Estudo

Se pu­bli­ca fo­to­gra­fi­as em po­ses sexy, en­via SMS ou­sa­dos ou faz sem­pre gos­to na pá­gi­na da­que­le co­le­ga, en­tão é ca­so pa­ra di­zer que sim.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ana Ca­ta­ri­na An­dré

Se­rá que an­da a fa­zer mi­cro­che­a­ting?

São 11 da noi­te. Es­tá há uma ho­ra no chat do Fa­ce­bo­ok a con­ver­sar com uma co­le­ga de tra­ba­lho, en­quan­to a sua com­pa­nhei­ra es­tá a ver uma sé­rie na te­le­vi­são, tão en­tre­ti­da que nem re­pa­ra. En­quan­to con­ver­sam, já viu as fo­to­gra­fi­as de per­fil de­la, fez gos­to em al­gu­mas e co­men­tou ou­tras. Per­gun­ta: ain­da que à pri­mei­ra vis­ta se­jam ac­ções ino­fen­si­vas, es­tá ou não a co­me­ter in­fi­de­li­da­de? Res­pos­ta: tal­vez. Tu­do tem a ver com a frequên­cia, a in­ten­ção ou as con­sequên­ci­as des­se com­por­ta­men­to. Es­te fe­nó­me­no am­bí­guo tem um no­me, diz à SÁ­BA­DO o psi­có­lo­go bri­tâ­ni­co Mar­tin Graff, da Uni­ver­si­da­de de South Wa­les, no País de Ga­les: mi­cro­che­a­ting. Em por­tu­guês, mi­cro­trai­ção. É, se­gun­do ele, uma no­va for­ma de in­fi­de­li­da­de da era di­gi­tal: “O mi­cro­che­a­ting é um com­por­ta­men­to in­ter­mé­dio, em que a pes­soa não es­tá a trair de fac­to, mas pos­si­vel­men­te tem es­sa in­ten­ção.”

O es­pe­ci­a­lis­ta cla­ri­fi­ca: “São pe­que­nos si­nais que de­no­tam que al­guém es­tá in­te­res­sa­do nou­tra pes­soa.” Se an­tes es­ses pe­que­nos in­dí­ci­os de flirt se re­su­mi­am a elo­gi­ar de­ma­si­a­do um co­le­ga no tra­ba­lho, com as re­des so­ci­ais o le­que de pos­si­bi­li­da­des au­men­tou. “Nos úl­ti­mos 10 anos, pas­sá­mos a po­der es­tar em con­tac­to com mais pes­so­as. A for­ma co­mo nos re­la­ci­o­na­mos mu­dou. E se is­so tem van­ta­gens – po­de­mos es­tar em con­tac­to com ami­gos que vi­vem lon­ge –, tam­bém pro­pi­cia no­vas for­mas de in­fi­de­li­da­de”, afir­ma o psi­có­lo­go. SMS in­si­nu­an­tes, co­men­tá­ri­os e gos­tos nas re­des so­ci­ais co­me­ça­ram a fa­zer par­te do dia-a-dia de al­gu­mas pes­so­as, ob­ser­va.

Com o apa­re­ci­men­to do fe­nó­me­no, mul­ti­pli­ca­ram-se tam­bém os es­tu­dos so­bre o te­ma. Um dos mais re­cen­tes foi con­du­zi­do por Mar­tin Graff e con­cluiu que o mi­cro­che­a­ting in­co­mo­da mais as mu­lhe­res do que os ho­mens. “Per­ce­be­mos tam­bém que, quan­do as in­te­rac­ções com ter­cei­ros ocor­rem à noi­te, a per­cep­ção de mi­cro­che­a­ting é mai­or”, re­fe­re o psi­có­lo­go. As con­clu­sões do seu tra­ba­lho se­rão pu­bli-

ca­das em bre­ve no Jour­nal of Per­so­nal and So­ci­al Re­la­ti­onships. Pa­ra que não res­tem dú­vi­das so­bre­o­queéo mi­cro­che­a­ting, dei­xa­mos-lhe um guia de com­por­ta­men­to. Pa­ra co­me­çar, e se não quer ser de to­do as­so­ci­a­do ao fe­nó­me­no, es­que­ça o Tin­der.

Gos­tos em fotos an­ti­gas

Pas­sa os di­as a con­sul­tar o per­fil de ou­tra pes­soa? Faz gos­tos em posts ou ima­gens pu­bli­ca­das há mais de um ano? Os ado­les­cen­tes cha­mam a es­tas ati­tu­des de­ep li­ke (gos­to pro­fun­do), um com­por­ta­men­to que de­mons­tra in­te­res­se pe­lo pas­sa­do de ou­tros. “Não é tan­to a acção em si que indicia trai­ção”, diz Mar­tin Graff. “É a in­ten­ção. Se pa­ra si is­so sig­ni­fi­ca es­pe­ci­al in­te­res­se por ou­tra pes­soa que não o seu parceiro, tra­ta-se de mi­cro­che­a­ting”, ga­ran­te.

Uti­li­za­roTin­der h A uti­li­za­ção des­ta apli­ca­ção que per­mi­te co­nhe­cer no­vas pes­so­as é pro­va­vel­men­te um dos prin­ci­pais in­dí­ci­os de mi­cro­che­a­ting. “Se sou­ber que o seu parceiro uti­li­za o Tin­der, vai per­gun­tar-lhe porquê, cer­to? Não há gran­de dú­vi­da aqui das in­ten­ções as­so­ci­a­das ao uso da app.” E acres­cen­ta: “Di­rei que quem tem parceiro não tem ne­ces­si­da­de de usar es­te ti­po de tecnologia.”

Sel fi­es em po­ses ou­sa­das h Se usa o Fa­ce­bo­ok e o Ins­ta­gram pa­ra pu­bli­car, com frequên­cia, fo­to­gra­fi­as su­as em po- ses sexy, é pa­ra cha­mar a aten­ção de quem? A res­pos­ta a es­ta ques­tão po­de evi­den­ci­ar uma pe­que­na for­ma de trai­ção. Se pas­sa a vi­da a que­rer mos­trar a sua me­lhor fo­to­gra­fia ao mun­do – e não ape­nas ao seu com­pa­nhei­ro ou com­pa­nhei­ra – is­so po­de re­ve­lar in­sa­tis­fa­ção em re­la­ção ao seu re­la­ci­o­na­men­to.

Emo­ji­se­mex­ces­so h De­ma­si­a­dos emo­jis sor­ri­den­tes, a pis­car o olho ou com co­ra­ções po­dem de­mons­trar “in­te­res­se ex­ces­si­vo” por ou­tra pes­soa. “Na co­mu­ni­ca­ção on­li­ne per­de-se a co­mu­ni­ca­ção não ver­bal. Não po­de­mos ver a ca­ra do ou­tro, os seus ges­tos”, ex­pli­ca Mar­tin Graff. “Os emo­jis são a úni­ca ma­nei­ra de jun­tar al­gu­ma for­ma de ex­pres­sãod asem oçõesà con­ver­sa. Ain­da as­sim,é pre­ci­sos abe­ru sá-los. Mui­tas ve­zes são am­bí­guos e le­vam a in­ter­pre­ta­ções er­ra­das da par­te de quem os re­ce­be.” Por is­so, é me­lhor es­que­cer os co­ra­ções ou os emo­jis que pis­cam o olho.

De­ma­si­a­das pes­qui­sas h Se as pri­mei­ras pu­bli­ca­ções que lhe apa­re­cem no Fa­ce­bo­ok são sem­pre da mes­ma pes­soa – e es­sa­pes soa nãoéa­su ana mo­ra­da ou na­mo­ra­do–is­so sig­ni­fi­ca que “con­sul­ta com de­ma­si­a­da frequên­cia” o seu per­fil e faz mui­tos gos­tos e co­men­tá­ri­os nas su­as pu­bli­ca­ções. Mas is­to não quer di­zer que de­ve ir a cor­rer fa­zer uma in­ves­ti­ga­ção ao Fa­ce­bo­ok do seu com­pa­nhei­ro/a. “Quan­do há con­fi­an­ça na re­la­ção, não há ne­ces­si­da­de de con­tro­lar o que o ou­tro faz.”

Men­sa­gens a to­da a ho­ra h Pas­sa a vi­da a re­ce­ber no­ti­fi­ca­ções de men­sa­gens no WhatsApp, Mes­sen­ger ou SMS, e são sem­pre da mes­ma pes­soa? Fa­la-lhe das an­gús­ti­as, mas tam­bém das ale­gri­as? E o seu parceiro não sa­be de na­da? Aqui há pou­co lu­gar pa­ra am­bi­gui­da­des: é mes­mo mi­cro­che­a­ting, uma pe­que­na trai­ção.

“SE SOU­BER QUE O SEU PARCEIRO USA O TIN­DER, VAI PER­GUN­TAR-LHE PORQUÊ, CER­TO?” “NÃO É TAN­TO A ACÇÃO EM SI QUE INDICIA TRAI­ÇÃO. É A IN­TEN­ÇÃO”, DIZ O PSI­CÓ­LO­GO

Tro­car de­ma­si­a­das men­sa­gens com uma ter­cei­ra pes­soa po­de in­di­ci­ar mi­cro­che­a­ting

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.