Mú­si­ca

Sábado - - SUMÁRIO - Por Fi­li­pa Tei­xei­ra

En­tre­vis­ta a Ali­ne Fra­zão

“Es­cu­tar o si­lên­cio, on­de tu­do re­si­de” é o de­sa­fio a re­ter de Den­tro da Chu­va, en­ca­de­a­men­to poé­ti­co de 11 te­mas com­pos­tos em Lu­an­da e gra­va­dos no Rio de Ja­nei­ro, o no­vo tra­ba­lho da cantora an­go­la­na. Pre­tex­to de en­tre­vis­ta, em vés­pe­ras de con­cer­tos no Porto, Coimbra e Lis­boa.

ERA SE­GUN­DA-FEI­RA, dia 29, tar­de cin­zen­ta em Lis­boa, de on­de Ali­ne Fra­zão nos aten­deu o te­le­fo­ne, vin­da de Bel­gra­do e já de ma­las fei­tas pa­ra pros­se­guir a digressão do seu quar­to ál­bum pe­lo Bra­sil. “Cus­ta acor­dar as­sim”, di­zia ela, co­men­tan­do a vi­tó­ria de Bol­so­na­ro: “Há der­ro­tas im­por­tan­tes que de­vem ser abor­da­das com mui­ta se­ri­e­da­de. A elei­ção des­te Pre­si­den­te é um gol­pe for­tís­si­mo, ao qual tem de ser da­do o pe­so de­vi­do, sem in­ge­nui­da­de e es­pe­ran­ças vãs, mas não afec­ta a von­ta­de de con­ti­nu­ar. Não há co­mo de­sis­tir das nos­sas cren­ças de justiça, de de­fen­der coi­sas bá­si­cas co­mo os di­rei­tos hu­ma­nos.” A con­ver­sa avan­ça pa­ra o Rio de Ja­nei­ro, “idí­li­co e di­a­bó­li­co”, on­de Ali­ne Fra­zão gra­vou Den­tro da Chu­va, o su­ces­sor de In­su­lar– que en­tão a le­vou a iso­lar-se no frio es­co­cês. O lu­gar, pa­ra a cantora an­go­la­na, é im­por­tan­te: “Não que­ro fa­zer ar­te num sí­tio aco­mo­da­do.” No ca­so des­te dis­co, vi­a­jou ao Bra- sil pa­ra tor­nar “mais evi­den­te” a in­fluên­cia que o país já ti­nha na sua obra. Gra­vou com Ga­bri­el Mu­zak, “prin­ci­pal par­cei­ro pa­ra apren­der a na­ve­gar nes­tas mú­si­cas”, cha­mou Ja­ques Mo­re­len­baum pa­ra Are­al de Ca­bo Ledo, que define co­mo “um lu­gar de paz” na sua Lu­an­da na­tal, “hi­per­po­pu­la­da e hi­per-rui­do­sa”, pe­gou num ex­cer­to do con­to Co­mo Se o Mun­do Não Ti­ves­se Les­te, de Ruy Du­ar­te de Carvalho, pa­ra o trans­for­mar em ver­so, fez da per­so­na­gem Adri­a­no Ka­pi­a­pia can­ção e, acom­pa­nha­da pe­la voz de Lu­ed­ji Lu­na, can­tou a chu­va forte que em si car­re­ga “o si­lên­cio que go­ver­na tu­do”. So­bre es­se si­lên­cio, que po­voa os 11 te­mas do ál­bum – de Ca­bo Ver­de de Peit Ta Se­gu­ra à ver­são de Ces Pe­tits Ri­ens ,de Ser­ge Gains­bourg, tor­na­da Fran­ça ,ea Um Corpo So­bre o Ma­pa, sú­mu­la dos lu­ga­res afec­ti­vos de Ali­ne Fra­zão – diz ela que “ele é tu­do me­nos zen”. Ou me­lhor: “Che­go mal ao si­lên­cio. É uma bus­ca diá­ria, por­que é di­fí­cil man­ter­mo-nos ne­le, pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel no mun­do con­tem­po­râ­neo, na con­fu­são das nos­sas vi­das.” Por is­so fez a sua bus­ca por um lu-

“Che­go­ma­lao si­lên­cio.Éu­ma bus­ca­diá­ria, por­queé­di­fí­cil man­ter­mo-nos ne­le, pra­ti­ca­men­teim­pos­sí­vel no mun­do con­tem­po­râ­neo, na con­fu­são das nos­sas­vi­das”

gar sem ba­ru­lho, “apren­den­do, mas tam­bém de­sa­pren­den­do, o que às ve­zes é im­por­tan­te”, e sol­tan­do-se de amar­ras. Lem­bra um mo­men­to-cha­ve nes­sa li­ber­ta­ção: o Fes­ti­val de Mú­si­cas do Mun­do em Avei­ro, em 2016, on­de de­ci­diu apos­tar nes­te for­ma­to íntimo de Den­tro da Chu­va, com o seu vi­o­lão. “Foi um pro­ces­so com eta­pas mui­to di­fe­ren­tes, mas que con­fir­mam aqui­lo que no fun­do me mo­ve: con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar a par­tir de den­tro e não tão ori­en­ta­da por uma ex­pec­ta­ti­va de mer­ca­do, de pú­bli­cos. No fi­nal, as coi­sas até es­tão a ba­ter bas­tan­te cer­to, o dis­co tem si­do bem re­ce­bi­do e is­so con­so­la-me mui­to, por­que me faz sen­tir me­nos so­zi­nha co­mo pes­soa, co­mo ser hu­ma­no, nes­te mun­do lou­co. Pen­sar que há pes­so­as que gos­tam do dis­co faz-me sen­tir mais acom­pa­nha­da.” Nos con­cer­tos de Den­tro da Chu­va – que apresenta no Porto (dia 9 de No­vem­bro), em Coimbra (a 14) e Lis­boa (a 29) –, Ali­ne Fra­zão tem pu­xa­do por es­sa união co­lec­ti­va, que vai de Lu­an­da ao Bra­sil, pe­din­do à pla­teia que jun­te a sua voz ao re­frão de Su­maú­ma, on­de re­cla­ma paz: “É in­crí­vel a im­por­tân­cia que is­so tem, co­nec­ta re­al­men­te as pes­so­as. Mes­mo al­gu­mas não en­ten­den­do por­tu­guês [a digressão já pas­sou por Ale­ma­nha, Áus­tria, Luxemburgo e Sér­via], as pes­so­as sen­tem-se to­ca­das. Is­so é o mai­or elo­gio que pos­so re­ce­ber.”

ALI­NE FRA­ZÃO — DEN­TRO DA CHU­VA CA­SA DA MÚ­SI­CA, PORTO 6.ª, 9/11, 21h30 • 4.ª, 14/11, 21h30 • 5.ª, 29/11, 21h • €15 CON­VEN­TO DE SÃO FRAN­CIS­CO, COIMBRA €15 TE­A­TRO MUN. SÃO LUIZ, LIS­BOA €12 a €15

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.