Saú­de

Mas is­so não in­vi­a­bi­li­za o pro­ce­di­men­to. Já se trans­plan­tam cri­an­ças de di­fe­ren­tes gru­pos san­guí­ne­os. Ain­da não em Por­tu­gal, mas os es­pe­ci­a­lis­tas ga­ran­tem que acon­te­ce­rá em bre­ve.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Lu­cí­lia Ga­lha

Trans­plan­tes car­día­cos nas cri­an­ças

Car­la nas­ceu sem o ven­trí­cu­lo es­quer­do, uma mal­for­ma­ção car­día­ca gra­ve e in­com­pa­tí­vel com a vi­da. Pa­ra os do­en­tes co­mo ela só exis­tem três op­ções: uma é não fa­zer na­da e dei­xar a do­en­ça se­guir o seu cur­so; ou­tra é fa­zer uma ope­ra­ção que ten­ta re­me­di­ar a si­tu­a­ção, re­di­rec­ci­o­nan­do o flu­xo san­guí­neo pa­ra que o ven­trí­cu­lo di­rei­to se­ja ca­paz de bom­be­ar o san­gue so­zi­nho (que, se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, não é uma so­lu­ção ideal); a ter­cei­ra é um trans­plan­te, que ra­ra­men­te acon­te­ce por­que não há ór­gãos dis­po­ní­veis. Con­tu­do, a be­bé es­pa­nho­la de 5 me­ses, com ape­nas cin­co qui­los, aca­bou por con­se­guir uma ou­tra (e iné­di­ta) so­lu­ção. No dia 9 de Ja­nei­ro, às 8h da ma­nhã, em Madrid, Car­la re­ce­beu um co­ra­ção, mas de um da­dor com um gru­po san­guí­neo in­com­pa­tí­vel com o seu – o que sub­ver­te um prin­cí­pio clás­si­co da trans­plan­ta­ção, a com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre o ór­gão trans­plan­ta­do e o hos­pe­dei­ro. O pro­ce­di­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio só foi pos­sí­vel por­que ti­ra par­ti­do da ima­tu­ri­da­de do sis­te­ma imu­ni­tá­rio. “Pen­sa-se que na pri­mei­ra in­fân­cia há uma ja­ne­la de to­le­rân­cia em que o sis­te­ma imu­ne não es­tá com­ple­ta­men­te de­sen­vol­vi­do, o que per­mi­te que es­tas cri­an­ças se aco­mo­dem me­lhor ao ór­gão”, ex­pli­ca à SÁ­BA­DO

Jo­sé Fra­ga­ta, di­rec­tor do De­par­ta­men­to de Co­ra­ção, Va­sos e Tó­rax do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Lis­boa Cen­tral. Apro­vei­tan­do-se des­ta cir­cuns­tân­cia, os mé­di­cos do Hos­pi­tal Gre­go­rio Ma­rañón, em Madrid, uti­li­za­ram uma téc­ni­ca pa­ra ilu­dir o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co de Car­la. Pri­mei­ro, atra­vés da má­qui­na co­ra­ção-pul­mão – que subs­ti­tui tem­po­ra­ri­a­men­te as fun­ções de ór­gãos vi­tais co­mo co­ra­ção e pul­mão – eli­mi­na­ram os (ain­da pou­cos) an­ti­cor­pos do seu gru­po san­guí­neo, pa­ra evi­tar que re­jei­tas­se o co­ra­ção que iria re­ce­ber, e de­pois fi­ze­ram-lhe uma trans­fu­são de um gru­po de san­gue com­pa­tí­vel tan­to com o da­dor co­mo com o re­cep­tor. O trans­plan­te de­mo­rou qua­tro ho­ras. Car­la foi o pri­mei­ro be­bé es­pa­nhol a be­ne­fi­ci­ar des­ta téc­ni­ca ino­va­do­ra mas, na Eu­ro­pa, Es­pa­nha foi o ter­cei­ro país a usá-la, de­pois da Ale­ma­nha e do Rei­no Uni­do. Na ver­da­de, a ideia de trans­plan­tar do­en­tes com gru­pos san­guí­ne­os di­fe­ren­tes co­me­çou a ser de­sen­vol­vi­da ain­da nos

NA PRI­MEI­RA IN­FÂN­CIA, O SIS­TE­MA IMU­NE NÃO ES­TÁ DE­SEN­VOL­VI­DO. AS CRI­AN­ÇAS ACOMODAM-SE ME­LHOR AO ÓR­GÃO

anos 90. Ra­zão: “Is­so ob­vi­a­men­te au­men­ta a ofer­ta de ór­gãos, por­que às ve­zes há co­ra­ções mas não são do mes­mo gru­po”, ex­pli­ca o ci­rur­gião car­di­o­to­rá­ci­co. Sa­ben­do que a trans­plan­ta­ção em cri­an­ças tem me­lho­res re­sul­ta­dos que em adul­tos – em mé­dia, 70% dos do­en­tes em ida­de pe­diá­tri­ca com trans­plan­te cardíaco es­tão vi­vos ao fim de 10 anos –, no iní­cio dos anos 2000, no Ca­na­dá, ar- ris­cou-se pe­la pri­mei­ra vez fa­zer es­te ti­po de trans­plan­te en­tre di­fe­ren­tes gru­pos san­guí­ne­os. “Cu­ri­o­sa­men­te, pa­ra sur­pre­sa de to­da a gen­te, per­ce­beu-se que es­tes do­en­tes não so­bre­vi­vem pi­or do que os ou­tros”, diz Jo­sé Fra­ga­ta. Ra­zão por que es­te ti­po de trans­plan­te se co­me­çou a fa­zer em be­bés até aos 2 anos (o pe­río­do da pri­mei­ra in­fân­cia), que têm uma ta­xa de an­ti­cor­pos (as cé­lu­las do san­gue que eli­mi­nam as cé­lu­las es­tra­nhas ao or­ga­nis­mo) mais bai­xa – com um sis­te­ma imu­ne mais dor­men­te do que as ou­tras.

O que di­fe­re é a “re­cei­ta”

O pro­ce­di­men­to em si é exac­ta­men­te igual, o que di­fe­re é a “re­cei­ta” – por­que o que tor­na pos­sí­vel a trans­plan­ta­ção são os me­di­ca­men­tos que fa­zem a re­gu­la­ção do sis­te­ma imu­ne, no­me­a­da­men­te dos lin­fó­ci­tos T, pa­ra que o ór­gão trans­plan­ta­do se­ja to­le­ra­do. “Aqui, o pro­to­co­lo de imu­nos­su­pres­são é mais se­ve­ro, de­pri­me-se mui­to a imu­ni­da­de no mo­men­to an­tes do trans­plan­te pa­ra que o do­en­te te­nha mai­or to­le­rân­cia”, de­ta­lha. Ape­sar de ain­da exis­ti­rem pou­cos ca­sos – es­ti­ma-se que se­jam cer­ca de 300 as cri­an­ças sub­me­ti­das a es­te ti­po de trans­plan­te nos Estados Uni­dos e na Aus­trá­lia –, os re­sul­ta­dos são bons. Tan­to a mor­ta­li­da­de co­mo a so­bre­vi­vên­cia são as mes­mas que num trans­plan­te con­ven­ci­o­nal (en­tre da­do­res com­pa­tí­veis). “O mais in­te­res­san­te é que a quan­ti­da­de de an­ti­cor­pos con­tra o co­ra­ção do da­dor [o me­ca­nis­mo de de­fe­sa que nos defende de tu­do o que é ex­ter­no] não au­men­ta com o tem­po, pe­lo con­trá­rio, man­tém-se es­tá­vel, en­tra-se num es­ta­do de to­le­rân­cia”, diz. Jo­sé Fra­ga­ta não tem dú­vi­das de que, mais ce­do ou mais tar­de, se co­me­ça­rá a fa­zer em Por­tu­gal. Já se ten­tou uma vez, num miú­do de 16 anos (já fo­ra do pe­río­do óp­ti­mo da pri­mei­ra in­fân­cia). Con­tu­do, o seu es­ta­do era tão gra­ve que an­tes da ci­rur­gia, na fa­se de de­pri­mir o sis­te­ma imu­ni­tá­rio, ele te­ve uma in­fec­ção e não re­sis­tiu. Por ano, os dois cen­tros que fa­zem trans­plan­ta­ção pe­diá­tri­ca em Por­tu­gal, o Hos­pi­tal de San­ta Marta e o Hos­pi­tal de San­ta Cruz, ope­ram em mé­dia ape­nas du­as cri­an­ças. Por is­so, o ci­rur­gião pre­fe­re não ar­ris­car já. “É me­nos ar­ris­ca­do pôr uma cri­an­ça li­ga­da a um co­ra­ção ar­ti­fi­ci­al [em 2005, Por­tu­gal foi pi­o­nei­ro nes­ta téc­ni­ca, que ga­nha tem­po] à es­pe­ra de um trans­plan­te do que ten­tar um he­te­ro­gru­pal [en­tre gru­pos san­guí­ne­os di­fe­ren­tes].”

OS DO­EN­TES QUE RECEBEM ÓR­GÃOS DE GRU­POS DE SAN­GUE INCOMPATÍVEIS COM O SEU NÃO SO­BRE­VI­VEM ME­NOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.