O th­ril­ler real de cor­rup­ção que le­vou Lu­la à pri­são

Ao des­fa­zer o no­ve­lo da cor­rup­ção, o juiz res­pon­sá­vel Sér­gio Mo­ro es­pe­ra­va um ga­to e apa­nhou­um “mons­tro”: o Pre­si­den­te Lu­la da Silva

Sábado - - SUMÁRIO - Por Sa­ra Ca­pe­lo

Luís Iná­cio Lu­la da Silva abriu a por­ta de fa­to-de-trei­no. Eram ape­nas 6h, mas não se ma­ni­fes­tou par­ti­cu­lar­men­te sur­pre­en­di­do com os três de­le­ga­dos, dois es­cri­vães e 10 agen­tes da po­lí­cia Fe­de­ral que es­ta­vam no cor­re­dor do apar­ta­men­to 122, num blo­co re­si­den­ci­al de São Ber­nar­do do Cam­po na­que­la ma­nhã de sex­ta-fei­ra, 4 de Março de 2016. “Bom dia”, dis­se aos po­lí­ci­as. Em ca­sa, além do ex-Pre­si­den­te bra­si­lei­ro, es­ta­vam a mu­lher, Ma­ria Le­tí­cia, e dois po­lí­ci­as do seu cor­po pes­so­al, es­cre­ve o jor­na­lis­ta Vladimir Netto em Lava Jato, o li­vro de não ficção mais vendido no Bra­sil em 2016 e que ago­ra é pu­bli­ca­do em Por­tu­gal. O co­mis­sá­rio Lu­ci­a­no Flo­res, que che­fi­a­va a equi­pa, ex­pli­cou-lhe que ti­nha um man­da­do pa­ra fa­zer bus­cas. E mais: que­ria in­ter­ro­gá-lo num lu­gar neu­tro. “Só saio da­qui al­ge­ma­do”, res­pon­deu o an­ti­go che­fe de Es­ta­do, ir­ri­ta­do. A es­sa mes­ma ho­ra, ou­tros 44 man­da­dos ju­di­ci­ais es­ta­vam a ser cum­pri­dos nou­tras lo­ca­li­da­des dos es­ta­dos de São Pau­lo, Baía e Rio de Ja­nei­ro. Fa­zi­am par­te da 24ª fa­se da ope­ra­ção Lava Jato, ini­ci­a­da dois anos an­tes e que já le­va­ra à pri­são de em­pre­sá­ri­os e po­lí­ti­cos. Mas que, ao en­trar na ca­sa do mais po­pu­lar dos antigos Pre­si­den­tes, to­ca­va tam­bém pe­la pri­mei­ra vez na cú­pu­la do po­der bra­si­lei­ro – e der­ru­ba­ria a Pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Os in­ves­ti­ga­do­res pro­cu­ra­vam pro­vas de que o apar­ta­men­to 164-A, um trí­plex no Gu­a­ru­já (São Pau­lo) te­ria ser­vi­do co­mo pa­ga­men­to a Lu­la por es­te ter be­ne­fi­ci­a­do a cons­tru­to­ra OAS. Só is­so, su­pu­nham, jus­ti­fi­ca­ria que a em­pre­sa ti­ves­se pa­go obras no va­lor de 770 mil re­ais (à época, cer­ca de 183 mil eu­ros) e que in­cluíam um ele­va­dor pri­va­ti­vo num apar­ta­men­to sem com­pra­dor. No to­tal, apar­ta­men­to e obras trou­xe­ram um ren­di­men­to ex­tra a Lu­la de 2 mi­lhões de re­ais (cer­ca de 500 mil eu­ros), con­cluiu o juiz Sér­gio Mo­ro. E foi es­se o ca­so – con­ju­ga­do com a ce­dên­cia de um ter­re­no pa­ra a cons­tru­ção do Ins­ti­tu­to Lu­la pe­la ou­tro­ra mai­or em­prei­tei­ra bra­si­lei­ra, a Ode­bre­cht –, que le­vou à con­de­na­ção de Lu­la, que des­de dia 7 de Abril cum­pre a pe­na de 12 anos e um mês.

O juiz Gil­mar Men­des, que vo­tou a fa­vor do pe­di­do de ha­be­as cor­pus de Lu­la, dis­se à im­pren­sa por­tu­gue­sa que exis­tem crimes mais gra­ves que o do trí­plex. Con­cor­da?

Não tem que se es­ta­be­le­cer uma gra­da­ção do que é mais gra­ve ou não. Pa­ra mim to­da a cor­rup­ção é gra­ve. Exis­tem pro­vas mais nu­me­ro­sas nou­tros processos, co­mo o do sí­tio [de Ati­baia, no es­ta­do de São Pau­lo, que te­ria so­fri­do obras fei­tas pe­las cons­tru­to­ras OAS e Ode­bre­cht, co­mo meio de pa­ga­men­to por te­rem si­do be­ne­fi­ci­a­das]. Mas acho que é o que a justiça de­ci­diu: olhou o ca­so e achou que ti­nha pro­vas.

Não há uma per­se­gui­ção po­lí­ti­ca, co­mo acu­sam os ad­vo­ga­dos e o pró­prio Lu­la, re­fe­rin­do um “de­lí­rio acu­sa­tó­rio”?

Não acre­di­to que ha­ja. Acho que a Lava Jato atinge todos os par­ti­dos bra­si­lei­ros. Há 14 par­ti­dos in­ves­ti­ga­dos. Há po­lí­ti­cos do PT, PMDB, PSDB. Não ve­jo co­mo uma per­se­gui­ção. Ve­jo co­mo uma opor­tu­ni­da­de da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra de com­ba­ter e dis­cu­tir es­sa ques­tão da cor­rup­ção. A Lava Jato não tem par­ti­do, é pa­ra todo o mundo. É um pro­ces­so sé­rio, bem ba­se­a­do, que es­tá acon­te­cen­do e que des­co­briu um es­que­ma de cor­rup­ção que efec­ti­va­men­te exis­tiu. É dos as­sun­tos mais in­te­res­san­tes da Lava Jato. O que me le­vou a es­cre­ver o li­vro foi ten­tar des­co­brir o que é que ti­nha le­va­do aque­la ope­ra­ção es­pe­cí­fi­ca a ter mais su­ces­so do que ou­tras no Bra­sil. Foi uma mis­tu­ra de tra­ba­lho e sor­te. Por­que se não fos­se um de­do de sor­te – al­guns fa­lam que é de Deus – não te­ria acon­te­ci­do. Foi uma sequên­cia de even­tos. Es­se no­ve­lo de que o Sér­gio Mo­ro fa­la co­me­çou a ser pu­xa­do com um do­lei­ro [cam­bis­ta ile­gal de dó­la­res]. Eram três do­lei­ros sen­do in­ves­ti­ga­dos e um de­les era um ve­lho co­nhe­ci­do da justiça.

Ele ti­nha um ami­go, o Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta, ex-di­rec­tor da Pe­tro­bras. Por aca­so a po­lí­cia acha no email do Yous­sef uma no­ta fis­cal de um car­ro que es­tá no no­me do tal Ro­ber­to Cos­ta. Eu cos­tu­mo di­zer que se não fos­se a ga­nân­cia do Pau­lo Ro­ber­to, a von­ta­de de ga­nhar um pre­sen­te, um car­ro de lu­xo, não te­ria Lava Jato, por­que não se te­ria che­ga­do ao di­rec­tor da Pe­tro­bras, que foi a por­ta de en­tra­da na cai­xa de Pan­do­ra.

Com a de­la­ção pre­mi­a­da. Ele con­tou o que sa­bia. Es­te ins­tru­men­to di­vi­de os res­pon­sá­veis da justiça em Por­tu­gal. Aí no Bra­sil foi útil?

A de­la­ção pre­mi­a­da é um ins­tru­men­to mui­to in­te­res­san­te. Foi um gran­de ins­tru­men­to du­ran­te o pro­ces­so da Lava Jato. A po­lí­cia cha­ma o Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta só pa­ra pres­tar o de­poi­men­to. Mas ele co­me­teu um er­ro: pe­diu pa­ra os fi­lhos (e is­so es­tá re­tra­ta­do na sé­rie O Me­ca­nis­mo) irem ao es­cri­tó­rio pa­ra pe­gar pro­vas, es­con­der do­cu­men­tos, di­nhei­ro. E a ce­na é ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, co­mo es­tá na sé­rie: por pou­co eles não en­con­tram a po­lí­cia. A po­lí­cia não ti­nha a cha­ve, não ar­rom­bou a por­ta. Foi um er­ro. Sai do lo­cal, os fi­lhos pe­gam o es­pó­lio, a po­lí­cia chega em se­gui­da e vê nas câ­ma­ras de se­gu­ran­ça. É ines­pe­ra­do. Nin­guém es­pe­ra­va que com­pras­sem o car­ro, que es­sa no­ta es­ti­ves­se no Yous­sef, que os fi­lhos fos­sem re­co­lher pro­vas. É uma sé­rie de acon­te­ci­men­tos que le­va ao sur­gi­men­to da Lava Jato. A ques­tão da de­la­ção pre­mi­a­da tam­bém é uma cer­ta coin­ci­dên­cia. A lei que deu umas ori­en­ta­ções so­bre es­se ins­tru­men­to foi apro­va­da em 2013. Com es­se ins­tru­men­to avan­çou-se mui­to. Ele não é a úni­ca pro­va. Tem de ter pro­vas de cor­ro­bo­ra­ção. Não po­de fi­car só na bo­ca do de­la­tor.

Quan­tos de­la­to­res hou­ve?

Mais de 140. Só da Ode­bre­cht são 68.

A pe­na que recebem é di­fe­ren­te em fun­ção dos crimes re­la­ta­dos?

Eles con­se­guem uma pe­na me­nor. Os acor­dos são di­fe­ren­tes. O Mar­ce­lo Ode­bre­cht, ex-pre­si­den­te da Ode­bre­cht, fez a de­la­ção pre­mi­a­da mas fi­cou com uma pe­na de 10 anos: dois anos e meio fe­cha­do, dois anos em ca­sa e de­pois o re­gi­me vai mu­dan­do. Ou­tros de­la­to­res ti­ve­ram pe­nas ain­da me­no­res. É pre­ci­so fa­zer uma re­fle­xão se fun­ci­o­nou ou não o ins­tru­men­to da de­la­ção pre­mi­a­da. Se não ti­ver fun­ci­o­na­do é le­gí­ti­mo mu­dar o acor­do se a co­la­bo­ra­ção não foi tão efec­ti­va. É uma ques­tão de ama­du­re­ci­men­to no uso des­se ins­tru­men­to, que ain­da é mui­to re­cen­te no Bra­sil.

No li­vro ci­ta o juiz Sér­gio Mo­ro, que nu­ma con­fe­rên­cia dis­se que pen­sa­va es­tar a de­sen­ro­lar um no­ve­lo de lã em que na pon­ta iria apa­re­cer um ga­to e o que sur­giu foi um mons­tro. Ou se­ja, não ima­gi­na­va as pro­por­ções que to­mou. O Al­ber­to Yous­sef. O que me le­vou a es­cre­ver o li­vro foi des­co­brir o que ti­nha le­va­do a ope­ra­ção a ter su­ces­so. Foi uma mis­tu­ra de tra­ba­lho e sor­te Tem de ser apu­ra­do.

Exac­ta­men­te. É cla­ro que po­de ter um er­ro aqui ou ou­tro. Mas é na­tu­ral de um pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to. As pes­so­as não po­dem fa­zer uma aná­li­se tão apai­xo­na­da das coi­sas.

Mas es­sa pai­xão é mui­to bra­si­lei­ra. Ou se ama ou se odeia o Lu­la.

Eu acho que a vi­da não é as­sim. A gen­te po­de fa­zer o ca­mi­nho mo­de­ra­do. O Bra­sil pas­sa ho­je por um pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to da de­mo­cra­cia e tem de en­fren­tar es­sa ques­tão da cor­rup­ção. A ques­tão da de­si­gual­da­de já foi re­du­zi­da no go­ver­no Lu­la. A ques­tão da es­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca, do com­ba­te à in­fla­ção, tam­bém. A da de­mo­cra­cia, tam­bém. São on­das, co­mo se fos­se um con­sen­so que vai cres­cen­do na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.

Sur­pre­en­de-o que Lu­la, que se en­vol­veu em to­das es­sas fa­ses, que com­ba­teu a di­ta­du­ra, se dei­xe le­var pe­la cor do di­nhei­ro?

É la­men­tá­vel que um Pre­si­den­te bra­si­lei­ro che­gue a uma si­tu­a­ção co­mo es­ta. Mas o sis­te­ma po­lí­ti­co ti­nha mui­tas fa­lhas, e não es­tá tu­do re­sol­vi­do. Não só o Lu­la, mas to­da a clas­se po­lí­ti­ca es­ta­va en­vol­vi­da.

Al­ber­to Yous­sef dis­se aos ad­vo­ga­dos, de­pois de ser pre­so, que es­te pro­ces­so aba­la­ria a Re­pú­bli­ca.

O Yous­sef é um ca­ra mui­to in­te­li­gen­te e sa­bia on­de as ma­las ti­nham en­tra­do, até on­de o es­que­ma ia. Ti­nha uma vi­são mais am­pla. Co­mo ope­ra­dor ele sa­bia dos par­ti­dos, das em­pre­sas, co­mo funcionava. Ele sa­bia o que ia acon­te­cer. Ele po­de­ria ter fei­to is­so lo­go quan­do foi pre­so e fez o acor­do da de­la­ção. Mas não en­tre­gou todo o mundo. Os in­ves­ti­ga­do­res acha­ram que ele ti­nha fi­ca­do sem o ne­gó­cio de do­lei­ro por­que en­tre­gou co­le­gas. Mas não, ele só en­tre­gou os ad­ver­sá­ri­os e fi­cou so­zi­nho no mer­ca­do. Na­da mais pro­fé­ti­co do que as pa­la­vras de­le. De­pois que fe­chei o li­vro, aque­la fra­se fi­cou re­per­cu­tin­do por­que ele fa­lou “vai cair” ou “vai

aba­lar” a Re­pú­bli­ca. Ele es­ta­va cer­to. Exac­to. Ele é uma per­so­na­gem fas­ci­nan­te nes­ta his­tó­ria.

Eu brin­co com o Zé Pa­di­lha que na tur­ma de O Me­ca­nis­mo eu sou o ca­ra da ver­da­de. A re­a­li­da­de é melhor do que a ficção. É im­pres­si­o­nan­te co­mo is­so acon­te­ceu na vi­da real e con­se­guiu che­gar on­de che­gou. O jor­na­lis­ta faz um pri­mei­ro ras­cu­nho da his­tó­ria e de­pois ou­tros in­ves­ti­ga­do­res apro­fun­da­rão. É um

th­ril­ler po­li­ci­al que acon­te­ceu na vi­da real. Se um au­tor de ficção se sen­tas­se pa­ra es­cre­ver ele não ia pen­sar com tan­to de­ta­lhe. Mais im­por­tan­te é que todo o mundo sai­ba da his­tó­ria, é co­mo o Mãos Lim­pas na Itá­lia. His­tó­ri­as co­mo es­sas aju­dam no com­ba­te à cor­rup­ção. Sou pro­cu­ra­do por países da Ásia, em­bai­xa­do­res, e da Eu­ro­pa tam­bém, pa­ra con­tar co­mo acon­te­ceu.

No Bra­sil, a pro­mo­ção do li­vro deu gran­de des­ta­que ao juiz Sér­gio Mo­ro. Ele tem si­do acu­sa­do – até pe­la Pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff – de ter mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas. Tem?

Não con­cor­do. Acho que ele não tem es­sa li­ga­ção po­lí­ti­ca. Ve­jo o Sér­gio Mo­ro co­mo um ser­vi­dor pú­bli­co que re­sol­veu fa­zer o melhor. Ele é um ca­ra que trei­nou e es­tu­dou pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção. Ele jul­ga ca­sos de cor­rup­ção com­ple­xos. Acu­sá-lo de ter uma li­ga­ção a um la­do ou ao ou­tro é ten­tar es­ca­par dos fac­tos atra­vés da re­tó­ri­ca. No pro­ces­so foi cui­da­do­so, hou­ve gen­te que ab­sol­veu, que con­de­nou.

No li­vro de­fi­ne co­mo “po­si­ção de trans­pa­rên­cia” a per­mis­são de di­vul­ga­ção da es­cu­ta em que a Dil­ma fa­la so­bre o ter­mo de pos­se que vai en­vi­ar ao Lu­la. Es­te ti­po de di­vul­ga­ções é co­mum?

Ele achou que aque­la con­ver­sa não ti­nha co­mo fi­car sob si­gi­lo. Era de in­te­res­se pú­bli­co. Es­se ca­so fi­cou fa­mo­so mas é igual a todos os ou­tros. Ele sem­pre deu trans­pa­rên­cia ao pro­ces­so: tem de fi­car sob si­gi­lo quan­do é im­por­tan­te pa­ra a co­lec­ta de pro­vas. Se po­de vir a pú­bli­co sem atra­pa­lhar as de­ci­sões... O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral cri­ti­cou o juiz Sér­gio Mo­ro pe­la di­vul­ga­ção. Hou­ve uma re­per­cus­são mui­to gran­de da di­vul­ga­ção, mas faz par­te do ca­lor dos acon­te­ci­men­tos. Ele to­mou a de­ci­são que achou que era melhor no mo­men­to. A Lava Jato é um pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to. Se tem er­ros, va­mos dis­cu­tir, cor­ri­gir.

Sa­be-se qu­an­to di­nhei­ro foi ile­gal­men­te mo­vi­men­ta­do?

A Pe­tro­bras co­lo­cou no seu ba­lan­ço ofi­ci­al 6 bi­lhões [is­to é, 1,4 mil mi­lhões de eu­ros] de re­ais de pre­juí­zo. Mas acre­di­to que todo o es­que­ma mo­veu mui­to mais, por­que ul­tra­pas­sou a fron­tei­ra da Pe­tro­bras, na Cai­xa Eco­nó­mi­ca, Ban­co do Bra­sil, obras pú­bli­cas nou­tras áre­as, não só na ener­gia da Pe­tro­bras. Por en­quan­to é o va­lor ofi­ci­al. Já é imen­so.

O ac­tu­al Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer tam­bém te­rá pro­ble­mas ju­di­ci­ais quan­do dei­xar o Pla­nal­to?

Acho que sim. Ele foi de­nun­ci­a­do du­as ve­zes. Es­sas de­nún­ci­as fo­ram bar­ra­das pe­la Câ­ma­ra [dos de­pu­ta­dos], o que sig­ni­fi­ca que não po­dem ser in­ves­ti­ga­das en­quan­to ele for Pre­si­den­te. A par­tir de Ja­nei­ro de 2019, se ele sair da Pre­si­dên­cia – ain­da es­tá pen­san­do se vai se can­di­da­tar, não sei co­mo se­rá es­sa elei­ção, es­tá tu­do mui­to con­fu­so –, ele se­rá al­vo de in­ves­ti­ga­ções que nes­se mo­men­to es­tão sus­pen­sas. Acre­di­to que no futuro ele vai ter de res­pon­der a es­ses processos. É ine­xo­rá­vel. Não tem co­mo es­ca­par, não.

É um ho­mem que co­me­çou a vender cro­que­tes num mer­ca­do e con­se­guiu in­flu­en­ci­ar as mais al­tas es­fe­ras na­ci­o­nais. Es­ta re­a­li­da­de do Lava Jato é melhor do que a ficção. A par­tir de Ja­nei­ro de 2019, se sair da Pre­si­dên­cia, Mi­chel Te­mer se­rá al­vo de in­ves­ti­ga­ções que es­tão sus­pen­sas É la­men­tá­vel que um Pre­si­den­te bra­si­lei­ro che­gue a uma si­tu­a­ção co­mo es­ta. Mas o sis­te­ma ti­nha mui­tas fa­lhas Mas mos­tra­va um es­que­ma: ca­so hou­ves­se in­có­mo­do pa­ra o Lu­la no pro­ces­so, ele tor­nar-se-ia ministro. Mos­tra que a po­lí­ti­ca e a justiça se mis­tu­ra­ram.

A 7 de Abril, an­tes de vi­a­jar pa­ra Cu­ri­ti­ba on­de cum­pri­rá os 12 anos e um mês de pe­na, Lu­la fez um co­mí­cio em São Ber­nar­do do Cam­po. “A mor­te de um com­ba­ten­te não pá­ra a re­vo­lu­ção”, anun­ci­ou

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.