JFK, um pa­ci­fis­ta no au­ge da Gu­er­ra Fria

Lo­go a se­guir ao aten­ta­do de Dal­las, o ir­mão Ro­bert e a viú­va Jac­kie en­vi­a­ram uma men­sa­gem se­cre­ta a Krus­chev di­zen­do que não des­con­fi­a­vam de­le – sus­pei­ta­vam de uma po­de­ro­sa cons­pi­ra­ção in­ter­na. Uma das re­ve­la­ções de

Sábado - - ASEMANA - Ase­ma­na Fer­nan­do Ma­daíl

A au­di­ên­cia do Pre­si­den­te John Fitz­ge­rald Ken­nedy (JFK) ao ministro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Sa­la­zar, em que de­ba­te­ram a po­si­ção dos Es­ta­dos Uni­dos da América em re­la­ção à po­lí­ti­ca co­lo­ni­al por­tu­gue­sa, foi no dia se­guin­te ao do dis­cur­so te­le­vi­si­vo do es­ta­dis­ta ame­ri­ca­no so­bre os mís­seis rus­sos em Cu­ba. E, co­mo re­gis­ta­ria Fran­co No­guei­ra no seu diá­rio (Um Po­lí­ti­co As­su­me-se), “no pen­sa­men­to de Ken­nedy, não de­ve ha­ver es­pa­ço se­não pa­ra o pro­ble­ma de Cu­ba; mas por ac­to de von­ta­de quis dar-me a ima­gem do che­fe que nes­se tran­se de dra­ma sa­be aguen­tar a ro­ti­na e é ca­paz de di­a­lo­gar so­bre as­sun­tos alhei­os à cri­se”.

O di­plo­ma­ta jul­ga­va que JFK es­ta­va so­men­te pre­o­cu­pa­do com a ame­a­ça cu­ba­no-so­vié­ti­ca, sem des­con­fi­ar que tra­va­va um com­ba­te ain­da mais intenso com a sua pró­pria ad­mi­nis­tra­ção, co­mo se per­ce­be ao ler Ir­mãos – A His­tó­ria Ocul­ta dos Ken­nedy, do jor­na­lis­ta Da­vid Tal­bot, que a SÁ­BA­DO vai ofe­re­cer, a par­tir da pró­xi­ma se­ma­na, com pre­fá­cio de Francisco Jo­sé Vi­e­gas e cai­xa ar­qui­va­do­ra pa­ra co­lo­car os qua­tro li­vros em que foi di­vi­di­da uma obra que per­mi­te no­vas lei­tu­ras da His­tó­ria.

John Ken­nedy sur­ge ha­bi­tu­al­men­te co­mo um “duro” da Gu­er­ra Fria – so­bre­tu­do de­vi­do ao dis­cur­so em Ber­lim (o da cé­le­bre ex­pres­são Ich

bin ein Ber­li­ner), quan­do car­ros de com­ba­te ame­ri­ca­nos e so­vié­ti­cos es­ti­ve­ram fren­te a fren­te e um co­man­dan­te mi­li­tar yan­kee que­ria mes­mo dis­pa­rar contra o Mu­ro, e ao blo­queio na­val a Cu­ba, no mo­men­to mais pe­ri­go­so do confronto en­tre as su­per­po­tên­ci­as.

Mas es­sa ima­gem tem es­con­di­do ou­tra re­a­li­da­de: Ken­nedy foi o pri­mei­ro lí­der ame­ri­ca­no a pro­cu­rar aca­bar com a “his­te­ria” an­ti­co­mu­nis­ta que se im­plan­ta­ra no país e, con­tra­ri­an­do os me­da­lha­dos ofi­ci­ais do Pen­tá­go­no e os mes­tres de es­pi­o­na­gem da CIA, a sua pri­mor­di­al pre­o­cu­pa­ção foi sem­pre evi­tar uma gu­er­ra nu­cle­ar. “Man­te­ve a paz” – era o epi­tá­fio que que­ria pa­ra si, pois vi­via as­som­bra­do com a hi­pó­te­se de um con­fli­to apo­ca­líp­ti­co e sem so­bre­vi­ven­tes.

E, co­mo se apu­rou dé­ca­das vol­vi­das, se JFK se ti­ves­se ver­ga­do, por exem­plo, pe­ran­te as pres­sões na Cri­se dos Mís­seis – em que tan­to o Es­ta­do-Mai­or das For­ças Ar­ma­das co­mo os res­pon­sá­veis dos Ser­vi­ços de In­for­ma­ções ig­no­ra­vam o ver­da­dei­ro po­ten­ci­al já ins­ta­la­do em Cu­ba, o real nú­me­ro de so­vié­ti­cos e

as or­dens que es­tes ti­nham pa­ra re­ta­li­ar em for­ça se hou­ves­se qual­quer ata­que ame­ri­ca­no –, “o mundo te­ria si­do re­du­zi­do a uma pi­lha de es­com­bros fu­me­gan­tes”.

Krus­chev cho­ra no Krem­lin

No dia 22 de No­vem­bro de 1963, Ro­bert Ken­nedy re­ce­be o te­le­fo­ne­ma do di­rec­tor do FBI a co­mu­ni­car-lhe que o ir­mão ti­nha si­do aba­ti­do em Dal­las e des­con­fia lo­go da CIA, da Má­fia ou dos exi­la­dos cu­ba­nos – nun­ca pen­san­do em Fi­del nem em Krus­chev. Aliás, co­mo se des­co­bri­ria mais tar­de, ele e a viú­va en­vi­a­ram uma men­sa­gem se­cre­ta ao lí­der so­vié­ti­co em que afas­ta­vam a hi­pó­te­se de o cri­me ter si­do pla­ne­a­do pe­lo país co­mu­nis­ta, pois acre­di­ta­vam nu­ma po­de­ro­sa cons­pi­ra­ção in­ter­na. Ao sa­ber do aten­ta­do na De­a­ley Pla­za, e apesar das de­sa­ven­ças, Krus­chev cho­rou em ple­no Krem­lin. E Fi­del aca­ba­ra de ler uma men­sa­gem, en­tre­gue por um jor­na­lis­ta fran­cês, em que JFK se mos­tra­va determinado a ob­ter uma co­e­xis­tên­cia pa­cí­fi­ca com Cu­ba, quan­do se le­van­tou pa­ra ou­vir a no­tí­cia na rá­dio – e co­men­ta­ria que, se es­se pas­so ti­ves­se si­do da­do, Ken­nedy se­ria “um Pre­si­den­te ain­da mai­or do que Lin­coln”. No mes­mo dia, a CIA (cu­ja ac­ti­vi­da­de se pau­ta­va pe­la atitude “que se li­xe o Pre­si­den­te!”) pre­ten­dia que en­tre­gas­sem uma ca­ne­ta en­ve­ne­na­da ao go­ver­nan­te de Ha­va­na. Em Ir­mãos – A His­tó­ria Ocul­ta dos Ken­nedy, per­ce­be-se mui­to bem que o mais im­por­tan­te as­sas­si­na­to po­lí­ti­co do sé­cu­lo XX te­ve di­rei­to à pi­or in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal da His­tó­ria. Lee Har­vey Oswald, usan­do uma es­pin­gar­da de re­pe­ti­ção ru­di­men­tar que lhe cus­ta­ra a ni­nha­ria de 12,78 dó­la­res, con­se­gue fa­zer três dis­pa­ros com a pre­ci­são de um pro­fis­si­o­nal em me­nos de seis se­gun­dos – “fei­to que nem o com­pe­ten­te ati­ra­dor que es­ta­va [en­tão] à fren­te da Na­ti­o­nal Ri­fle As­so­ci­a­ti­on con­se­guiu igua­lar”. E hou­ve uma “ba­la má­gi­ca”, que ma­tou o Pre­si­den­te e, tam­bém, o go­ver­na­dor do Te­xas. O úni­co agen­te dos Ser­vi­ços Se­cre­tos a agir não obe­de­ceu a uma or­dem pa­ra fi­car qui­e­to. O mé­di­co pes­so­al foi afas­ta­do da au­tóp­sia, cu­jo re­la­tó­rio con­tra­ri­a­va a sua cer­ti­dão de óbi­to, ao sus­ten­tar que o ori­fí­cio na gar­gan­ta ti­nha si­do pro­vo­ca­do, não por um ti­ro de fren­te, mas pe­la saí­da de uma ba­la. A Co­mis­são War­ren ig­no­rou as tes­te­mu­nhas que di­zi­am te­rem es­cu­ta­do mui­to mais que três dis­pa­ros, al­guns vin­dos do pe­que­no mon­te que fi­ca­va di­an­te do car­ro. E há a ina­cre­di­tá­vel exe­cu­ção de Oswald por Jack Ruby, trans­mi­ti­da em di­rec­to pe­la te­le­vi­são – um se­cre­tá­rio de Es­ta­do até jul­gou que a emis­são mu­da­ra pa­ra um fil­me de gangs­ters de Edward G. Ro­bin­son. Além do fil­me de Za­pru­der, de que ape­nas se re­pro­du­zi­ram al­guns fra­mes na época (e nun­ca o que mos­tra o ti­ro fron­tal), ter fi­ca­do es­con­di­do até 1975 nos co­fres da re­vis­ta Li­fe. Pe­ran­te tais evi­dên­ci­as, Da­vid Tal­bot pas­sou três anos a ten­tar per­ce­ber o que fez Ro­bert Ken­nedy (o im­pla­cá­vel pro­cu­ra­dor-ge­ral, que, an­tes e du­ran­te a Pre­si­dên­cia de JFK, per­se­gui­ra os mai­o­res ma­fi­o­sos e os po­lí­ti­cos cor­rup­tos), co­mo Su­pre­mo Ma­gis­tra­do dos EUA, pa­ra in­ves­ti­gar a mor­te do ir­mão. E con­cluiu que, se Bobby de­cla­ra­va pu­bli­ca­men­te que acei­ta­va a te­se ofi­ci­al, no má­xi­mo se­cre­tis­mo fazia di­li­gên­ci­as pa­ra apu­rar a ver­da­de. Es­pe­ra­va vir a con­quis­tar a Ca­sa Bran­ca pa­ra con­fir­mar que ti­nha si­do um pla­no que en­vol­ve­ra a CIA, os “seus se­qua­zes na Má­fia” e o mundo dos exi­la­dos cu­ba­nos – mas, an­tes des­se mo­men­to, tam­bém ele se­ria aba­ti­do, em 1968, em Los An­ge­les.

Além da vas­ta bi­bli­o­gra­fia, com li­vros ca­nó­ni­cos e “te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção”, o jor­na­lis­ta Da­vid

Tal­bot ana­li­sou do­cu­men­tos en­tre­tan­to des­clas­si­fi­ca­dos: gra­va­ções fei­tas na Ca­sa Bran­ca; re­gis­tos te­le­fó­ni­cos de Ro­bert; me­mo­ran­dos da CIA, do FBI e do Pen­tá­go­no; ma­te­ri­al que foi sen­do li­ber­ta­do por cu­ba­nos, rus­sos e me­xi­ca­nos. Tam­bém os de­poi­men­tos pe­ran­te a Co­mis­são War­ren (1963), o Co­mi­té Chur­ch (1975) e o Co­mi­té Es­pe­ci­al da Câ­ma­ra So­bre As­sas­sí­ni­os (1978); e os pres­ta­dos pa­ra o pro­jec­to de His­tó­ria Oral da Bi­bli­o­te­ca JFK. Até leu as no­tas iné­di­tas da pri­mei­ra en­tre­vis­ta fei­ta à viú­va, que foi pu­bli­ca­da nu­ma ver­são mui­to su­a­ve; e viu o es­bo­ço de um ro­man­ce “es­tra­nha­men­te con­fes­si­o­nal” de um es­pe­ci­a­lis­ta em contra-in­for­ma­ção da CIA, que re­cri­a­va um aten­ta­do co­mo o de Dal­las. Pa­ra es­cla­re­cer as­pec­tos me­nos cla­ros ou pre­ci­sar o sen­ti­do de de­cla­ra­ções enig­má­ti­cas, en­tre­vis­tou 150 pes­so­as, dos co­la­bo­ra­do­res próximos dos Ken­nedy até aos seus de­cla­ra­dos ini­mi­gos.

A re­ti­ra­da do Vi­et­na­me

A “sen­ten­ça de mor­te” dos Ir­mãos Ken­nedy co­me­çou com a Baía dos Por­cos, uma ope­ra­ção de cu­ba­nos que que­ri­am der­ru­bar Fi­del e que con­ta­va com o apoio dos Ser­vi­ços Se­cre­tos e das che­fi­as mi­li­ta­res, mas que es­ta­va con­de­na­da ao fra­cas­so – a me­nos que a Ca­sa Bran­ca, pe­ran­te a imi­nen­te des­gra­ça, en­tras­se em pâ­ni­co e des­se or­dem pa­ra os aviões de com­ba­te e um des­troyer irem dar co­ber­tu­ra ao gol­pe. Pa­ra es­pan­to dos ofi­ci­ais mais gra­du­a­dos e dos “es­piões de ca­pa e es­pa­da”, a fir­me­za com que

o jo­vem Pre­si­den­te re­cu­sou que a For­ça Aé­rea e a Ma­ri­nha se en­vol­ves­sem no ca­so (re­jei­tan­do, as­sim, a “di­plo­ma­cia do va­so de gu­er­ra”) de­fi­niu, pa­ra sem­pre, as su­as re­la­ções com o Pen­tá­go­no e com a CIA – e acar­re­tou-lhe o ódio de cu­ba­nos e da Má­fia, que so­nha­vam vol­tar aos tem­pos lu­cra­ti­vos na­que­la ilha an­tes da che­ga­da dos “bar­bu­dos” ao po­der. “Mas pen­sam que vou car­re­gar na cons­ci­ên­cia a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la mu­ti­la­ção e as­sas­sí­nio imo­rais de cri­an­ças co­mo as nos­sas que aqui vi­mos [a brin­car] es­ta noi­te?”, de­sa­ba­fa­ria JFK.

Há ou­tras sur­pre­sas no li­vro, co­mo a in­ten­ção de retirar do Vi­et­na­me, com um pri­mei­ro con­tin­gen­te, dos 16 mil con­se­lhei­ros mi­li­ta­res co­lo­ca­dos em Sai­gão, a re­gres­sar no mês se­guin­te ao do cri­me de Dal­las. Ao con­trá­rio do pre­ten­di­do pe­las che­fi­as das For­ças Ar­ma­das, pe­los res­pon­sá­veis dos Ser­vi­ços Se­cre­tos e pe­los “fal­cões” da sua pró­pria equi­pa – que ad­vo­ga­vam o en­vio de di­vi­sões de com­ba­te e bom­bar­de­a­men­tos so­bre o Vi­et­na­me do Nor­te –, Ken­nedy pre­via a re­ti­ra­da to­tal em 1965 (já no seu se­gun­do man­da­to). Apesar de não ha­ver na­da es­cri­to, a in­for­ma­ção é con­fir­ma­da até por Ro­bert McNa­ma­ra, que en­tão apoi­a­va a de­ci­são – mas, com Lyn­don John­son, mu­da­ria ra­di­cal­men­te, sen­do um dos ar­qui­tec­tos do en­vol­vi­men­to dos EUA no Vi­et­na­me. JFK en­ten­dia que o prin­ci­pal de­ver de um Pre­si­den­te era man­ter a sua na­ção afas­ta­da da gu­er­ra – e aque­le era um con­fli­to em que o Vi­et­na­me do Sul de­via ven­cer o Vi­et­na­me do Nor­te, sem es­pe­rar que os ame­ri­ca­nos re­sol­ves­sem o pro­ble­ma. E le­van­ta-se a ques­tão mais per­ti­nen­te: no fun­do, quem ti­nha mais po­der? O che­fe do FBI bis­bi­lho­ta­va a vi­da do Pre­si­den­te; a CIA ti­nha uma po­lí­ti­ca ex­ter­na pró­pria (con­tra­ri­an­do a Ca­sa Bran­ca), que in­cluía aten­ta­dos contra di­ri­gen­tes es­tran­gei­ros e o der­ru­be de go­ver­nos; o Pen­tá­go­no, pa­ra quem a Uni­ver­si­da­de de Har­vard era “uma es­co­la de co­mu­nis­tas”, des­pre­za­va as or­dens do Co­man­dan­te Su­pre­mo; e o Che­fe do Es­ta­do não ti­nha a cer­te­za se os “cen­tu­riões da ve­lha or­dem” não ini­ci­a­ri­am uma gu­er­ra sem a sua apro­va­ção – mes­mo John­son, ao vo­ar de Dal­las pa­ra Washing­ton já co­mo Pre­si­den­te, des­con­fi­an­do que po­dia ter ha­vi­do um gol­pe de Es­ta­do, ques­ti­o­na­va-se: “Se­rá que os mís­seis já vão no ar?”

Por coin­ci­dên­cia, an­tes da­que­la tar­de em que caiu uma “chu­va de car­tu­chos” so­bre a li­mu­si­na des­ca­po­tá­vel, mas que o Re­la­tó­rio War­ren “re­du­ziu” a três ba­las, co­mo re­cor­da­va Fran­co No­guei­ra, o úl­ti­mo ministro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros que JFK ti­nha re­ce­bi­do, a 7 de No­vem­bro, aco­lhen­do-o “co­mo a um ve­lho ami­go”, ti­nha si­do… o português.

1º . vo­lu­me Já com a pró­xi­ma edi­ção, grá­tis, co­me­ce a ler a obra so­bre os Ken­nedy

3 3 de Maio O au­tor reu­niu e ex­pan­diu as te­o­ri­as de cons­pi­ra­ção à vol­ta dos dois cri­mes

2 26 de Abril Em Ir­mãos é pos­sí­vel per­ce­ber o pla­no dos Ken­nedy pa­ra mu­dar o mun­do

4 10 de Maio URSS, Cu­ba e a Má­fia es­ti­ve­ram en­tre os al­vos prin­ci­pais de John e Ro­bert

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.