As po­lé­mi­cas com so­gras e no­ras na Ca­sa Real

Os sinais de ten­são en­tre a Rai­nha Emé­ri­ta e Le­ti­zia são gri­tan­tes, mas ela tam­bém não te­ve uma vi­da fá­cil com a mãe de Ju­an Car­los.

Sábado - - SUMÁRIO - Por João Car­los Silva

Ape­nas há me­nos de três anos, a Rai­nha Emé­ri­ta de Es­pa­nha e a Rai­nha Le­ti­zia ad­mi­ti­ram o que todos os súb­di­tos já ti­nham per­ce­bi­do há mui­to: eram “de pó­los opos­tos”. Mais exac­ta­men­te, Sofia dis­se: “So­mos com­ple­ta­men­te opos­tas.” Pa­ra acres­cen­tar de ime­di­a­to: “Mas os pó­los opos­tos atra­em-se...”. Le­ti­zia re­for­çou: “So­mos du­as Es­pa­nhas com­ple­ta­men­te dis­tin­tas.” E de­pois jun­tou o to­que de gen­ti­le­za: “Du­as for­mas di­fe­ren­tes de fa­zer bem as coi­sas.” O epi­só­dio de Do­min­go de Pás­coa, em que Le­ti­zia te­rá ten­ta­do im­pe­dir que a so­gra fos­se fo­to­gra­fa­da em pú­bli­co com as su­as fi­lhas, à saí­da da mis­sa na Ca­te­dral de Pal­ma de Mai­or­ca, trans­for­mou-se num ca­so na­ci­o­nal, num em­ba­ra­ço real – e su­ge­re que os pó­los es­tão ain­da mais opos­tos, ain­da que no pas­sa­do fim-de-se­ma­na as du­as te­nham sur­gi­dos jun­tas e bem-dis­pos­tas. O fac­to é que a co­roa es­pa­nho­la tem um his­to­ri­al de pe­que­nos e gran­des cho­ques en­tre so­gras e no­ras – e Sofia é até um bom exem­plo dis­so. Pi­lar Ey­re, jor­na­lis­ta es­pa­nho­la au­to­ra de quase du­as de­ze­nas de li­vros, mui­tos de­les so­bre a fa­mí­lia real e tam­bém so­bre o re­gi­me de Fran­co, pu­bli­cou em 2010 María la Bra­va, uma bi­o­gra­fia de María de las Mercedes de Bor­bón, a mãe do Rei Emé­ri­to Ju­an Car­los, na qual abun­da­vam as his­tó­ri­as de con­fli­tos com a no­ra. A de­ci­são po­lí­ti­ca do di­ta­dor Francisco Fran­co, que lhe ne­gou o tí­tu­lo de Rai­nha, não há-de ter fa­ci­li­ta­do as coi­sas (só na mor­te, no ano 2000, com quase 90 anos, te­ve fi­nal­men­te hon­ras de Rai­nha). María de las Mercedes ca­sou em 1935 com Ju­an de Bor­bón, con­de de Bar­ce­lo­na, que era o su­ces­sor dos di­rei­tos do pai, o Rei Al­fon­so XIII, e co­mo tal pre­ten­den­te ao tro­no. Mas o di­ta­dor só ha­via de re­co­nhe­cer es­se di­rei­to ao fi­lho Ju­an Car­los em

QUAN­DO SOFIA CO­NHE­CEU A SO­GRA, ES­TA VI­VIA TRIS­TE POR CAU­SA DA MOR­TE ACIDENTAL DO FI­LHO AL­FON­SO

1969, quan­do a fa­mí­lia vi­via exi­la­da no Es­to­ril, na Vil­la Gi­ral­da.

Em 1956, Ju­an Car­los, com 18 anos, dis­pa­rou aci­den­tal­men­te uma ar­ma, ao lim­pá-la, cau­san­do a mor­te do ir­mão mais no­vo, Al­fon­so. A acre­di­tar na bi­o­gra­fia de Pi­lar Ey­re, do­na María pas­sou a be­ber em ex­ces­so e a vi­ver nu­ma de­pres­são per­ma­nen­te. Quan­do Sofia da Grécia co­nhe­ceu a so­gra, no iní­cio dos anos 60, a fa­mí­lia Bor­bón es­ta­va ain­da mer­gu­lha­da nes­sa at­mos­fe­ra e a ca­sa no Es­to­ril era um lu­gar tris­te.

Em 1962, qu­an­to Sofia e Ju­an Car­los ca­sa­ram na Grécia, “um es­que­ci­men­to” da fa­mí­lia real gre­ga foi en­ten­di­do co­mo “uma des­con­si­de­ra­ção” por do­na María – e is­so não aju­dou na­da as re­la­ções en­tre as du­as mu­lhe­res. O fac­to é que a Rai­nha Fre­de­ri­ca, so­bre quem re­caí­ram todos os pre­pa­ra­ti­vos, não tra­tou das vi­a­gens pa­ra Ate­nas da fa­mí­lia do futuro gen­ro, obri­gan­do María de las Mercedes a en­car­re­gar-se de tu­do e a vi­a­jar num avião co­mer­ci­al. Além dis­so, du­ran­te o ca­sa­men­to te­rá si­do quase ig­no­ra­da por Fre­de­ri­ca e pe­lo pai de Sofia, o Rei Pau­lo.

“Má­qui­na ze­ro” pa­ra as in­fan­tas

Nos pri­mei­ros anos de ca­sa­men­to en­tre Sofia e Ju­an Car­los, a re­la­ção de­la com a so­gra foi-se tor­nan­do ca­da vez mais di­fí­cil. A jo­vem gre­ga odi­a­va a at­mos­fe­ra de­pri­mi­da de Vil­la Gi­ral­da. Achava que os so­gros vi­vi­am iso­la­dos de tu­do e de todos e in­sis­tia per­ma­nen­te­men­te com o ma­ri­do pa­ra se mu­da­rem. Co­mo se pas­sa apa­ren­te­men­te com Sofia e Le­ti­zia, os ne­tos são uma fon­te de con­fli­to. Ele­na nas­ceu em 1963 e Cris­ti­na em 1965 e o li­vro de Pi­lar Ey­re re­cor­da dois epi­só­di­os em que elas es­ti­ve­ram no cen­tro de du­as gran­des zan­gas. Num de­les, quan­do viu Ele­na a ca­va­lo, a mon­tar co­mo um ho­mem, a avó cor­ri­giu-a e dis­se-lhe pa­ra se sen­tar de la­do, “à amazona”. Quan­do a infanta se mos­trou à mãe a mon­tar des­sa ma­nei­ra, Sofia não he­si­tou em pro­tes­tar com a so­gra, di­zen­do-lhe pa­ra não cor­ri­gir a ma­nei­ra co­mo a miú­da an­da­va a ca­va­lo.

No ou­tro epi­só­dio, a dis­cus­são foi ain­da mais ace­sa. Um dia, a avó María re­sol­veu le­var as in­fan­tas ao ca­be­lei­rei­ro, em se­gre­do. Achava que as miú­das an­da­vam com o ca­be­lo fra­co e nem he­si­tou: pe­diu má­qui­na ze­ro. Quan­do Ele­na e Cris­ti­na che­ga­ram a ca­sa, ca­re­cas, a mãe fi­cou per­ple­xa e fu­ri­o­sa. A zan­ga te­rá si­do épi­ca.

QUAN­DO A AVÓ VIU A INFANTA ELE­NA A MON­TAR CO­MO UM HO­MEM DIS­SE-LHE PA­RA SE SEN­TAR “À AMAZONA”

Fo­to de fa­mí­lia na pri­mei­ra co­mu­nhão da infanta Cris­ti­na, em 1973; Sofia e a so­gra es­tão la­do a la­do

A Rai­nha Sofia bei­ja a so­gra num ges­to de ca­ri­nho no fu­ne­ral do so­gro, em 1993

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.