Jo­sé Pa­che­co Pe­rei­ra

Sábado - - SUMÁRIO - Jo­sé Pa­che­co Pe­rei­ra

A pro­pos­ta de Cen­te­no, com ar­gu­men­tos tec­no­crá­ti­cos de uni­for­mi­za­ção e nor­ma­li­za­ção – “ali­nha­vam-se as­sim os ci­clos po­lí­ti­cos” –, de mu­dar a da­ta das elei­ções le­gis­la­ti­vas pa­ra as re­a­li­zar no mes­mo dia das eu­ro­pei­as, é ina­cei­tá­vel se os por­tu­gue­ses ain­da qui­se­rem ter um País in­de­pen­den­te e uma po­lí­ti­ca de­mo­crá­ti­ca. A pro­pos­ta foi re­ce­bi­da com bas­tan­te in­di­fe­ren­ça e foi ape­nas dis­cu­ti­da do pon­to de vista ins­tru­men­tal da an­te­ci­pa­ção das le­gis­la­ti­vas e do seu efei­to nos par­ti­dos po­lí­ti­cos, mas a pro­pos­ta é mais uma ten­ta­ti­va de tor­nar ca­da vez me­nos au­tó­no­mo o pro­ces­so de­mo­crá­ti­co na­ci­o­nal a fa­vor de ca­len­dá­ri­os eu­ro­peus su­pra­na­ci­o­nais. Ela aca­ba­rá por fa­zer sub­su­mir a dis­cus­são eu­ro­peia, já de si mui­to es­cas­sa, nos te­mas na­ci­o­nais, apa­gan­do as fron­tei­ras en­tre a po­lí­ti­ca in­ter­na e um as­pec­to re­le­van­te, mas não úni­co, da po­lí­ti­ca ex­ter­na. É aliás par­te da ten­ta­ti­va de as tratar não co­mo po­lí­ti­ca ex­ter­na, que são, mas co­mo um qual­quer pro­lon­ga­men­to da po­lí­ti­ca in­ter­na, com o mes­mo es­ta­tu­to de le­gi­ti­mi­da­de. Co­mo se sa­be, as elei­ções eu­ro­pei­as ca­rac­te­ri­zam-se nor­mal­men­te pe­la enor­me abs­ten­ção, es­pe­lho da inu­ti­li­da­de que a mai­o­ria dos ci­da­dãos lhes atri­bui, com a con­se­quen­te di­mi­nui­ção do fac­tor de le­gi­ti­ma­ção que as elei­ções cons­ti­tu­em. E, mes­mo as­sim, quan­do par­ti­ci­pam, os elei­to­res fa­zem-no em fun­ção do seu pa­pel de elei­ções de se­gun­da or­dem que per­mi­tem pu­nir ou apoi­ar um go­ver­no em fun­ções. Há quem ar­gu­men­te que um exem­plo do pas­sa­do, em que as elei­ções fo­ram si­mul­tâ­ne­as, mos­trou que o elei­to­ra­do as dis­tin­guia. Mas foi num pas­sa­do em as ques­tões eu­ro­pei­as eram de na­tu­re­za mui­to di­fe­ren­te da que ho­je têm, e em que a dis­tin­ção se fez pe­los can­di­da­tos.

“Ali­nhar” a po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa pe­los ci­clos eu­ro­peus, ou se­ja pe­las elei­ções nou­tros países, é uma pu­ra abs­trac­ção, co­mo mui­tas que dis­far­çam a re­a­li­da­de mui­to pou­co de­mo­crá­ti­ca da União Eu­ro­peia, mas tem o efei­to per­ver­so de dar aos par­ti­dos do “blo­co cen­tral” eu­ro­peu, o ar­gu-

men­to de que as su­as po­lí­ti­cas eu­ro­pei­as tem a mes­ma le­gi­ti­ma­ção que as su­as po­lí­ti­cas na­ci­o­nais, mes­mo quan­do nun­ca fo­ram dis­cu­ti­das. E na ver­da­de não tem: exis­te um enor­me dé­fi­ce de­mo­crá­ti­co no pro­ces­so eu­ro­peu, com a as­sun­ção de que são “re­gras eu­ro­pei­as” re­gras que não o são, com a sub­mis­são a uma ins­ti­tui­ção co­mo o Eu­ro­gru­po que não é uma ins­ti­tui­ção da União e não tem fun­ci­o­na­men­to de­mo­crá­ti­co, e por fim, pe­la con­ti­nu­a­da acei­ta­ção da per­da de so­be­ra­nia par­la­men­tar, que nun­ca ne­nhum português vo­tou ou de­ci­diu. Por tu­do is­to, a pro­pos­ta de Cen­te­no, que é ho­je mais um bu­ro­cra­ta eu­ro­peu do que um ministro português, é ina­cei­tá­vel.

Mais bai­xa­ria no fu­te­bol

À da­ta em que es­cre­vo, em todos os no­ti­ciá­ri­os da rá­dio e da te­le­vi­são, an­tes de che­gar a uma no­tí­cia que pres­te – e in­fe­liz­men­te o mundo es­tá cheio de­las se­gun­do o prin­cí­pio de que só as más no­ti­ci­as são no­tí­ci­as –, te­mos que pas­sar por uma lo­go­ma­quia a pro­pó­si­to de uma “cri­se” de um clube de fu­te­bol. As per­so­na­gens da “cri­se” di­gla­di­am-se no Fa­ce­bo­ok e nas “re­des so­ci­ais”, o que já se­ria in­di­ca­ti­vo de que a coi­sa não pres­ta, em con­fe­rên­ci­as de im­pren­sa e em co­mu­ni­ca­dos, ata­can­do-se uns aos ou­tros com vi­o­lên­cia ver­bal, o que no meio da bai­xa­ria fu­te­bo­lís­ti­ca é meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra a vi­o­lên­cia fí­si­ca. Eu nem que­ro sa­ber do que se tra­ta, só me quei­xo de o tem­po que po­dia ser útil pa­ra in­for­mar es­tar em­pes­ta­do com es­tes mi­as­mas. Se­rá que al­guém pen­sa que is­to é mes­mo im­por­tan­te pa­ra a Na­ção, pa­ra Por­tu­gal, pa­ra os por­tu­gue­ses?

É só uma ques­tão de tem­po

…até qual­quer uma das des­re­gu­la­ções que Trump es­tá a fa­zer dê ter­ri­vel­men­te pa­ra o tor­to. Cla­ro que há um ex­ces­so re­gu­la­tó­rio a que se de­via por ter­mo. Mas o que Trump es­tá a fa­zer – e es­sa é uma das mais im­por­tan­tes ra­zões do aplau­so nos mei­os dos ne­gó­ci­os – é dei­tar fo­ra o me­ni­no com a água do ba­nho. E aqui o me­ni­no em cer­tas áre­as, do am­bi­en­te em ge­ral, se­gu­ran­ça, con­tro­lo das in­dús­tri­as pe­ri­go­sas, con­tro­lo da es­pe­cu­la­ção fi­nan­cei­ra, po­de dar ori­gem a pe­ri­go­sas si­tu­a­ções. Co­mo se­ria o in­cên­dio da Trump Tower se não hou­ves­se sis­te­mas an­ti­fo­go “re­gu­la­tó­ri­os” e contra os quais Trump se ba­teu? Trump não os co­lo­cou na ori­gem, por­que a lei não o obri­ga­va à da­ta da cons­tru­ção da Tor­re, e de­pois, co­mo sem­pre, umas ve­zes co­lo­cou-os nos seus pré­di­os, ou­tras não. O seu com­pa­nhei­ro re­pu­bli­ca­no e apoi­an­te Giu­li­a­ni não quis apro­var re­gu­la­men­tos que tor­nas­sem obri­ga­tó­rio es­ses sis­te­mas em pré­di­os mais antigos por­que fi­ca­va “mui­to ca­ro”. O ho­mem que mor­reu no in­cên­dio vi­via num apar­ta­men­to sem sis­te­mas au­to­má­ti­cos an­ti­fo­gos.

SUSANA VILLAR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.