Não é có­mo­do ser cris­tão

Sábado - - OPINIÃO -

Já não há guer­ras re­li­gi­o­sas a Oci­den­te. Nin­guém é obri­ga­do a ser cris­tão. Ou, den­tro do cris­ti­a­nis­mo, a ser ca­tó­li­co. O li­vre ar­bí­trio con­ti­nua pe­dra ba­si­lar.

Mas es­co­lher tem con­sequên­ci­as: não se po­de ser­vir a dois se­nho­res. E a es­co­lha cris­tã não é có­mo­da. Po­de ser até, li­te­ral­men­te, pe­ri­go­sa: que o di­gam as mi­no­ri­as per­se­gui­das no Mé­dio Ori­en­te e na Ásia.

Por ou­tro la­do, as men­sa­gens pas­to­rais pa­ra con­su­mo es­pi­ri­tu­al dos ca­tó­li­cos po­dem ser en­ten­di­das por ou­tros (“a Luz de Cris­to ilu­mi­na a to­dos”), mas di­ri­gem-se aos pri­mei­ros. E as re­co­men­da­ções aos pri­mei­ros re­con­du­zem-se, co­mo se dis­se, ao fo­ro ín­ti­mo e à cons­ci­ên­cia: tor­na-se obs­ce­no fa­zer crer que se tra­ta de um pre­lú­dio a uma de­ca­pi­ta­ção na pra­ça pública. Al­guns po­de­ri­am pre­fe­rir, cla­ro, uma re­li­gião à la car­te, uma for­ma su­pe­ri­or de po­e­sia ou uma me­ra mo­da.

Mas co­mo se diz na Exor­ta­ção Apos­tó­li­ca A Ale­gria do Amor, pu­bli­ca­da pe­lo Pa­pa Fran­cis­co há dois anos, não se de­ve es­pe­rar que pas­se a ser dou­tri­na, ou ori­en­ta­ção, uma opinião pes­so­al con­trá­ria à Fé.

O que cons­ci­en­te­men­te se se­pa­ra da co­mu­ni­da­de cris­tã não po­de, ao mes­mo tem­po, sub­me­tê-la a ser­mões opi­na­ti­vos. Ou fi­ca com o bo­lo na mão, ou o co­me.

A Exor­ta­ção em cau­sa é pro­du­to de uma lon­ga re­fle­xão do sí­no­do dos bis­pos de to­do mun­do. Tra­ta da fa­mí­lia e do casamento, e não ig­no­ra a “com­ple­xi­da­de das ques­tões”, e as “re­a­li­da­des” locais: “Ca­da prin­cí­pio ge­ral tem de ser acul­tu­ra­do lo­cal­men­te, pa­ra ser ver­da­dei­ra­men­te res­pei­ta­do e apli­ca­do.” Foi pre­ci­so dis­cer­ni­men­to e co­ra-

gem pa­ra re­co­nhe­cer, du­ran­te o sí­no­do, que é pre­ci­so apro­xi­mar a dou­tri­na eter­na do dra­ma de ca­da épo­ca. Co­mo se dis­se ali, “a Bí­blia es­tá cheia de famílias, nas­ci­men­tos, his­tó­ri­as de amor e cri­ses fa­mi­li­a­res”.

Foi pre­ci­so aber­tu­ra pa­ra ci­tar, num tex­to dou­tri­nal, um po­e­ma de Jor­ge Luis Bor­ges: “Ca­da ca­sa é um lam­pa­ná­rio.” Ca­da si­tu­a­ção de­ve ser en­ten­di­da, an­tes de ser jul­ga­da.

A Exor­ta­ção re­lem­bra que a es­co­lha cris­tã, quan­to ao casamento, não é cóSe, mo­da: “Não po­de­mos dei­xar de ad­vo­gar o ma­tri­mó­nio pa­ra não de­sa­gra­dar a sen­si­bi­li­da­des con­tem­po­râ­ne­as, ou pa­ra ser po­pu­lar, ou sim­ples­men­te co­mo im­po­tên­cia fa­ce aos fa­lhan­ços hu­ma­nos e morais.”

Mas ca­da casamento, ou fa­lhan­ço do mes­mo, de­ve ser ana­li­sa­do nas co­mu­ni­da­des mais locais e pes­so­ais pos­sí­veis, no que po­día­mos cha­mar de “Igre­ja de pro­xi­mi­da­de”.

No ca­so do di­vór­cio e da união de fac­to, por exem­plo, o do­cu­men­to me­de as pa­la­vras e pe­de pa­ra as mes­mas se­rem me­di­das por to­dos: diz que, nas si­tu­a­ções “ir­re­gu­la­res”, a pri­o­ri­da­de é a in­te­gra­ção dos seus ac­to­res na vi­da cris­tã. Não de­ve ha­ver aqui ex­co­mu­nhão, mas acom­pa­nha­men­to. Não mal­di­ção eter­na, mas com­pre­en­são quo­ti­di­a­na.

O di­vor­ci­a­do e o re­ca­sa­do não ces­sam de per­ten­cer à co­mu­ni­da­de, se de­mons­tra­rem as­sim o que­rer. Is­to é tan­to mais im­por­tan­te, lem­bra-se, se hou­ver a ter em aten­ção a edu­ca­ção e a pro­tec­ção dos fi­lhos.

E há que dis­tin­guir so­bre novos ca­sa­men­tos: “uma coi­sa é uma se­gun­da união con­so­li­da­da no tem­po, com novos fi­lhos, fi­de­li­da­de pro­va­da, en­tre­ga de­sin­te­res­sa­da, em­pe­nha­men­to Cris­tão, re­co­nhe­ci­men­to da ir­re­gu­la­ri­da­de”, e ou­tra é “uma união de­ri­va­da de di­vór­cio re­cen­te, com o so­fri­men­to e con­fu­são pa­ra os fi­lhos, no ca­so de al­guém que sis­te­ma­ti­ca­men­te de­ser­tou das su­as obrigações fa­mi­li­a­res”. O do­cu­men­to é fas­ci­nan­te e fun­da­men­tal, quan­do ana­li­sa o di­vór­cio dos po­bres, o di­vór­cio dos que não vol­tam a ca­sar, o di­vór­cio dos que não que­ri­am di­vor­ci­ar-se, o di­vór­cio dos per­se­gui­dos e hu­mi­lha­dos, ou o di­vór­cio im­pe­ra­ti­vo, co­mo úl­ti­mo re­cur­so, pa­ra sal­var um bem mai­or.

A Exor­ta­ção re­co­nhe­ce que, nes­te mun­do de pes­so­as di­ver­sas, é pre­ci­so “dis­cer­nir com cui­da­do”, sa­ben­do que não exis­tem “re­cei­tas pron­tas”. Re­lem­bra que a res­pon­sa­bi­li­da­de na rup­tu­ra po­de ser di­mi­nuí­da ou anu­la­da por “ig­no­rân­cia, maus tratos, me­do e co­ac­ção, inad­ver­tên­cia, há­bi­to, ima­tu­ri­da­de afec­ti­va, an­si­e­da­de, e ou­tros fac­to­res psi­co­ló­gi­cos e so­ci­ais”.W

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.