In­sul­tar nas re­des so­ci­ais im­pli­ca ris­co ju­di­ci­al

Há um ca­so na justiça em Cas­cais, em que o quei­xo­so é o jor­na­lis­ta Nuno Luz. Mas já hou­ve ou­tros. Nem tu­do se po­de es­cre­ver on­li­ne.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Au­gus­to Frei­tas de Sou­sa

OT­ri­bu­nal­de Cas­cais vai apre­ci­ar a quei­xa do jor­na­lis­ta da SIC Nuno Luz so­bre um ca­so de ale­ga­da di­fa­ma­ção com ba­se num co­men­tá­rio na re­de so­ci­al Fa­ce­bo­ok. Se­gun­do a acu­sa­ção, a que a SÁ­BA­DO te­ve aces­so, o pro­fis­si­o­nal da co­mu­ni­ca­ção quei­xa-se que o pro­fes­sor Ti­a­go Fer­rei­ra des­ta­cou um ar­ti­go seu no jor­nal es­pa­nhol Mar­ca, acusou-o de plá­gio e acres­cen­tou: “O Nuno Luz co­pi­ou-a e ven­deu-a à Mar­ca por­que é um fi­lho da pu­ta.”

O ca­so co­me­ça com a pu­bli­ca­ção no Ob­ser­va­dor em 2016, por um jor­na­lis­ta, an­ti­go jogador de fu­te­bol, de um ar­ti­go com his­tó­ri­as que se ti­nham pas­sa­do, en­tre ou­tros, com Kas­per Sch­mei­chel, ac­tu­al guar­da-re­des do cam­peão de In­gla­ter­ra de há du­as épo­cas, o Lei­ces­ter. En­tre ou­tros re­la­tos, pas­sa­dos no seio do Es­to­ril na época 2000-2001, o tex­to men­ci­o­na­va o ódio que o jogador te­ria ao internacional Luís Fi­go por cau­sa de um go­lo que o português mar­cou ao pai, Pe­ter Sch­mei­chel. Di­as de­pois, Nuno Luz es­cre­veu um ar­ti­go pa­ra o jor­nal des­por­ti­vo Mar­ca, on­de tam­bém re­fe­ria a ani­mo­si­da­de de Kas­per Sch­mei­chel, mas se­gun­do a de­fe­sa do ca­so, sem qual­quer re­fe­rên­cia ao Ob­ser­va­dor.

A de­fe­sa de Ti­a­go Fer­rei­ra in­sis­tiu que o ca­so foi al­vo de cen­te­nas de comentários nas re­des

COM UMA OFENSA PES­SO­AL, UM PRO­FES­SOR ACUSOU NUNO LUZ DE TER PLAGIADO UM TEX­TO QUE PU­BLI­COU NO JOR­NAL MAR­CA

so­ci­ais, que os co­le­gas jornalistas o re­pli­ca­ram e ain­da que me­re­ceu a res­pos­ta do jor­na­lis­ta da SIC nu­ma das pla­ta­for­mas. Nuno Luz te­ria ob­ser­va­do que já era jor­na­lis­ta

em 2001, e que te­ria fa­la­do com Kas­per Sch­mei­chel. Uma de­cla­ra­ção que a de­fe­sa ga­ran­te (jun­tou im­pres­sões em pa­pel) ter pos­te­ri­or­men­te apa­ga­do das re­des so­ci­ais. Os de­fen­so­res do pro­fes­sor re­fe­rem ain­da que mais tar­de o tex­to da Mar­ca foi tam­bém al­te­ra­do on­li­ne – e que na no­va ver­são foi in­cluí­da a re­fe­rên­cia ao ór­gão de co­mu­ni­ca­ção português.

A acu­sa­ção res­pon­deu que foi o edi­tor do jor­nal des­por­ti­vo es­pa­nhol que al­te­rou o tex­to de Nuno Luz. Recusa a acu­sa­ção de plá­gio e im­pu­ta, em acu­sa­ção par­ti­cu­lar contra Ti­a­go Fer­rei­ra, dois crimes de di­fa­ma­ção agra­va­da e pe­de uma in­dem­ni­za­ção de 2.500 eu­ros. O ca­so aca­ba­ria por não ser acom­pa­nha­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e o Tri­bu­nal de Cas­cais de­ci­diu ar­qui­vá-lo. O quei­xo­so re­cor­reu pa­ra o Tri­bu­nal da Re­la­ção que, em Março des­te ano, lhe deu ra­zão re­me­ten­do de no­vo o pro­ces­so pa­ra o Tri­bu­nal de Cas­cais.

Ca­sos pe­lo País, mas com ou­tros con­tor­nos

Os ca­sos de di­fa­ma­ção e de ou­tros crimes têm-se su­ce­di­do nos tri­bu­nais em Por­tu­gal mas – apu­rou a

SÁ­BA­DO jun­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal de Justiça – não ha­ve­rá na­que­le tri­bu­nal qual­quer de­ci­são re­la­ti­va­men­te ao cri­me de di­fa­ma­ção com ba­se em re­des so­ci­ais. O que pa­re­ce ser o úni­co ca­so do gé­ne­ro a pas­sar pe­lo Su­pre­mo diz res­pei­to a uma quei­xa da au­tar­quia de Valongo contra um an­ti­go mem­bro da As­sem­bleia Mu­ni­ci­pal que foi acu­sa­do de di­fa­mar au­tar­cas e um or­ga­nis­mo pú­bli­co, mas num blo­gue que cri­ou que em 2014. Es­te ca­so che­gou ao Tri­bu­nal da Re­la­ção do Porto, que de­ci­diu a fa­vor do acu­sa­do. A au­tar­quia re­cor­reu pa­ra o Su­pre­mo pa­ra que se pro­nun­ci­as­se, ale­gan­do que a Re­la­ção de Évo­ra ti­nha de­ci­di­do em sen­ti­do con­trá­rio num ca­so se­me­lhan­te. To­da­via, o Su­pre­mo não con­si­de­rou que as de­ci­sões de am­bos os tri­bu­nais se opu­ses­sem e por is­so re­jei­tou o re­cur­so.

Em mais um ca­so se­me­lhan­te, em Ju­nho pas­sa­do um ci­da­dão foi con­de­na­do por di­fa­ma­ção agra­va­da, no Tri­bu­nal de Be­ja, a uma mul­ta de 1.200 eu­ros por ofen­sas à pre­si­den­te da União de Fre­gue­si­as de Al­ber­noa e Trin­da­de, de­pois de um co­men­tá­rio na pá­gi­na da­que­la au­tar­quia.

Em 2017, em San­ta­rém, uma téc­ni­ca de tu­ris­mo foi con­de­na­da por di­fa­ma­ção por ter co­men­ta­do na pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok da an­ti­ga em­pre­sa que o ge­ren­te não pa­ga­va a fun­ci­o­ná­ri­os e a for­ne­ce­do­res. Am- bos os ca­sos em pri­mei­ra ins­tân­cia. Ain­da no mes­mo ano, o tri­bu­nal da Re­la­ção do Porto deu ra­zão a dois ir­mãos sócios de uma em­pre­sa em An­go­la que fi­ze­ram uma par­ce­ria com um ho­mem que, após ter ter­mi­na­do a re­la­ção, foi con­de­na­do por ter pu­bli­ca­do no Fa­ce­bo­ok vá­ri­as de­cla­ra­ções e comentários so­bre os em­pre­sá­ri­os. Ad­vo­ga­dos con­sul­ta­dos pe­la SÁ­BA­DO su­ge­rem que pa­re­ce ha­ver uma in­cli­na­ção dos juí­zes por­tu­gue­ses pa­ra a de­fe­sa da hon­ra em pre­juí­zo da li­ber­da­de de ex­pres­são, o que de res­to tem me­re­ci­do a con­de­na­ção de Por­tu­gal em inú­me­ros ca­sos por par­te do Tri­bu­nal Eu­ro­peu dos Di­rei­tos do Ho­mem. Mas mui­tos ou­tros ca­sos, fo­ra da União Eu­ro­peia, con­tras­tam com as de­ci­sões do TEHD (ver cai­xa).

Cri­me, mas nem sem­pre

Pa­ra o ad­vo­ga­do Cor­reia de Almeida, es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to Pe­nal, a gra­vi­da­de da ex­pres­são “fi­lho da pu­ta” no Fa­ce­bo­ok de­pen­de das cir­cuns­tân­ci­as, do au­tor e do vi­sa­do. Pa­ra ser um “ilí­ci­to cri­mi­nal tem de ser ana­li­sa­do e pon­de­ra­do o ele­men­to sub­jec­ti­vo”. Bas­ta ver, ob­ser­va, que “nu­ma das sé­ri­es mais po­pu­la­res da Net­flix todos se tra­tam as­sim sem que ne­nhum en­ten­da co­mo ofen­si­vo. Mas se cha­mar ‘ca­brão’ is­so já po­de ori­gi­nar vi­o­lên­cia. Ou se­rá igual es­sa ex­pres­são por al­guém que re­si­de no Nor­te e por al­guém que re­si­de no Sul? Por es­se mo­ti­vo, as cir­cuns­tân­ci­as e o ele­men­to sub­jec­ti­vo ine­ren­te são fun­da­men­tais a ob­ter a res­pos­ta.” O ju­ris­ta ga­ran­te que há ca­da vez mais ca­sos nas re­des so­ci­ais “de alu­nos que não gos­tam das no­tas dos pro­fes­so­res e os in­sul­tam, li­tí­gi­os com ban­cos e se­gu­ra­do­ras, di­vór­ci­os e cri­ses de ciú­mes en­tre ca­sais. Ati­tu­des trans­ver­sais a to­das as clas­ses so­ci­ais e graus de edu­ca­ção”. No re­su­mo de Cor­reia de Almeida, “a lei é ade­qua­da”, mas ao mes­mo tem­po “es­ta é uma re­a­li­da­de em cres­cen­do e de­ve ha­ver aler­tas e cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra os ris­cos que es­tas con­du­tas po­dem ter”.

O FE­NÓ­ME­NO ES­TÁ A CRES­CER: DE ALU­NOS QUE IN­SUL­TAM PRO­FES­SO­RES A CA­SAIS EM DI­VÓR­CIO DE­VE HA­VER ALER­TAS “PA­RA OS RIS­COS QUE ES­TAS CON­DU­TAS PO­DEM TER”, DIZ COR­REIA DE ALMEIDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.