Ex­clu­si­vo

Sábado - - SUMÁRIO - Por António Jo­sé Vi­le­la

Rus­so pro­cu­ra­do pe­la In­ter­pol tem vis­to gold em Por­tu­gal

É empresário e mui­to ri­co. E foi um dos mais jo­vens mem­bros do par­la­men­to rus­so até se tor­nar in­de­se­já­vel. Ao pon­to de o que­re­rem pren­der por uma ale­ga­da cons­pi­ra­ção pa­ra matar um po­lí­ti­co da ci­da­de on­de nas­ceu nos Mon­tes Urais. Re­fu­gi­a­do na Ale­ma­nha, Va­le­riy Panov e a fa­mí­lia con­se­gui­ram vis­tos gold em Por­tu­gal.

No País só se fa­la­va dos vis­tos gold, as cé­le­bres au­to­ri­za­ções de re­si­dên­cia pa­ra es­tran­gei­ros en­di­nhei­ra­dos. A lei ti­nha si­do apro­va­da em ple­no Ve­rão de 2012, mas a en­tra­da em vi­gor só iria con­cre­ti­zar­se al­guns me­ses de­pois quan­do fo­ram con­cluí­dos de vez to­dos os pro­ce­di­men­tos le­gais por par­te do go­ver­no PSD/CDS li­de­ra­do por Pe­dro Pas­sos Co­e­lho. E o im­pac­to fi­nan­cei­ro da polémica de­ci­são po­lí­ti­ca foi qua­se ime­di­a­to, ten­do-se re­pe­ti­do até ho­je epi­só­di­os do gé­ne­ro da­que­le que su­ce­deu quan­do uma mu­lher de na­ci­o­na­li­da­de rus­sa en­trou, a 3 de Ou­tu­bro de 2012, num no­tá­rio de Cas­cais pa­ra for­ma­li­zar a com­pra de um apar­ta­men­to de lu­xo.

De­pois de su­bir ao 4º an­dar do Edi­fí­cio de S. Jo­sé, Ga­li­na Panov di­ri­giu-se à sa­la 402, on­de se en­con­tra­va o no­tá­rio Luís Bel­chi­or. Pou­cos mi­nu­tos de­pois e já na pre­sen­ça do re­pre­sen­tan­te da em­pre­sa ven­de­do­ra do imó­vel, a Triun­fo Cons­tru­to­res, foi as­si­na­da a es­cri­tu­ra do apar­ta­men­to dú­plex si­tu­a­do na Av. da Ve­ne­zu­e­la, em Cas­cais. O rés­do-chão e o pri­mei­ro an­dar, com ga­ra­gem, cus­tou 550 mil eu­ros. O in­ves­ti­men­to abriu a porta à con­ces­são do vis­to gold à mu­lher, que alu­ga­ra pro­vi­so­ri­a­men­te um apar­ta­men­to na ci­da­de e que era ca­sa­da em re­gi­me de se­pa­ra­ção de bens com ou­tro rus­so, Va­le­riy Panov, con­for­me cons­ta na es­cri­tu­ra pú­bli­ca do imó­vel a que a SÁ­BA­DO te­ve aces­so. Des­co­nhe­ci­do em Por­tu­gal e na­tu­ral de uma lon­gín­qua ci­da­de do Sul dos Mon­tes Urais, Va­le­riy Panov já era en­tão um in­flu­en­te empresário e en­ge­nhei­ro quí­mi­co de su­ces­so que pas­sa­ra pe­la po­lí­ti­ca – foi de­pu­ta­do du­ran­te vá­ri­os anos e até 2011 num dos “dois par­la­men­tos” rus­sos, a Du­ma Fe­de­ral, on­de che­gou a de­sem­pe­nhar o cargo de vi­ce-pre­si­den­te do Co­mi­té de Cons­tru­ção e Re­la­ções Ter­ri­to­ri­ais. E tam­bém já ti­nha fei­to for­tu­na tan­to no país de ori­gem co­mo na Ale­ma­nha, on­de fun­dou e in­ves­tiu em vá­ri­as em­pre­sas de tec­no­lo­gia de pon­ta nas áre­as da Me­di­ci­na e da transformação de pro­du­tos de ba­sal­to. Aliás, boa par­te des­ta úl­ti­ma ma­té­ria-pri­ma era im­por­ta­da da re­gião de Tche­li­a­binsk, on­de Va­le­riy nas­ceu a 1 de Mar­ço de 1961. Com o tem­po, a po­lí­ti­ca e os ne­gó­ci­os sur­giu-lhe a fa­ma, o pro­vei­to e tam­bém al­guns ini­mi­gos que iri­am en­vol­vê-lo num es­tra­nho ca­so que o le­va­ria a vi­ver – co­mo acon­te­ce há cer­ca de três anos – qua­se co­mo um re­fu­gi­a­do na Ale­ma­nha, pois tem re­ceio de ser ex­tra­di­ta­do pa­ra a Rús­sia. Ca­sa­do e pai de dois fi­lhos, e ain­da sem es­ta nu­vem ne­gra tão de­fi­ni­da no ho­ri­zon­te, o empresário com­prou en­tre­tan­to ou­tro apar­ta­men­to de lu­xo em Cas­cais, pas­san­do a des­lo­car-se du­ran­te al­guns anos com re­gu­la­ri­da­de a Por­tu­gal, so­bre­tu­do em cur­tos pe­río­dos de fé­ri­as, três a qua­tro ve­zes por ano, se­gun­do re­ve­lou à SÁ­BA­DO uma fon­te do Ser­vi­ço de Es­tran­gei­ros e Fron­tei­ras (SEF).

Na prá­ti­ca, a fa­mí­lia Panov (pai, mãe e um dos dois fi­lhos, am­bos com du­pla na­ci­o­na­li­da­de rus­sa e nor­te-ame­ri­ca­na) pas­sou as­sim a in­te­grar as es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais do re­gi­me de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ac­ti­vi­da­de de In­ves­ti­men­to (ARI), con­tri­buin­do pa­ra que a na­ci­o­na­li­da­de rus­sa fa­ça ho­je par­te do top 5 da con­ces­são to­tal dos vis­tos gold – são já 228 ca­sos en­tre Ou­tu­bro de 2012 e 30 de Se­tem­bro de 2018. Tal co­mo su­ce­deu com os Panov, a gran­de mai­o­ria dos vis­tos gold foi jus­ti­fi­ca­da pe­la com­pra de imó­veis: as es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais mais re­cen­tes do SEF re­fe­rem um in­ves­ti­men­to to­tal de cer­ca de 4 mil mi­lhões de eu­ros, sen­do 3,6 mil mi­lhões da aqui­si­ção de imó­veis.

Os as­sas­si­nos con­tra­ta­dos

Mas es­te in­des­men­tí­vel su­ces­so fi­nan­cei­ro dos vis­tos gold po­de vir a tor­nar-se um im­bró­glio ju­rí­di­co no ca­so da au­to­ri­za­ção de re­si­dên­cia por­tu­gue­sa da­da a Va­le­riy Panov, pois o empresário rus­so es­tá há vá­ri­os anos “re­fe­ren­ci­a­do” na In­ter­pol, a cen­tral de in­for­ma­ções com se­de em Lyon, Fran­ça, que ser­ve de li­ga­ção às po­lí­ci­as de qua­se to­dos os paí­ses do mun­do. A gran­de ques­tão é sa­ber o que acon­te­ce­rá se o empresário pu­ser um pé em Por­tu­gal? Con­for­me a SÁ­BA­DO con­fir­mou atra­vés da con­sul­ta do si­te pú­bli­co des­ta agên­cia in­ter­na­ci­o­nal, Va­le­riy tem um aler­ta ver­me­lho (Red Alert) co­lo­ca­do no sis­te­ma da In­ter­pol pe­las au­to­ri­da­des rus­sas. Tra­ta-se de um dos oi­to ti­pos de avi­sos – o mais co­nhe­ci­do e usa­do anu­al­men­te por to­das as po­lí­ci­as –, que é um pe­di­do de lo­ca­li­za­ção/pri­são de al­guém com vis­ta a uma pos­sí­vel ex­tra­di­ção, ou se­ja, tra­ta-se de uma es­pé­cie de pré-man­da­do de pri­são in­ter­na­ci­o­nal.

Es­tes aler­tas pu­bli­ca­dos pe­la In­ter­pol têm ori­gem nas po­lí­ci­as dos vá­ri­os paí­ses ou nos res­pec­ti­vos ga­bi­ne­tes cen­trais na­ci­o­nais e os

A FA­MÍ­LIA PANOV COM­PROU UM APAR­TA­MEN­TO DE LU­XO POR 550 MIL EU­ROS

avi­sos en­tram no si­te e são des­ti­na­dos a dois ti­pos de pú­bli­cos: há in­for­ma­ção re­su­mi­da aberta à con­sul­ta de to­dos e tam­bém da­dos mais com­ple­tos so­bre os al­vos que es­tão ape­nas aces­sí­veis às po­lí­ci­as. A SÁ­BA­DO apu­rou que, no ca­so de Va­le­riy Panov, a Rús­sia quer lo­ca­li­zá-lo e ex­tra­di­tá-lo por­que o con­si­de­ra sus­pei­to da prá­ti­ca de vá­ri­os cri­mes fi­nan­cei­ros que te­rão ocor­ri­do na Rús­sia a par­tir de 2012. Em cau­sa es­tão suspeitas que in­clu­em até uma ale­ga­da ten­ta­ti­va de con­tra­ta­ção de as­sas­si­nos pro­fis­si­o­nais pa­ra matar um vi­ce-go­ver­na­dor da ci­da­de on­de nas­ceu Va­le­riy. De acor­do com a im­pren­sa lo­cal, o pa­ga­men­to acor­da­do se­ria de 400 mil ru­blos (cer­ca de 5.300 eu­ros ao câm­bio ac­tu­al), mais as ar­mas e al­gu­mas des­pe­sas ope­ra­ci­o­nais. Só que o al­vo te­rá si­do aler­ta­do a tem­po e a po­lí­cia mon­tou uma ar­ma­di­lha que aca­bou por de­ter até os man­dan­tes lo­cais do cri­me.

A vi­gi­lân­cia... até em Por­tu­gal

No pro­ces­so, as au­to­ri­da­des rus­sas ale­gam tam­bém que con­se­gui­ram o tes­te­mu­nho de um an­ti­go só­cio de Va­le­riy que o de­nun­ci­ou por cri­mes eco­nó­mi­cos. De res­to, par­te des­ta ar­gu­men­ta­ção ju­rí­di­ca tem si­do usada pe­las au­to­ri­da­des rus­sas nos pe­di­dos de ex­tra­di­ção di­ri­gi­dos des­de 2015 à Ale­ma­nha – on­de vi­ve há vá­ri­os anos. Um au­tên­ti­co bra­ço-de-ferro ju­rí­di­co que des­ta­pou ou­tros da­dos ro­cam­bo­les­cos: por exem­plo, que vá­ri­as das ale­ga­das pro­vas de cri­mes apre­sen­ta­das pe­la Rús­sia con­tra Va­le­riy são mui­to té­nu­es, sen­do que um dos tes­te­mu­nhos in­cri­mi­na­tó­ri­os te­rá si­do con­se­gui­do sob tor­tu­ra. Fo­ram es­tas in­con­gruên­ci­as que levaram o Ministério Pú­bli­co ale­mão a so­li­ci­tar di­ver­sos es­cla­re­ci­men­tos à Rús­sia e, fi­nal­men­te, a opor-se à ex­tra­di­ção do empresário. Em Ja­nei­ro des­te ano, três juí­zes do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Su­pe­ri­or de Co­ló­nia – um tri­bu­nal de re­cur­so – de­ci­di­ram não au­to­ri­zar a ex­tra­di­ção. Pe­lo me­nos, pa­ra já. Pa­ra jus­ti­fi­car a de­ci­são, se­gun­do re­ve­lou fon­te do tri­bu­nal à SÁ­BA­DO ,os juí­zes usa­ram um ar­gu­men­to de pe­so: as au­to­ri­da­des rus­sas não con­tra­ri­a­ram nun­ca as ale­ga­ções de que Va­le­riy foi de­nun­ci­a­do por uma “tes­te­mu­nha prin­ci­pal” su­jei­ta a tor­tu­ra. Mas o tri­bu­nal man­te­ve aberta a porta à ex­tra­di­ção, ca­so a Rús­sia apre­sen­te no­vas pro­vas. Pa­ra já, os ser­vi­ços se­cre­tos rus­sos man­têm sob vi­gi­lân­cia Va­le­riy Panov. O aler­ta das se­cre­tas in­clui os bens do empresário em Por­tu­gal.

O TES­TE­MU­NHO PRIN­CI­PAL CON­TRA O EMPRESÁRIO RUS­SO FOI OB­TI­DO SOB TOR­TU­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.