Gutt­mann

In­ven­ta­va cláu­su­las mi­li­o­ná­ri­as nos con­tra­tos, fez for­tu­na a ven­der ál­co­ol ile­gal, foi pro­fes­sor de dança, fu­giu aos na­zis es­con­di­do num só­tão, e atro­pe­lou mor­tal­men­te um es­tu­dan­te.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Car­los Tor­res

A vi­da in­crí­vel do ho­mem que amal­di­ço­ou o Ben­fi­ca

Ir­ri­ta­do por não lhe da­rem o au­men­to de 65% que acha­va me­re­cer após ter le­va­do o Ben­fi­ca a ga­nhar du­as Ta­ças dos Campeões Eu­ro­peus, Bé­la Gutt­mann foi pa­ra o Uru­guai trei­nar o Peña­rol, cam­peão sul-ame­ri­ca­no, e ex­cla­mou: “Nem da­qui a 100 anos o Ben­fi­ca vol­ta­rá a ser cam­peão eu­ro­peu.” Len­da ou re­a­li­da­de, a ver­da­de é que des­de que ele lan­çou es­sa mal­di­ção, em 1962, o Ben­fi­ca nun­ca mais ven­ceu uma pro­va eu­ro­peia (che­gou a oi­to fi­nais, cin­co na Ta­ça dos Campeões, uma na Ta­ça UEFA e du­as na Li­ga Eu­ro­pa, e per­deu to­das). Es­te é um dos mais fa­mo­sos epi­só­di­os da vi­da de Gutt­mann, que pa­ra mui­tos foi o pre­cur­sor dos trei­na­do­res-es­tre­la, ao es­ti­lo de Jo­sé Mou­ri­nho ou Pep Gu­ar­di­o­la. Com ba­se no li­vro Bé­la Gutt­mann – de so­bre­vi­ven­te do Ho­lo­caus­to a gló­ria do Ben­fi­ca, es­cri­to pe­lo in­glês David Bol­cho­ver (vai ser pu­bli­ca­do em Por­tu­gal a 20 de Fe­ve­rei­ro), fi­cam aqui al­gu­mas his­tó­ri­as.

Fu­gir do Ter­ror Branco

Bé­la Gutt­mann co­me­çou a jo­gar em 1917, com 18 anos, no Tö­rek­vés, um pe­que­no clu­be de Bu­da­pes­te, por in­fluên­cia do ir­mão Ár­min, fu­te­bo­lis­ta e pro­fes­sor de dança. Em 1921, foi cam­peão hún­ga­ro no MTK, mas che­gou a pôr em risco es­se triun­fo: co­mo já ti­nha fei­to um jogo pe­lo Péc­si, na II Di­vi­são (não era per­mi­ti­do re­pre­sen­tar clu­bes di­fe­ren­tes na mes­ma épo­ca), o MTK es­te­ve qua­se a per­der pon­tos. Gutt­mann ale­gou que se es­que­ce­ra do ca­so e tu­do fi­cou re­sol­vi­do com um pe­di­do de des­cul­pas. Mé­dio ta­len­to­so, mu­dou-se de­pois pa­ra a Áus­tria, pa­ra o Ha­ko­ah Vi­e­na (um clu­be só de ju­deus), pa­ra es­ca­par ao Ter­ror Branco (es­pan­ca­men­to e as­sas­si­na­to de ju­deus na Hun­gria), e en­tre 1926 e 1932 es­te­ve nos EUA, no New York Gi­ants. Fez for­tu­na co­mo jo­ga­dor (ga­nha­va o tri­plo de um tra­ba­lha­dor do sec­tor pri­va­do) e tam­bém nos ne­gó­ci­os (ti­nha um bar clan­des­ti­no de ven­da ile­gal de ál­co­ol), mas per­deu tu­do com o crash da Bol­sa, em 1929. Re­gres­sou a Vi­e­na, qua­se na mi­sé­ria, aca­ban­do a car­rei­ra de fu­te­bo­lis­ta no Ha­ko­ah, em 1933. De­ci­diu fa­zê-lo após um jogo con­tra o Ra­pid Vi­e­na em que sen­tiu “as per­nas pe­sa­das co­mo chum­bo”.

Cláu­su­la mi­li­o­ná­ria no Ben­fi­ca

Co­me­çou a car­rei­ra de trei­na­dor no Ha­ko­ah Vi­e­na (1933) e nas du­as pri­mei­ras épo­cas es­ca­pou à des­ci­da por pou­co. Em 1935, foi pa­ra a Ho­lan­da, pa­ra o Ens­che­de (ho­je Twen­te), e aí ins­ti­tuiu pe­la pri­mei­ra vez

EM NO­VA IOR­QUE, FEZ FOR­TU­NA COM A VEN­DA ILE­GAL DE ÁL­CO­OL. PER­DEU TU­DO NO CRASH DE 1929

as fa­mo­sas cláu­su­las mi­li­o­ná­ri­as nos con­tra­tos.

Pe­diu um bó­nus cho­ru­do ca­so fos­se cam­peão e o pre­si­den­te (num cam­pe­o­na­to do­mi­na­do por Ajax, PSV e Feye­no­ord) acei­tou sem he­si­tar. Mas de­pois pas­sou os jo­gos da fa­se fi­nal a re­zar pa­ra que is­so não acon­te­ces­se (o Ens­che­de fi­ca­ria em 2º, a dois pon­tos do Feye­no­ord) por­que com o que te­ria de pa­gar ao trei­na­dor, o clu­be iria à fa­lên­cia. Gutt­mann fez o mes­mo no Ben­fi­ca, em 1959: exi­giu 200 con­tos (me­ta­de do or­de­na­do anu­al) se fos­se cam­peão eu­ro­peu. O pre­si­den­te, Mau­rí­cio de Bri­to, achan­do aqui­lo im­pro­vá­vel, ter-lhe-á di­to: “Se qui­ser, po­nha aí 300.” Re­sul­ta­do: foi bi­cam­peão eu­ro­peu.

Fu­gi­ra os na­zis num só­tão

Ain­da ho­je é um mis­té­rio o que acon­te­ceu a Gutt­mann du­ran­te os anos da II Guer­ra Mun­di­al – ele qua­se não fa­lou dis­so. Em to­do o la­do se re­fe­re que ele te­rá fu­gi­do pa­ra a Suí­ça, mas o au­tor do li­vro, David Bol­cho­ver, após ter fa­la­do com dois so­bri­nhos do téc­ni­co (Pál e Im­re), con­cluiu que ele não saiu da Hun­gria. Dei­xou o car­go de trei­na­dor do Új­pest, em 1939, por ser ju­deu, e tor­nou-se “con­se­lhei­ro se­cre­to” do pre­si­den­te: ana­li­sa­va as exi­bi­ções da equi­pa e au­xi­li­a­va o téc­ni­co, La­jos Lutz. Te­rá es­ca­pa­do aos na­zis com a aju­da do ir­mão de Ma­ri­ann (fu­tu­ra mu­lher), que o es­con­deu du­ran­te dois anos num es­pa­ço por ci­ma do seu sa­lão de ca­be­lei­rei­ro, em Új­pest. O sobrinho de Ma­ri­ann, Pál Mol­do­ványi, con­tou: “Ha­via uma escada que le­va­va ao só­tão, que fi­ca­va lá atrás e mal se via. Os na­zis eram preguiçosos e nas bus­cas nun­ca su­bi­ram os 40 degraus po­ei­ren­tos. O meu pai sem­pre que lá ia le­va­va uma pran­cha de ma­dei­ra, pa­ra não le­van­tar pó do chão e não dei­xar pe­ga­das.” De­pois de qua­se ter si­do apa­nha­do por du­as ve­zes, no Ve­rão de 1944 aca­ba­ria por se apre­sen­tar num cam­po de tra­ba­lhos for­ça­dos, em Vác. Gutt­mann con­tou mais tar­de, nu­ma entrevista, que ao sa­be­rem que iam ser en­vi­a­dos de com­boio pa­ra os cam­pos de ex­ter­mí­nio dos na­zis, em De­zem­bro de 1944, ele e mais qua­tro con­se­gui­ram fu­gir. Pa­ra on­de? Ele não dis­se: “O que in­te­res­sa é que me sal­vei, por­que hou­ve gen­te boa que cor­reu ris­cos e me es­con­deu.”

“OS NA­ZIS ERAM PREGUIÇOSOS E NUN­CA SU­BI­RAM OS 40 DEGRAUS QUE LE­VA­VAM AO SÓ­TÃO” ON­DE ES­TA­VA GUTT­MANN

Atro­pe­la­men­to mor­tal e fu­ga

Em Itá­lia, pro­ta­go­ni­zou um epi­só­dio trágico. A 2 de Abril de 1955, seis se­ma­nas após ser des­pe­di­do do AC Milan, Gutt­mann, que não ti­nha car­ta, con­du­zia um car­ro ame­ri­ca­no em­pres­ta­do por um ami­go quan­do, num cru­za­men­to, per­deu o con­tro­lo e atro­pe­lou dois es­tu­dan­tes. Um de­les, Giu­li­a­no Bre­ne, de 17 anos, te­ve mor­te ime­di­a­ta. O do­no do car­ro, que ia ao la­do de Gutt­mann, era Dezsö Sol­ti, empresário te­a­tral que se sus­pei­ta ter es­ta­do li­ga­do a su­bor­nos de ár­bi­tros em fa­vor do Inter Mi­lão e da Ju­ven­tus. Após o aci­den­te, fu­gi­ram, mas Sol­ti se­ria de­ti­do nos Al­pes aus­tría­cos. Ini­ci­al­men­te, as­su­miu a cul­pa, mas mais tar­de, con­fron­ta­do com a ver­são de vá­ri­as tes­te­mu­nhas, ad­mi­tiu que era Gutt­mann o con­du­tor e que ape­nas o es­ta­va a pro­te­ger – o téc­ni­co, en­tre­tan­to, mu­dou-se pa­ra o Hón­ved de Bu­da­pes­te e de­pois pa­ra o São Pau­lo. O pro­ces­so ar­ras­tou-se nos tri­bu­nais. Em 1960, Gutt­mann foi jul­ga­do à re­ve­lia e con­de­na­do a seis me­ses por ho­mi­cí­dio e fe­ri­men­tos por ne­gli­gên­cia, mas com pe­na sus­pen­sa se pa­gas­se uma in­dem­ni­za­ção de 4 mi­lhões de li­ras às famílias, o que ele te­rá acei­ta­do (era me­nos de me­ta­de de um ano de ven­ci­men­to no Ben­fi­ca). Bé­la Gutt­mann nun­ca fa­lou des­te epi­só­dio.

Trei­na­dor :“do­ma­dor de leões”

Nos mé­to­dos de trei­no e nos mind

ga­mes, Gutt­mann foi um Mou­ri­nho mui­to an­tes de Mou­ri­nho. O mes­mo acon­te­ceu na for­ma co­mo cau­sa­va ra­pi­da­men­te ero­são e atri­tos nos jo­ga­do­res e di­ri­gen­tes dos clu­bes por on­de pas­sa­va. “Du­ran­te a pri­mei­ra épo­ca o trei­na­dor tra­ba­lha em paz. A se­gun­da é mais di­fí­cil. E a ter­cei­ra é fa­tal”, dis­se Gutt­mann, que en­tre 1945 e 1967 mu­dou de clu­be 17 ve­zes – só es­te­ve mais de du­as épo­cas se­gui­das no Ben­fi­ca (1959 a 1962). “Um trei­na­dor é co­mo um do­ma­dor de leões. Con­se­gue do­mi­nar os ani­mais des­de que de­mons­tre se­gu­ran­ça e não te­nha me­do.” No Ben­fi­ca, dis­se: “Se al­gum dos meus jo­ga­do­res não es­ti­ver dis­pos­to a fa­zer os sa­cri­fí­ci­os ne­ces­sá­ri­os, po­de ir tra­ba­lhar pa­ra uma fá­bri­ca de con­ser­vas.” Era fã do fu­te­bol de ata­que: no São Pau­lo (1957), a sua tác­ti­ca era “pá, pá, pum”. Is­to é, da­vam dois to­ques na bo­la e re­ma­ta­vam. Foi ele que in­tro­du­ziu o es­que­ma de 4-2-4 que le­vou o Bra­sil ao tí­tu­lo no Mun­di­al 58. No Ben­fi­ca, ao ver a qua­li­da­de dos avan­ça­dos, co­men­tou: “Te­mos de usar um es­que­ma que con­tem­ple cin­co ata­can­tes.” E, no FC Por­to, avi­sou: “En­quan­to eu aqui es­ti­ver, os avan­ça­dos que não re­ma­tem não jo­gam.” Ti­nha uma téc­ni­ca pa­ra con­tro­lar o bal­neá­rio: hos­ti­li­zar a es­tre­la, pa­ra mos­trar que nin­guém es­ta­va aci­ma da sua au­to­ri­da­de. Fez is­so no Kis­pest (1948), quan­do Pus­kás lhe de­so­be­de­ceu; no FC Por­to (foi cam­peão, em 1959), quan­do de­ci­diu afas­tar Pe­dro­to; e no Ben­fi­ca (1962), quan­do Eu­sé­bio cri­ti­cou Jo­sé Águas: “Po­des ser a mai­or es­tre­la, mas se não mos­tras res­pei­to pe­los teus com­pa­nhei­ros, dou-te um pon­ta­pé no ra­bo e vol­tas pa­ra Mo­çam­bi­que.”

CRI­TI­COU EU­SÉ­BIO: “SE NÃO MOS­TRAS RES­PEI­TO, DOU-TE UM PON­TA­PÉ NO RA­BO E VOL­TAS PA­RA MO­ÇAM­BI­QUE”

Gutt­mann (a aper­tar os ata­ca­do­res) na equi­pa só de ju­deus do Ha­ko­ah Vi­e­na, on­de jo­gou en­tre 1922 e 1926

Bi­cam­peão eu­ro­peu no Ben­fi­ca, saiu por­que que­ria mais di­nhei­ro. Vol­tou em 1965, mas sem su­ces­so. Cri­ti­cou to­da a gen­te, até Eu­sé­bio, que ti­nha um es­ti­lo de vi­da “pou­co sau­dá­vel”

Com a mu­lher, Ma­ri­ann, com quem ca­sou em 1945

Bé­la Gutt­mann (esq.) com o pai, Abraham, e o ir­mão, Ár­min, co­le­ga de equi­pa no Tö­rek­vés, o seu pri­mei­ro clu­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.