Um dra­ma com 20 anos

Sábado - - OPINIÃO - Di­rec­tor Adjunto João Car­los Silva

Ahis­tó­ria de ale­ga­da ne­gli­gên­cia mé­di­ca que pu­bli­ca­mos es­ta se­ma­na re­ve­lou-se à jor­na­lis­ta Lu­cí­lia Ga­lha quan­do ela re­ce­beu à 1h da ma­nhã de 3 de Abril uma men­sa­gem: “Li­gue-me por fa­vor, acho que te­nho um bom te­ma pa­ra si.” Era um con­tac­to de um tra­ba­lho an­te­ri­or que lhe que­ria con­tar a his­tó­ria de Pau­la Zoio, sua ami­ga. Pau­la que­ria fa­lar ago­ra por cau­sa do que ti­nha acon­te­ci­do com o Hos­pi­tal de Fa­ma­li­cão – con­de­na­do a pa­gar uma in­dem­ni­za­ção por ne­gli­gên­cia num par­to. Uma pri­mei­ra con­ver­sa te­le­fó­ni­ca mos­trou uma mu­lher cal­ma e pron­ta a re­vi­ver to­da a sua his­tó­ria, 20 anos pas­sa­dos. Mas foi uma mu­lher ines­pe­ra­da­men­te ner­vo­sa que a jor­na­lis­ta en­con­trou. Co­me­çou por enu­me­rar os pon­tos que con­si­de­ra fun­da­men­tais em tu­do o que acon­te­ceu – ti­nha-os es­cri­to à mão nu­ma fo­lha A4 – e re­pe­tiu-os até à exaus­tão. Afi­nal, 20 anos nun­ca bas­ta­ri­am pa­ra em­pres­tar nor­ma­li­da­de a uma his­tó­ria tão dra­má­ti­ca co­mo a que po­de ler a par­tir da pág. 64.

De Pê­ro Vaz de Ca­mi­nha a Alei­xo

Foi já no fim da en­tre­vis­ta de quase du­as ho­ras que Jo­a­quim Ro­me­ro Magalhães re­ve­lou ao edi­tor-exe­cu­ti­vo Car­los Tor­res dois por­me­no­res. O pri­mei­ro foi a emo­ção com que no ano 2000 le­vou pa­ra o Bra­sil, nas ce­le­bra­ções dos 500 anos da des­co­ber­ta, a car­ta de Pê­ro Vaz de Ca­mi­nha es­cri­ta a 22 de Abril de 1500: “Sa­be lá o que foi le­var o do­cu­men­to da Tor­re do Tom­bo até ao ae­ro­por­to de Lis­boa e de­pois pa­ra o Bra­sil. Foi uma odis­seia, não que­ri­am que saís­se, eu é que con­se­gui. Ti­ve a car­ta na mão, foi uma emo­ção. Es­tá em mui­tís­si­mo bom es­ta­do, é um pa­pel gros­so, a tin­ta não é cor­ro­si­va. Apesar de ter si­do es­cri­ta no bar­co tem uma le­tra bo­ni­ta, cer­ti­nha.” O ou­tro epi­só­dio foi so­bre o pa­pel que o seu pai te­ve pa­ra que os po­e­mas de An­tó­nio Alei­xo fos­sem pu­bli­ca­dos em li­vro. “Ele de­cla­ma­va po­e­mas no ca­fé Cal­ci­nha, em Lou­lé, e o meu pai, que era pro­fes­sor de Português no li­ceu, co­nhe­ceu-o lá e co­me­çou a re­co­lher os po­e­mas. Uma vez o po­e­ta foi al­mo­çar a nos­sa ca­sa, nos anos 40, eu de­via ter uns 6 anos. Co­mo ele ti­nha tu­ber­cu­lo­se, não me dei­xa­ram che­gar jun­to de­le. Aliás, a mi­nha mãe até deitou fo­ra a loi­ça on­de ele co­meu.”

Um ex­cên­tri­co lis­bo­e­ta

A en­tre­vis­ta com o fe­nó­me­no mu­si­cal lis­bo­e­ta Co­nan Osi­ris foi com­bi­na­da em ci­ma do jo­e­lho, com três ho­ras de an­te­ce­dên­cia, e ele nem que­ria sa­ber on­de se­ri­am fei­tas as fo­tos. Aca­bou por mar­car pa­ra a Es­tu­fa Fria, no dia se­guin­te. Perto do fim da con­ver­sa, de­pois de sa­ber que o seu úl­ti­mo dis­co fo­ra gra­va­do em ca­sa, o jor­na­lis­ta Mar­kus Almeida per­gun­tou-lhe se não fa­ria sen­ti­do ser fo­to­gra­fa­do no seu es­tú­dio em ca­sa. “Es­tú­dio em ca­sa?!”, riu-se o mú­si­co, que ti­nha ao la­do o dan­ça­ri­no João Mo­rei­ra, que o acom­pa­nha ao vi­vo. “O meu es­tú­dio é um quar­to de ar­ru­ma­ções de coi­sas da mi­nha mãe on­de es­tá um col­chão que aba­fa o som pa­ra a vi­zi­nha.” Uma fi­gu­ra di­fe­ren­te pa­ra co­nhe­cer a par­tir da pág. 86.

O tes­te­mu­nho de Pau­la Zoio: o jul­ga­men­to do ca­so da fi­lha de­mo­rou 14 anos a acon­te­cer e ela aguar­da pe­la sen­ten­ça há cin­co

g E ago­ra, pa­ra al­go com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te... O dan­ça­ri­no João Mo­rei­ra e a po­se do mú­si­co Co­nan Osi­ris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.