Mon­ção e Mel­ga­ço, um “ter­roir” de elei­ção

Sábado - - ASEMANA - copy­right Luís Lo­pes

In­te­gra­da na gran­de re­gião dos Vi­nhos Ver­des, Mon­ção e Mel­ga­ço é uma sub-re­gião com ca­rac­te­rís­ti­cas úni­cas. Apro­vei­tan­do as con­di­ções de cli­ma e so­lo do va­le do rio Mi­nho, con­ju­gan­do-as com a cas­ta Al­va­ri­nho e o ta­len­to dos seus enó­lo­gos e pro­du­to­res, Mon­ção e Mel­ga­ço ori­gi­na vi­nhos bran­cos que se dis­tin­guem pe­la sua qu­a­li­da­de, ca­rá­ter e lon­ge­vi­da­de.

Ova­le do rio Mi­nho, e em par­ti­cu­lar a zo­na abran­gi­da pe­los con­ce­lhos de Mon­ção e Mel­ga­ço, for­ma uma uni­da­de ter­ri­to­ri­al e ad­mi­nis­tra­ti­va com gran­des tra­di­ções vi­ti­vi­ní­co­las, ha­ven­do re­gis­tos de ex­por­ta­ções pa­ra In­gla­ter­ra que re­mon­tam ao sé­cu­lo XV. A na­tu­re­za par­ti­cu­lar dos vi­nhos de Mon­ção e Mel­ga­ço é ex­pli­ca­da atra­vés do seu “ter­roir”, ou se­ja, a con­ju­ga­ção de di­ver­sos fa­to­res di­fe­ren­ci­a­do­res, em par­ti­cu­lar, cli­ma, so­los, cas­ta e, não me­nos im­por­tan­te, a in­ter­ven­ção hu­ma­na, pois sem ela não há vi­nha nem vi­nho. O cli­ma des­ta sub-reg­jao afas­ta se­do per­fil atlan­ti­co ti­pi­co do res­to da re­gião dos Vi­nhos Ver­des. Em Mon­ção e Mel­ga­ço, uma cin­tu­ra mon­ta­nho­sa for­ma­da pe­las ser­ras da Ga­li­za, em Es­pa­nha, e pe­las ser­ras do Ge­rês e da Ca­brei­ra, na mar­gem por­tu­gue­sa, pro­te­gem as vi­nhas dos ven­tos ma­rí­ti­mos e au­men­tam a in­flu­en­ce con­ti­nen­tal. com in­ve­mos fri­os e chu­vo­sos e ve­rões quen­tes e se­cos. O so­lo, de ba­se gra­ní­ti­ca, mu­da igual­men­te con­so­an­te ! "mais fér­til e pro­fun­do, com ca­rac­te­rís­ti­cas de alu­vião; um pou­co mais afas­ta­do, nos chamados ter­ra­ços # atra­ves­sa­do por uma fai­xa de ca­lhau ro­la­do; e nas en­cos­tas, on­de a vi­nha é plan­ta­da até à co­ta de 400 me­tros, en­con­tra­mos o gra­ni­to mais pu­ro. Es­te é o ber­ço da no­bre cas­ta Al­va­ri­nho, que aqui se en­con­tra re­fe­ren­ci­a­da des­de o sé­cu­lo XVIII. Sen­do "mui­to tar­di­a­men­te fo­ram re­co­nhe­ci­dos. Com ca­chos pe­que­nos e com­pac­tos e ba­gos de pe­lí­cu­la gros­sa, pro­duz na­tu­ral­men­te pou­co, o que a tor­na­va me­nos $ % vi­ti­vi­ní­co­la le­va­da a ca­bo nos anos 50 do séc. XX por & ' ( # vi­nhos Al­va­ri­nho de Mon­ção e Mel­ga­ço. Nas dé­ca­das se­guin­tes, os vi­nhos pro­du­zi­dos na re­gião levaram a ex­ce­lên­cia des­ta cas­ta até aos gran­des cen­tros ur­ba­nos de Por­tu­gal e de­pois pa­ra o Mun­do. Atu­al­men­te, Mon­ção e Mel­ga­ço pos­sui 1700 hec­ta­res de vi­nha (on­de se in­clu­em tam­bém ou­tras cas­tas bran­cas e tin­tas), tra­ba­lha­da por mais de 2000 vi­ti­cul­to­res, dan­do ori­gem a cer­ca de 250 mar­cas de vi­nho. Os vi­nhos de Mon­ção e Mel­ga­ço, com ba­se na cas­ta Al­va­ri­nho, po­dem apre­sen­tar di­ver­sos per­fis. Aqui re­le­va o fa­tor hu­ma­no, o ta­len­to e co­nhe­ci­men­to de %+ Con­tro­lan­do a fer­men­ta­ção a uma tem­pe­ra­tu­ra re­la­ti­va­men­te bai­xa, mais fa­cil­men­te se ex­tra­em aro­mas e sa­bo­res a fru­tos tro­pi­cais, aba­ca­xi, man­ga, ma­ra­cu­já. Se se dei­xar fer­men­tar a tem­pe­ra­tu­ra mais ele­va­da, des­ta­cam-se os tons ci­tri­nos de la­ran­ja, to­ran­ja e tan­ge­ri­na. Aqui e ali sur­gem nu­an­ces mi­ne­rais, ou no­tas fu­ma­das no ca­so de fer­men­ta­ção em bar­ri­ca. In­de­pen­den­te­men­te do es­ti­lo, os vi­nhos de Mon­ção e Mel­ga­ço pos­su­em um tra­ço co­mum: a sua su­pe­ri­or qu­a­li­da­de, pa­ten­te na pu­re­za da fru­ta, no ex­ce­len­te equi­lí­brio áci­do, no ca­rá­ter vin­ca­do e na no­tá­vel ca­pa­ci­da­de de cres­cer em gar­ra­fa ao lon­go de mui­tos anos. Vi­nhos úni­cos, di­fe­ren­ci­a­do­res, pu­ra ex­pres­são de “ter­roir”.

In­de­pen­den­te­men­te do es­ti­lo, os vi­nhos de Mon­ção e Mel­ga­ço pos­su­em um tra­ço co­mum: a sua su­pe­ri­or qu­a­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.