João Pe­rei­ra Cou­ti­nho

Sábado - - SUMÁRIO - Po­li­tó­lo­go, es­cri­tor João Pe­rei­ra Cou­ti­nho

FO­RAM ANOS E ANOS

a fa­zer sem­pre a mes­ma per­gun­ta: “Quan­do sai o Cu­nha Rego?” O meu ami­go Vas­co Ro­sa, que com a ida­de foi ga­nhan­do uma pa­ci­ên­cia de san­to, res­pon­dia coi­sas va­gas: “Va­mos ver”, “es­tá quase”, “só fal­ta um pre­fá­cio”.

O tem­po pas­sou, eu es­que­ci-me. E eis que o Vas­co, num al­mo­ço dos nos­sos, anun­ci­ou em tom bla­sé, co­mo quem co­men­ta o es­ta­do do tem­po: “Vai sair o Cu­nha Rego.” E saiu.

O li­vro in­ti­tu­la-se Na Prá­ti­ca a Te­o­ria ÉOu­tra, foi or­ga­ni­za­do pe­lo Vas­co e por An­dré Cu­nha Rego, pu­bli­ca­do he­roi­ca­men­te pe­la Dom Qui­xo­te com apoio de­ci­si­vo da Rands­tad – e eu en­fi­ei-me na ca­ma, co­mo sem­pre fa­ço, a ler as 856 pá­gi­nas de textos que o au­tor pro­du­ziu en­tre 1957 e 1999, em jor­nais bra­si­lei­ros ou por­tu­gue­ses.

É uma ex­pe­ri­ên­cia es­ma­ga­do­ra. Es­ma­ga­do­ra pe­lo es­ti­lo, pe­la in­te­li­gên­cia e pe­la ca­pa­ci­da­de, ra­rís­si­ma em qual­quer in­te­lec­tu­al, de di­zer sem­pre al­go pre­mo­ni­tó­rio e inu­si­ta­do. Quan­do le­mos um co­lu­nis­ta re­gu­lar, pas­sa­mos os olhos pe­la pri­mei­ra fra­se e adi­vi­nha­mos lo­go a con­clu­são. Não com Cu­nha Rego, um flâ­neur­que gos­ta­va de che­gar ao des­ti­no pe­lo ca­mi­nho mais im­pro­vá­vel. E que des­ti­no era es­se? Nu­ma pa­la­vra, li­ber­da­de: é o ter­mo re­cor­ren­te da pro­sa e, co­mo Otá­vio Fri­as Fi­lho es­cre­ve num pre­fá­cio bri­lhan­te, é o va­lor que uni­fi­ca o Cu­nha Rego da dé­ca­da de 50 – ou de 90. A de­fe­sa da li­ber­da­de contra o re­gi­me de Sa­la­zar; contra a di­ta­du­ra mi­li­tar bra­si­lei­ra; contra o MFA de­pois do 25 de Abril; e, já de­pois da re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal de 1982, a li­ber­da­de do Oci­den­te contra as ilu­sões mos­co­vi­tas, que ele sa­bia con­de­na­das ao fra­cas­so mui­to an­tes de o Mu­ro ruir em 1989. Mas não se pen­se que Cu­nha Rego em­bar­cou na ilu­são opos­ta de acre­di­tar no “fim da his­tó­ria” com que mui­tos se ba­nha­ram nos anos eu­fó­ri­cos da dé­ca­da de 90.

Nos úl­ti­mos textos, es­cri­tos pa­ra o Diá­rio de No­tí­ci­as, en­con­tra­mos o melhor Cu­nha Rego – al­guém que dis­cor­re so­bre os as­sun­tos do dia sub spe­cie ae­ter­ni­ta­tis, ou se­ja, pro­cu­ran­do o eter­no no efé­me­ro, exac­ta­men­te co­mo o seu he­rói mai­or, An­dré Mal­raux. E, pa­ra quem es­cre­ve “sob o pon­to de vista da eter­ni­da­de”, a his­tó­ria, com o seu cor­te­jo de hor­ro­res e de con­tin­gên­ci­as, mas tam­bém de pro­mes­sas e fe­li­ci­da­des, nun­ca aca­ba. E nun­ca aca­ba por­que Cu­nha Rego era um plu­ra­lis­ta por ex­ce­lên­cia. Uso a pa­la­vra no seu sen­ti­do fi­lo­só­fi­co mais pre­ci­so: co­mo al­guém que de­fen­de a mul­ti­pli­ci­da­de de va­lo­res e fins de vi­da que exis­tem na ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na – e que exi­ge dos pró­pri­os se­res hu­ma­nos uma atitude de es­co­lha e, pa­la­vra im­por­tan­te pa­ra ele, de “co­ra­gem” pa­ra ar­ris­car. O que Cu­nha Rego não per­doa nos es­pí­ri­tos me­dío­cres – e Sa­la­zar é o su­pre­mo re­pre­sen­tan­te des­sa cas­ta – é a ne­ga­ção da vi­da, a as­fi­xia da cri­a­ti­vi­da­de e do ris­co. Pa­ra en­ten­der­mos Sa­la­zar, es­cre­ve o au­tor na dé­ca­da de 50, de­ve­mos olhar pa­ra “o fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co de 55 ou 60 anos, man­ga de al­pa­ca des­de a ju­ven­tu­de, hu­mil­de, mal ali­men­ta­do, de cu­e­cas de nas­tro, co­la­ri­nho pos­ti­ço, sol­tei­ro, vi­ven­do em pen­são”. Po­de­ria di­zer-se que es­te ca­va­lei­ro da tris­te fi­gu­ra, às ve­zes, dá bons po­e­tas. Mas Cu­nha Rego não es­ta­va a pen­sar em Fer­nan­do Pes­soa; pen­sa­va, an­tes, no pró­ce­re e no seu po­vo, du­as fa­ces da mes­ma mo­e­da, um­bi­li­cal­men­te li­ga­dos nes­sa es­pé­cie de tor­por pe­ni­ten­te. “Quan­do o po­vo português des­co­brir que não é cul­pa­do”, di­rá Cu­nha Rego, “mui­ta coi­sa acon­te­ce­rá”. E acon­te­ceu, de fac­to, em­bo­ra a so­be­ra­nia dos man­gas de al­pa­ca con­ti­nue no Por­tu­gal de ho­je, e não ape­nas na po­lí­ti­ca na­ti­va. Se a al­ma é um ví­cio, co­mo di­zia Agus­ti­na, continuamos vi­ci­a­dos na ta­ca­nhez e no res­sen­ti­men­to que ha­bi­tam a al­ma lu­si­ta­na co­mo um tu­mor inex­tir­pá­vel. Des­ses ma­les não so­freu Cu­nha Rego.

E se fa­lo em Agus­ti­na é por du­as ra­zões: pri­mei­ro, por­que ela re­pre­sen­ta o opos­to des­sas “al­mas mor­tas” (o seu tex­to so­bre a es­cri­to­ra é o se­gun­do au­to-re­tra­to de Cu­nha Rego, de­pois de Mal­raux); mas tam­bém por­que Cu­nha Rego par­ti­lha­va com ela o gos­to pe­lo afo­ris­mo si­bi­li­no – uma fra­se bas­ta pa­ra re­su­mir uma bi­bli­o­te­ca in­tei­ra. E, nes­sa bi­bli­o­te­ca, ca­be tu­do, mes­mo an­tes de se tor­nar evi­den­te pa­ra nós: a trans­for­ma­ção da po­lí­ti­ca em es­pec­tá­cu­lo de va­ri­e­da­des (e de men­ti­ra per­ma­nen­te); a im­por­tân­cia da Na­ção co­mo con­di­ção de cos­mo­po­li­tis­mo (uma ver­da­de que, de tão ne­ga­da, vai con­de­nar a Eu­ro­pa ao abis­mo); o ab­sur­do “cul­to do cor­po” que é uma re­li­gião ins­ta­la­da; a neu­ro­se pe­ran­te a mor­ta­li­da­de.

So­bre tu­do is­to es­cre­veu Cu­nha Rego, sem­pre com uma atitude cép­ti­ca, per­ple­xa, ele­va­da.

Foi lon­ga a espera mas é do­ce o re­sul­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.