Fe­nó­me­no

O que é que Bu­kows­ki e Mark Man­son têm em co­mum? Fo­ram uns falhados – mas en­fim, “que se f*da”. Da­qui nas­ceu o li­vro mais ven­di­do em Por­tu­gal.

Sábado - - SUMÁRIO - PorMar­coAl­ves

O su­ces­so do li­vro mais ven­di­do em Por­tu­gal

Mark Man­son é o pri­mei­ro bestseller de 2018 em Por­tu­gal e con­se­gue-o com uma sim­ples ca­pa la­ran­ja, só com pa­la­vras e um tí­tu­lo pro­vo­ca­dor: A Ar­te Subtil de Sa­ber

Di­zer que Se F*da. A edi­ção por­tu­gue­sa é igual à ori­gi­nal, ame­ri­ca­na, de 2016, com um sal­pi­co no que se

f*da (no ori­gi­nal: not gi­ving a f*ck)

Mark Man­son as­su­me-se mais ou me­nos con­tun­den­te, por­que o sal­pi­co no f*ck eno f*da en­cur­ta-lhe a es­pa­da. Mas a mai­or es­tra­nhe­za tal­vez se­ja o fac­to de A Ar­te Subtil

de Sa­ber Di­zer que Se F*da par­tir de um pres­su­pos­to in­te­res­san­te – o com­ba­te à pra­ga dos li­vros de au­to-aju­da –, mas de­pois, ao be­ber o que o au­tor escreve, o lei­tor fi­car com a sen­sa­ção de que aca­bou de ler um li­vro de au­to-aju­da. Que­ren­do com­ba­ter a au­to-aju­da, co­mo ex­pli­car o pós-tí­tu­lo “Uma abor­da­gem con­tra-in­tui­ti­va pa­ra vi­ver uma vi­da me­lhor”? Co­mo ex­pli­car que os ar­ti­gos que escreve se­jam cre­di­ta­dos co­mo “that can

chan­ge your li­fe” (que po­dem mu­dar a sua vi­da)?

Mark Man­son não es­tá a dar en­tre­vis­tas, não sen­do por is­so pos­sí­vel des­fa­zer o even­tu­al equí­vo­co. Po­der-se-ia per­gun­tar-lhe se não es­tá a acon­te­cer con­si­go o fe­nó­me­no “pe­la bo­ca mor­re o pei­xe” – em por­tu­guês mes­mo, por­que Mark per­ce­be­ria (ver cai­xa).

Não se­ria uma per­gun­ta que o dei­xas­se em­ba­ra­ça­do, por­que Man­son tra­ba­lha so­bre a re­de da au­to­des­res­pon­sa­bi­li­za­ção – “Sou ape­nas um ti­po que lê mui­to, e que não le­va a sé­rio na­da do que diz”. É o mes­mo que acon­te­ce quan­do Ri­car­do Araú­jo Pereira diz que é só um pa­te­ta ou quan­do Pe­dro Cha­gas Freitas diz que é só um ga­jo que escreve ce­nas.

Acei­tar o fra­cas­so

Tal co­mo não ha­ve­ria pro­ble­mas se João Mou­ti­nho fa­lhas­se aque­le pe­nalty do Eu­ro­peu de­pois de ou­vir Cris­ti­a­no Ro­nal­do di­zer-lhe que “se per­der­mos que se fo­da”, es­te li­vro co­me­ça com um fa­lhan­ço as­su­mi­do – Char­les Bu­kows­ki, o es­cri­tor “al­coó­li­co, mu­lhe­ren­go, vi­ci­a­do em jogo, mal­cri­a­do, pa­ra­si­ta, va­dio”, que só con­se­guiu que lhe pu­bli­cas­sem um li­vro aos 50 anos. Man­son diz que o su­ces­so de Bu­kows­ki ad­veio de não ten­tar pa­re­cer o que não era, de se as­su­mir co­mo um fa­lha­do e de se sen­tir con­for­tá­vel nes­sa pe­le, de se ba­se­ar nis­so pa­ra es­cre­ver.

Es­ta é a li­ção – não fin­gir, acei­tar o fra­cas­so. “A cul­tu­ra ac­tu­al es­tá ob­ses­si­va­men­te fo­ca­da em ex­pec­ta­ti­vas po­si­ti­vas ir­re­a­lis­tas, tre­tas po­si­ti­vas e fe­li­zes de au­to-aju­da que es­ta­mos sem­pre a ou­vir, fo­ca­das na­qui­lo que nos fal­ta, aqui­lo que não so­mos, aqui­lo que de­vía­mos ter si­do mas não con­se­gui­mos ser.”

O gran­de pro­ble­ma é que é o pró­prio Mark Man­son que pa­re­ce pas­sar es­sas “ex­pec­ta­ti­vas po­si­ti­vas ir-

“A CUL­TU­RA AC­TU­AL ES­TÁ FO­CA­DA NAS TRE­TAS PO­SI­TI­VAS E FE­LI­ZES DA AU­TO-AJU­DA”

re­a­lis­tas “quan­do ex­põe – e fá-lo mui­tas ve­zes, pa­ra sus­ten­tar as te­o­ri­as – a sua cur­ta mas já tre­men­da vi­da de 33 anos.

Um dos me­lho­res exem­plos acon­te­ce quan­do Man­son diz que se de­mi­tiu do seu pri­mei­ro em­pre­go, num ban­co, por­que não era fe­liz. A men­sa­gem é cla­ra: o lei­tor que fa­ça o mes­mo. Se não con­se­guir, o mais pro­vá­vel, a con­sequên­cia é um dos pro­ble­mas dos li­vros de au­to-aju­da que o pró­prio Man­son iden­ti­fi­ca: “Re­for­çam a per­cep­ção de in­fe­ri­o­ri­da­de e cul­pa.”

De­pois, Man­son te­ve al­guns ne­gó­ci­os na In­ter­net, es­te­ve “fa­li­do vá­ri­as ve­zes”, ven­deu tu­do o que ti­nha, dor­miu inú­me­ras noi­tes no so­fá de ami­gos e an­dou a cor­rer mun­do – “mais de 60 paí­ses” –, até per­ce­ber que a sua pai­xão era es­cre­ver so­bre Fi­lo­so­fia e Psicologia, as­sun­tos que lhe in­te­res­sa­vam des­de pe­tiz. “En­quan­to os ou­tros miú­dos an­da­vam a ou­vir Backs­tre­et Boys e a ver a MTV, eu lia Ni­etzs­che.” Que lei­tor – ino­cen­te­men­te ocu­pa­do a brin­car aos ber­lin­des na in­fân­cia – não se sen­ti­rá ago­ra in­fe­ri­or de­pois de ler is­to?

Pe­lo meio, Man­son apren­deu três ou qua­tro lín­guas, fez sur­fe io­ga, dan­çou tan­go, es­ca­lou vul­cões, can­tou, riu, cho­rou, fez amor com mui­tas mu­lhe­res, di­ver­tiu-se, foi uma gran­de fes­ta, foi tu­do com pou­co di­nhei­ro, pa­re­ce que não se per­ce­be mui­to bem por­que é que qual­quer um de nós não ha­ve­rá de fa­zer o mes­mo.

Hou­ve mais: “Os meus pais de­ci­di­ram di­vor­ci­ar-se. Con­to tu­do is­to ape­nas pa­ra sa­li­en­tar que a mi­nha ado­les­cên­cia foi mi­se­rá­vel. Perdi to­dos os meus ami­gos, a mi­nha co­mu­ni­da­de, os meus di­rei­tos le­gais e a mi­nha fa­mí­lia num es­pa­ço de no­ve me­ses.”

A men­sa­gem con­ti­nua cla­ra: ele che­gou on­de che­gou (é um

bestseller – ven­deu dois mi­lhões) e no en­tan­to te­ve a co­ra­gem de co­me­çar do zero e pas­sou por inú­me­ras ad­ver­si­da­des, mas fo­ram es­sas ad­ver­si­da­des que o le­va­ram aon­de es­tá ho­je, por is­so “a adversidade e o fra­cas­so são re­al­men­te úteis e até ne­ces­sá­ri­os pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de adul­tos men­tal­men­te for­tes e bem-su­ce­di­dos”, por is­so de­ve adop­tar-se o es­ti­lo que se f*da, por­que is­so re­sul­tou com ele. E so­bre­tu­do é pre­ci­so sa­ber que “o pra­zer é óp­ti­mo, mas é um va­lor pés­si­mo pa­ra se tor­nar a pri­o­ri­da­de da nos­sa vi­da”.

Man­son pa­re­ce ig­no­rar quão in­jus­to é usar a sua história, bem co­mo as his­tó­ri­as de per­so­na­li­da­des co­mo Bu­kows­ki. Ain­da que se­ja ten­ta­dor co­me­çar do zero de Bu­kows­ki (ál­co­ol, mu­lhe­res, jogo e va­di­a­gem), ha­ve­ria de­pois o pro­ble­ma de não ter um ta­len­to es­con­di­do, co­mo Bu­kows­ki ti­nha. Não o ten­do, o exem­plo de Bu­kows­ki va­le en­tão o que sem­pre va­leu: zero. São por­me­no­res. Ou, co­mo di­ria Mark Man­son, mer­das. “Aon­de quer que va­mos, há 200 qui­los de mer­da à nos­sa es­pe­ra. E is­so não tem pro­ble­ma ne­nhum. A ques­tão não é fu­gir da mer­da, é des­co­brir a mer­da com que gos­ta­mos de li­dar.”

“A ADVERSIDADE E O FRA­CAS­SO SÃO RE­AL­MEN­TE ÚTEIS. O PRA­ZER É UM VA­LOR PÉS­SI­MO”

A vi­da do es­cri­tor ame­ri­ca­no Char­les Bu­kows­ki (1920-1994) é o pon­to de par­ti­da des­te li­vro

Man­son já ti­nha lançado um li­vro, em 2011. Mo­dels en­si­na­va ho­mens a con­quis­tar mu­lhe­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.