ADALBERTO CAMPOS FERNANDES: O MINISTRO MAIS IMPOPULAR

Há uma gre­ve de mé­di­cos a ca­mi­nho; Cen­te­no acu­sa a Saú­de de má ges­tão; e não há di­nhei­ro – e Adalberto Campos Fernandes, que dor­me pou­co e lê o Fi­nan­ci­alTi­mes, até sa­be dis­so.

Sábado - - SUMÁRIO - PorAn­dréRi­to

Ca­so após ca­so, o Mi­nis­té­rio da Saú­de vi­ve sob fogo: co­mo re­sis­te o ti­tu­lar da pas­ta que, até o pró­prio ad­mi­te, é sem­pre “o bom­bo da fes­ta”?

Adalberto Campos Fernandes não tem pra­ti­ca­men­te ca­be­los bran­cos. O que ori­gi­na pi­a­das de al­guns ami­gos: co­mo é que con­se­gue, es­tan­do sem­pre de­bai­xo de fogo e nas pri­mei­ras pá­gi­nas dos jor­nais? Já hou­ve ami­gos a pro­vo­cá-lo com a hi­pó­te­se de ha­ver tin­ta a ex­pli­car o mis­té­rio. E ele res­pon­deu que aguen­ta tu­do e sem ca­be­los bran­cos. Tem aguen­ta­do e não se mos­tra aba­ti­do. Aos 59 anos, o ho­mem que há já al­guns es­ta­va pa­ra ser ministro já o é – e não es­tá a ser na­da fá­cil. O Mi­nis­té­rio vi­ve em mo­do de cri­se, com acu­sa­ções per­ma­nen­tes de na­da re­sol­ver, de anun­ci­ar con­cur­sos que se atra­sam, de tu­te­lar um ser­vi­ço na­ci­o­nal de saú­de (SNS) on­de opo­si­ção e sin­di­ca­tos re­cla­mam por fal­ta de mei­os, pes­so­al e di­nhei­ro. O al­vo é ele. Nos de­ba­tes quin­ze­nais, quan­do As­sun­ção Cris­tas, do CDS, in­sis­te, um após ou­tro, com si­tu­a­ções ca­ri­ca­tas co­mo pe­di­dos aos uten­tes pa­ra le­var len­çóis pa­ra hos­pi­tais pú­bli­cos, é An­tó­nio Cos­ta que res­pon­de, mas o al­vo é de no­vo, ele. Nas úl­ti­mas se­ma­nas fi­cou ou­tra vez em che­que, so­bre­tu­do no es­tra­nho de­sar­ran­jo pú­bli­co com Má­rio Cen­te­no, o ti­tu­lar das Fi­nan­ças. Nas pró­xi­mas se­ma­nas, con­ti­nu­a­rá sob fogo: há pré-avi­so de gre­ve dos mé­di­cos pa­ra Maio. Na se­ma­na pas­sa­da, pa­re­ceu con­for­ma­do quan­do dis­se que o ministro da Saú­de é uma “vál­vu­la de des­com­pres­são dos go­ver­nos, de bom­bo da fes­ta po­lí­ti­co”. No pas­sa­do sá­ba­do, 7, Dia Mun­di­al da Saú­de – e a um mês da gre­ve de três di­as agen­da­da pe­los mé­di­cos –, Adalberto Campos Fernandes dis­se que a exi­gên­cia de di­nhei­ro

é “im­pos­sí­vel de sa­tis­fa­zer (…) fa­ce às ne­ces­si­da­des” do sec­tor. Ou se­ja, o di­nhei­ro nun­ca chega. E pôs o de­do na pró­pria fe­ri­da: não se pen­se que “as di­fi­cul­da­des aca­ba­ram on­tem” e que “o ministro da Saú­de não tem mais di­nhei­ro ape­nas e só por­que te­rá um pro­ble­ma com o ministro das Fi­nan­ças”. Te­rá?

Há in­dí­ci­os pú­bli­cos. Em me­a­dos de Março, na Co­mis­são Par­la­men­tar de Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, con­fron­ta­do com o au­men­to da dívida pú­bli­ca em 627 mi­lhões de eu­ros, Má­rio Cen­te­no re­en­ca­mi­nhou a crí­ti­ca pa­ra Campos Fernandes: “São ques­tões que nos pre­o­cu­pam, que vão ser re­sol­vi­das, que es­tão a ser re­sol­vi­das. Criá­mos uma uni­da­de de mis­são pa­ra re­pen­sar todo o pro­ces­so de cri­a­ção de dívida no SNS.” E porquê? Por­que “só há dívida quan­do há des­pe­sa. Não po­de ha­ver é as du­as coi­sas. Por­que os re­cur­sos que es­tão a ser de­di­ca­dos ao SNS são mui­to su­pe­ri­o­res aos que eram em 2015 e po­de se­gu­ra­men­te ha­ver má ges­tão. Ha­ve­rá e te­mos de olhar pa­ra ela.” Adalberto não ti­nha de­fe­sa: ti­nha ad­mi­ti­do um mês an­tes que ha­via uma “quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va” de hos­pi­tais em “fa­lên­cia téc­ni­ca”.

Mas hou­ve mais: a uni­da­de de mis­são pa­ra con­tro­lar a des­pe­sa na Saú­de pa­re­ce pôr Campos Fernandes sob a al­ça­da das Fi­nan­ças. Mas o pró­prio des­men­tiu, di­zen­do que afi­nal a ideia até ti­nha si­do de­le. Mas tam­bém já se quei­xou de Cen­te­no em pú­bli­co. Por exem­plo, nu­ma das po­lé­mi­cas do man­da­to, o atra­so de quase um ano no con­cur­so pa­ra re­cru­ta­men­to de mé­di­cos re­cém-es­pe­ci­a­lis­tas, acusou o co­le­ga: “São pre­ci­sas du­as as­si­na­tu­ras e um des­pa­cho con­jun­to. Es­te ano há um atra­so mai­or por­que o pro­ces­so es­tá no Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças à espera de ser con­cluí­do.” Apesar da quase afron­ta à es­tre­la mai­or do Go­ver­no, fon­tes so­ci­a­lis­tas ga­ran­tem que o ministro man­tém o res­pei­to ins­ti­tu­ci­o­nal. E até que o re­la­ci­o­na­men­to en­tre os dois se­rá me­nos ten­so do que es­tes epi­só­di­os po­dem fa­zer su­por. Adalberto en­cai­xou aber­ta­men­te a má ges­tão: “É evi­den­te que exis­te.” Mas, em pri­va­do, tem ti­do por ve­zes um ou ou­tro te­le­fo­ne­ma de de­sa­ba­fo com al­guns mais próximos, em dos­si­ês con­cre­tos, com quei­xas de Cen­te­no. E nu­ma reu­nião com de­pu­ta­dos do PS, che­gou a di­zer que “o Ro­nal­do do Eu­ro­gru­po de vez em quan­do faz umas fin­tas”. No en­tan­to, quem co­nhe­ce bem o ministro ga­ran­te que a exi­gên­cia fi­nan­cei­ra não o afli­ge. Pe­lo con­trá­rio. Ain­da ho­je, no hos­pi­tal de San­ta Ma­ria, al­guns di­rec­to­res de ser­vi­ço re­cor­dam a du­re­za do ago­ra ministro quan­do pre­si­diu à ins­ti­tui­ção: “Cha­ma­va os di­rec­to­res de ser­vi­ço, pres­si­o­na­va, ques­ti­o­na­va.” Exi­gia ri­gor e pou­pan­ça – à Cen­te­no. E ti­nha fa­ma de ter mau fei­tio. Há ou­tro in­dí­ci­os: já co­mo ministro, nas reu­niões com par­cei­ros do sec­tor, che­gou a di­zer, pe­din­do pa­ci­ên­cia por não aten­der a exi­gên­ci­as, que era “a re­pu­ta­ção do País que es­ta­va em cau­sa”. Cen­te­no não di­ria melhor. Ou se­ja, a es­se ní­vel, os dois entender-se-ão – mes­mo com di­ver­gên­ci­as pon­tu­ais. Con­fron­ta­do no par­la­men­to so­bre as res­tri­ções or­ça­men­tais Campos Fernandes res­pon­deu as­sim: “So­mos todos Cen­te­no.” E diz às ve­zes, em tom sa­tis­fei­to, que de­ve ser o úni­co ministro da Saú­de da Eu­ro­pa que lê todos os di­as o Financial Times. Já lia, an­tes de ser co­le­ga de Cen­te­no.

Exi­gen­te e wor­kaho­lic

De­pois de uma car­rei­ra in­ten­sa li­ga­da à ges­tão hos­pi­ta­lar, es­te mé­di­co sem con­sul­tó­rio é o no­me mais cri­ti­ca­do e elo­gi­a­do na Saú­de. Es­tra­nho? O per­cur­so aju­da a ex­pli­car: há mui­to que se di­zia que Adalberto Campos Fernandes che­ga­ria à pas­ta da Saú­de. Um no­me con­sen­su­al, apesar de se ter tor­na­do mais pró­xi­mo do PS no con­su­la­do de An­tó­nio Jo­sé Seguro – che-

“So­mos to­dos Cen­te­no”, ga­ran­tiu o mi­nis­tro da Saú­de pa­ra ex­pri­mir a sua aten­ção ao ri­gor fi­nan­cei­ro

Não foi só um mo­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal: Marcelo Re­be­lo de Sousa e o mi­nis­tro co­nhe­cem-se bem e tro­cam SMS fo­ra de ho­ras

Os­sos do ofí­cio: vi­si­tas a al­guns la­bo­ra­tó­ri­os e ser­vi­ços hos­pi­ta­la­res obri­gam a far­da ade­qua­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.