Isao Ta­kaha­ta (1935-2018)

Sábado - - ASEMANA -

Um ado­les­cen­te cor­re de­sen­fre­a­do, com uma me­ni­na, que mais pa­re­ce uma mo­chi­la (e afi­nal se re­ve­la­rá ser a sua ir­mã mais no­va), às cos­tas. Há cla­rões por todo o la­do, mul­ti­dões em pâ­ni­co, a fu­gir, aos gri­tos, ca­sas a ar­der, um ba­ru­lho en­sur­de­ce­dor, mas en­tre fin­tas, des­vi­os e res­sal­tos, os dois es­ca­pam por um triz às bom­bas que cho­vem e lhes ma­tam a mãe, con­de­nan­do-os à ca­sa de uma tia que os con­si­de­ra um far­do. As ima­gens – de O Tú­mu­lo dos Pirilampos, fil­me de ani­ma­ção an­ti­guer­ra, ab­so­lu­ta­men­te pi­o­nei­ro no gé­ne­ro, re­a­li­za­do em 1988 – ar­re­pi­am, em­bo­ra se tra­te de bo­ne­cos e não de gen­te em car­ne e os­so. Con­tu­do, tal­vez não fos­sem tão ex­pres­si­vas se – além de se ins­pi­ra­rem num con­to se­mi­au­to­bi­o­grá­fi­co que Akiyu­ki No­sa­ka es­cre­veu na dé­ca­da de 60 – o seu re­a­li­za­dor e ar­gu­men­tis­ta, Isao Ta­kaha­ta, não ti­ves­se vi­vi­do al­go se­me­lhan­te: quan­do, a 29 de Ju­nho de 1945, ti­nha ele no­ve anos, um raide aéreo nor­te-ame­ri­ca­no atin­giu a sua ci­da­de, ele viu-se so­zi­nho com uma ir­mã, na rua. Cor­re­ram, es­con­de­ram-se, so­bre­vi­ve­ram, pas­sa­ram por pi­lhas de mor­tos... e re­gres­sa­ram a ca­sa. Fe­liz­men­te o res­to da fa­mí­lia ti­nha-se re­fu­gi­a­do num abri­go sub­ter­râ­neo, no quin­tal, mas a ex­pe­ri­ên­cia mar­ca­ria Isao pa­ra sem­pre. Em­pe­nha­do na cau­sa pa­ci­fis­ta, fun­dou em 2010 uma as­so­ci­a­ção de ci­ne­as­tas ja­po­ne­ses em de­fe­sa do Ar­ti­go 9 da Cons­ti­tui­ção – que es­ti­pu­lou, em 1947, em ple­no pós­guer­ra e com o país ocu­pa­do pe­los Ali­a­dos, que o po­vo ni­pó­ni­co re­nun­ci­a­ria “pa­ra sem­pre” às ar­mas e ao uso da for­ça co­mo meio de re- so­lu­ção de dis­pu­tas in­ter­na­ci­o­nais. Ao lon­go do tem­po, os su­ces­si­vos go­ver­nos têm in­ter­pre­ta­do a lei com a res­sal­va da “au­to­de­fe­sa” pa­ra jus­ti­fi­car qual­quer in­ves­ti­men­to mi­li­tar, mas nos úl­ti­mos anos, in­vo­can­do a ame­a­ça co­re­a­na e a as­ser­ti­vi­da­de chi­ne­sa, o pri­mei­ro-ministro Shin­zo Abe tem-se ba­ti­do por al­te­rar a lei “pa­ra re­for­çar a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal”, ideia que Ta­kaha­ta re­pu­di­ou e contra a qual se ma­ni­fes­tou até mor­rer, na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, aos 82 anos, de um can­cro de pul­mão.

So­bre­vi­veu à gu­er­ra e tor­nou-se pa­ci­fis­ta acér­ri­mo. Isao Ta­kaha­ta, a al­ma so­fis­ti­ca­da por trás dos bo­ne­cos ja­po­ne­ses – da Hei­di ao Co­nan e ao Mar­co –, mor­reu na quin­ta-fei­ra, 5 de Abril. Ti­nha 82 anos ESCAPOU POR UM TRIZ A UM RAIDE AÉREO. A ME­MÓ­RIA ECOA EM O TÚMULODOS PIRILAMPOS, DE 1988

Amor à po­e­sia

Nas­ci­do a 29 de Ou­tu­bro de 1935 em Ujiya­ma­da (ho­je, Ise), na re­gião de Kan­sai, na ilha ja­po­ne­sa de Honshu, e o mais no­vo de se­te ir­mãos, Isao Ta­kaha­ta mu­dou-se com a fa­mí­lia (em 1943) pa­ra Okaya­ma, on­de ter­mi­nou o en­si­no se­cun­dá­rio sob o olhar aten­to do pai, di­rec­tor da es­co­la, se­guin­do em 1954 pa­ra Uni­ver­si­da­de de Tó­quio, pa­ra es­tu­dar Li­te­ra­tu­ra Fran­ce­sa. Foi en­tão que des­co­briu os ver­sos de Jac­ques Pré­vert: em 1955 viu O Rei e o Pás­sa­ro, o fil­me de ani­ma­ção de Paul Gri­mault, com ar­gu­men­to es­cri­to pe­lo po­e­ta (cu­ja obra Isao tra­du­zi­ria, do ori­gi­nal, pa­ra um vo­lu­me edi­ta­do em 2006), e de­ci­diu que, quan­do ter­mi­nas­se o cur­so, se de­di­ca­ria ao ci­ne­ma de ani­ma­ção. Di­to e fei­to: em 1959, en­trou na To­ei Ani­ma­ti­on, uma pro­du­to­ra com von­ta­de de ri­va­li­zar com os fil­mes da Dis­ney. Aí co­nhe­ceu Hayao Miya­za­ki, que se tor­nou o seu melhor ami­go, par­cei­ro cri­a­ti­vo e só­cio du­ran­te mais de 50 anos – e que cos­tu­ma­va di­zer que Isao era “um gran­de pre­gui­ço­so” quan­do lhe per­gun­ta­vam por­que é que quase não de­se­nha­va. A ver­da­de era que o tra­ço de­le era fra­co. A sua vi­são poé­ti­ca e hu­ma­nis­ta da ani­ma­ção é que in­te­res­sa­va – e foi o se­gre­do do su­ces­so dos es­tú­di­os Ghi­bli (no­me de avião ita­li­a­no, pai­xão de Miya­za­ki), que os dois fun­da­ram em 1985, de­pois de te­rem dei­xa­do a To­ei Ani­ma­ti­on (de­vi­do ao fa­lhan­ço co­mer­ci­al do fil­me de estreia de Ta­kaha­ta, Ho­rus, o Prín­ci­pe do Sol) e tra­ba­lha­do nu­ma pro­du­to­ra on­de, en­tre fa­lhan­ços, cri­a­ram as sé­ri­es his­tó­ri­cas (com ar­gu­men­tos oci­den­tais, na mi­ra do su­ces­so mun­di­al) Ana dos Ca­be­los Rui­vos, Co­nan, o ra­paz do futuro, Mar­co, dos Ape­ni­nos aos An­des e, ain­da an­tes, Hei­di, a Me­ni­na dos Al­pes, que Isao ima­gi­nou vi­va­ça por­que ele pró­prio gos­ta­ria de o ter si­do. “Não sa­bia mos­trar os meus sen­ti­men­tos. Quan­do so­bre­vi­vi ao raide e vol­tei a ver a mi­nha mãe, fi­quei mui­to fe­liz, mas mal con­se­gui sor­rir. Gos­ta­va de ter si­do mais en­tu­siás­ti­co”, con­tou, em en­tre­vis­ta ao The Ja­pan Times .Co­mo pas­sar do tem­po – e a fa­ma de Miya­za­ki

(au­tor de A Prin­ce­sa Mo­no­no­ke ou O Cas­te­lo An­dan­te) – Isao foi fi­can­do mais na som­bra (em­bo­ra te­nha vol­ta­do à re­a­li­za­ção em 2013, com O Con­to da Prin­ce­sa Ka­guya, que lhe va­leu uma no­me­a­ção pa­ra o Ós­car). Era, con­tu­do, a al­ma dos es­tú­di­os, por­que ado­ra­va po­e­sia, his­tó­ri­as dra­má­ti­cas, gran­des emo­ções – e de tu­do is­so fa­zer ani­ma­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.