Fu­te­bol

Nun­ca es­ti­ve­ram na I Di­vi­são, mas fa­lha­ram por um triz. Um sim­ples golo mu­da­va a his­tó­ria de Pe­ni­che, Maia ou Es­tre­la de Portalegre.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Car­los Torres

No­ve equi­pas que nun­ca che­ga­ram à I Di­vi­são – mas fa­lha­ram por mui­to pou­co

OF­re­a­mun­de foi a mais re­cen­te equipa que nun­ca es­te­ve na I Di­vi­são a fa­lhar a su­bi­da por pou­co. Na épo­ca 2015/16, em que su­bi­am os três pri­mei­ros da II Li­ga, foi 5º, a 4 pon­tos de Feirense e Por­ti­mo­nen­se. Des­de que co­me­çou o cam­pe­o­na­to por­tu­guês, em 1934, ape­nas 70 clu­bes al­can­ça­ram o mai­or es­ca­lão. Hou­ve mais 15 que qua­se o con­se­gui­ram, e no­ve que es­ti­ve­ram mes­mo mui­to per­to. Re­cor­da­mos al­guns ca­sos.

VI­LA RE­AL FA­LHAR SÓ NA FI­NAL

Em 98 anos de his­tó­ria, nun­ca o Vi­la Re­al es­te­ve tão per­to de che­gar à I Di­vi­são co­mo na épo­ca 1943/44. Nes­sa al­tu­ra, ape­nas su­bia uma equipa, ou mes­mo ne­nhu­ma, fa­ce à im­por­tân­cia dos cam­pe­o­na­tos re­gi­o­nais de Lis­boa e do Porto – em 1939/40, o Fa­ren­se foi cam­peão da II Di­vi­são, fren­te ao Boavista, mas man­te­ve-se nes­se es­ca­lão, en­quan­to a equipa nor­te­nha su­biu gra­ças ao 2º lu­gar no re­gi­o­nal. Há até um epi­só­dio cu­ri­o­so: em 1939/40, o cam­pe­o­na­to foi alar­ga­do de oi­to pa­ra 10 clu­bes de mo­do a in­te­grar o FC Porto, que ti­nha si­do cam­peão na­ci­o­nal e fa­lhou o apu­ra­men­to pa­ra a I Di­vi­são por­que no re­gi­o­nal fi­cou em 3º, atrás de Aca­dé­mi­co do Porto e Lei­xões, após uma polémica der­ro­ta ad­mi­nis­tra­ti­va. Em 1943/44, o Vi­la Re­al fi­cou em 2º na sé­rie Nor­te (à fren­te de Gil Vi­cen­te, Sp. Bra­ga, Fa­fe, Vi­a­nen­se e

O VI­LA RE­AL ELI­MI­NOU AC. PORTO, FA­MA­LI­CÃO E UNIÃO DE COIMBRA, SÓ PER­DEN­DO NA FI­NAL COM O ES­TO­RIL

Vi­ze­la) e apu­rou-se, jun­ta­men­te com o Fa­ma­li­cão, pa­ra a fa­se se­guin­te. Che­gou à fi­nal após eli­mi­nar Aca­dé­mi­co do Porto (6-0), Fa­ma­li­cão (5-3) e U. Coimbra (5-3). O jo­go decisivo, fren­te ao Es­to­ril (der­ro­ta por 3-2), dis­pu­tou-se no cam­po das Sa­lé­si­as, em Lis­boa, o que mo­ti­vou crí­ti­cas dos trans­mon­ta­nos. “Por­que é que não há-de ser no Porto? Ou en­tão di­vi­dir a ca­mi­nha­da ao meio e ofe­re­cer às gen­tes de Coimbra o es­pec­tá­cu­lo da fi­nal da II Di­vi­são?”, ques­ti­o­na­va o jor­nal Or­dem No­va, que da­va con­ta da en­chen­te (2 mil pes­so­as), nas mei­as-fi­nais, no cam­po do Cal­vá­rio. Ape­sar da chu­va, “ven­de­ram-se 313 bilhetes de se­nho­ra”. h

Jor­ge Gonçalves ti­nha ape­nas 9 anos, mas em 1963/64 não fa­lhou um jo­go do Pe­ni­che. Quan­do era fo­ra, ou­via na rá­dio; em ca­sa, ia ao es­tá­dio. “Foi a épo­ca em que es­ti­ve­mos mais per­to de su­bir.” O clu­be fi­cou em 2º lu­gar na II Di­vi­são, Zo­na Sul, com os mes­mos pon­tos do Torreense, pe­lo que os jo­gos en­tre os dois fo­ram de­ci­si­vos. “Tí­nha­mos per­di­do em Torres Vedras [2-1], e em ca­sa em­pa­tá­mos 1-1. Es­ti­ve­mos a ga­nhar até qua­se ao fim, mas num can­to o nos­so guar­da-re­des saiu mal, lar­gou a bo­la e eles mar­ca­ram”, re­cor­da. O Pe­ni­che fi­cou mais du­as ve­zes

JOR­GE GONÇALVES LEM­BRA O GOLO SO­FRI­DO NO FIM CON­TRA O TORREENSE E A DER­RO­TA DO PE­NI­CHE EM AVEI­RO

em 2º lu­gar (em 1967/68 e 1971/72), ten­do dis­pu­ta­do a li­gui­lha em 1972. “Em ca­sa, ga­nhá­mos ao Ri­o­pe­le, mas em­pa­tá­mos os jo­gos com Bei­ra-Mar e Lei­xões, e na úl­ti­ma jor­na­da tí­nha­mos de ir ga­nhar a Avei­ro, mas per­de­mos. Foi re­nhi­do até ao fim”, re­for­ça Jor­ge Gonçalves, que foi vi­ce-pre­si­den­te do clu­be na década de 90 e es­te­ve à fren­te da au­tar­quia en­tre 1998 e 2005.

ES­TRE­LA DE PORTALEGRE AS CAR­TAS ANÓNIMAS E O NO­VO TREI­NA­DOR

“Foi por mui­to pou­co”, la­men­ta à SÁ­BA­DO Fran­cis­co Ba­gi­na. O an­ti­go di­ri­gen­te do Es­tre­la de Portalegre, de 87 anos, re­cor­da a su­bi­da fa­lha­da na épo­ca 1976/77, quan­do a equipa ter­mi­nou o cam­pe­o­na­to da II Di­vi­são, Zo­na Cen­tro, com os mes­mos 43 pon­tos do Feirense, cam­peão por ter van­ta­gem no con­fron­to di­rec­to (o Es­tre­la ga­nhou 1-0 no Alen­te­jo e per­deu 3-0 na Fei­ra). Na par­ti­da de­ci­si­va, em Santa Ma­ria da Fei­ra, a 3 de Abril de 1977, o Es­tre­la de Portalegre, que era lí­der, foi apa­nha­do pe­los nor­te­nhos (am­bos com 35 pon­tos). “Es­se jo­go foi ter­rí­vel”, lem­bra Fran­cis­co Ba­gi­na. “Re­ce­be­mos car­tas anónimas a avi­sa­rem que ía­mos ter uma re­cep­ção hos­til. À che­ga­da ao es­tá­dio, mais de 100 pes­so­as es­pe­ra­ram a nos­sa equipa e, além de in­sul­tos e em­pur­rões, ris­ca­ram e cor­ta­ram os car­ros dos jo­ga­do­res com as pon­tas dos guar­da-chu­vas. Fo­ram mais de 40 con­tos de pre­juí­zo. O ár­bi­tro es­ta­va cheio de me­do.” A equipa alen­te­ja­na ain­da te­ve mais uma hi­pó­te­se de su­bir, atra­vés da li­gui­lha com os se­gun­dos clas­si­fi­ca­dos das zo­nas Nor­te (Sp. Es­pi­nho) e Sul (CUF). Mas aca­bou em 2º, a 2 pon­tos do Sp. Es­pi­nho, o úni­co que su­biu. “As coi­sas cor­re­ram mui­to mal. Tí­nha­mos so­fri­do pou­cos golos no cam­pe­o­na­to [19], mas nos dois pri­mei­ros jo­gos fo­mos go­le­a­dos” [6-4 e 5-1], lem­bra Fran­cis­co Ba­gi­na, que des­ta­ca a “má de­ci­são” de subs­ti­tuir o trei­na­dor, Jo­sé Mou­ri­nho Fé­lix (pai do ac­tu­al téc­ni­co do Man­ches­ter Uni­ted), pe­lo ar­gen­ti­no Ru­bén Gar­cía (que ti­nha dei­xa­do o Feirense). “Eu vo­tei con­tra, mas a mai­o­ria da di­rec­ção [6-5] pre­fe­riu mu­dar. Acha­ram que o Mou­ri­nho Fé­lix não ti­nha ex­pe­ri­ên­cia su­fi­ci­en­te pa­ra nos le­var ao su­ces­so na li­gui­lha, por­que ape­nas ti­nha trei­na­do os ju­ni­o­res do Belenenses. Foi mui­to in­jus­to.”

JU­VEN­TU­DE DE ÉVORA “FAC­TO­RES ES­TRA­NHOS”

h O Ju­ven­tu­de de Évora es­te­ve per­to de che­gar à I Di­vi­são por três ve­zes. Nas épo­cas de 1977/78, 1978/79 e 1980/81 foi 2º clas­si­fi­ca­do na Zo­na Sul: pri­mei­ro a 2 pon­tos do Bar­rei­ren­se, de­pois a 3 do Por­ti­mo­nen­se e por fim a 4 do Es­to­ril. Nas três oca­siões, o Ju­ven­tu­de dis­pu­tou a li­gui­lha de su­bi­da, sen­do que em 1978 aca­bou a 1 pon­to do Ac. Viseu. Pa­ra António Mo­das, an­ti­go de­fe­sa da equipa, is­so ex­pli­ca-se por­que hou­ve “fac­to­res es­tra­nhos”. “Os jor­nais na al­tu­ra fa­la­ram dis­so, e já se sa­be que não há fu­mo sem fo­go”, co­men­ta à SÁ­BA­DO. “Em Viseu, per­de­mos 2-1, mas fo­mos es­po­li­a­dos de um golo lim­po. E o se­gun­do de­les foi um fo­ra-de-jo­go cla­ro. Fica a dú­vi­da: foi um azar dos ár­bi­tros, ou hou­ve in­te­res­se?” Na úl­ti­ma par­ti­da, en­tre o Ali­a­dos de Lor­de­lo e o Ac. Viseu, a equipa da zo­na do Porto te­rá fa­ci­li­ta­do, se­gun­do Mo­das, ho­je com 66 anos. “Hou­ve suspeitas. O pre­si­den­te do Ali­a­dos sus­pen­deu os três me­lho­res jo­ga­do­res, o trei­na­dor não gos­tou dis­so e tam­bém foi afas­ta­do. O Ac. Viseu con­se­guiu em­pa­tar (1-1) e su­biu”. Nes­sa al­tu­ra, “o Ju­ven­tu­de ti­nha gran­des equi­pas” e o es­tá­dio “es­ta­va sem­pre cheio”. “An­dá­va­mos nos pri-

O ES­TRE­LA DE PORTALEGRE FOI MAL RE­CE­BI­DO NA FEI­RA: HOU­VE IN­SUL­TOS, EM­PUR­RÕES E CAR­ROS CORTADOS

mei­ros lu­ga­res, mas de­pois nun­ca che­gá­va­mos lá”, con­ti­nua Mo­das, des­ta­can­do ain­da o “azar” nal­gu­mas épo­cas, co­mo acon­te­ceu em 1978/79. “Che­gá­mos à úl­ti­ma jor­na­da a 1 pon­to do Por­ti­mo­nen­se [de­fron­ta­va o Atlé­ti­co] e per­de­mos no cam­po do pe­núl­ti­mo, o Sa­ri­lhen­se (1-0), num jo­go em que fa­lha­mos uns 10 golos.”

UNIÃO DE LA­MAS “COR­RUP­ÇÃO A SÉ­RIO”

Na épo­ca 1978/79, o U. La­mas aca­bou a pri­mei­ra vol­ta em 1º, com cin­co pon­tos de avan­ço so­bre o União de Lei­ria (II Di­vi­são Cen­tro). “Mas de­pois co­me­ça­ram a em­pur­rar-nos pa­ra bai­xo”, adi­an­ta à SÁ­BA­DO o an­ti­go mé­dio Pinto da Ro­cha. “Fo­mos der­ro­ta­dos em To­mar (2-0), mas anu­la­ram-nos dois golos lim­pos. Um foi meu: o ár­bi­tro mar­cou um fo­ra-de-jo­go ab­sur­do. E em Lei­ria per­de­mos (1-0) com um golo com a mão.”

António Car­do­so, o guar­da-re­des do União de La­mas envolvido no lan­ce, con­ta: “Saí ao cru­za­men­to e o Lei­tão em­pur­rou-me. Aca­bá­mos o cam­pe­o­na­to a 1 pon­to do U. Lei­ria, mas sem es­se golo ir­re­gu­lar tí­nha­mos su­bi­do.” O clu­be foi dis­pu­tar a li­gui­lha com Rio Ave (Zo­na Nor­te) e Ju­ven­tu­de de Évora (Zo­na Sul), vol­tan­do a fa­lhar por 1 pon­to.

“Não nos dei­xa­ram su­bir”, quei­xa-se Car­do­so, que es­te­ve oi­to anos no U. La­mas e 10 no Feirense. No jo­go decisivo, o U. La­mas ti­nha de ir ga­nhar a Vi­la do Con­de, mas em­pa­tou (1-1). “Mes­mo no fim hou­ve um pe­nál­ti a nos­so fa­vor, só que gerou-se uma con­fu­são, o trei­na­dor do Rio Ave, Pe­dro Go­mes, foi ter com o fis­cal de li­nha, ele cha­mou o ár­bi­tro e de­ci­di­ram mar­car an­tes can­to.” Pa­ra Pinto da Ro­cha, nes­sa al­tu­ra “ha­via cor­rup­ção a sé­rio”. “Tí­nha­mos uma gran­de equipa, mas jo­gar bem não che­ga­va. Quem ti­nha mais po­der eco­nó­mi­co é que ob­ti­nha su­ces­so.”

MAIA UM GOLO FO­RA DE HO­RAS EM SE­TÚ­BAL

h “Mor­re­mos na praia”, ex­cla­ma à SÁ­BA­DO Mário Reis, que trei­nou o Maia na épo­ca 2000/01, quan­do o clu­be fi­cou em 4º lu­gar na II Li­ga, com os mes­mos 64 pon­tos de Varzim e Vit. Se­tú­bal (su­bi­ram jun­ta­men­te com o Santa Cla­ra), per­den­do no goal average por um golo. “A der­ro­ta em ca­sa com o Fre­a­mun­de, o úl­ti­mo clas­si­fi­ca­do, é que nos tra­mou”, con­ti­nua Mário Reis. “Fo­mos ga­nhar ao Varzim e pas­sa­mos pa­ra 1º, mas de­pois acon­te­ceu aqui­lo com o Fre­a­mun­de. Eles fo­ram du­as ve­zes à nos­sa ba­li­za… O Bo­singwa, que es­ta­va em­pres­ta­do pe­lo Boavista ao Fre­a­mun­de, mar­cou um gran­de golo qua­se do meio-cam­po. Nós mas­sa­crá­mos, man­dá­mos três ou qua­tro bo­las aos pos­tes, mas per­de­mos. É da­que­les jo­gos que po­día­mos es­tar ali to­da a noi­te”, diz, lem­bran­do ain­da o dra­ma da úl­ti­ma jor­na­da. “Fo­mos ga­nhar ao Sp. Es­pi­nho (3-2) e o Vit. Se­tú­bal ven­ceu a Na­val (2-1) já fo­ra de ho­ras. Quan­do aca­bou o nos­so jo­go, o Se­tú­bal es­ta­va em­pa­ta­do e nós es­tá­va­mos na I Di­vi­são. Fi­cá­mos no cam­po à es­pe­ra, jun­ta­men­te com os adep­tos, que en­chi­am uma ban­ca­da. O Vit. Se­tú­bal fez o 1-1 aos 75 mi­nu­tos, com um pe­nál­ti fo­ra da área, e de­pois mar­cou o golo da vi­tó­ria já pas­sa­va 9 mi­nu­tos da ho­ra. Hou­ve uns cor­tes de ener­gia e o ár­bi­tro deu 9 ou 10 mi­nu­tos de des­con­tos. Foi uma de­si­lu­são, uma tris­te­za in­crí­vel.”

“QUAN­DO ACA­BOU O NOS­SO JO­GO, O SE­TÚ­BAL ES­TA­VA EM­PA­TA­DO E O MAIA ES­TA­VA NA I DI­VI­SÃO”, CON­TA MÁRIO REIS

Em 1979, o U. La­mas (aqui no cam­po do Sal­guei­ros) fa­lhou a su­bi­da por 1 pon­to

O Maia foi ga­nhar ao Varzim (2001), mas não su­biu

O Ma­ri­nhen­se (aqui fren­te ao Sa­ca­ve­nen­se, em De­zem­bro de 1972) es­te­ve per­to da su­bi­da três ve­zes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.