5 TEN­DÊN­CI­AS NO MAR­KE­TING DI­GI­TAL

São cin­co os te­mas que vão es­tar em des­ta­que na Fu­tu­ra – Bo­os­ting Di­gi­tal Mar­ke­ting, a gran­de conferência de­di­ca­da ao mar­ke­ting di­gi­tal, que traz a Lis­boa, pe­la pri­mei­ra, vez os key­no­tes in­ter­na­ci­o­nais Don Taps­cott, Neil Pa­tel e Ari Wal­la­ch

Sábado - - FUTURA -

1. Cus­to­mer-Cen­tric Mar­ke­ting

A ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te es­tá ho­je no cen­tro da or­ga­ni­za­ção. O com­por­ta­men­to e o pro­ces­so de de­ci­são dos cli­en­tes mu­dou e es­tes que­rem ter mais par­ti­ci­pa­ção nas men­sa­gens das mar­cas e or­ga­ni­za­ções, o mo­nó­lo­go tor­nou-se um diá­lo­go, com no­vas for­mas de cri­ar en­ga­ge­ment e buzz. As or­ga­ni­za­ções têm de se trans­for­mar cul­tu­ral­men­te e cri­ar uma no­va iden­ti­da­de. As re­a­li­da­des au­men­ta­das e Vir­tu­ais (AR e VR) abrem no­vas pers­pec­ti­vas nes­ta no­va for­ma de es­tar dos cli­en­tes, que que­rem ser en­vol­vi­dos e par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te.

2. A in­ter­net do va­lor

Com a tec­no­lo­gia block­chain, a in­ter­net vai entrar nu­ma no­va era, de­fen­de Don Taps­cott, um dos três key­no­tes in­ter­na­ci­o­nais que vai es­tar pre­sen­te na Fu­tu­ra – Bo­os­ting Di­gi­tal Mar­ke­ting. “Tí­nha­mos a in­ter­net da in­for­ma­ção. Ago­ra, te­mos a in­ter­net do va­lor, on­de tu­do se tor­na um ac­ti­vo. Di­nhei­ro, ac­ções, pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, vo­tos, iden­ti­da­de, tu­do o que tem va­lor e per­ten­ce a al­guém po­de ser tran­sac­ci­o­na­do atra­vés do block­chain.” Um dos as­pec­tos que Don Taps­cott men­ci­o­na é que “no block­chain, podemos re­cu­pe­rar a nos­sa iden­ti­da­de e ge­ri-la de for­ma res­pon­sá­vel. Podemos ven­der es­ses da­dos, se qui­ser­mos, ou pro­te­gê-los”, acres­cen­tan­do que “a pri­va­ci­da­de é o fun­da­men­to da li­ber­da­de”.

3. A era da re­le­vân­cia

“Se a sua estratégia de re­ten­ção de cli­en­tes de­pen­de da ‘com­pra’ da le­al­da­de com re­com­pen­sas ou des­con­tos, es­tá a cus­tar ca­ro. E ho­je em dia po­de sig­ni­fi­car que es­tá a de­sis­tir de al­go ines­ti­má­vel: “a sua re­le­vân­cia”, es­cre­vem John Ze­al­ley, Ro­bert Wol­lan e Joshua Bel­lin em “Mar­ke­ters Ne­ed to Stop Fo­cu­sing on Loyalty and Start Thin­king About Re­le­van­ce”, pu­bli­ca­do em Mar­ço pas­sa­do na HBR. De­fen­dem um mo­de­lo que re­pen­se os qua­tro P tra­di­ci­o­nais de mar­ke­ting: pro­duct, pri­ce, pla­ce, e pro­mo­ti­on, que se di­ri­gia a um cli­en­te es­tá­ti­co. Pro­põem um mo­de­lo que in­clua os 5 P de pur­po­se, pri­de, part­nership, pro­tec­ti­on, e per­so­na­li­za­ti­on.

4. A im­por­tân­cia do lon­go prazo

O pre­ço da vi­são de lon­go prazo é mui­tas ve­zes a ruí­na a cur­to prazo, por is­so se con­ti­nua a pen­sar gran­de, mas age-se de for­ma cur­ta. É ne­ces­sá­ria uma estratégia de lon­go prazo, que se­ja vi­si­o­ná­ria, mas com ob­jec­ti­vos. Aqui­lo que Ari Wal­la­ch de­no­mi­na long­path. “Na nos­sa so­ci­e­da­de de cur­to prazo, mui­tas ve­zes sen­ti­mos que não te­mos con­tro­lo so­bre o fu­tu­ro. Mas is­so não é ver­da­de. Te­mos con­tro­lo, mas re­quer pen­sa­men­to es­tra­té­gi­co e ac­ção de nos­sa par­te, ima­gi­nan­do mui­tos fu­tu­ros possíveis e pen­san­do além dos nos­sos pró­pri­os tem­pos de vi­da. To­dos

nós de­ve­mos ten­tar ul­tra­pas­sar as nos­sas pró­pri­as vi­das – is­so po­de le­var-nos a fa­zer coi­sas que são um pou­co mai­o­res do que pen­sá­va­mos se­rem possíveis”, es­cre­veu Ari Wal­la­ch, key­no­te na Fu­tu­ra – Bo­os­ting Di­gi­tal Mar­ke­ting.

5. Os me­dia so­ci­ais são cen­trais

Exis­tem 3.196 mi­lhões de uti­li­za­do­res dos me­dia so­ci­ais, o que equi­va­le a 42% de pe­ne­tra­ção de mer­ca­do. Nes­tes mei­os as pes­so­as têm mais con­fi­an­ça em con­teú­dos in­for­ma­ti­vos, au­tên­ti­cos, do que nos anún­ci­os. O Bu­si­ness In­si­der pre­vê que, no fi­nal de 2018, 30% dos uti­li­za­do­res uti­li­zem blo­que­a­do­res de anún­ci­os. O story­tel­ling in­va­diu os me­dia so­ci­ais, pri­mei­ro com o Snap­chat e o con­cei­to de My Story, e, em se­gui­da, o ins­ta­gram e o Fa­ce­bo­ok in­tro­du­zi­ram as his­tó­ri­as, e ago­ra o YouTu­be re­ve­lou o seu pró­prio for­ma­to de his­tó­ria, Re­els. São os mi­cro-momentos, co­mo lhe cha­ma a Go­o­gle.

O in­bound mar­ke­ting é fun­da­men­tal, por­que, re­fe­riu Neil Pa­tel, key­no­te na Fu­tu­ra – Bo­os­ting Di­gi­tal Mar­ke­ting, “o con­teú­do edu­ca”. “Ima­gi­ne-se que as pes­so­as não sa­bem co­mo usar o pro­du­to, ou que a em­pre­sa é no­va no mer­ca­do e as pes­so­as não con­fi­am. O con­teú­do aju­da a edu­car e faz com que se fi­que nu­ma me­lhor po­si­ção no Go­o­gle, aju­da a tra­zer mais trá­fe­go pa­ra o si­te, cria mais opor­tu­ni­da­des, mais ven­das”.

Ari Wal­la­ch Long­path

Neil Pa­tel Bran­ding and the Fu­tu­re of Di­gi­tal

Don Taps­cott Rethin­king Mar­ke­ting for the 2nd Era

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.