Ci­ne­ma

Sábado - - SUMÁRIO - Por Mar­kus Al­mei­da

Mais um Dia de Vi­da, a crónica ani­ma­da da in­de­pen­dên­cia an­go­la­na

Rys­zard Ka­pus­cins­ki vi­veu a des­co­lo­ni­za­ção e o rom­per da guer­ra civil. Pu­bli­cou tu­do em Mais Um Dia de Vi­da, li­vro de 1976 que Raúl de la Fu­en­te adap­tou pa­ra ci­ne­ma no filme que se es­treia es­ta quin­ta, 8. Con­ver­sa em Lis­boa com o re­a­li­za­dor e um dos in­ter­ve­ni­en­tes, o ge­ne­ral Far­rus­co.

PE­LO CON­TEX­TO CO­LO­NI­AL, pe­las mar­cas do êxo­do ata­ba­lho­a­do e, so­bre­tu­do, pe­lo co­man­dan­te Far­rus­co, o alen­te­ja­no que se jun­tou ao MPLA de­pois do 25 de Abril, Mais Um

Dia de Vi­da é um Apo­calyp­se Now à por­tu­gue­sa. A adap­ta­ção do li­vro ho­mó­ni­mo de Rys­zard Ka­pus­cins­ki (1932-2007), con­si­de­ra­do um dos me­lho­res re­pór­te­res de guer­ra e es­cri­to­res do sé­cu­lo XX, es­treia es­ta quin­ta, 8. É um do­cu­men­tá­rio? É uma obra de fic­ção? Raúl de la Fu­en­te tem di­fi­cul­da­de em res­pon­der. “É um hí­bri­do... Ka­pus­cins­ki di­zia que o sen­ti­do da vi­da é cru­zar fron­tei­ras, não só fí­si­cas mas tam­bém cri­a­ti­vas. Adop­tá­mos a sua má­xi­ma e qui­se­mos cri­ar uma lin­gua­gem ci­ne­ma­to­grá­fi­ca ins­pi­ra­da no seu es­pí­ri­to li­te­rá­rio,” con­ta.

O re­gis­to apro­xi­ma-se do de

A Val­sa com Bashir (2008), ani­ma­ção em que Ari Fol­man en­tre­vis­ta ve­te­ra­nos is­ra­e­li­tas que par­ti­ci­pa­ram na in­va­são do Lí­ba­no em 1982, mas as se­me­lhan­ças fi­cam-se por aí. Em ter­mos vi­su­ais, Mais Um

Dia de Vi­da pa­re­ce uma no­ve­la grá­fi­ca que ga­nhou vi­da. “Qui­se­mos fa­zer um filme de ani­ma­ção que não se pa­re­ces­se com um filme de ani­ma­ção”, diz. To­das as ce­nas fo­ram fil­ma­das com ac­to­res, os seus mo­vi­men­tos cap­ta­dos atra­vés de co­le­tes com sen­so­res e de­pois ani­ma­dos pe­lo co-re­a­li­za­dor Da­mi­an Ne­now. No filme, as per­so­na­gens com que Ka­pus­cins­ki se cru­za fo­ram li­gei­ra­men­te fic­ci­o­na­das, ad­mi­te o re­a­li­za­dor, mas, por con­tras­te, al­gu­mas dão a ca­ra: mais de 40 anos de­pois da pu­bli­ca­ção do li­vro (em 1976),

É um do­cu­men­tá­rio? É fic­ção? Raúl­de­laFu­en­te­tem­di­fi­cul­da­de­em­res­pon­der.“Éumhí­bri­do...Ka­pus­cins­ki­di­zi­a­que osen­ti­do­da vi­daé­cru­zar fron­tei­ras”

Raúl de la Fu­en­te foi a An­go­la e en­con­trou al­guns in­ter­ve­ni­en­tes do li­vro, en­tre­vis­tou-os, fil­mou-os e pô-los em diá­lo­go com a obra ori­gi­nal.

Du­as per­so­na­gens des­ta­cam-se, além do cor­res­pon­den­te po­la­co: a guer­ri­lhei­ra Car­lo­ta e o ge­ne­ral Far­rus­co. “Em ter­mos ci­ne­ma­to­grá­fi­cos, podemos iden­ti­fi­car em Far­rus­co o Kurtz [Mar­lon Bran­do] de Apo­calyp­se

Now”, con­ta. “Qui­se­mos que, pa­ra o pú­bli­co, Ka­pus­cins­ki ti­ves­se uma mo­ti­va­ção cla­ra e ob­jec­ti­va em che­gar ao Sul.” Car­lo­ta mor­reu em com­ba­te em 1975. São, por is­so, ima­gens de épo­ca, de re­por­ta­gens que o re­a­li­za­dor uti­li­zou, mas vá­ri­as per­so­na­gens es­ta­vam ain­da vi­vas. Co­mo Jo­a­quim António Lo­pes Far­rus­co, o ex-pá­ra-que­dis­ta por­tu­guês, bran­co, que co­man­dou uma uni­da­de do MPLA no Sul de An­go­la em 1975 e que o po­la­co co­nhe­ceu “na sua vi­a­gem ao co­ra­ção das tre­vas”. À SÁ­BA­DO, Far­rus­co re­al­ça o em­pe­nho de Ka­pus­cins­ki em mos­trar ao mun­do o que se es­ta­va a pas­sar. “O que o le­va ao Sul não é a Car­lo­ta nem eu, o que o le­va lá é que­rer che­gar à úl­ti­ma li­nha de com­ba­te e con­fir­mar com os olhos de­le, sem nin­guém lhe di­zer, que há uma in­va­são es­tran­gei­ra a acontecer [da Áfri­ca do Sul].” “Che­gou à mi­nha uni­da­de em Ou­tu­bro de 1975. Dis­se­ram-lhe que o Sul es­ta­va to­do ocu­pa­do [pe­la FNLA] e que a úni­ca uni­da­de era a mi­nha – ele fa­la dis­so no li­vro. De­pois re­gres­sou a Lu­an­da e fi­cou lá mais um pou­co – não ha­via lá na­da, mas viu o 11 de No­vem­bro [dia da in­de­pen­dên­cia] an­tes de vol­tar à Polónia.”

Mais Um Dia de Vi­da era o li­vro pre­fe­ri­do de Ka­pus­cins­ki. Hou­ve até quem dis­ses­se que o po­la­co foi pa­ra An­go­la jornalista e re­gres­sou escritor. Tam­bém pa­ra Raúl de la Fu­en­te é um li­vro es­pe­ci­al. “Pu­bli­cou-o em 1976 e em 2002 acres­cen­tou um epí­lo­go em que dis­se que vol­ta­va em pen­sa­men­to àque­las pes­so­as que co­nhe­ceu em An­go­la, que se per­gun­ta­va pe­lo seu pa­ra­dei­ro”, re­cor­da. Ora, o re­a­li­za­dor to­mou o epí­lo­go co­mo uma per­gun­ta di­ri­gi­da a ele e de­ci­diu res­pon­der. “Vou con­tar a tua his­tó­ria tal co­mo a pu­ses­te no li­vro e tam­bém vou con­tar a dos teus ami­gos.” “En­tre to­dos, va­mos fa­zer es­te filme. Não te­rá só a tua voz, mas tam­bém a voz de­les. Pa­re­ceu-me que va­lia a pe­na lu­tar por es­te for­ma­to”, re­ma­ta.

“Qui­se­mos que o filme ti­ves­se um lo­ok de no­ve­la grá­fi­ca com o qual as pes­so­as se pu­des­sem iden­ti­fi­car”, diz o re­a­li­za­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.