PE­TRÓ­LEO, UM NE­GÓ­CIO FA­LHA­DO

Re­cuo da Galp e da Eni can­ce­la ex­plo­ra­ção ao lar­go de Al­je­zur — mas po­de­rá abrir a porta a in­dem­ni­za­ção

Sábado - - SUMÁRIO -

Es­te não é um artigo fo­ca­do na dis­ci­pli­na de sa­cri­fí­cio pa­ra pou­par mais. O ní­vel de sa­cri­fí­cio de ca­da pes­soa e fa­mí­lia va­ria mui­to em fun­ção da­qui­lo que exi­ge o seu or­ça­men­to e, por ou­tro la­do, da sua for­ça de von­ta­de. O ob­jec­ti­vo aqui é ou­tro: ilus­trar for­mas ge­ral­men­te me­nos co­nhe­ci­das (e al­gu­mas já co­nhe­ci­das mas nem por is­so se­gui­das) de ar­ran­car pou­pan­ças de mi­lha­res de eu­ros man­ten­do o seu es­ti­lo de vi­da lar­ga­men­te in­tac­to. Pa­re­ce fá­cil, mas tam­bém exi­ge dis­ci­pli­na – pe­lo me­nos a dis­ci­pli­na de es­tar aten­to, de se in­for­mar (nun­ca foi tão fá­cil co­mo nes­ta era de si­mu­la­do­res on­li­ne )e de usar a in­for­ma­ção pa­ra agir. Al­gu­mas des­tas su­ges­tões de pou­pan­ça têm um im­pac­to iso­la­do, ou­tras são em ru­bri­cas re­cor­ren­tes. Há uma con­cen­tra­ção mai­or de medidas so­bre a ca­sa por­que es­ta é a ru­bri­ca que mais pe­sa nos or­ça­men­tos fa­mi­li­a­res (qua­se um ter­ço, se­gun­do o INE). Ve­ja quais se adap­tam ao seu ca­so. E lem­bre-se de que o mai­or ini­mi­go da pou­pan­ça que es­tá ali mes­mo ao seu al­can­ce é a inér­cia.

HA­BI­TA­ÇÃO Aper­mu­ta­que­pou­pou 17mi­leu­ros

Quem com­pra ca­sa po­de ten­tar fa­zer uma permuta ou uma permuta téc­ni­ca. A permuta é is­so mes­mo, uma tro­ca de ca­sas: a fa­mí­lia X vai fi­car mai­or, o se­nhor Y quer uma ca­sa mais pe­que­na e em vez de ven­de­rem tro­cam de ca­sa, acer­tan­do de­pois as di­fe­ren­ças de va­lor. A van­ta­gem é so­bre­tu­do fis­cal: quem com­pra a ca­sa mais ba­ra­ta não paga o Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre Tran­sac­ções One­ro­sas de Imó­veis, ou se­ja, o IMT. Quem com­pra a mais ca­ra paga ape­nas so­bre a di­fe­ren­ça de pre­ços (am­bos pou­pam ain­da os cus­tos de uma es­cri­tu­ra).

Co­mo a mai­or par­te dos ne­gó­ci­os de imo­bi­liá­rio ain­da são de re­po­si­ção – al­guém que ven­de pa­ra com­prar lo­go a se­guir – es­ta pa­re­ce uma for­ma sim­ples de pou­par. Mas há, à par­ti­da, um pro­ble­ma. “É com­ple­xo en­con­trar uma cor­res­pon­dên­cia en­tre o que ca­da com­pra­dor quer”, con­ta Ri­car­do Sou­sa, di­rec­tor da con­sul­to­ra imobiliária Cen­tury21. Me­nos ra­ro do que a permuta é a cha­ma­da permuta téc­ni­ca, que en­vol­ve três par­tes. “Nor­mal­men­te acon­te­ce quan­do há cons­tru­ção no­va e o cons­tru­tor envolvido”, ex­pli­ca Ri­car­do Sou­sa. Foi o que acon­te­ceu com Na­ta­cha Pereira. “A ideia foi do meu ma­ri­do e até ti­ve­mos de ex­pli­car à pes­soa da imobiliária, que não sa­bia”, con­ta à SÁ­BA­DO. Há três anos o ca­sal que­ria ven­der a sua ca­sa pa­ra com­prar ou­tra e já ti­nha com­pra­dor pa­ra a sua. En­con­tra­ram em Car­ca­ve­los a ca­sa no­va que pro­cu­ra­vam e acer­ta­ram en­tão uma permuta com o cons­tru­tor: es­te tro­ca­va a ca­sa no­va pe­la “ve­lha” de­les e, lo­go a se­guir, ven­dia-a ao com­pra­dor que eles ti­nham apa­la­vra­do. O ca­sal pa­gou IMT e Im­pos­to de Se­lo ape­nas pe­la di­fe­ren­ça

“NÃO COMPRÁVAMOS A CA­SA SE NÃO CONSEGUÍSSEMOS FA­ZER A PERMUTA”, DIZ NA­TA­CHA PEREIRA

TE­RE­SA MONTEIRO RE­NE­GO­CI­OU E VAI POU­PAR MAIS DE 18 MIL EU­ROS NO CRÉ­DI­TO DA CA­SA

de va­lo­res en­tre a ca­sa ve­lha e a no­va. Na­ta­cha es­ti­ma que pou­pa­ram 17 mil eu­ros. Pa­ra o cons­tru­tor a van­ta­gem foi se­gu­rar a venda. “Ex­pli­cá­mos o que que­ría­mos fa­zer e que se fos­se de ou­tra for­ma não com­pra­ría­mos a ca­sa”, diz Na­ta­cha, que con­ta te­rem pas­sa­do ou­tras ca­sas an­tes pre­ci­sa­men­te por­que uma das par­tes não acei­ta­va a permuta. “De­mo­rá­mos um ano à pro­cu­ra até com­prar”, con­ta. Valeu a pe­na.

Há, con­tu­do, cui­da­dos a ter: no ca­so de ser pre­ci­so cré­di­to hi­po­te­cá­rio há que per­ce­ber se o ban­co não vai pedir um spre­ad mai­or pe­lo no­vo fi­nan­ci­a­men­to; e é re­co­men­dá­vel ter apoio de um so­li­ci­ta­dor ou de um con­sul­tor imo­bi­liá­rio.

Tems­pre­a­da­ci­ma­de1,4%? Re­ne­go­ceie

Te­re­sa Monteiro Pro­fe­ta es­ta­va aten­ta – os spre­ads que os ban­cos es­ta­vam a fa­zer no iní­cio des­te ano já eram bas­tan­te mais bai­xos do que os 2,35% que ti­nha con­tra­ta­do em 2015 com a Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos. Te­re­sa, que tem 31 anos e tra­ba­lha co­mo as­ses­so­ra nu­ma so­ci­e­da­de co­mer­ci­al de má­qui­nas agrí­co­las, não fi­cou qui­e­ta. “Te­nho uma ami­ga num dos ban­cos con­cor­ren­tes [o San­tan­der] e pe­di-lhe uma si­mu­la­ção”, diz. O re­sul­ta­do era cla­ro: a sua pres­ta­ção bai­xa­ria de 346 eu­ros pa­ra 305. “Che­guei à fa­la com o meu ges­tor de con­ta, ex­pli­quei-lhe que ti­nha fei­to a si­mu­la­ção e que se o va­lor da mi­nha pres­ta­ção não des­ces­se eu mu­da­ria de ins­ti­tui­ção na ho­ra”, con­ta. Mos­trou a si­mu­la­ção e, dois me­ses de­pois, o seu spre­ad bai­xou pa­ra 1,5% e fi­cou a pa­gar os 305 eu­ros. São qua­se 500 eu­ros de pou­pan­ça por ano – e mais de 18 mil ao lon­go do que so­bra do em­prés­ti­mo.

Pa­ra os mi­lha­res de por­tu­gue­ses que com­pra­ram ca­sa nos anos da cri­se – ou nos anos após a cri­se – a

re­ne­go­ci­a­ção do cré­di­to da ca­sa é a prin­ci­pal me­di­da de pou­pan­ça a to­mar. Se em 2013 o spre­ad mé­dio pra­ti­ca­do ron­dou 2,9% e em 2016 qua­se 2% (da­dos do si­te ComparaJá.pt), es­te ano já há ins­ti­tui­ções a acei­ta­rem spre­ads en­tre 1% e 1,5%. O po­ten­ci­al de pou­pan­ça é enor­me e con­se­gui-lo não é um bi­cho-de-se­te-ca­be­ças. Ana Cos­ta, por exem­plo, co­me­çou por fa­zer uma si­mu­la­ção on­li­ne no Ban­kin­ter. A re­du­ção que en­con­trou nem era com­pen­sa­do­ra, mas foi na mes­ma fa­lar com a sua ges­to­ra no San­tan­der ar­gu­men­tan­do que ti­nha uma pro­pos­ta me­lhor de um con­cor­ren­te. “Ao fim de um mês li­gou-me a di­zer que ti­nha con­se­gui­do bai­xar o meu spre­ad e re­du­zir o em­prés­ti­mo em três me­ses”, con­ta à SÁ­BA­DO a eco­no­mis­ta de 32 anos. A pres­ta­ção pas­sou de 540 eu­ros pa­ra cer­ca de 490 – são 720 eu­ros de pou­pan­ça anu­al e mais de 26 mil eu­ros em to­do o em­prés­ti­mo.

Se sen­te que não tem ape­tên­cia ou ca­pa­ci­da­de pa­ra ne­go­ci­ar sai­ba que há em­pre­sas que fa­zem is­so por si, co­mo a Dou­tor Fi­nan­ças ou a De­ci­sões e So­lu­ções (se­ja qual for a em­pre­sa que es­co­lha cer­ti­fi­que-se dos cus­tos en­vol­vi­dos). Es­tas em­pre­sas jo­gam com o seu mai­or pe­so ne­go­ci­al pa­ra com­pri­mir os spre­ads .A Dou­tor Fi­nan­ças – que só co­bra uma co­mis­são ao ban­co pa­ra on­de mu­dar o seu cré­di­to – ex­pli­ca à SÁ­BA­DO que já va­le a pe­na re­ne­go­ci­ar pa­ra quem te­nha spre­ads aci­ma de 1,4%. Ten­tar não cus­ta – a inér­cia sim.

Amor­ti­ze­mais­ce­do (mas man­te­nha apres­ta­ção) h Se já ti­ver um pé-de-meia que aguen­te du­ran­te seis me­ses os gas­tos fi­xos – e se não for con­fron­ta­do com des­pe­sas adi­ci­o­nais pri­o­ri­tá­ri­as – en­tão es­taéa­al­tur apa­ra amor­ti­zar o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel o seu cré­di­to hi­po­te­cá­rio. As pres­ta­ções es­tão mais re­du­zi­das, cor­te­sia das ta­xas de juro his­to­ri­ca­men­te bai­xas, mas es­te é um cré­di­to que ti­pi­ca­men­te du­ra vá­ri­os anos, ou se­ja, o leitor apa­nha­rá de cer­te­za pe­lo me­nos mais um ci­clo de ju­ros mais al­tos. Por is­so é me­lhor ter pres­sa.

Vanessa Sou­sa, uma pe­que­na em­pre­sá­ria de 37 anos, con­tou à SÁ­BA­DO em Abril des­te ano que con­ta pa­gar o seu cré­di­to de 50 anos em ape­nas 16. “Jun­to 2.000 eu­ros, por exem­plo, e amor­ti­zo”, ex­pli­cou. Ao ace­le­rar o pa­ga­men­to há du­as op­ções: es­co­lher fi­car com uma pres­ta­ção men­sal mais bai­xa ou pedir ao ban­co pa­ra man­ter a pres­ta­ção e en­cur­tar o prazo do em­prés­ti­mo, co­mo faz Vanessa. Am­bas são pou­pan­ça va­li­o­sa, mas a úl­ti­ma é mais van­ta­jo­sa por­que per­mi­te pou­par ju­ros so­bre a quan­tia amor­ti­za­da ao lon­go do res­to do em­prés­ti­mo e, ao mes­mo tem­po, pou­par os ju­ros dos anos que vai ti­ran­do ao em­prés­ti­mo. Um exem­plo: por ca­da 100 mil eu­ros de cré­di­to com ta­xa no­mi­nal de 2% e um prazo de 30 anos, uma

AMOR­TI­ZAR MAIS CEDO E MAN­TER A PRES­TA­ÇÃO MEN­SAL MULTIPLICA O PO­TEN­CI­AL DE POU­PAN­ÇA

amor­ti­za­ção ex­tra de 2.000 eu­ros em ca­da um dos cin­co pri­mei­ros anos re­sul­ta nu­ma pou­pan­ça de 2.600 eu­ros se es­co­lher fi­car com uma pres­ta­ção men­sal mais bai­xa; mas se man­ti­ver o es­for­ço men­sal es­tas amor­ti­za­ções ti­ram qua­tro anos ao em­prés­ti­mo e pou­pam mais de 6 mil eu­ros. Dois mil eu­ros por ano equi­va­lem a uma pou­pan­ça men­sal de 167 eu­ros. Pa­ra se­guir es­ta via os ban­cos nor­mal­men­te pe­dem que co­mu­ni­que a in­ten­ção por carta e não le­van­tam obs­tá­cu­los. A te­o­ria diz que se con­se­guir ob­ter uma ta­xa de re­tor­no mai­or pe­las su­as pou­pan­ças de­ve apli­cá-las em vez de aba­ter à dí­vi­da. Mas ten­do em con­ta o ac­tu­al am­bi­en­te nos ju­ros e o per­fil con­ser­va­dor dos por­tu­gue­ses na ho­ra de in­ves­tir pa­re­ce se­gu­ro di­zer que na prá­ti­ca não há ou­tras op­ções mais atra­en­tes no mer­ca­do. Des­de 2009 que os ban­cos não po­dem co­brar mais uma co­mis­são aci­ma de 0,5% (nos con­tra­tos a ta­xa va­riá­vel) so­bre ca­da amor­ti­za­ção an­te­ci­pa­da.

Pre­ci­sa mes­mo da agên­cia?

Com o mer­ca­do imo­bi­liá­rio aque­ci­do é pos­sí­vel ho­je ven­der uma ca­sa (so­bre­tu­do em Lis­boa e no Porto) em me­nos de três me­ses, ad­mi­tem as prin­ci­pais con­sul­to­ras imo­bi­liá­ri­as. Se tem uma pro­pri­e­da­de nu­ma zo­na ou seg­men­to mais quen­te do mer­ca­do, se não tem pres­sa e não se assusta com o tra­ba­lho po­de ven­der sem re­cur­so a uma imobiliária e pou­par mi­lha­res de eu­ros.

As (bo­as) imo­bi­liá­ri­as con­se­guem che­gar ra­pi­da­men­te a mui­ta gen­te, aju­dam a de­fi­nir o pre­ço cor­rec­to, apoi­am na ne­go­ci­a­ção, fil­tram e con­du­zem as vi­si­tas e, de­pois, ace­le­ram e cui­dam da pa­pe­la­da. É um ser­vi­ço útil, que tran­qui­li­za e apoia, mas que tem um pre­ço: a co­mis­são ti­pi­ca­men­te ron­da 5%, a que se so­ma o IVA de 23%. Se ven­der uma ca­sa por 300 mil eu­ros são 22.140 eu­ros ab­sor­vi­dos en­tre a agên­cia e o Es­ta­do. O pon­to é que a mai­o­ria das van­ta­gens das con­sul­to­ras po­de ser re­pli­ca­da a um cus­to mais bai­xo. As plataformas vir­tu­ais (Imo­vir­tu­al, Ide­a­lis­ta, Ca­sa Sapo, OLX, etc.) tor­na­ram a pu­bli­ci­ta­ção mui­to mais efi­caz do que no pas­sa­do (se não con­se­guir ti­rar bo­as fo­to­gra­fi­as e não ti­ver quem o fa­ça pon­de­re contratar um fo­tó­gra­fo – o cus­to vai até 40 eu­ros). Pa­ra per­ce­ber me­lhor os pre­ços pe­di­dos por ca­sas idên­ti­cas na mes­ma zo­na – que po­dem va­ri­ar mui­to, di­fe­rir do pre­ço fi­nal, etc. – e evi­tar que o ape­go emo­ci­o­nal à ca­sa dis­tor­ça a sua ava­li­a­ção po­de contratar um ava­li­a­dor imo­bi­liá­rio re­gis­ta­do na CMVM (o si­te do re­gu­la­dor tem a lis­ta), que ti­pi­ca­men­te co­bra até 500 eu­ros. De­pois vêm os te­le­fo­ne­mas e as vi­si­tas. João (no­me fic­tí­cio), que es­tá a ven­der por 785 mil eu­ros um T4 nas Ave­ni­das No­vas em Lis­boa, re­sol­veu o pro­ble­ma. “Fiz um dos­siê so­bre os pon­tos for­tes e fra­cos da ca­sa, que en­vio por email aos in­te­res­sa­dos”, con­ta à SÁ­BA­DO .No anún­cio dei­xou ape­nas o email, pa­ra evi­tar per­der tem­po com cha­ma­das im­pro­du­ti­vas, e es­pe­ci­fi­cou que não quer re­ce­ber con­tac­tos de imo­bi­liá­ri­as (João diz que re­ce­be vá­ri­os emails de pes­so­as que, de­pois de pes­qui­sa on­li­ne bre­ve, des­co­bre se­rem… con­sul­to­res imo­bi­liá­ri­os). A

DA DE­CO, DA COMPARAJÁ OU DOS RE­GU­LA­DO­RES PÚ­BLI­COS: HÁ SI­MU­LA­DO­RES ON­LI­NE PA­RA TU­DO

Q des­cri­ção da ca­sa é o mais re­a­lis­ta pos­sí­vel. “Não dou­ro a pí­lu­la, co­mo as imo­bi­liá­ri­as, pa­ra não re­ce­ber con­tac­tos que de­pois não dão em na­da”, ex­pli­ca. Du­as se­ma­nas de­pois de pu­bli­ca­do o anún­cio no Ide­a­lis­ta con­ta que tem uma pro­pos­ta pa­ra ven­der por 745 mil, que vai re­cu­sar por não ter pres­sa. Se ven­des­se por 785 com uma imobiliária pa­ga­ria mais de 48 mil eu­ros en­tre co­mis­são e IVA.

A pa­pe­la­da até à es­cri­tu­ra assusta, mas pa­ra apoio nes­sa fren­te é pos­sí­vel con­tar com o ser­vi­ço de um so­li­ci­ta­dor (na pá­gi­na on­li­ne da Or­dem dos So­li­ci­ta­do­res há um mo­tor de bus­ca por dis­tri­to), que nor­mal­men­te co­bra cer­ca de 500 eu­ros (não é ta­be­la­do, pe­ça or­ça­men­tos).

Não se es­que­ça des­te des­con­to no IVA. Ao fa­zer obras de re­a­bi­li­ta­ção na sua ca­sa per­ce­ba de que tipo de des­con­to po­de be­ne­fi­ci­ar no IVA. Se a sua ca­sa es­ti­ver nu­ma área de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na (ARU) – há cer­ca de 900 em to­do o País, con­sul­te o si­te da sua au­tar­quia – a ta­xa de 6% de IVA (em vez de 23%) apli­ca-se so­bre os ma­te­ri­ais com­pra­dos e o ser­vi­ço do em­prei­tei­ro. Se es­ti­ver fo­ra de uma ARU po­de apli­car a ta­xa de 6% aos ser­vi­ços e aos ma­te­ri­ais ca­so es­tes não va­lham mais de 20% da fac­tu­ra glo­bal. O que são obras de re­a­bi­li­ta­ção? O mais se­gu­ro épe­dirà câ­ma­ra que cer­ti­fi­que se o que pre­ten­de fa­zer encaixa no con­cei­to, so­li­ci­tan­do uma cer­ti­fi­ca­ção (que tam­bém de­ve­rá pre­ci­sar se a ca­sa es­tá nu­ma

ARU). Com es­sa cer­ti­fi­ca­ção na mão po­de en­tão pedir ao em­prei­tei­ro que li­qui­de o IVA a 6%. A di­fe­ren­ça é gran­de. O si­mu­la­dor da Or­dem dos Ar­qui­tec­tos (es­co­lha­ar­qui­tec­tu­ra.pt) põe em 626 eu­ros por me­tro qua­dra­do (an­tes de IVA) o cus­to mé­dio da re­a­bi­li­ta­ção de um apar­ta­men­to ur­ba­no (cal­cu­la­do com ba­se nos re­gis­tos dis­po­ní­veis em Lis­boa, Porto e Algarve). A es­te cus­to, e a tí­tu­lo exem­pli­fi­ca­ti­vo, num apar­ta­men­to de120m2a pou­pan­ça em IV A se a sua ca­sa es­ti­ver nu­ma ARU ron­da­ria 12.700 eu­ros. Ri­car­do Reis, es­pe­ci­a­lis­ta da De­loit­te, no­ta ain­da que “exis­tem mais in­cen­ti­vos fis­cais à re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, tais co­mo isen­ções de IMI e de IMT e uma ta­xa re­du­zi­da de IRS de 5% pa­ra os ren­di­men­tos pre­di­ais e mais-va­li­as re­sul­tan­tes do imó­vel re­a­bi­li­ta­do”.

BAN­CO

Car­tões: es­co­lha o que lhe de­vol­ve até 200 eu­ros h Pri­mei­ro: po­de contratar um cartão de cré­di­to fo­ra do seu ban­co, a cair na sua con­ta do cos­tu­me. O pro­ces­so de con­tra­ta­ção é sim­ples (pre­en­chi­men­to do con­tra­to e os do­cu­men­tos ha­bi­tu­ais) e te­rá ape­nas de se cer­ti­fi­car que es­co­lhe a mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to de 100% da dí­vi­da no fim do mês. A ideia é pou­par uti­li­zan­do o cartão de cré­di­to co­mo se fos­se de dé­bi­to, não é fi­nan­ci­ar con­su­mo com ju­ros al­tos. A pou­pan­ça vem de dois la­dos: anui­da­des nu­las (as nor­mais po­dem che­gar per­to de 20 eu­ros) e, mais im­por­tan­te, de­vo­lu­ção (ca-

“FIZ UM DOS­SIÊ RE­A­LIS­TA SO­BRE A MI­NHA CA­SA PA­RA EVI­TAR CON­TAC­TOS QUE NÃO DÃO EM NA­DA”

sh­back) de uma per­cen­ta­gem das su­as com­pras. Uma ta­xa de de­vo­lu­ção de 2% sig­ni­fi­ca que no fim do mês pa­ga­rá 98% do mon­tan­te em dí­vi­da no cartão. Há mui­ta ofer­ta no mer­ca­do, mas re­gra ge­ral é me­lhor op­tar por um cartão com um li­mi­te anu­al de des­con­to mais al­to e um re­gi­me de de­vo­lu­ção com me­nos restrições (há car­tões cu­jo des­con­to só é usá­vel em com­pras de de­ter­mi­na­das lo­jas). Dois exem­plos bons: o Af­fi­nity Card Mas­ter­card, emi­ti­do pe­lo BB­VA e as­so­ci­a­do às mar­cas do gru­po de rou­pa In­di­tex (Za­ra, Mas­si­mo Dut­ti, etc.) não tem li­mi­te glo­bal aos des­con­tos, de­vol­ve 1% de to­das as com­pras em qual­quer lo­ja que acei­te Mas­ter­card e 2% nas com­pras fei­tas nas lo­jas do gru­po; o Co­fi­dis “Mais por 1€” de­vol­ve 2% de to­das as com­pras e 1% do pa­ga­men­to de ser­vi­ços, até um li­mi­te anu­al de 200 eu­ros (o cus­to é um eu­ro men­sal, não tem ou­tras co­mis­sões). Uma fa­mí­lia com um fi­lho, que gas­te 600 eu­ros men­sais em com­pras (su­per­mer­ca­do, com­bus­tí­veis, ou­tras com­pras), te­ria com es­te úl­ti­mo cartão uma pou­pan­ça anu­al de 147 eu­ros.

CAR­RO Over­me­lho­que­des­con­tou mi­leu­ros

Se não fi­zer ques­tão de com­prar um car­ro no­vo es­tá no ca­mi­nho cer­to (se fi­zer con­ti­nue a ler que há di­cas mais à fren­te). As mar­cas ho­je em dia re­ven­dem os usa­dos em me­lhor es­ta­do oriun­dos de con­tra­tos de ren­ting (com his­to­ri­al de ma­nu­ten­ção bem do­cu­men­ta­do, qui­ló­me­tros cer­ti­fi­ca­dos, um só re­gis­to de pro­pri­e­da­de e até três anos de ga­ran­tia). “No mo­men­to em que ti­ra o car­ro do stand ele pas­sa lo­go a va­ler me­nos 5.000 eu­ros”, no­ta Pe­dro Ser­ra, que tra­ba­lha por con­ta pró­pria na com­pra e venda de usa­dos. Ser­ra, 44 anos, no­ta que há bo­as opor­tu­ni­da­des pa­ra com­prar car­ros em fim de con­tra­to de ren­ting (não de rent-a-car, aten­ção) ou de le­a­sing, ven­di­dos pe­las lo­ca­do­ras, ges­to­ras de fro­tas e con­ces­si­o­ná­ri­os das mar­cas. É pos­sí­vel, em­bo­ra não se­ja fá­cil, en­con­trar car­ros ain­da com a ga­ran­tia de fábrica e pou­cos qui­ló­me­tros. Al­guns pormenores, co­mo uma cor mais di­fí­cil de des­pa­char, po­dem aju­dar a bai­xar o pre­ço. “No ano pas­sa­do com­prei uma car­ri­nha Mégane com um des­con­to de 1.000 eu­ros à Le­a­se­plan só por­que era ver­me­lha”, con­ta. (Foi ven­di­da pa­ra uti­li­za­ção na pla­ta­for­ma Uber.) Um ven­de­dor de um con­ces­si­o­ná­rio ofi­ci­al, que pre­fe­riu o ano­ni­ma­to, con­tou co­mo um

SUV de um azul mais exó­ti­co foi ven­di­do com um des­con­to “bár­ba­ro”. Se fi­zer ques­tão de com­prar car­ro no­vo há di­cas: es­co­lha mo­de­los em fim de car­rei­ra pa­ra apa­nhar cam­pa­nhas pro­mo­ci­o­nais (e por­que os de­fei­tos de fa­bri­co fo­ram sen­do li­ma­dos pe­la marca) e per­gun­te o pre­ço a con­ces­si­o­ná­ri­os de gru­pos di­fe­ren­tes e em zo­nas di­fe­ren­tes do País.

VI­A­GENS Vo­ar­noNa­tal­pou­pou 3.600eu­ros

Cristina San­tos que­ria ir à Na­mí­bia no fi­nal do ano. Co­me­çou a pro­cu­rar com an­te­ce­dên­cia bilhetes num

“COM­PREI UMA CAR­RI­NHA MÉGANE POR ME­NOS 1.000 EU­ROS SÓ POR­QUE ERA VER­ME­LHA”, DIZ PE­DRO

mo­tor de bus­ca on­li­ne, o Skys­can­ner, e pe­diu pa­ra ser no­ti­fi­ca­da so­bre as ofertas pa­ra aque­le des­ti­no. Em Ju­lho per­ce­beu que se vo­as­se no dia de Na­tal, pe­la TAAG, os bilhetes que cus­ta­vam cer­ca de 1.500 eu­ros caíam pa­ra me­nos de 300. Em Agos­to com­prou três (é ca­sa­da e tem uma fi­lha) e pou­pou 3.642 eu­ros. Is­to foi no ano pas­sa­do – es­te ano vai re­pe­tir. “O país é gran­de”, diz a sor­rir. A con­sul­to­ra de sis­te­mas de in­for­ma­ção, com 46 anos, usou ain­da ou­tro tru­que – mar­cou os ho­téis atra­vés de uma agên­cia ale­mã e vai pou­par “20% a 30%”. A ideia é per­ce­ber se há al­gum país com mai­or pe­so es­pe­ci­al no tu­ris­mo do des­ti­no pa­ra on­de quer vi­a­jar – co­mo ex-co­ló­nia ale­mã a Na­mí­bia re­ce­be mui­tos ale­mães – e pro­cu­rar as ofertas dos ope­ra­do­res des­ses paí­ses (com con­di­ções me­lho­res). Pla­ne­ar a vi­a­gem com an­te­ce­dên­cia (um es­tu­do do si­te Mo­mon­do re­fe­re no mí­ni­mo 60 di­as de an­te­ce­dên­cia pa­ra pou­par até 34%) e pro­cu­rar da­tas que nor­mal­men­te as pes­so­as evi­tam (dia de Na­tal, dia 31 de De­zem­bro) são dois tru­ques pa­ra ten­tar pou­par nas vi­a­gens. Pa­ra quem te­nha mais fle­xi­bi­li­da­de é me­lhor vi­a­jar em Ja­nei­ro (o mês mais ba­ra­to, se­gun­do o Skys­can­ner), pre­fe­ren­ci­al­men­te a uma ter­ça-fei­ra (em mé­dia 11% mais ba­ra­to, se­gun­do o Mo­mon­do) e de noi­te (é mais ba­ra­to e pou­pa no ho­tel). Pe­ça pa­ra re­ce­ber no­ti­fi­ca­ções so­bre os seus des­ti­nos – ten­te ter uma lis­ta pa­ra po­der es­co­lher o que for mais van­ta­jo­so, em vez de se fo­car ape­nas num – pa­ra apa­nhar cam­pa­nhas es­pe­ci­ais.

Se­gu­ros Ou­tra pou­pan­ça de mi­lha­res à es­pe­ra de acontecer

Fi­li­pe Re­guei­ra, que é do­no do

fran­chi­se da DS Se­gu­ros em Santarém, con­ta que uma vez aju­dou um ge­ren­te ban­cá­rio a re­ne­go­ci­ar o se­gu­ro de vi­da que ti­nha con­tra­ta­do no pró­prio ban­co em que tra­ba­lha­va. “A mai­or par­te das pes­so­as não sa­be o que es­tá a contratar”, con­ta Fi­li­pe, 37 anos. O se­gu­ro de vi­da obri­ga­tó­rio as­so­ci­a­do ao cré­di­to ha­bi­ta­ção é uma fon­te po­ten­ci­al de pou­pan­ça. Não é ra­ro o ban­co fa­zer uma “aten­ção” no

spre­ad pa­ra de­pois car­re­gar em ci­ma dos se­gu­ros, dei­xan­do as pes­so­as a pen­sar que fi­ze­ram um bom ne­gó­cio. De­pois há a ques­tão das co­ber­tu­ras. É im­por­tan­te per­ce­ber se o se­gu­ro co­bre In­va­li­dez Ab­so­lu­ta e De­fi­ni­ti­va ou In­va­li­dez To­tal e Per­ma­nen­te – com o pri­mei­ro o se­gu­ro só paga em ca­so de mor­te ou es­ta­do ve­ge­ta­ti­vo; é o se­gun­do que in­te­res­sa, por­que po­de ser ac­ci­o­na­do com grau de in­ca­pa­ci­da­de mais bai­xo (60%). Fi­li­pe Re­guei­ra, que tal co­mo a já re­fe­ri­da Dou­tor Fi­nan­ças, pres­ta con­sul­to­ria na re­ne­go­ci­a­ção, re­fe­re que é pos­sí­vel re­du­zir a pres­ta­ção do se­gu­ro de vi­da as­so­ci­a­do ao cré­di­to em cer­ca de 40% a 50% – is­to ao mes­mo tem­po que confirma se tem a co­ber­tu­ra pre­ten­di­da. Pa­ra al­guém que pa­gue 50 eu­ros por mês de se­gu­ro de vi­da (por ca­be­ça no ca­sal) um corte de 40% sig­ni­fi­ca 480 eu­ros a me­nos por ano de des­pe­sa. Se fal­ta­rem 20 anos pa­ra o fim do em­prés­ti­mo são mais de 9.600 eu­ros de pou­pan­ça (não es­que­ça: o cus­to des­te se­gu­ro vai su­bin­do com a ida­de). Há ca­sos em que o ban­co não le­van­ta obs­tá­cu­los, ou­tros em que o con­tra­to pre­vê uma pe­na­li­za­ção no spre­ad – mes­mo es­sa pe­na­li­za­ção é ne­go­ciá­vel e, se for li­gei­ra, po­de va­ler a pe­na me­xer no se­gu­ro, no­ta Fi­li­pe Re­guei­ra. Ten­tar e in­sis­tir, com apoio de con­sul­to­res (que em re­gra não cobram ao cli­en­te, mas ao ban­co ou à se­gu­ra­do­ra) ou a so­lo, é o prin­cí­pio de tu­do. “Pou­par é des­de lo­go uma ques­tão de ati­tu­de”, re­ma­ta Fi­li­pe.

CRISTINA SAN­TOS VI­A­JOU NO DIA DE NA­TAL E MAR­COU HO­TÉIS POR UMA AGÊN­CIA ES­TRAN­GEI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.