“Só quem é im­por­tan­te ge­ra po­lé­mi­ca”

É, aos 31 anos, um dos ac­to­res mais pro­mis­so­res da sua ge­ra­ção. Po­rém, as mui­tas po­lé­mi­cas a que o seu no­me tem es­ta­do li­ga­do aca­bam por mar­car ne­ga­ti­va­men­te a sua car­rei­ra. A mais re­cen­te foi a sua dis­pen­sa do elen­co da no­ve­la da TVI. A mor­te da avó, a m

TV Guia - - Protagonista - TEXTO ANA CRISTINA ESTEVEIRA | FO­TOS CARLOS RA­MOS

Éver­da­de que foi des­pe­di­do da no­ve­la da TVI, A Herdeira?

Não vou fa­lar so­bre is­so.

Quan­do é que aban­do­na, en­tão, a no­ve­la? Vou con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar até ao fim e a dar o meu me­lhor.

Até ao fim?

Até me des­pe­dir do Ro­ni. Mas não se pre­o­cu­pem, es­tá tu­do bem co­mi­go.

Co­mo es­tá a cor­rer o Ro­ni?

Des­de o iní­cio que foi um de­sa­fio bas­tan­te agra­dá­vel. Quan­do me per­gun­ta­vam que ti­po de pa­péis é que gos­ta­ria de fa­zer, sempre ide­a­li­zei um ci­ga­no. Não deixa de ser cu­ri­o­so o fac­to de, por vezes, as coi­sas vi­rem ter con­nos­co. Des­de iní­cio, quan­do me ex­pli­ca­ram que iria fa­zer um ci­ga­no e que a no­ve­la iria abor­dar to­da a co­mu­ni­da­de ci­ga­na e os seus va­lo­res e tra­di­ções, quis ir mais a fun­do e con­se­gui ar­ran­jar uma fa­mí­lia ci­ga­na pa­ra per­ce­ber me­lhor es­ta co­mu­ni­da­de.

Foi um de­sa­fio?

Sem dú­vi­da, e tem a ver com a for­ma co­mo te­nho vin­do a tra­ba­lhar, ou me­lhor, co­mo gos­to de tra­ba­lhar. Um de­sa­fio que aca­bou por ser mui­to in­te­res­san­te. Quan­do os guiões co­me­ça­ram a sur­gir, per­ce­bi a ne­ces­si­da­de de ga­nhar mais e me­lho­res con­di­men­tos. Até ago­ra tem si­do su­per in­te­res­san­te. Co­mo foi es­se con­ví­vio com uma fa­mí­lia ci­ga­na? Foi sur­pre­en­di­do com o que en­con­trou?

Não hou­ve na­da que, na re­a­li­da­de, me sur­pre­en­des­se. Mas o se­gre­do é ir aber­to ao que pos­sa­mos en­con­trar. Es­te­ve quan­to tem­po com es­sa fa­mí­lia?

Fui es­tan­do du­ran­te um mês. Mas con­ti­nuo a fa­lar com eles. Ain­da há di­as che­guei a Viana do Cas­te­lo e avi­sei dois ami­gos ci­ga­nos, que são de Bra­ga, e eles vi­e­ram ter co­mi­go a Viana. Aca­bá­mos por jan­tar jun­tos e com o res­to da equi­pa. In­clu­si­va­men­te, fui con­vi­da­do pa­ra um ca­sa­men­to ci­ga­no no pró­xi­mo dia 28. Ve­jo que es­tá mui­to fe­liz com es­ta per­so­na­gem. Era o is­to que lhe es­ta­va a fa­zer fal­ta nes­te mo­men­to? Acho que tu­do o que não te­mos é o que nos faz fal­ta. Mas es­tou mui­to con­ten­te com es­ta per­so­na­gem e com o

de­sa­fio que a TVI me deu. Ob­vi­a­men­te que is­to foi um bo­ca­di­nho pe­la mão da Ma­ria João Mi­ra e do Jo­sé Eduardo Mo­niz, que acha­ram que eu era uma boa apos­ta e, por­tan­to, sin­to-me mui­to gra­to. Só pos­so es­tar fe­liz por a TVI con­ti­nu­ar a dar-me de­sa­fi­os des­tes e eu po­der con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar.

A sua car­rei­ra tem si­do fei­ta de al­tos e al­guns bai­xos. Ain­da as­sim, des­de que co­me­çou nos Mo­ran­gos com Açú­car, tem apa­re­ci­do com al­gu­ma re­gu­la­ri­da­de na te­le­vi­são, à ex­cep­ção da­que­la “tra­ves­sia no de­ser­to”, cha­me­mos-lhe as­sim.

É ver­da­de. Tal­vez a ra­zão pa­ra is­so es­te­ja no meu trabalho e, aci­ma de tu­do, gos­tar mui­to do que fa­ço. Te­nho de es­tar re­al­men­te mui­to gra­to pe­las opor­tu­ni­da­des que me têm da­do, mas pen­so que a for­ma co­mo eu me trabalho, o back­ground e o que pas­sa pa­ra quem as­sis­te são fun­da­men­tais. Não é su­fi­ci­en­te ter ape­nas ta­len­to. Ho­je te­mos de ter ple­na cons­ci­ên­cia da so­ci­e­da­de em que es­ta­mos in­se­ri­dos, ou se­ja, ho­je é pre­ci­so ven­der. É im­pe­ra­ti­vo ir­mo-nos ma­no­bran­do con­so­an­te as coi­sas que vão sur­gin­do. Em re­la­ção a trabalho, te­nho ti­do óp­ti­mas opor­tu­ni­da­des e não só a TVI. O ano pas­sa­do, por exem­plo, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de fa­zer uma sé­rie da qual gos­tei mui­to, Vi­da­go Pa­la­ce, na RTP1. Fui mui­to fe­liz a fa­zer es­se trabalho e ti­nha mui­tas sau­da­des de me tra­ba­lhar as­sim, de tra­ba­lhar com tão boa ener­gia e de vol­tar a acre­di­tar em va­lo­res em que já não acre­di­ta­va em ter­mos de es­pí­ri­to de equi­pa e gru­po co­e­so. Gos­tei mui­to de tra­ba­lhar com os ga­le­gos e, gra­ças a Deus, exis­tem mais pro­jec­tos em fic­ção. Mas is­so é um de ca­da vez.

A po­lé­mi­ca es­tá ine­vi­ta­vel­men­te co­la­da ao seu no­me.

A po­lé­mi­ca é incrível... co­la-se a qual­quer no­me.

Mas não po­de ne­gar que a po­lé­mi­ca es­tá ain­da mais co­la­da ao seu. Por exem­plo, no iní­cio de A Herdeira sur­gi­ram no­tí­ci­as de que o Pedro já es­ta­va a fal­tar às gra­va­ções.

Tu­do aqui­lo que es­tá ex­pos­to e vi­ve da ex­po­si­ção pú­bli­ca, pre­ci­sa de po­lé­mi­ca. O que é um fac­to é que não te­nho um trabalho nor­mal, ou se­ja, não trabalho nu­ma far­má­cia, nu­ma pa­pe­la­ria ou num ban­co on­de a res­pon­sa­bi­li­da­de e o com­pro­mis­so é ou­tro.

Dei o exem­plo de fal­tar, mas o que lhe que­ro di­zer é que não po­de ne­gar que a po­lé­mi­ca é as­so­ci­a­da a si.

Em vá­ri­os sen­ti­dos. E em mi­nha opi­nião só quem é im­por­tan­te ge­ra po­lé­mi­ca. Não ne­go que me cha­teia imen­so, mas apren­di a li­dar com is­so. Aca­bo por me afas­tar e tal­vez se­ja por es­sa ra­zão que fu­jo pa­ra a Cos­ta Vi­cen­ti­na pa­ra sur­far. Des­li­go aos fins-de-semana e não ve­jo im­pren­sa. Co­mo ou­vi di­zer um dia: “Te­nho vi­da pa­ra além dis­to”, e a mi­nha vi­da, pa­ra além da te­le­vi­são, não po­de ser con­su­mi­da com po­lé­mi­cas.

A pro­pó­si­to de po­lé­mi­cas, o Pedro é o bom ou o mau re­bel­de?

Eu te­nho von­ta­de de vi­ver e não sei se is­to é vis­to co­mo re­bel­dia. Já me dis­se­ram mui­tas vezes que sou di­fe­ren­te.

O amor é in­fi­ni­to en­quan­to du­ra, co­mo di­zia Vi­ni­cius de Mo­ra­es?

[Pau­sa] Eu cres­ci a amar e os va­lo­res que me pas­sa­ram foi o do amor. Quem me edu­cou, en­si­nou-me a amar e o amor é mui­to bo­ni­to. Co­mo é que é a fra­se?

O amor é in­fi­ni­to en­quan­to du­ra. Por mo­men­tos, pos­so re­ver-me nes­sa fra­se. O amor por al­guém po­de ser vis­to des­sa for­ma, no en­tan­to exis­tem ou­tras for­mas de amar. Por exem­plo, o amor-pró­prio é in­fi­ni­to sempre, não tem pra­zo de va­li­da­de.

Um ho­mem tão da­do ao amor acre­di­ta que ca­da no­vo ro­man­ce é pa­ra sempre?

Mas is­so é as­sim pa­ra tu­do. Há sempre a es­pe­ran­ça que se­ja pa­ra sempre e que as coi­sas dêem cer­to. O im­por­tan­te é dar­mos tu­do.

O Pedro dá tu­do nu­ma re­la­ção?

Dou tu­do de mim no trabalho. No amor, ti­ve his­tó­ri­as di­fe­ren­tes e acho que to­das fo­ram mui­to im­por­tan­tes pa­ra per­ce­ber e ex­plo­rar coi­sas di­fe­ren­tes de mim, es­ta­dos di­fe­ren­tes da mi­nha al­ma, es­ta­dos di­fe­ren­tes de ver e olhar pa­ra as coi­sas e ga­nhar ca­ma­das. Te­nho a cer­te­za de que to­das es­sas his­tó­ri­as de amor que vi­vi vi­e­ram na al­tu­ra cer­ta.

Quan­do o amor che­ga ao fim, nesse

“A mi­nha vi­da, pa­ra além da te­le­vi­são, não po­de ser con­su­mi­da por po­lé­mi­cas”

mes­mo mo­men­to, não tem res­sen­ti­men­tos, ar­re­pen­di­men­tos?

Mas, quan­do aca­ba a fa­se dos res­sen­ti­men­tos e se olha pa­ra trás, che­ga-se à con­clu­são que foi im­por­tan­te ter pas­sa­do e vi­vi­do tu­do aqui­lo. To­dos os amo­res ti­ve­ram a sua im­por­tân­cia. Re­cor­da to­dos os amo­res que já vi­veu com ca­ri­nho?

Te­nho mui­to ca­ri­nho por tu­do o que vi­vi, não só dos amo­res.

Não se ar­re­pen­de de na­da e de ne­nhu­ma des­ses amo­res?

Es­tou aqui, aos 31 anos, e es­tou in­tei­ro. E is­so é o me­lhor de tu­do.

Já te­ve mui­tas na­mo­ra­das fa­mo­sas. Cir­cuns­tân­ci­as da vi­da ou uma sim­ples es­tra­té­gia de mar­ke­ting? Cos­tu­mo in­for­mar-me so­bre as co­ta­ções na bol­sa [ri­sos] ou so­bre quan­tos se­gui­do­res têm nas re­des so­ci­ais. Bem, ago­ra a sé­rio, são as cir­cuns­tân­ci­as da vi­da. Acon­te­ceu...

Ama-se com a mes­ma in­ten­si­da­de com que se “de­sa­ma”?

[Pau­sa] Há pou­co tem­po li uma fra­se mui­to bo­ni­ta do Char­les Bu­kows­ki. Per­gun­ta­ram-lhe o que era o amor e ele dis­se que era co­mo uma ne­bli­na que se quei­ma com a pri­mei­ra luz de re­a­li­da­de. Dei­xar de gos­tar vem com o tem­po, de­sa­mar é al­go mais ra­di­cal. Amar traz dor, mas é mui­to bom. Eu não de­sa­mo. Eu amo ou odeio. E odeio pa­ra que se­ja mais rá­pi­do e, as­sim, po­der pas­sar à fa­se se­guin­te.

Fez par­te de um pro­jec­to que da­va pe­lo no­me “tu­do vai me­lho­rar”. Acre­di­ta mes­mo nis­to?

Dei por mim nos úl­ti­mos tem­pos a ver al­guns ví­de­os mo­ti­va­ci­o­nais e há uns que nos to­cam em pon­tos ful­crais. Se acre­di­ta­mos nes­sa mé­tri­ca de que “tu­do vai me­lho­rar”, is­so aca­ba por nos ba­li­zar o res­to das nos­sas ac­ções. Tem mui­to a ver com a nos­sa ener­gia e pre­dis­po­si­ção.

E tem si­do as­sim ao lon­go da sua vi­da?

O meu le­ma é um dia de ca­da vez, e há al­tu­ras da vi­da que tem mes­mo de ser as­sim: um dia de ca­da vez.

“Há uma con­ti­nui­da­de da pes­soa que par­te em nós. Nin­guém aca­ba”. Vol­vi­dos cin­co anos e de­pois de uma per­da, con­ti­nua a ter a mes­ma ideia? Con­ti­nuo a di­zer que en­quan­to es­ti­ve­rem na nos­sa me­mó­ria e nos re­cor­dar­mos da pes­soa, ela não aca­ba. So­mos nós, que fi­ca­mos, que te­mos o po­der de a man­ter vi­va.

“Te­nho de es­tar re­al­men­te mui­to

gra­to pe­las opor­tu­ni­da­des que me têm

da­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.