­te­pio Ge­ral As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta (MGAM), e que sou jor­na­lis­ta da SÁ­BA­DO. A fun­ci­o­ná­ria do Mon­te­pio não pen­sa gran­de coi­sa da mi­nha pro­fis­são. “São tu­do no­tí­ci­as so­bre coi­sas an­ti­gas, o ban­co es­tá nu­ma si­tu­a­ção con­for­tá­vel, o BCE [Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu] até lhe deu um rá­cio de ca­pi­tal bom, mas is­so não ven­de pa­pel”, atira. Con­ti­nu­an­do a ti­rar as no­tí­ci­as do ca­mi­nho, a fun­ci­o­ná­ria avan­ça pa­ra a saú­de fi­nan­cei­ra da As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta – uma coi­sa im­por­tan­te, já que mi­nu­tos de­pois pro­po­ria que eu apli­cas­se di­nhei­ro num pro­du­to ga­ran­ti­do pe­lo pa­tri­mó­nio da As­so­ci­a­ção e não pe­lo Fun­do de Ga­ran­tia de De­pó­si­tos. “A As­so­ci­a­ção tem 105 eu­ros em pa­tri­mó­nio por ca­da 100 eu­ros de obrigações pa­ra com os mu­tu­a­lis­tas”, ga­ran­te. Con­ta de­pois uma bre­ve história do mu­tu­a­lis­mo e do seu ban­co. “An­dam la­do a la­do há qua­se 200 anos.”

Ti­ra­das as no­tí­ci­as do ca­mi­nho, a fun­ci­o­ná­ria apre­sen­ta as pro­pos­tas do ban­co e da As­so­ci­a­ção – nes­te bal­cão, co­mo em seis dos se­te vi­si­ta­dos pe­la SÁ­BA­DO co­mo cli­en­te-mis­té­rio, não há qual­quer se­pa­ra­ção fí­si­ca en­tre o aten­di­men­to do ban­co e do seu ac­ci­o­nis­ta. A fun­ci­o­ná­ria co­me­ça por apre­sen­tar um pla­no de pou­pan­ça da As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta – iden­ti­fi­ca­do com os tran­qui­li­za­do­res no­mes Pra­zo Cer­to e Ca­pi­tal Cer­to na ficha de pro­du­to –, que é uma apli­ca­ção a cin­co anos com ta­xas mais al­tas do que os de­pó­si­tos do ban­co e uma pa­nó­plia de be­ne­fí­ci­os ex­tras, ex­pli­cou. Só a se­guir fa­la no depósito a pra­zo do ban­co. Su­ge­re “di­ver­si­fi­car”, ou se­ja, es­pa­lhar par­te do di­nhei­ro pe­la Cai­xa Eco­nó­mi­ca Mon­te­pio Ge­ral e pe­lo seu ac­ci­o­nis­ta – uma su­ges­tão es­tra­nha da­da a ga­ran­tia de au­sên­cia de risco. Saio com uma ficha do depósito e com ou­tra do pro­du­to da As­so­ci­a­ção on­de se avi­sa, a ne­gri­to no ca­be­ça­lho, que não é um depósito.

Ven­der pro­du­tos de pou­pan­ça da As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta aos bal­cões do ban­co Mon­te­pio de­ve­ria ser, em te­se, uma ta­re­fa mui­to di­fí­cil no pós-cri­se ban­cá­ria. De­pois de ter

A AS­SO­CI­A­ÇÃO FE­CHOU AS CON­TAS EM 2015 COM €107 MI­LHÕES NE­GA­TI­VOS E AIN­DA NÃO PU­BLI­COU AS CON­TAS DE 2016

vi­si­ta­do os bal­cões do Mon­te­pio co­mo cli­en­te-mis­té­rio em 2015, o Ban­co de Por­tu­gal de­ter­mi­nou que aos bal­cões do ban­co se vin­cas­se pe­ran­te os cli­en­tes que os pro­du­tos ven­di­dos em no­me da As­so­ci­a­ção não eram de­pó­si­tos ban­cá­ri­os, que na ficha de pro­du­to cons­tas­se es­se avi­so e que o ban­co cri­as­se e exe­cu­tas­se um pla­no pa­ra dis­tin­guir as du­as en­ti­da­des (que por im­po­si­ção do Ban­co de Por­tu­gal fo­ram ju­ri­di­ca­men­te se­pa­ra­das). De­pois vi­e­ram as más no­tí­ci­as. A As­so­ci­a­ção fe­chou as con­tas con­so­li­da­das de 2015 com ca­pi­tais pró­pri­os ne­ga­ti­vos de 107 mi­lhões de eu­ros e não pu­bli­cou ain­da as con­tas de 2016. O jor­nal Pú­bli­co no­ti­ci­ou há qua­se um ano que nas con­tas de 2015 a KPMG fez um for­te aler­ta aos mu­tu­a­lis­tas: sem uma in­jec­ção de fun­dos o ce­ná­rio era de fa­lên­cia téc­ni­ca. O mes­mo jor­nal pu­bli­ca­ria se­ma­nas de­pois que a KPMG, sem pôr em cau­sa as con­tas de 2016, lan­ça­va a dú­vi­da so­bre o va­lor a que a As­so­ci­a­ção tem o ban­co con­ta­bi­li­za­do no seu ba­lan­ço, cer­ca de dois mil mi­lhões de eu­ros. O ban­co é o prin­ci­pal ac­ti­vo no ba­lan­ço da as­so­ci­a­ção e o seu va­lor é es­sen­ci­al pa­ra que a fun­ci­o­ná­ria do ban­co pu­des­se re­pe­tir a men­sa­gem tran­qui­li­za­do­ra que fon­te ofi­ci­al da As­so­ci­a­ção in­di­ca à SÁ­BA­DO: “Por ca­da 100

COM DU­AS EXCEPÇÕES, FOI NE­CES­SÁ­RIO PER­GUN­TAR, NO FIM DA CON­VER­SA, PE­LA DI­FE­REN­ÇA EN­TRE BAN­CO E AS­SO­CI­A­ÇÃO

eu­ros de responsabilidades pa­ra com os as­so­ci­a­dos, o MGAM pos­sui 105 eu­ros em ac­ti­vo.”

Mas por en­tre es­tas dificuldades ope­ra­ci­o­nais e de ima­gem, a As­so­ci­a­ção tra­çou pa­ra 2018 um ob­jec­ti­vo mui­to am­bi­ci­o­so pa­ra o seu financiamento, a cum­prir na re­de de bal­cões do ban­co de que é do­na: cap­tar 970 mi­lhões de eu­ros. Is­to sig­ni­fi­ca le­var quem tem pro­du­tos Ca­pi­tal Cer­to a rein­ves­tir 370 mi­lhões e atrair em mé­dia 50 mi­lhões adi­ci­o­nais por mês. Nas vi­si­tas aos bal­cões es­sa pres­são é per­cep­tí­vel.

Só um Mon­te­pio tem risco zero

Pa­ra um afor­ra­dor que se apre­sen­tou co­mo mui­to con­ser­va­dor, os de­pó­si­tos do ban­co e os pro­du­tos da As­so­ci­a­ção fo­ram apre­sen­ta­dos co­mo al­ter­na­ti­vas do mes­mo ti­po, com o pro­du­to da as­so­ci­a­ção em des­ta­que. “Sem risco são es­tes dois”, foi a res­pos­ta quan­do dis­se que­rer se­gu­ran­ça ab­so­lu­ta. Pe­ran­te a mi­nha história fo­ram-me sem­pre apre­sen­ta­das du­as al­ter­na­ti­vas: uma no ban­co, o depósito; ou­tra, “mais atra­en­te”, na as­so­ci­a­ção. Num am­bi­en­te em que há ban­cos a pra­ti­ca­rem ta­xas de 0%, a ren­ta­bi­li­da­de do su­ges­ti­va­men­te de­no­mi­na­do Ca­pi­tal Cer­to (uma ta­xa anu­al bru­ta mé­dia de 1,2%) ofe­re­ce um ân­gu­lo de ven­da que é ex­plo­ra­do. O risco ine­ren­te ao fac­to de ser o pa­tri­mó­nio da As­so­ci­a­ção a ga­ran­tir o in­ves­ti­men­to – ren­ta­bi­li­da­de e ca­pi­tal – não é re­fe­ri­do ou, em al­guns ca­sos, é des­va­lo­ri­za­do. “Em 180 anos a As­so­ci­a­ção nun­ca dei­xou de cum­prir e não há-de ser ago­ra que fa­lha”, dis­se-me uma fun­ci­o­ná­ria. Com du­as hon­ro­sas excepções – em que os fun­ci­o­ná­ri­os ex­pli­ca­ram à ca­be­ça a di­fe­ren­ça en­tre o ban­co e a as­so­ci­a­ção, e o depósito e o Ca­pi­tal Cer­to – foi ne­ces­sá­rio per­gun­tar já no fim da con­ver­sa pe­la di­fe­ren­ça.

Es­sa dis­tin­ção aca­ba por ser di­fi­cul­ta­da pe­la for­ma de co­mer­ci­a­li­za­ção. As­so­ci­a­ção e ban­co par­ti­lham o no­me Mon­te­pio, os pro­du­tos da As­so­ci­a­ção são ven­di­dos por pes­so­as do ban­co na mes­ma zo­na que os pro­du­tos do ban­co e há ar­gu­men­tos de ven­da que cru­zam as du­as ins­ti­tui­ções, re­fle­xo da in­te­gra­ção co­mer­ci­al en­tre as ins­ti­tui­ções – em to­dos os bal­cões me dis­se­ram que se fos­se mu­tu­a­lis­ta te­ria, en­tre ou­tras van­ta­gens, isen­ção nas co­mis­sões de ges­tão de con­ta no ban­co (que che­gam a 65 eu­ros por ano na con­cor­rên­cia). Ques­ti­o­na­da so­bre es­ta con­fu­são, em par­ti­cu­lar so­bre a fal­ta de es­pa­ços pró­pri­os nos bal­cões do ban­co de­di­ca­dos ao seu ac­ci­o­nis­ta, fon­te da As­so­ci­a­ção ci­ta um ba­ró­me­tro men­sal pro­mo­vi­do por “uma en­ti­da­de in­de­pen­den­te cer­ti­fi­ca­da”, que em No­vem­bro do ano pas­sa­do apon­ta­va que “mais de 94% dos as­so­ci­a­dos dis­tin­guem ine­qui­vo­ca­men­te as mar­cas e a ofer­ta da As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta fa­ce à ofer­ta [do ban­co]”.

Quem re­gu­la?

Qu­es­ti­o­na­do so­bre se a se­pa­ra­ção en­tre as mar­cas é ho­je sa­tis­fa­tó­ria, o Ban­co de Por­tu­gal – que su­per­vi­si­o­na o ban­co Mon­te­pio – in­di­ca à

SÁ­BA­DO que a se­pa­ra­ção “ain­da es­tá em cur­so” e que tem si­do fei­to “um ca­mi­nho gra­du­al” pe­lo ban­co Mon­te­pio. O su­per­vi­sor ad­mi­te ve­ri­fi­car in lo­co se as me­di­das adop­ta­das es­tão a fun­ci­o­nar e avi­sa: “Ca­so as me­di­das im­ple­men­ta­das e a im­ple­men­tar não se­jam su­fi­ci­en­tes pa­ra atin­gir o ob­jec­ti­vo fi­xa­do pe­lo Ban­co de Por­tu­gal, a ins­ti­tui­ção te­rá de con­si­de­rar me­di­das adi­ci­o­nais”. A su­per­vi­são des­te re­gu­la­dor des­ti­na-se, con­tu­do, a as­se­gu­rar a trans­pa­rên­cia so­bre a for­ma de co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos que não são do ban­co aos bal­cões do Mon­te­pio – uma for­ma de mi­ni­mi­za­ção de risco pa­ra o ban­co.

Sob pres­são por ca­sos co­mo o do BES, o go­ver­na­dor Car­los Cos­ta tem-se es­for­ça­do por su­bli­nhar publicamente o que é da sua com­pe­tên­cia. É que a su­per­vi­são do uni­ver­so da As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta e dos pro­du­tos fi­nan­cei­ros que co­mer­ci­a­li­za ca­be a ou­tro re­gu­la­dor, a Di­rec­ção-Ge­ral da Se­gu­ran­ça So­ci­al (DGSS), cu­ja vo­ca­ção téc­ni­ca pa­ra es­sa mis­são já foi ques­ti­o­na­da por um ex-mi­nis­tro da pas­ta, Ba­gão Fé­lix. Ques­ti­o­na­da so­bre que ins­pec­ção faz à As­so­ci­a­ção Mu­tu­a­lis­ta, e com que frequên­cia, a DGSS li­mi­tou-se a enun­ci­ar de for­ma ge­né­ri­ca a sua mis­são ge­ral de su­per­vi­são do mu­tu­a­lis­mo, ou se­ja, de que “tem por ob­jec­ti­vo ga­ran­tir o cum­pri­men­to da lei (...) e de­fen­der os in­te­res­ses dos as­so­ci­a­dos, não po­den­do no en­tan­to li­mi­tar o di­rei­to de li­vre ac­tu­a­ção das as­so­ci­a­ções sal­vo nos ca­sos e nas con­di­ções ex­pres­sa­men­te pre­vis­tos na lei”.

SE A SE­PA­RA­ÇÃO NÃO FI­CAR CLA­RA, O BAN­CO DE POR­TU­GAL DITARÁ “ME­DI­DAS ADI­CI­O­NAIS”

O ar­se­nal de ven­da: o pe­so da história, a men­sa­gem de que é pro­du­to sem risco e o cru­za­men­to com ser­vi­ços do ban­co

Em se­te bal­cões hou­ve uma ex­cep­ção hon­ro­sa: um fun­ci­o­ná­rio que ex­pli­cou (qua­se) tu­do à pri­mei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.