Quem é o do­no do Spo­tify, que en­trou na Bol­sa

A ida do Spo­tify pa­ra a Bol­sa es­te mês con­fir­mou Da­ni­el Ek co­mo re­a­le­za bi­li­o­ná­ria da tec­no­lo­gia, mas o pro­gra­ma­dor-em­pre­sá­rio já an­da nis­to des­de os 13 anos.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Bruno Fa­ria Lo­pes

Os pais de Da­ni­el Ek só no­ta­ram que ele de­via es­tar a fa­zer qual­quer coi­sa além de ir às au­las quan­do co­me­ça­ram a ver a acu­mu­la­ção pou­co ha­bi­tu­al de com­pras no quar­to do fi­lho. Ha­via as pi­lhas de vi­de­o­jo­gos, te­le­vi­sões (no plu­ral) e gui­tar­ras, in­cluin­do uma Fen­der Stra­to­cas­ter de 1957 que cus­ta­va mais de 20 mil eu­ros e es­ta­va bem aci­ma do que a mãe e o pa­dras­to de clas­se mé­dia con­se­gui­am le­var pa­ra ca­sa. Ek apren­de­ra a pro­gra­mar so­zi­nho e aos 13 anos co­me­ça­ra a de­se­nhar pá­gi­nas na In­ter­net, pri­mei­ro pa­ra ami­gos, de­pois pa­ra em­pre­sas lo­cais, de­pois pa­ra ca­da vez mais em­pre­sas. Co­me­ça­ra a co­brar me­nos de 100 eu­ros por pro­jec­to e aca­bou a co­brar quase 5.000. Os pais per­ce­be­ri­am que o ra­paz não era de­a­ler de dro­ga, era pro­gra­ma­dor – um pro­gra­ma­dor que ho­je é um bi­li­o­ná­rio com im­pac­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio, se bem que con­tro­ver­so, na in­dús­tria da mú­si­ca. A ado­les­cên­cia de Ek coin­ci­diu com a ex­plo­são da In­ter­net e ele apro­vei­tou a onda ao má­xi­mo. Ar­re­gi­men­ta­va co­le­gas de li­ceu com ta­len­to pa­ra ma­te­má­ti­ca ou de­sign pa­ra o aju­da­rem no ne­gó­cio que ge­ria a par­tir do seu quar­to – en­si­na­va-lhes pro­gra­ma­ção a tro­co de pa­ga­men­tos em es­pé­cie. “Da­va-lhes iPods, te­le­mó­veis. Os jo­gos eram me­ga”, con­tou em 2013 ao si­te Star­tups.co. Aos 18 anos ti­nha 25 pes­so­as a tra­ba­lha­rem pa­ra ele e ser­vi­do­res in­for­má­ti­cos nos ar­má­ri­os do quar­to (“bons pa­ra se­car a rou­pa”). O fis­co de­mo­rou mais tem­po do que os pais de Ek a per­ce­ber que ha­via ali ne­gó- cio lu­cra­ti­vo mas, quan­do sou­be, en­tre­gou-lhe uma con­ta por pa­gar de mais de 160 mil eu­ros. Ek gas­ta­va o que ga­nha­va e cum­priu no li­mi­te. Ten­tou a fa­cul­da­de em 2002, mas lar­gou o cur­so de En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca ao fim de oi­to se­ma­nas por ser de­ma­si­a­do teó­ri­co, re­la­ta a For­bes. In­te­res­sa­va-lhe per­ce­ber os me­ca­nis­mos de in­de­xa­ção nos mo­to­res de bus­ca – ten­ta­ra aos 16 anos um em­pre­go que pa­re­cia pro­mis­sor, no Go­o­gle, mas foi re­cu­sa­do por não ter cur­so su­pe­ri­or. Quan­do aban­do­nou a fa­cul­da­de con­se­guiu em­pre­gos em vá­ri­as em­pre­sas tec­no­ló­gi­cas até que fun­dou a Ad­ver­ti­go, em­pre­sa de mar­ke­ting di­gi­tal que lhe ren­deu mais de 1,5 mi­lhões de eu­ros quan­do a ven­deu em

EK TOCA GUITARRA, BATERIA E PIANO. FEZ O PRI­MEI­RO MI­LHÃO AOS 23 ANOS E A SE­GUIR CAIU EM DE­PRES­SÃO

2006. Ti­nha 23 anos. Com­prou uma ca­sa de lu­xo em Es­to­col­mo, um Fer­ra­ri, saiu mui­to – e, se­gun­do o pró­prio, aca­bou de­pri­mi­do. “Que­ria mui­to en­cai­xar e pen­sa­va que is­so fi­ca­ria re­sol­vi­do quan­do ti­ves­se di­nhei­ro – em vez dis­so fi­quei sem ideia so­bre co­mo vi­ver a vi­da”, dis­seà New Yor­ker em 2014. Ven­deu o Fer­ra­ri e a ca­sa, mu­dou-se pa­ra uma ca­ba­na num bos­que ur­ba­no perto do su­búr­bio dos seus pais. Da­ni­el Ek sa­bia que gos­ta­va de mú­si­ca – toca guitarra, bai­xo, bateria e piano – e que que­ria ou­tro pro­jec­to, mais du­ra­dou­ro, na área tec­no­ló­gi­ca. No ho­mem que me­ses an­tes ti­nha com­pra­do o seu ne­gó­cio en­con­trou um par­cei­ro. Com o ve­te­ra­no Mar­tin Lo­rent­zon – ri­co, abor­re­ci­do e à pro­cu­ra de um pro­jec­to – fun­dou no fim de 2006 o Spo­tify, um ser­vi­ço que dis­po­ni­bi­li­za mú­si­ca de for­ma le­gal, gra­tui­ta­men­te ou a bai­xo cus­to, pa­go por pu­bli­ci­da­de e subs­cri­ções. A In­ter­net des­truí­ra o mo­de­lo de ne­gó­cio das edi­to­ras de mú­si­ca e a pi­ra­ta­ria era enor­me – o pró­prio Ek ge­ri­ra pou­co an­tes o uTor­rent, que fazia di­nhei­ro à cus­ta de mú­si­ca e fil­mes pi­ra­te­a­dos. “Per­tur­ba­va-me que a in­dús­tria fos­se pe­lo ca­no abai­xo en­quan­to as pes­so­as ou­vi­am ca­da vez mais mú­si­ca”, dis­se à New

Yor­ker. O iTu­nes, lan­ça­do pe­la Ap­ple em 2003, con­fir­ma­va tam­bém a mu­dan­ça na for­ma de ou­vir e com­prar mú­si­ca, de ál­buns in­tei­ros pa­ra fai­xas.

De­mons­tra­ção com mú­si­ca pi­ra­ta

Ek sa­bia que o Spo­tify só po­de­ria ser lan­ça­do quan­do ti­ves­se um ca­tá­lo­go alar­ga­do, mas con­ven­cer as edi­to­ras a ce­de­rem di­rei­tos pa­ra um ser­vi­ço não tes­ta­do no mer­ca­do pro­vou ser mui­to di­fí­cil. Foi só quan­do Ek pôs mú­si­ca pi­ra­te­a­da na pla­ta­for­ma e en­vi­ou de­mons­tra­ções aos exe­cu­ti­vos eu­ro­peus que es­tes pres­ta­ram aten­ção. Três anos de­pois con­se­guiu as­si­nar com edi­to­ras nos Es­ta­dos Uni­dos. Ek vi­a­ja­va 100 di­as por ano, dor­mia seis ho­ras e tra­ba­lha­va cer­ca de 14 ho­ras, nar­ra­va a For­bes em 2012.

O nú­me­ro de subs­cri­to­res do ser­vi­ço pa­go (o Pre­mium) não tem pa­ra­do de cres­cer e era já de 70 mi­lhões em Ja­nei­ro des­te ano. No iní­cio do mês de Abril a em­pre­sa que ain­da não ge­ra lu­cro foi pa­ra a Bol­sa, on­de va­le ago­ra mais de 21 mil mi­lhões de eu­ros, ele­van­do a for­tu­na po­ten­ci­al de Ek, de 34 anos, a 2 mil mi­lhões. A em­pre­sa é con­tro­ver­sa jun­to dos ar­tis­tas (ver cai­xa), a Ap­ple lan­çou um ser­vi­ço con­cor­ren­te em 2015, mas as coi­sas vão sain­do bem ao sueco que pas­sou ao es­ta­tu­to de bi­li­o­ná­rio e gu­ru da co­mu­ni­da­de tec­no­ló­gi­ca – par­te da no­va aris­to­cra­cia mun­di­al dos ne­gó­ci­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.