Os se­nho­res do se­gre­do eo The Post

Sábado - - DO DIRECTOR - Di­rec­tor Edu­ar­do Dâ­ma­so

Uma das mai­o­res hi­po­cri­si­as no de­ba­te pú­bli­co so­bre a jus­ti­ça es­tá na for­ma co­mo a vi­o­la­ção do se­gre­do se tor­nou um cri­me ex­clu­si­vo de jor­na­lis­tas. É co­mo se não exis­tis­se mais na­da, nem mais nin­guém. Aque­les po­lí­ti­cos que não que­rem ser ob­jec­to de qual­quer es­cru­tí­nio, se­ja da jus­ti­ça ou do jor­na­lis­mo, de­sen­vol­vem com to­tal im­pu­ni­da­de es­tra­té­gi­as de vi­ti­mi­za­ção que, en­tre ou­tras coi­sas, es­con­dem as su­as pró­pri­as vi­o­la­ções do se­gre­do. E pa­ra is­so con­tam com um ver­da­dei­ro exér­ci­to de ad­vo­ga­dos, co­men­ta­do­res fa­bri­ca­dos nos bas­ti­do­res do po­der, que vêm de um obs­cu­ro pas­sa­do co­mo “em­pre­sá­ri­os” ou mes­mo “mer­ce­ei­ros”, na lin­gua­gem dos pró­pri­os, e são me­ti­dos a ca­va­lo em pro­gra­mas de de­ba­te nas te­le­vi­sões e jor­nais ami­gos.

São já mui­tos os ca­sos que evi­den­ci­am es­sa re­a­li­da­de, da Fa­ce Ocul­ta, em que o cha­ma­do “ne­gó­cio PT/TVI” nun­ca foi in­ves­ti­ga­do por de­ci­são su­pe­ri­or no Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e na Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da República e os in­ves­ti­ga­do­res e ma­gis­tra­dos des­se pro­ces­so fo­ram quei­ma­dos na pra­ça pública pe­los novos in­qui­si­do­res de mi­cro­fo­ne na la­pe­la e ca­ne­ta ven­di­da. Nes­te pro­ces­so, os sus­pei­tos sou­be­ram que es­ta­vam a ser in­ves­ti­ga­dos e mu­da­ram de te­le­fo­nes e de lin­gua­gem. A vi­o­la­ção par­tiu não da in­ves­ti­ga­ção – co­mo é ób­vio – mas do co­ra­ção do sis­te­ma ju­di­ci­al, atra­vés de al­guém que fez che­gar o se­gre­do aos ami­gos que ti­nha no go­ver­no de Só­cra­tes. Ain­da no Fa­ce Ocul­ta, um dos ar­gui­dos ti­nha uma “tou­pei­ra” que ace­dia à in­for­ma­ção in­ter­na da PJ, téc­ni­ca que, ao que pa­re­ce, se vai re­pe­tir ago­ra nos pro­ces­sos que en­vol­vem o Ben­fi­ca. No fu­te­bol, aliás, a coi­sa não é no­va. Bas­ta lem­brar o cé­le­bre fim de se­ma­na de Pin­to da Cos­ta em Es­pa­nha pa­ra evi­tar a de­ten­ção no Api­to Dou­ra­do. Foi bem de den­tro do apa­re­lho da jus­ti­ça que um pro­vi­den­ci­al ami­go aju­dou. Sem es­que­cer, cla­ro, Fá­ti­ma Fel­guei­ras na sua fu­ga pa­ra o Bra­sil, que te­rá si­do mo­ti­va­da por voz ami­ga num Tri­bu­nal da Re­la­ção.

No pro­ces­so Vis­tos Dou­ra­dos os sus­pei­tos sou­be­ram que es­ta­vam a ser in­ves­ti­ga­dos e pro­cu­ra­ram mo­bi­li­zar ami­za­des po­lí­ti­cas e ju­di­ci­ais. No ca­so Marquês, os sus­pei­tos fo­ram aler­ta­dos 10 me­ses an­tes das de­ten­ções, quan­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­diu ao BES in­for­ma­ção fi­nan­cei­ra so­bre Car­los San­tos Silva. Nes­te cri­me, po­rém, só há jor­na­lis­tas in­di­ci­a­dos, acu­sa­dos e, no pas­sa­do, con­de­na­dos, em­bo­ra o Es­ta­do por­tu­guês te­nha de­pois si­do con­de­na­do no Tri­bu­nal Eu­ro­peu, evi­den­ci­an­do a ini­qui­da­de dos pro­ces­sos re­a­li­za­dos por cá. Po­lí­ti­cos, ban­quei­ros, ad­vo­ga­dos, altos fun­ci­o­ná­ri­os que po­dem ir de po­lí­ci­as, pro­cu­ra­do­res, juí­zes até ex-pro­cu­ra­do­res-ge­rais da República nem um se sen­tou ou vai sen­tar no ban­co dos réus. E con­tam, de res­to, com a es­tra­nha cum­pli­ci­da­de de “jor­na­lis­tas” na fo­guei­ra me­diá­ti­ca que cri­a­ram so­bre o te­ma. Po­de ser que um dia o fo­go fa­ça ri­co­che­te...

Os se­gre­dos doThePost

Os dois gran­des ca­sos que glo­ri­fi­ca­ram o jor­na­lis­mo de in­ves­ti­ga­ção nor­te-ame­ri­ca­no se­ri­am im­pos­sí­veis em Por­tu­gal, se fos­se se­gui­da a dou­tri­na de al­guns “es­pe­ci­a­lis­tas”. O pro­ces­so dos Pa­péis do Pen­tá­go­no, ago­ra con­ta­do no fil­me The Post, co­me­çou com se­gre­dos de Es­ta­do rou­ba­dos e o Wa­ter­ga­te com pro­di­gi­o­sas vi­o­la­ções do se­gre­do de jus­ti­ça e ban­cá­rio. Um e ou­tro cons­truí­ram uma dou­tri­na acei­te em to­do o mun­do de­mo­crá­ti­co – o es­cru­tí­nio do po­der é uma obri­ga­ção es­sen­ci­al do jor­na­lis­mo –, me­nos nas ca­be­ças de al­guns co­men­ta­do­res e jor­na­lis­tas por­tu­gue­ses. Bem ha­jam pe­la vos­sa sub­mis­são, que faz bri­lhar ain­da mais a ou­sa­dia de quem não se aqui­e­ta fa­ce ao po­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.