Se­te si­tu­a­ções em que tem mes­mo de di­zer “não”

Não há ex­cep­ções, nem ex­pli­ca­ções de­mo­ra­das. Es­tas si­tu­a­ções têm de ser re­sol­vi­das com uma res­pos­ta cla­ra e sem dú­vi­das dos pais. Quer se­ja no supermercado ou em ca­sa.

Sábado - - SUMÁRIO -

Diz-se que os ani­mais sen­tem o me­do. Que o chei­ram. Sa­bem quan­do é o mo­men­to de ata­car, ao sen­ti­rem a pre­sa a va­ci­lar. Com as cri­an­ças é quase o mes­mo ins­tin­to pa­ra per­ce­ber que aque­le “não” vai tor­nar-se ra­pi­da­men­te num “sim”.

Cal­ma. Não es­ta­mos a in­sul­tar nin­guém. Mas quan­tas ve­zes já lhe acon­te­ceu – ou pre­sen­ci­ou – uma cri­an­ça fa­zer uma enor­me bir­ra por­que quer um chu­pa-chu­pa e o pai ou a mãe recusa? Aque­le “não” é ven­ci­do pe­lo can­sa­ço, pe­lo es­pec­tá­cu­lo de fú­ria e pan­de­mó­nio ins­ta­la­do à volta da cri­an­ça. Mas se de­ve­mos sem­pre es­co­lher bem as nos­sas ba­ta­lhas, exis­tem si­tu­a­ções em que os pais têm de se man­ter fir­mes. Ain­da as­sim não se po­de ba­na­li­zar o “não”, por­que is­so faz com que a cri­an­ça des­va­lo­ri­ze a pa­la­vra. A si­tu­a­ção opos­ta, di­zer sem­pre que “sim” a todos os pe­di­dos e exi­gên­ci­as, é re­cu­sar ser edu­ca­dor da cri­an­ça, diz a pe­dop­si­qui­a­tra Ana Vasconcelos. “O ‘não’ é uma pa­la­vra ami­gá­vel quan­do é bem usa­da pa­ra aju­dar as cri­an­ças a sa­be­rem li­dar com as di­fi­cul­da­des da vi­da e aju­da-as a sair da sua área de con­for­to”, acres­cen­ta.

Ho­je, os pais sen­tem mais dificuldade em di­zer “não” aos fi­lhos, re­fe­rem os es­pe­ci­a­lis­tas “Eles qu­e­rem uma re­la­ção di­fe­ren­te da que ti­ve­ram com os pais e ten­tam evi­tar o con­fli­to por­que têm me­do de be­lis­car es­sa re­la­ção”, diz à SÁ­BA­DO Mag­da Cos­ta Go­mes, co­a­ch pa­ren­tal. Se­guem-se si­tu­a­ções nas quais não po­de ha­ver ex- cep­ções e que de­ve se­guir, co­mo se fos­se uma es­pé­cie de car­ti­lha do “não”.

Me­xer em to­ma­das

O pri­mei­ro e prin­ci­pal “não”, elei­to pe­los três es­pe­ci­a­lis­tas con­tac­ta­dos pe­la SÁ­BA­DO, é o que evi­ta o ris­co fí­si­co. Tem de ser con­tex­tu­a­li­za­do pa­ra mos­trar o pe­ri­go, mas é im­por­tan­te que não se es­ti­mu­le me­do na cri­an­ça, su­bli­nha Ana Vasconcelos. Ain­da as­sim tem de ser um “não” as­ser­ti­vo, que a cri­an­ça ou­ça o que o adul­to lhe vai di­zer. A lis­ta de si­tu­a­ções in­fle­xí­veis in­clui: não me­xer no fo­gão, no aque­ce­dor, nas to­ma­das, não se de­bru­çar na ja­ne­la ou não atra­ves­sar a rua so­zi­nho. Aqui, es­tá tam­bém o não dei­xar o fi­lho de 11 anos ver um fil­me pa­ra mai­o­res de ida­de. “Se é pa­ra mai­o­res de 18 is­to é uma pro­tec­ção emo­ci­o­nal, tu­do o que es­te­ja li­ga­do à se­gu­ran­ça e pro­tec­ção é não ne­go­ciá­vel”, ex­pli­ca Mag­da.

Ba­ter nos ou­tros

É nor­mal que sur­jam con­fli­tos e que a cri­an­ça,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.