Per­gun­tas que ha­bi­tu­al­men­te não se fa­zem

Sábado - - OPINIÃO -

Por exem­plo, quem de­ve ga­nhar mais, um mi­nei­ro, um apa­nha­dor de li­xo, uma pes­soa que faz um tra­ba­lho mui­to du­ro e nal­guns ca­sos pe­ri­go­so, nou­tros sujo e des­gas­tan­te, ou um pro­fes­sor ou um em­pre­ga­do de es­cri­tó­rio? Pa­ga-se a qua­li­fi­ca­ção ou a du­re­za do tra­ba­lho? Ou­tro exem­plo, sa­be­mos que uma das cau­sas mai­o­res da nos­sa bai­xa pro­du­ti­vi­da­de é a má qua­li­da­de da ges­tão, e, sen­do as­sim, por que ra­zão con­si­de­ra­mos sem­pre que é al­te­ran­do as leis do tra­ba­lho que aju­da­mos a eco­no­mia, e na­da di­ze­mos ou fa­ze­mos so­bre a má qua­li­da­de da ges­tão? Ou, ou­tro ain­da, por que ra­zão os sur­dos e os ce­gos têm que pa­gar nas su­as con­tas da elec­tri­ci­da­de por ser­vi­ços que não ou­vem e não vêem? Ou um ou­tro: por­que é que imi­tan­do a Ale­ma­nha em tan­ta coi­sa, ne­nhum dos nos­sos partidos mains­tre­am quer in­tro­du­zir le­gis­la­ção que dê aos tra­ba­lha­do­res um lu­gar na ad­mi­nis­tra­ção das em­pre­sas?

To­das es­tas ques­tões são “eco­nó­mi­cas” mas são es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­cas. Co­mo não se dis­cu­tem pa­re­cem uma es­pé­cie de ta­bu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.