Ex-guer­ri­lhei­ros em al­mo­ço de sau­da­de

Sábado - - SUMÁRIO - Por Fer­nan­do Ma­daíl

Ope­ra­ci­o­nais dos gru­pos ar­ma­dos clan­des­ti­nos que com­ba­te­ram a di­ta­du­ra na dé­ca­da de 70 e as­sus­ta­ram Por­tu­gal na de 80 jun­ta­ram-se em con­fra­ter­ni­za­ção.

Uma­cen­te­na de pes­so­as, en­tre ope­ra­ci­o­nais das Bri­ga­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as (BR), PRP-BR e For­ças Po­pu­la­res 25 de Abril (FP 25); antigos di­ri­gen­tes da OUT e da FUP (par­ti­do cu­jo em­ble­ma era o ros­to es­ti­li­za­do de Ote­lo); ad­vo­ga­dos de de­fe­sa nos dois me­ga­jul­ga­men­tos das FP 25; jornalistas que co­bri­ram as ac­ti­vi­da­des des­te gru­po e es­ta­be­le­ce­ram re­la­ções de es­ti­ma com al­guns ac­ti­vis­tas; mem­bros de co­mis­sões de so­li­da­ri­e­da­de com es­ses pre­sos po­lí­ti­cos, jun­ta­ram-se no sá­ba­do, num res­tau­ran­te no Pi­nhal No­vo, no al­mo­ço Ami­gos da Re­vo­lu­ção. E o bi­lhe­te, que cus­ta­va 15 eu­ros (ha­via uma “cai­xa so­li­dá­ria” pa­ra se pa­gar as re­fei­ções dos mais des­fa­vo­re­ci­dos), ti­nha o em­ble­ma es­ti­li­za­do das FP 25, a que se re­ti­ra­ra a me­tra­lha­do­ra, e ver­sos da can­ção de Ze­ca Afon­so Fi­lhos da Ma­dru­ga­da.

Ali es­ta­va Vladimir Jo­sé Roque Laia (fi­lho de Ma­ri­a­no dos San­tos Roque Laia, o fa­mo­so ad­vo­ga­do dos pre­sos po­lí­ti­cos do sa­la­za­ris­mo), que in­te­grou as BR – cu­jo ob­jec­ti­vo era der­ru­bar o re­gi­me fas­cis­ta com re­cur­so a ac­ções vi­o­len­tas – des­de a fun­da­ção, em 1970, até à rup­tu­ra com Car­los An­tu­nes, em 1973. E Luís Go­bern Lo­pes, um dos pri­mei­ros a as­su­mir (o ou­tro foi Fer­nan­do Silva), em tri­bu­nal, que per­ten­cia às FP 25, a or­ga­ni­za­ção acu­sa­da de 13 as­sas­si­na­tos en­tre 1980 e 1987. Ain­da mi­li­tan­tes que as­sis­ti­ram à fa­se em que as BR se jun­ta­ram ao Par­ti­do Re­vo­lu­ci­o­ná­rio do Pro­le­ta­ri­a­do (PRPBR); e de­pois, já em Ou­tu­bro de 1975, na sequên­cia do des­vio das 3.000 es­pin­gar­das G3 que o ca­pi­tão Fernandes re­ti­rou de Bei­ro­las e en­tre­gou “em bo­as mãos”, vi­ram o PRP man­ter-se na le­ga­li­da­de, mas as BR pas­sa­rem à clan­des­ti­ni­da­de – co­mo no­ti­ci­a­va o jor­nal Re­vo­lu­ção. Na­que­le al­mo­ço ha­via, pois, uma con­ti­nui­da­de his­tó­ri­ca dos ide­ais de uma par­te da esquerda re­vo­lu­ci­o­ná­ria, ro­tu­la­da de “gue­va­ris­ta” ou de “ba­sis­ta”, que se de­di­cou à gu­er­ri­lha ur­ba­na em Por­tu­gal.

A ideia dos re­en­con­tros par­tiu de Luís Go­bern Lo­pes, que es­te­ve no PRP-BR e foi fun­da­dor das FP 25, ao per­ce­ber que os ve­lhos ca­ma­ra­das – en­tre­tan­to, mui­tos dei­xa­ram de ter mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria, vá­ri­os ade­ri­ram

ao PS e al­guns ao BE, ha­ven­do até um que in­te­gra ago­ra a CAP (Con­fe­de­ra­ção dos Agri­cul­to­res de Por­tu­gal), um dos po­ten­ci­ais al­vos das FP 25 – co­me­ça­vam a fi­car “se­xa­ge­ná­ri­os, sep­tu­a­ge­ná­ri­os, oc­to­ge­ná­ri­os” e “já só se en­con­tra­vam em fu­ne­rais”. Os pri­mei­ros al­mo­ços fo­ram na sua quin­ta, mas ago­ra es­se gru­po de sau­do­sos do PREC (o Pro­ces­so Re­vo­lu­ci­o­ná­rio em Cur­so, que se po­de fi­xar en­tre o 11 de Março e o 25 de No­vem­bro de 1975) jun­ta-se anualmente num discreto res­tau­ran­te.

A ori­gem das FP 25

Na dé­ca­da de 70, a vi­o­lên­cia re­vo­lu­ci­o­ná­ria na Eu­ro­pa, além dos na­ci­o­na­lis­tas ir­lan­de­ses do IRA e bas­cos da ETA, foi exer­ci­da por vá­ri­os gru­pos, com des­ta­que pa­ra os ale­mães da RAF (mais co­nhe­ci­dos pe­lo no­me dos lí­de­res que mor­re­ram na pri­são, Ba­a­der-Mei­nhof) e os ita­li­a­nos das Bri­ga­das Ver­me­lhas (que se­ques­tra­ram e ma­ta­ram o ex-pri­mei­ro-ministro Al­do Mo­ro).

As FP 25 têm ori­gem so­bre­tu­do nu­ma ci­são do PRP, jun­tan­do os que con­tes­ta­vam a te­se do­mi­nan­te de Car­los An­tu­nes e Isa­bel do Car­mo, pa­ra quem a for­ça era ape­nas um ar­gu­men­to po­lí­ti­co – com ac­ções sim­bó­li­cas co­mo as bom­bas de fu­mo no co­mí­cio de apoio ao VI Go­ver­no Pro­vi­só­rio (o pri­mei­ro-ministro Pi­nhei­ro de Aze­ve­do subs­ti­tuía o “co­mu­nis­ta” Vas­co Gonçalves) –, em­bo­ra tam­bém ser­vis­se pa­ra ac­ti­vi­da­des de “recuperação de fun­dos” (eu­fe­mis­mo que de­sig­na as­sal­tos a ban­cos e re­par­ti­ções da fa­zen­da pú­bli­ca). Par­te des­te gru­po, que que­ria evi­tar que cor­res­se san­gue, aca­ba­ria por ser pre­so em 1978, in­cluin­do Car­los An­tu­nes e Isa­bel do Car­mo, no que fi­ca­ria co­nhe­ci­do co­mo Ca­so PRP, em que os de­ti­dos re­cor­re­ram à gre­ve de fo­me e se­ri­am ab­sol­vi­dos.

Os dis­si­den­tes, in­con­for­ma­dos com a re­ver­são das con­quis­tas do PREC, co­mo o “po­der po­pu­lar”, “con­tro­lo ope­rá­rio”, “re­for­ma agrá­ria” ou “de­mo­cra­cia de ba­se”, de­ci­dem pas­sar à luta ar­ma­da. A 20 de Abril de 1980, atra­vés da ex­plo­são de 110 pe­tar­dos es­pa­lha­dos pe­lo País, que fa­zi­am vo­ar pan­fle­tos com o Ma­ni­fes­to ao Po­vo

Tra­ba­lha­dor, as FP 25 ex­pli­ca­vam que vi­sa­vam a “ins­tau­ra­ção da di­ta­du­ra do pro­le­ta­ri­a­do, [a] cri­a­ção do Exér­ci­to Po­pu­lar e [a] im­plan­ta­ção do so­ci­a­lis­mo”, pro­pon­do-se “tra­var o avan­ço imi­nen­te de um gol­pe da direita fas­cis­ta e hon­rar a Re­vo­lu­ção de Abril”. Go­bern con­tex­tu­a­li­za: “Foi o cul­mi­nar de um pro­ces­so. Após o 25 de No­vem­bro [de 1975, em que a fac­ção mo­de­ra­da das For­ças Ar­ma­das der­ro­tou a es­quer­dis­ta que se unia em tor­no de Ote­lo], as­sis­tía­mos à im­pu­ni­da­de dos res­pon­sá­veis pe­los aten­ta­dos bom­bis­tas de direita [do ELP, MDLP, Ma­ria da Fon­te, ac­ti­vos no pe­río­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio] e até à li­ber­ta­ção de “pi­des”. Con­vém lem­brar que o pró­prio Má­rio Soares fez um dis­cur­so, em vés­pe­ras do 25 de Abril [de 1977], di­zen­do que es­ta­va imi­nen­te um gol­pe fas­cis­ta” – em­bo­ra o con­tex­to e o ob­jec­ti­vo des­sa de­cla­ra­ção fos­sem, cer­ta­men­te, di­fe­ren­tes des­ta in­ter­pre­ta­ção li­te­ral. E, em 1979 e 1980, a Ali­an­ça De­mo­crá­ti­ca (PSD-CDS-PPM) ven­cia as le­gis­la­ti­vas. Em se­te anos, as FP 25 ma­ta­ram qua­tro mi­li­ta­res da GNR e um agen­te da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria (PJ); exe­cu­ta­ram com dois ti­ros na nu­ca o di­rec­tor-ge­ral dos Ser­vi­ços Pri­si­o­nais, Gas­par Cas­te­lo-Bran­co; e com uma ra­ja­da de pis­to­la-me­tra­lha­do­ra o pri­mei­ro “ar­re­pen­di­do”, Jo­sé Bar­ra­das, que te­rá pres­ta­do as in­for­ma­ções fun­da­men­tais pa­ra a PJ mon­tar a Ope­ra­ção Ori­on; atin­gi­ram mor­tal­men­te um cli­en­te de um ban­co e dis­pa­ra­ram contra um po­pu­lar que, de pis­to­la em pu­nho, ten­tou en­fren­tar um gru­po que as­sal­ta­va ou­tro ban­co. Mas a ví­ti­ma mais cho­can­te, no que foi lo­go con­si­de­ra­do um “en­ga­no” pe­la or­ga­ni­za­ção, foi o be­bé de qua­tro me­ses, que mor­reu na sequên­cia da ex­plo­são do en­ge­nho ex­plo­si­vo co­lo­ca­do na ca­sa de um agri­cul­tor de S. Man­ços. Além de 13 ho­mi­cí­di­os, “cas­ti­ga­ram” com ti­ros no jo­e­lho e fe­ri­ram com dis­pa­ros sem es­ta pon­ta­ria cer­tei­ra em­pre­sá­ri­os, administradores e agrá­ri­os na sequên­cia de con­fli­tos la­bo­rais, co­lo­can­do ain­da ex­plo­si­vos em au­to­mó­veis e re­si­dên­ci­as, bem co­mo em quar­téis da GNR, sen­do con­ta­bi­li­za­dos 66 aten­ta­dos à bom­ba. Si­mul­ta­ne­a­men­te, pro­ce­di­am à “ex­pro­pri­a­ção” de ban­cos e ou­tras “ac­ções de sub­sis­tên­cia”, rou­ban­do até

A IDEIA DESTES EN­CON­TROS PAR­TIU DE LUÍS GO­BERN LO­PES, QUE ES­TE­VE NO PRP-BR E NA FUN­DA­ÇÃO DAS FP

em­pre­sas que se pre­pa­ra­vam pa­ra pa­gar os sa­lá­ri­os no fim do mês. A ope­ra­ção mais apa­ra­to­sa, en­tre os 99 as­sal­tos, foi a que cap­tu­rou, em ple­no cen­tro de Lis­boa, uma car­ri­nha de trans­por­te de va­lo­res com 108 mil con­tos (538.701,70 eu­ros), que, em 1984, era mui­to di­nhei­ro.

A PJ cri­ou a Di­rec­ção Cen­tral de Com­ba­te ao Ban­di­tis­mo pa­ra en­fren­tar es­ta ame­a­ça e, com ba­se nas de­cla­ra­ções de três “ar­re­pen­di­dos” (pre­sos, por aca­so, pe­la PSP, no Porto, em 19 de Ju­nho de 1984), de­sen­ca­de­ou a Ope­ra­ção Ori­on. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e a PJ (em co­or­de­na­ção com a PSP e a GNR), ac­tu­a­ram em vá­ri­os pon­tos do País, fi­ze­ram uma rus­ga à se­de da FUP e de­ti­ve­ram cer­ca de 40 pes­so­as que jul­ga­vam ser a cú­pu­la po­lí­ti­ca – in­cluin­do Ote­lo. Até Ou­tu­bro de 1985, já com mais “ar­re­pen­di­dos” a co­la­bo­ra­rem, se­ri­am cap­tu­ra­dos mui­tos ope­ra­ci­o­nais. Mes­mo as­sim, nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa pa­ra a qual os re­pór­te­res fo­ram con­du­zi­dos de olhos ven­da­dos, três en­ca­pu­za­dos com ócu­los es­cu­ros, cu­jos no­mes de có­di­go eram Can­ja, Xa­vi­er e Da­ni­el (um dos 10 eva­di­dos do Es­ta­be­le­ci­men­to Pri­si­o­nal de Lis­boa), pro­cla­ma­vam que as pri­sões “quase não to­ca­ram na es­tru­tu­ra ope­ra­ci­o­nal”.

O pro­ble­ma de pren­der Ote­lo

O pro­ces­so ga­nhou mai­or pro­jec­ção com a pri­são de Ote­lo Sa­rai­va de Carvalho – que ne­gou sem­pre qual­quer li­ga­ção às FP 25, es­cre­ven­do até o li­vro Acu­sa­ção e De­fe­sa em Mon­san­to.

O pró­prio juiz de ins­tru­ção, Mar­ti­nho Almeida Cruz, a quem cou­be as­si­nar os man­da­tos de de­ten­ção, ad­mi­ti­ria à Lu­sa, em 2001, que “não foi fá­cil” dar a or­dem de pri­são ao íco­ne do 25 de Abril, pou­co após a co­me­mo­ra­ção do dé­ci­mo ani­ver­sá­rio da Re­vo­lu­ção dos Cra­vos. Afi­nal, pa­ra o pri­mei­ro ma­gis­tra­do português que ne­ces­si­tou de se­gu­ran­ça po­li­ci­al, “pren­der Ote­lo era a sen­sa­ção de que se es­ta­va a pren­der um mi­to”, “a pren­der um pou­co da his­tó­ria re­cen­te do País”. Mes­mo Má­rio Soares, en­tão pri­mei­ro-ministro do Blo­co Cen­tral (co­li­ga­ção PS-PSD), não te­rá ti­do co­nhe­ci­men­to pré­vio de que um dos in­di­ci­a­dos era Ote­lo, pois es­ta­va em vi­si­ta ofi­ci­al ao Ja­pão. “Bem in­co­mo­da­do fi­quei”, di­ria a Ma­ria João Avil­lez (Soares – De­mo­cra­cia), “por a po­lí­cia ter pos­to Ote­lo em re­gi­me de in­co­mu­ni­ca­bi­li­da­de [na pri­são de Ca­xi­as]. (...) Pen­se-se o que se pen­sar de­le, não de­ve­mos es­que­cer que Ote­lo Sa­rai­va

de Carvalho é um he­rói de Abril”.

A 20 de Maio de 1987, Ote­lo se­ria con­de­na­do a 15 anos de pri­são pe­lo cri­me de ter­ro­ris­mo, só sain­do do cár­ce­re a 17 de Maio de 1989 – mas com re­cur­sos e ou­tros processos ain­da a de­cor­rer. Du­ran­te es­se pe­río­do, já co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nas des­lo­ca­ções ao es­tran­gei­ro, Má­rio Soares era fre­quen­te­men­te con­fron­ta­do com a si­tu­a­ção do es­tra­te­go do 25 de Abril. Apesar de ter per­di­do po­pu­la­ri­da­de in­ter­na – nas pre­si­den­ci­ais de 1976 ob­te­ve 16,46% (quase 800 mil vo­tos), e nas de 1980 fi­cou-se pe­los 1,49% (cer­ca de 8.600 vo­tos, quase um dé­ci­mo) –, con­ti­nu­a­va a ser um sím­bo­lo tão ad­mi­ra­do no es­tran­gei­ro que che­gou a ser edi­ta­do o dis­co

Obri­ga­do, Ote­lo, em que par­ti­ci­pa­vam Chi­co Bu­ar­que, Ge­or­ges Mous­ta­ki, Mi­kis The­o­do­ra­kis, Billy Bragg, Pa­blo Mi­la­nés e Mercedes So­sa.

Uma das pre­sen­tes no al­mo­ço foi a ad­vo­ga­da Lí­dia Lei­tão Cor­reia, a quem o seu an­ti­go pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to, Ro­meu Fran­cês, que era o de­fen­sor de Ote­lo e de Mou­ta Liz, per­gun­tou se não de­fen­dia Ma­ria da Luz Lo­pes San­tos, fun­ci­o­ná­ria do Ban­co de Por­tu­gal e acu­sa­da de “au­to­ria mo­ral” pe­la ac­ti­vi­da­de das FP 25. Mais tar­de, por es­co­lha dos de­ti­dos ou subs­ti­tuin­do ad­vo­ga­dos ofi­ci­o­sos, che­gou a de­fen­der 23 ar­gui­dos em si­mul­tâ­neo.

Hou­ve dois jul­ga­men­tos dos dois gran­des processos: o pri­mei­ro foi no Tri­bu­nal Es­pe­ci­al de Mon­san­to, cons­truí­do de pro­pó­si­to pa­ra jul­gar 78 acu­sa­dos (300 vo­lu­mes e 50 mil pá­gi­nas de processos) e per­mi­tir enor­mes me­di­das de se­gu­ran­ça, de­cor­ren­do en­tre Ou­tu­bro de 1985 e Maio de 1987; o se­gun­do, no Tri­bu­nal da Boa Ho­ra, on­de res­pon­di­am 60 acu­sa­dos por “crimes de san­gue”, que não ti­nham si­do abran­gi­dos pe­la Am­nis­tia apro­va­da pe­la As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca em 1996, mas se­ri­am ab­sol­vi­dos, em Abril de 2001, por não ter si­do pos­sí­vel pro­var a au­to­ria de ca­da cri­me. E no fi­nal dos dois, iro­ni­za Lí­dia Cor­reia, tem “o re­cor­de na­ci­o­nal de 20 in­dul­tos pe­di­dos e de 20 in­dul­tos con­ce­di­dos”. No fun­do, co­mo re­ma­ta Luís Go­bern Lo­pes, “sur­gi­mos fo­ra do tem­po”.

Aaa aaa a a aaa aa­a­a­a­a­a­a­a­a­a­aa aaa aaa a a aaa aa­a­a­a­a­a­a­a­a­a­aa aaa aaa a a aaa aa­a­a­a­a­a­a­a­a­a­aa aaa aaa a a aaa O bi­lhe­te cus­ta­va 15 eu­ros, pa­ra o al­mo­ço de­sig­na­do Ami­gos da Re­vo­lu­ção, no Pi­nhal No­vo

Al­guns dos par­ti­ci­pan­tes na che­ga­da ao en­con­tro e a cai­xa so­li­dá­ria pa­ra do­na­ti­vos pa­ra quem ti­ves­se mais dificuldade em pa­gar

1

Aten­ta­do bom­bis­ta das FP 25 em Be­ja, em Fe­ve­rei­ro de 1985

Ou­tro aten­ta­do das FP 25, em Al­cain­ça, Mal­vei­ra, em 1981: mor­re­ram dois sol­da­dos da GNR

Ote­lo Sa­rai­va de Carvalho e Pe­dro Gou­lart no jul­ga­men­to 2

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.