O que acha de Bár­ba­ra Gui­ma­rães ter si­do apa­nha­da a con­du­zir al­co­o­li­za­da?

TV Guia - - A Escaldar -

“Pa­ra uma pes­soa tão co­nhe­ci­da, co­mo é a Bár­ba­ra Gui­ma­rães, fi­ca mal ser apa­nha­da al­co­o­li­za­da. Mas, ape­sar de tu­do, ela é hu­ma­na, co­mo to­dos nós...” NO­ME An­dré Tor­rão IDA­DE 21 anos PRO­FIS­SÃO Mi­li­tar

“É um ris­co pa­ra a so­ci­e­da­de, e tem de ser pe­na­li­za­da por is­so. Uma pes­soa nes­se es­ta­do não po­de con­du­zir.”

NO­ME Dar­le­ne

IDA­DE 27 anos PRO­FIS­SÃO Re­ven­de­do­ra da Avon

“É um er­ro! As fi­gu­ras pú­bli­cas co­me­tem os mes­mos er­ros das ou­tras pes­so­as, sim­ples­men­te es­tão mais ex­pos­tas e, por ve­zes, pa­gam fac­tu­ras adi­ci­o­nais pe­los er­ros que co­me­tem. Es­pe­ro que ela apren­da com os er­ros.” NO­ME Gonçalo

IDA­DE 43 anos PRO­FIS­SÃO Mú­si­co

“Acho que não lhe fi­ca na­da bem. Não fi­ca bem a nin­guém mas pa­ra uma fi­gu­ra pú­bli­ca é pi­or. Ela aca­ba por ser ído­lo pa­ra mui­tas pes­so­as e is­so faz com que per­ca a cre­di­bi­li­da­de.”

NO­ME Rosa

IDA­DE 56 anos PRO­FIS­SÃO Em­pre­ga­da do­més­ti­ca

“Sen­do ela uma fi­gu­ra pú­bli­ca, acho que de­via ter um bo­ca­di­nho mais de cui­da­do. To­da a gen­te de­ve ter cui­da­do e de­ve ter a cons­ci­ên­cia de não con­du­zir em­bri­a­ga­da. Ago­ra, no ca­so de­la, por ser fi­gu­ra pú­bli­ca, é um bo­ca­do mal.”

NO­ME San­dra San­tos IDA­DE 48 anos PRO­FIS­SÃO Em­pre­sá­ria

pe­fac­tos. A apre­sen­ta­do­ra da SIC acu­sou um va­lor de ta­xa de al­co­o­lé­mia de 2,8 gra­mas de ál­co­ol por li­tro de san­gue.

A lei por­tu­gue­sa es­ta­be­le­ce que o va­lor má­xi­mo per­mi­ti­do pa­ra con­du­zir é de 0,5 gra­mas por li­tro de san­gue e nas vei­as de Bár­ba­ra Gui­ma­rães cor­ri­am va­lo­res 5,6 ve­zes su­pe­ri­o­res ao má­xi­mo le­gal, pró­xi­mos do ris­co de um co­ma al­coó­li­co. E que já cons­ti­tui cri­me, pu­ní­vel com pe­na de pri­são até um ano ou mul­ta até 120 di­as, pa­ra além da ini­bi­ção de con­du­zir por um pe­río­do de 3 me­ses a 3 anos.

BÁRBARARECUSAIRATRIBUNAL

Nes­sa noi­te, Bár­ba­ra re­co­nhe­ceu o seu er­ro no diá­lo­go que tra­vou com os seus in­ter­lo­cu­to­res, não cri­ou atri­tos com os mi­li­ta­res da GNR, mas nem o ar­re­pen­di­men­to a li­vrou de ser de­ti­da, li­ber­ta­da e no­ti­fi­ca­da pa­ra se apre­sen­tar em tri­bu­nal no dia se­guin­te. Em pou­cos mi­nu­tos, uma das pes­so­as que es­ta­va de ser­vi­ço noc­tur­no na pou­sa­da apro­xi­mou-se do lo­cal e, re­co­nhe­cen­do a cli­en­te da casa, ofe­re­ceu-se pa­ra se res­pon­sa­bi­li­zar pe­la sua in­te­gri­da­de fí­si­ca e tam­bém pe­la re­ti­ra­da da vi­a­tu­ra do lo­cal em se­gu­ran­ça. A TV Guia apu­rou ain­da que o sis­te­ma de vi­de­o­vi­gi­lân­cia da Pou­sa­da cap­tou to­das as ima­gens do aci­den­te pro­vo­ca­do pe­la cli­en­te e es­sas pro­vas fo­ram usa­das con­tra si em fa­se de ins­tru­ção do pro­ces­so-cri­me en­tre­tan­to em cur­so.

Co­mo me­di­da pre­ven­ti­va, a GNR cas­sou de ime­di­a­to a car­ta de con­du­ção a Bár­ba­ra, que fi­ca­rá im­pe­di­da, por vá­ri­os me­ses, de con­du­zir. A vi­a­tu­ra BMW X3 re­gres­sou a Lis­boa com uma pes­soa pró­xi­ma da es­tre­la da SIC ao vo­lan­te. Des­de en­tão, to­dos os di­as da se­ma­na tem si­do a em­pre­ga­da da apre­sen­ta­do­ra quem le­va no BMW a pe­que­na Car­lo­ta, de se­te anos, ao co­lé­gio on­de es­tu­da. Na ma­dru­ga­da de 9 de Ou­tu­bro, de­pois do epi­só­dio, Bár­ba­ra Gui­ma­rães fi­cou a dor­mir na Pou­sa­da do Gru­po Pes­ta­na, mas com a obri­ga­ção de, na ma­nhã se­guin­te, se apre­sen­tar pe­ran­te um juiz do Tri­bu­nal de Grân­do­la pa­ra fi­car a co­nhe­cer as me­di­das de co­ac­ção ade­qua­das ao cri­me co­me­ti­do. Só que a apre­sen­ta­do­ra da SIC não com­pa­re­ceu em tri­bu­nal e o cal­do en­tor­nou pa­ra o la­do a ex-mu­lher de Ma­nu­el Ma­ria Car­ri­lho e mãe de Di­nis Ma­ria, 13 anos, e de Car­lo­ta.

A CUL­PA DE TU­DO É DA PRES­SÃO

A es­tre­la da SIC fi­cou em si­lên­cio des­de dia 9 e só es­ta se­ma­na, pe­ran­te a imi­nên­cia do es­cân­da­lo re­ben­tar na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, emi­tiu um co­mu­ni­ca­do: “Na ma­dru­ga­da do re­fe­ri­do dia 8 [foi dia 9, se­gun­do o au­to de ocor­rên­cia da GNR], en­trei no meu car­ro es­ta­ci­o­na­do num par­que de es­ta­ci­o­na­men­to de um ho­tel a es­sa hora to­tal­men­te de­ser­to, e em­ba­ti em al­guns veí­cu­los que se en­con­tra­vam es­ta­ci­o­na­dos nas ime­di­a­ções”, des­cre­veu, su­bli­nhan­do: “As au­to­ri­da­des re­gis­ta­ram a ocor­rên­cia e as cir­cuns­tân­ci­as em que de­cor­reu o in­ci­den­te. De ime­di­a­to, as­su­mi to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­los da­nos, ex­clu­si­va­men­te ma­te­ri­ais, cau­sa­dos a ter­cei­ros.”

Sem­pre sem as­su­mir que o aci­den­te se fi­cou a de­ver a um es­ta­do de em­bri­a­guês, Bár­ba­ra apro­vei­tou pa­ra jus­ti­fi­car as cau­sas que es­ti­ve­ram na ba­se do seu ac­to ir­re­flec­ti­do nes­sa noi­te de pra­zer que se trans­for­mou nu­ma ma­dru­ga­da de ter­ror: “Co­mo qual­quer ci­da­dão res­pon­sá­vel de­ve fa­zer, de­vi­do às cir­cuns­tân­ci­as em­que­te­nho­vi­vi­do,no­me­a­da­men­te­o­en­vol­vi­men­to em ac­ções cri­mi­nais de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca em que, sen­do em­bo­ra a ví­ti­ma, so­fri um des­gas­te pes­so­al in­sus­ten­tá­vel, so­li­ci­tei por es­se mo­ti­vo um acom­pa­nha­men­to e tra­ta­men­to­te­ra­pêu­ti­co­pa­ra­fa­zer­fa­ceàex­tre­ma e cons­tan­te vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca a que te­nho si­do sub­me­ti­da nos úl­ti­mos anos.”

Com um pro­ces­so de re­gu­la­ção do po­der pa­ren­tal a cor­rer no Tri­bu­nal de Fa­mí­lia e Me­no­res de Lis­boa, Bár­ba­ra Gui­ma­rãeds, de­pois des­te epi­só­dio, fi­ca em ris­co de per­der a tu­te­la da fi­lha, Car­lo­ta.

Des­ta vez, Bár­ba­ra não es­ta­va com os fi­lhos no SUV BMW X3. Be­beu e es­ta­va

so­zi­nha, nu­ma noi­te es­cu­ra, nu­ma

ter­ra lon­ge.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.