O mer­cú­rio re­tró­ga­do

Sábado - - ASEMANA - Ân­ge­la Marques Jor­na­lis­ta

A sa­la não es­ta­va cheia, aliás, es­ta­va tão va­zia co­mo os nos­sos estô­ma­gos.

Lá fo­ra o mundo quase se aca­ba­va, au­xi­li­a­do pe­las mais cons­pi­ra­ti­vas va­re­tas de cha­péus-de-chu­va e pe­lo des­fi­le de car­ros que sa­bem fa­zer de uma ber­ma um ca­nhão da Na­za­ré. Den­tro, sen­tía­mos que fu­gía­mos a tu­do. Pu­ro en­ga­no: nin­guém fo­ge a tu­do. Pa­ra co­me­çar, não ía­mos con­se­guir fu­gir de um dos mais mus­cu­la­dos brun­ches da ci­da­de: fri­os, quen­tes, vi­ce-ver­sa, gi­ra o dis­co, sa­em uns ovos Be­ne­dict, “não sai­am sem ex­pe­ri­men­tar o bor­re­go”. Dis­se bor­re­go? Não, co­mi-o.

Por sen­tir­mos a far­tu­ra – e uma cul­pa mo­de­ra­da –, pen­sá­mos fa­zer uma pau­sa téc­ni­ca. “Ami­ga não jul­ga”, dis­se uma de­las, a dei­xar cla­ro que nin­guém de­ci­de por nin­guém de quan­tas ron­das se faz a fe­li­ci­da­de de ca­da um à ro­da do buf­fet. A ten­tar não pen­sar em co­mi­da pa­ra conseguirmos vol­tar a pen­sar em co­mi­da, mu­dá­mos de as­sun­to. Su­san Mil­ler, as­tró­lo­ga pre­fe­ri­da de Ca­me­ron Di­az e Jen­ni­fer Anis­ton (os ho­mens des­pre­zam a as­tro­lo­gia, di­rá a In­ter­net ca­so al­guém per­gun­te), jun­ta­va-se a nós. Quem a po­dia con­de­nar? A jul­gar pe­las pre­vi­sões que ti­nha pa­ra nós, es­ta­vam ali as vi­das mais in­te­res­san­tes do pla­ne­ta. Com o mer­cú­rio re­tró­ga­do a di­fi­cul­tar tu­do, a cri­ar equí­vo­cos e a pro­me­ter sa­ri­lhos, ha­ve­ría­mos, con­tu­do, de so­bre­vi­ver.

Pa­ra o res­to do do­min­go, os as­tros re­ser­va­vam-nos a com­pra de um sis­te­ma de som em pro­mo­ção. Com bor­bo­le­tas na bar­ri­ga (ou tal­vez só bor­bu­lhas de es­pu­man­te), se­gui­mos. Che­ga­das lá, en­con­trá­mos o sis­te­ma de som mas não vis­lum­brá­mos a pro­mo­ção. En­jo­a­das, vi­rá­mos cos­tas aos as­tros. Men­ti­ra: cul­pá­mos o mer­cú­rio re­tró­ga­do e fo­mos co­mer bo­lo de li­mão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.