ES­TA­DO PO­DE TER DE PA­GAR 76 MI­LHÕES

Num do­cu­men­to en­tre­gue ao Tri­bu­nal de Lou­lé, o Ministério do Mar ad­mi­te que po­der ter de res­sar­cir o con­sór­cio Galp/Eni pe­lo in­cum­pri­men­to dos pra­zos con­tra­tu­ais pa­ra a pros­pec­ção de hi­dro­car­bo­ne­tos ao lar­go de Al­je­zur.

Sábado - - PORTUGAL - Por Mar­ga­ri­daDa­vi­me Bru­noFa­ri­aLo­pes

Os mo­vi­men­tos am­bi­en­ta­lis­tas fes­te­ja­ram co­mo uma vi­tó­ria o anún­cio de que o con­sór­cio Galp/ENI ti­nha de­sis­ti­do da pros­pec­ção de hi­dro­car­bo­ne­tos ao lar­go de Al­je­zur. Mas a fac­tu­ra des­ta de­sis­tên­cia po­de es­tar a che­gar. É o pró­prio Es­ta­do que ad­mi­te que há um ris­co sé­rio de vir a pa­gar uma in­dem­ni­za­ção que, se co­brir os gas­tos fei­tos pe­la Galp/ENI até ago­ra no pro­jec­to, po­de su­pe­rar 76 mi­lhões de eu­ros. O re­co­nhe­ci­men­to de que o Es­ta­do por­tu­guês po­de vir a “res­pon­der pe­lo in­cum­pri­men­to con­tra­tu­al” foi fei­to pe­lo pró­prio Ministério do Mar nu­ma re­so­lu­ção fun­da­men­ta­da en­tre­gue ao Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo e Fis­cal de Lou­lé, a que a SÁ­BA­DO te­ve aces­so. Um do­cu­men­to que con­tra­ria as de­cla­ra­ções pro­fe­ri­das a se­ma­na pas­sa­da pe­lo Ministério do Am­bi­en­te na sequên­cia do anún­cio fei­to pe­la Galp. Na al­tu­ra, o ministério li­de­ra­do por Matos Fer­nan­des foi cla­ro: “As con­sequên­ci­as ad­mi­nis­tra­ti­vas se­rão ago­ra ava­li­a­das, sen­do já evi­den­te que não há lu­gar a qual­quer in­dem­ni­za­ção por par­te do Es­ta­do.” Mas não é is­so que es­tá no do­cu­men­to as­si­na­do em Ju­nho de 2017 pe­la mi­nis­tra do Mar, Ana Paula Vitorino, e pe­lo en­tão res­pon­sá­vel pe­la Eco­no­mia, Ma­nu­el Cal­dei­ra Ca­bral, que foi en­tre­gue em tri­bu­nal pa­ra ten­tar tra­var a pro­vi­dên­cia cau­te­lar in­ter­pos­ta pe­la Pla­ta­for­ma Algarve Li­vre de Pe­tró­leo (PALP). A ar­gu­men­ta­ção era sim­ples: con­sis­tia em de­mons­trar que o ar­ras­tar de um pro­ces­so em tri­bu­nal “de­ter­mi­na­ria com gran­de pro­ba­bi­li­da­de a im­pos­si­bi­li­da­de de a ac­ti­vi­da­de de pros­pec­ção se re­a­li­zar”, o que im­pli­ca­va o ris­co de abrir “o ca­mi­nho pa­ra a efec­ti­va­ção da

A RE­SO­LU­ÇÃO FUN­DA­MEN­TA­DA AS­SI­NA­DA POR ANA PAULA VITORINO CON­TRA­RIA A VER­SÃO DO MINISTÉRIO DO AM­BI­EN­TE

res­pon­sa­bi­li­da­de con­tra­tu­al por tal in­cum­pri­men­to”. Por ou­tras pa­la­vras, “o Es­ta­do Por­tu­guês não só se ve­ria pe­ran­te a pers­pec­ti­va de res­pon­der pe­lo in­cum­pri­men­to con­tra­tu­al, co­mo fi­ca­ria im­pos­si­bi­li­ta­do de ob­ter das con­ces­si­o­ná­ri­as as con­tra­par­ti­das a que tem di­rei­to e que tam­bém têm um sig­ni­fi­ca­do eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro re­le­van­te”. Es­ta “pers­pec­ti­va de res­pon­der pe­lo in­cum­pri­men­to con­tra­tu­al” as­su­mi­da pe­lo Ministério do Mar – a en­ti­da­de res­pon­sá­vel por emi­tir as li­cen­ças de pros­pec­ção offsho­re

– era, de res­to, o prin­ci­pal ar­gu­men­to pa­ra ten­tar con­ven­cer o tri­bu­nal de que de­fe­rir a pro­vi­dên­cia cau­te­lar se­ria le­si­vo pa­ra o in­te­res­se pú­bli­co. Porquê? Por­que o re­ló­gio es­ta­va em con­ta­gem de­cres­cen­te ace­le­ra­da pa­ra o fim do prazo li­mi­te pa­ra o iní­cio dos trabalhos de pros­pec­ção pre­vis­to no con­tra­to as­si­na­do, em 2007, pe­lo en­tão mi­nis­tro da Eco­no­mia de Jo­sé Só­cra­tes, Ma­nu­el Pi­nho.

A con­ta­gem de­cres­cen­te

A 15 de Ja­nei­ro de 2019 es­se prazo aca­ba­va. Se até lá o con­sór­cio Galp/ENI não ini­ci­as­se os trabalhos de pros­pec­ção, a li­cen­ça ca­du­ca­va. Com um por­me­nor: o prazo não po­dia “ser pror­ro­ga­do por von­ta­de exclusiva do Es­ta­do por­tu­guês”, co­mo no­ta a re­so­lu­ção fun­da­men­ta­da. Os con­tra­tos de con­ces­são só pre­vi­am du­as pror­ro­ga­ções de um ano ca­da e es­se ex­pe­di­en­te já ti­nha si­do es­go­ta­do. O pla­no era que os trabalhos se ini­ci­as­sem a 15 de Se­tem­bro, mas is­so foi im­pos­sí­vel por­que, en­tre­tan­to, o Tri­bu­nal de Lou­lé aceitou a pro­vi­dên­cia da PALP, sus­pen­den­do a ope­ra­ção. Che­ga­dos a es­te pon­to, era cla­ro tan­to pa­ra o con­sór­cio Galp/ENI co­mo pa­ra o Go­ver­no que não ini­ci­ar os trabalhos até 15 de Ja­nei­ro le­va­ria à ca­du­ci­da­de da li­cen­ça de pros­pec­ção. “A sus­pen­são da exe­cu­ção da son­da­gem de pes­qui­sa (...) por to­do o pe­río­do de tem­po ne­ces­sá­rio ao jul­ga­men­to da ac­ção prin­ci­pal (que se­rá se­gu­ra­men­te pro­lon­ga­do) de­ter­mi­na­ria, com gran­de pro­ba­bi­li­da­de, a im­pos­si­bi­li­da­de de a pros­pec­ção se vir a re­a­nor­mas li­zar”, ad­mi­te o do­cu­men­to que le­va a as­si­na­tu­ra de Ana Paula Vitorino e Cal­dei­ra Ca­bral.

Além dis­so, ha­via uma ques­tão téc­ni­ca a con­si­de­rar. Por mo­ti­vos re­la­ci­o­na­dos com o cli­ma e as con­di­ções do mar, o con­sór­cio ti­nha de­fi­ni­do Ou­tu­bro co­mo li­mi­te pa­ra a re­a­li­za­ção do fu­ro de pros­pec­ção. De­pois dis­so, se­ria tec­ni­ca­men­te mui­to di­fí­cil re­a­li­zá-lo.

Fa­lha do Es­ta­do?

Mas há mais: se se pro­var que foi uma fa­lha im­pu­tá­vel ao Es­ta­do que es­te­ve na ori­gem da sus­pen­são da li­cen­ça pe­lo tri­bu­nal, le­van­do ao in­cum­pri­men­to dos pra­zos, a ar­gu­men­ta­ção pa­ra o pa­ga­men­to de uma in­dem­ni­za­ção ga­nha for­ça. A de­ci­são de sus­pen­são decretada pe­lo Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo e Fis­cal de Lou­lé sus­ten­tou-se no fac­to de não te­rem si­do di­vul­ga­dos os es­tu­dos de mo­ni­to­ri­za­ção de ce­tá­ce­os ao lar­go de Al­je­zur en­quan­to es­te pro­ces­so es­te­ve em con­sul­ta pú­bli­ca. Es­ta vi­o­la­ção das da dis­cus­são pú­bli­ca é im­pu­tá­vel à Di­rec­ção-Ge­ral de Re­cur­sos Ma­rí­ti­mos (DGRM). A DGRM de­fen­deu-se pu­bli­ca­men­te, ale­gan­do que “o es­tu­do dos ce­tá­ce­os só fi­cou pron­to qua­tro me­ses de­pois da dis­cus­são pú­bli­ca, co­mo ca­len­da­ri­za­do”. Mas es­ta apa­ren­te fa­lha ad­mi­nis­tra­ti­va po­de dar ar­gu­men­tos à Galp/ENI num even­tu­al pe­di­do de in­dem­ni­za­ção. Con­tac­ta­da pe­la SÁ­BA­DO, a Galp diz ape­nas que “não tem nes­te mo­men­to mais co­men­tá­ri­os”. A pe­tro­lí­fe­ra sa­be que tem uma ja­ne­la le­gal pa­ra re­cla­mar um pe­di­do de in­dem­ni­za­ção jun­to do Es­ta­do, mas não de­ci­diu ain­da o que fa­zer, apu­rou a SÁ­BA­DO. No fi­nal de Se­tem­bro, a Galp ain­da não ti­nha uma de­ci­são fe­cha­da so­bre o as­sun­to. “É uma ava­li­a­ção que te­rá de ser fei­ta uma vez co­nhe­ci­da a de­ci­são ju­di­ci­al de­fi­ni­ti­va so­bre o pro­ces­so”, di­zia na al­tu­ra fon­te ofi­ci­al da em­pre­sa à SÁ­BA­DO.

A Galp já tem um li­tí­gio com o Es­ta­do por­tu­guês nou­tra fren­te, a fis­cal. Des­de 2014 que rejeita pa­gar a con­tri­bui­ção ex­tra­or­di­ná­ria so­bre o sec­tor da ener­gia (a CESE), com­ba­te a que se fo­ram jun­tan­do ou­tras em­pre­sas do sec­tor, co­mo a EDP e a REN. Em me­a­dos do ano pas­sa­do o va­lor em dis­pu­ta re­la­ti­vo à Galp já ul­tra­pas­sa­va 243 mi­lhões de eu­ros, se­gun­do o Ob­ser­va­dor.

Con­tac­ta­do pe­la SÁ­BA­DO ,oMi­nis­té­rio do Mar não fez qual­quer co­men­tá­rio. Já o Ministério do Am­bi­en­te rei­te­rou que con­si­de­ra “evi­den­te que não há lu­gar a qual­quer in­dem­ni­za­ção por par­te do Es­ta­do” e que “a re­nún­cia à to­ta­li­da­de das áre­as de con­ces­são La­va­gan­te, San­to­la e Gam­ba im­pli­ca, de acor­do com o nº 5 do artigo 63º do De­cre­to-Lei 109/94, de 26 de Abril, a ex­tin­ção dos res­pec­ti­vos con­tra­tos”. Mas ad­mi­tiu que “as con­sequên­ci­as des­ta de­ci­são es­tão ain­da em aná­li­se pe­los ser­vi­ços da Di­rec­ção-Ge­ral de Ener­gia e Ge­o­lo­gia”.

“Um alí­vio re­pu­ta­ci­o­nal”

Pa­ra apu­rar uma even­tu­al in­dem­ni­za­ção, se­rá pre­ci­so per­ce­ber quan­to é que a Galp/ENI in­ves­ti­ram no pro­jec­to des­de a as­si­na­tu­ra do con­tra­to em 2007. Se­gun­do fon­te ofi­ci­al da Galp, “os trabalhos con­cre­ti­za­dos des­de es­sa da­ta in­cluí­ram: cam­pa­nhas de sís­mi­ca 2D – evo­lu­ção e aná­li­se da ba­cia; cam­pa­nhas de sís­mi­ca 3D – dois le­van­ta­men­tos; es­tu­dos de ava­li­a­ção ge­o­ló­gi­ca e ge­o­fí­si­ca; es­tu­dos de ca­rac­te­ri­za­ção, lo­ca­li­za­ção e pre­pa­ra­ção do po­ço; es­tu­dos de ca­rac­te­ri­za­ção am­bi­en­tal e de­ze­nas de es­tu­dos exi­gi­dos no âm­bi­to dos di­ver­sos pe­di­dos de li­cen­ças e au­to­ri­za­ções”.

A em­pre­sa não for­ne­ceu da­dos so­bre o in­ves­ti­men­to re­a­li­za­do, mas, no iní­cio do ano, o en­tão se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia, Jor­ge Se­gu­ro San­ches, as­se­gu­ra­va ao Ex­pres­so que o con­sór­cio já te­ria des­pen­di­do “76 mi­lhões de eu­ros” em trabalhos pre­pa­ra­tó­ri­os. Es­se po­de ser o va­lor da in­dem­ni­za­ção a pa­gar pe­lo Es­ta­do, ca­so a Galp/ENI con­si­gam im­pu­tar-lhe res­pon­sa­bi­li­da­des por não te­rem con­se­gui­do cum­prir os pra­zos da con­ces­são, ven­do-se na con­tin­gên­cia de de­sis­tir da li­cen­ça. A tí­tu­lo de com­pa­ra­ção: 76 mi­lhões equi­va­le a mais de um mês de re­cei­ta ar­re­ca­da pe­lo Es­ta­do com o Im­pos­to So­bre Veí­cu­los (66,8 mi­lhões de eu­ros). Ape­sar do re­vés, uma fon­te li­ga­da à Galp as­se­gu­ra que o des­fe­cho do fu­ro de Al­je­zur es­tá a ser vis­to na em­pre­sa co­mo um “alí­vio re­pu­ta­ci­o­nal”. A Galp es­ta­va in­te­res­sa­da na pros­pec­ção em Por­tu­gal – por­que é uma em­pre­sa de “ma­triz por­tu­gue­sa”, co­mo a pró­pria se au­to­de­fi­ne, e por­que a pro­ba­bi­li­da­de de su­ces­so não era ne­gli­gen­ciá­vel (ver en­tre­vis­ta ao la­do). Mas Por­tu­gal não é um al­vo pri­o­ri­tá­rio. É no Bra­sil – com po­ten­ci­al con­fir­ma­do, uma cul­tu­ra re­gu­la­tó­ria no sec­tor con­so­li­da­da e dis­tân­cia fa­ce a pro­tes­tos am­bi­en­ta­lis­tas às por­tas da em­pre­sa – que se con­cen­tra a aten­ção e o in­ves­ti­men­to da Galp. A de­sis­tên­cia do fu­ro não me­re­ceu, de res­to, uma li­nha por par­te

FA­LHA DA DI­REC­ÇÃO-GE­RAL DOS RE­CUR­SOS MA­RÍ­TI­MOS PO­DE SER DE­TER­MI­NAN­TE PA­RA O DES­FE­CHO JU­RÍ­DI­CO DO PRO­CES­SO

das agên­ci­as no­ti­ci­o­sas li­das pe­la co­mu­ni­da­de fi­nan­cei­ra, co­mo a Reu­ters e a Blo­om­berg. A revelação so­bre a de­sis­tên­cia foi fei­ta nu­ma conferência te­le­fó­ni­ca com os ana­lis­tas que se­guem as ac­ções da em­pre­sa, no dia 29 de Ou­tu­bro, mas se­gun­do o Ob­ser­va­dor ne­nhum fez per­gun­tas so­bre o as­sun­to.

As li­cen­ças já can­ce­la­das

Ao que a SÁ­BA­DO apu­rou, a Galp não des­car­ta a possibilidade de vir a in­te­grar um no­vo con­sór­cio pa­ra a pros­pec­ção e ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo em ter­ri­tó­rio por­tu­guês, ca­so ve­nham a ser con­ce­di­das no­vas li­cen­ças.

Pa­ra já, há a ga­ran­tia po­lí­ti­ca des­te Go­ver­no de não as­si­nar no­vos con­tra­tos de con­ces­são até ao fim da le­gis­la­tu­ra. Mas é uma in­cóg­ni­ta o que pos­sa vir a acontecer de­pois dis­so – tu­do vai de­pen­der da von­ta­de dos de­ci­so­res po­líCom ti­cos e da evo­lu­ção dos pre­ços do pe­tró­leo, que po­dem tor­nar mais ou me­nos ape­te­cí­vel o in­ves­ti­men­to em pros­pec­ção.

Na ac­tu­al con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca, a pres­são de BE, PCP e PEV foi de­ter­mi­nan­te pa­ra con­di­ci­o­nar a ati­tu­de do Go­ver­no que, ape­sar dis­so, con­ce­deu à Galp/ENI as pror­ro­ga­ções no prazo da li­cen­ça previstas no con­tra­to e en­tre­gou du­as re­so­lu­ções fun­da­men­ta­das pa­ra ten­tar im­pe­dir as sus­pen­sões dos trabalhos ao lar­go de Al­je­zur. os par­cei­ros à es­quer­da con­tra a pros­pec­ção de hi­dro­car­bo­ne­tos em Por­tu­gal, em Agos­to Se­gu­ro San­ches lem­bra­va que o ac­tu­al Go­ver­no can­ce­lou au­to­ri­za­ções “em 48% do ter­ri­tó­rio do Algarve”. Mas fon­te ofi­ci­al do Ministério da Eco­no­mia ex­pli­ca à

SÁ­BA­DO que “o can­ce­la­men­to des­ses con­tra­tos de­veu-se ao in­cum­pri­men­to dos trabalhos mí­ni­mos obri­ga­tó­ri­os con­tra­tu­a­li­za­dos nas áre­as de con­ces­são La­gos­ta, La­gos­tim, Sa­pa­tei­ra e Caranguejo

O GO­VER­NO JÁ TI­NHA ANU­LA­DO LI­CEN­ÇAS PA­RA 48% DO TER­RI­TÓ­RIO DO ALGARVE

e por vi­o­la­ção de obri­ga­ções con­tra­tu­ais nas áre­as de con­ces­são Al­je­zur e Ta­vi­ra”.

Em cau­sa es­ta­vam li­cen­ças atri­buí­das ao con­sór­cio Rep­sol/Par­tex na cos­ta al­gar­via em de­ep offsho­re

(as con­ces­sões La­gos­ta, La­gos­tim, Sa­pa­tei­ra e Caranguejo) e ao con­sór­cio Port­fu­el e Gás de Por­tu­gal Lda., que de­ti­nha as áre­as de con­ces­são Al­je­zur e Ta­vi­ra em ex­plo­ra­ção onsho­re.

Os con­tra­tos de con­ces­são La­gos­ta e La­gos­tim ti­nham si­do as­si­na­dos em 2011, en­quan­to os res­tan­tes fo­ram al­vo de polémica por te­rem si­do as­si­na­dos pe­lo mi­nis­tro do Am­bi­en­te de Pe­dro Pas­sos Co­e­lho, Jor­ge Mo­rei­ra da Sil­va, em Se­tem­bro de 2015, a pou­cos di­as das legislativas.

De­pois do can­ce­la­men­to des­tas li­cen­ças, a SÁ­BA­DO ques­ti­o­nou o Ministério da Eco­no­mia so­bre se o mes­mo po­de­ria vir a acontecer ao con­sór­cio Galp/ENI, mas es­sa era uma possibilidade fo­ra da me­sa até há um mês. “Es­tan­do o con­sór­cio a cum­prir com to­das as obri­ga­ções con­tra­tu­ais, não exis­te qual­quer fun­da­men­to le­gal ou con­tra­tu­al a ale­gar pa­ra uma even­tu­al res­ci­são des­tes con­tra­tos de con­ces­são”, res­pon­dia na al­tu­ra fon­te ofi­ci­al do Ministério.

A de­sis­tên­cia da Galp/ENI foi uma das mai­o­res vi­tó­ri­as de sem­pre dos am­bi­en­ta­lis­tas em Por­tu­gal. A Pla­ta­for­ma Algarve Li­vre de Pe­tró­leo an­ga­ri­ou 5.542 eu­ros em 89 do­na­ti­vos pa­ra fi­nan­ci­ar os cus­tos das ac­ções le­gais. As as­so­ci­a­ções am­bi­en­ta­lis­tas ce­le­bra­ram, mas des­con­fi­am que a his­tó­ria não acaba aqui. A As­so­ci­a­ção de Surf e Ac­ti­vi­da­des Ma­rí­ti­mas do Algarve (ASMAA) te­me que as pe­tro­lí­fe­ras pos­sam fa­zer pros­pec­ção à bo­leia de um pro­jec­to de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, co­mo o que foi as­si­na­do en­tre a Galp e a Uni­ver­si­da­de do Algarve o mês pas­sa­do. “Nós, na ASMAA, não es­ta­mos ago­ra a dar pu­los de ale­gria”, lê-se no si­te da as­so­ci­a­ção.

Ana Paula Vitorino re­co­nhe­ce que o Es­ta­do po­de ser res­pon­sa­bi­li­za­do A de­ci­são de de­sis­tên­cia foi anun­ci­a­da pe­lo CEO da Galp nu­ma con­fe­ren­ce call so­bre re­sul­ta­dos, com ana­lis­tas

Ac­ções da Pla­ta­for­ma Algarve Li­vre de Pe­tró­leo fo­ram de­ci­si­vas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.