O sor­ri­so de Cos­ta

TV Guia - - Protagonista -

Não me fa­ça rir a es­ta hora.” A fra­se foi di­ta pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro, quando co­me­ça­va a ser cla­ro que a tra­gé­dia de Pe­dró­gão ti­nha ti­do uma es­pé­cie de re­pe­ti­ção, em Oli­vei­ra do Bair­ro e um pou­co por to­do o cen­tro do País. O nú­me­ro de mor­tos es­ta­va lon­ge de ser apu­ra­do, mas a pos­tu­ra do che­fe do Go­ver­no pe­ran­te os pri­mei­ros da­dos mar­cou a ma­dru­ga­da. Não es­tá em cau­sa a sen­si­bi­li­da­de hu­ma­na de Cos­ta. O pro­ble­ma é que, em po­lí­ti­ca, a ima­gem é tu­do. Quando Cos­ta pe­diu des­cul­pas aos por­tu­gue­ses, no par­la­men­to (“se quer que eu pe­ça des­cul­pas, eu pe­ço des­cul­pas”, dis­se ele), era

Em po­lí­ti­ca, mui­tas ve­zes a ima­gem é tu­do, e, por is­so, a te­le­vi­são po­de ser cru­el. A for­ma co­mo o che­fe do Go­ver­no co­men­tou a tra­gé­dia dos in­cên­di­os é um des­ses ca­sos

tar­de de­mais pa­ra apa­gar a pri­mei­ra im­pres­são. Uma se­ma­na de­pois, os mi­nis­tros des­fi­la­ram, ao lon­go do dia de sá­ba­do, nu­ma es­pé­cie de rally pa­per de mi­lhões lan­ça­dos so­bre os fo­gos. Tu­do cul­mi­nou no gran­de fi­nal, pro­ta­go­ni­za­do por Cos­ta, ao se­rão. O pri­mei­ro-mi­nis­tro en­sai­ou um ac­to de con­tri­ção, ad­mi­tiu ter er­ra­do, e dis­se que pre­fe­ria que pu­des­sem acu­sá-lo de ter “abu­sa­do das su­as emo­ções”, em vez de lhe apon­ta­rem

An­tó­nio Cos­ta vi­ve di­as di­fí­ceis. o de­do por “as ter con­ti­do”. Além de ser con­fu­sa, há ou­tro pro­ble­ma com es­ta men­sa­gem: foi acom­pa­nha­da do sor­ri­so que se vê na ima­gem pe­que­na que ilus­tra o tex­to. É o ti­po de sor­ri­so que, em de­ter­mi­na­das cir­cuns­tân­ci­as, po­de mar­car uma carreira po­lí­ti­ca. Há mo­men­tos em que a te­le­vi­são é cru­el, ao mos­trar, pa­ra­fra­se­an­do Eça de Qu­ei­roz, a nu­dez crua da re­a­li­da­de por trás do man­to diá­fa­no da fan­ta­sia do dis­cur­so po­lí­ti­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.