Ne­to de Mou­ra ar­ran­jou com­par­sa à al­tu­ra nos comentários Ad­vo­ga­do do “di­a­bo”

Co­mo não che­ga­va a po­lé­mi­ca com o acór­dão do juiz da Re­la­ção do Por­to, eis que ago­ra foi a vez do seu ad­vo­ga­do, Ri­car­do Ser­ra­no Vi­ei­ra, in­sul­tar as au­to­ras fa­mo­sas do si­te prá-fe­mi­nis­ta Ma­ria Ca­paz

TV Guia - - Esquadra - TEX­TO JOÃO BÉNARD GAR­CIA | FO­TOS COFINA ME­DIA E D.R.

En­quan­to o Con­se­lho Su­pe­ri­or de Ma­gis­tra­tu­ra aguar­da, até ao dia 5 deDe­zem­bro,pa­ra­de­li­be­ra­ro­que vai fa­zer com o po­lé­mi­co juiz de­sem­bar­ga­dor Ne­to de Mou­ra, de 61 anos, que no Tri­bu­nal da Re­la­ção do Por­to re­di­giu um acór­dão bom­bás­ti­co – so­bre co­mo o adul­té­rio de uma mu­lher de Fel­guei­ras po­de ser um ate­nu­an­te jus­ti­fi­ca­ti­vo­pa­ra­ac­tos­de­vi­o­lên­ci­a­do­més­ti­ca­do­ma­ri­do–,so­ma­me­se­gue­mas­bron­cas na pra­ça pú­bli­ca com o mes­mo al­to dig­na­tá­rio da Jus­ti­ça e ago­ra tam­bém com o seu ad­vo­ga­do, Ri­car­do Ser­ra­no Vi­ei­ra. De­pois de vá­ri­os epi­só­di­os que já ati­ça­ram achas su­fi­ci­en­tes nes­ta fo­guei­ra, eis que, no­súl­ti­mos­di­as,apla­ta­for­ma Ma­ri­aCa­paz, li­de­ra­da pe­la apre­sen­ta­do­ra Ri­ta Fer­ro Ro­dri­gues, des­co­briu mais de­cla­ra­ções po­lé­mi­cas, não do já fa­mo­so fuiz que pro­fe­re acór­dãos à moda do sé­cu­lo XIX, mas ago­ra do seu ad­vo­ga­do de de­fe­sa.

Ri­car­do Ser­ra­no Vi­ei­ra es­cre­veu, em Abril úl­ti­mo,dois­co­men­tá­ri­os­na­re­de­so­ci­alFa­ce­bo­ok em re­ac­ção a po­si­ções pú­bli­cas as­su­mi­das­pe­la As­so­ci­a­ção Ca­pa­zes por cau­sa do com­ba­te des­ta or­ga­ni­za­ção a um anún­cio a uma mar­ca de pre­ser­va­ti­vos. O ju­ris­ta co­men­tou que as de­fen­so­ras dos di­rei­tos das mu­lhe­res eram “lam­be­do­ras de co…”, acres­cen­tan­do­na­mes­ma­pla­ta­for­ma­que “afi­nal são só in­ca­pa­zes”. “Al­gu­mas fe­mi­nis­tas não são co­e­ren­tes com o que de­fen­dem.”

Ao jor­nal on­li­ne Ob­ser­va­dor, o cau­sí­di­co veio ago­ra afir­mar que não apa­ga­rá uma li­nha do que es­cre­veu. “Sou pai de uma me­ni­na, ca­sa­do com uma se­nho­ra e fi­lho de uma se­nho­ra que ain­da cá es­tá. De­fen­do a li­ber­da­de de ex­pres­são, mas não gos­to de fal­ta de co­e­rên­cia”, dis­se, acres­cen­tan­do que tu­do tem “um con­tex­to”.

ACÓR­DÃO COM BÍ­BLIA E LEI RE­TRÓ­GRA­DA

Mas­vol­te­mo­sa­o­con­tex­to­do­ac­toi­ni­ci­al:o juizNe­to­deMou­ra­ci­tou­ver­sí­cu­los­daBí­blia e uns ar­ti­gos ul­tra­pas­sa­dos do Có­di­go Pe­nal,na­su­a­ver­são­de1886,pa­ra,ema­cór­dão doT­ri­bu­nal­daRe­la­ção­doPor­to,mi­ni­mi­zar um ca­so de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, ate­nu­an­do-o com o fac­to de a mu­lher agre­di­da ter co­me­ti­do adul­té­rio. O es­cân­da­lo cri­ou alar­me pú­bli­co, re­ben­tou na ca­ra da pre­ten­sa­men­te­sé­ri­a­ma­gis­tra­tu­ra­e­for­çou ago­ra o ilus­tre juiz a res­pon­der pe­ran­te os seus­pa­res­noSu­pre­moT­ri­bu­nal­deJus­ti­ça. O acór­dão da po­lé­mi­ca pa­re­cia, por si só, ser su­fi­ci­en­te pa­ra mon­tar uma guer­ra en­tre tri­bu­nais, uten­tes e o to­po da ma­gis­tra­tu­ra, mas afi­nal o juiz ti­nha um pe­ca­do se­cre­to que o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça achou por bem não mais es­con­der.

O juiz que as­si­nou o fa­mo­so e po­lé­mi­co acór­dão es­tá a ser in­ves­ti­ga­do por fal­sas de­cla­ra­ções­por­si­pres­ta­das­num­ca­so­que en­vol­ve­a­le­ga­do­rou­bo­de­ma­trí­cu­la­seu­ma ope­ra­ção STOP da GNR em Lou­res. Cor­ria o dia 9 de Ju­lho do ano de 2012 quan­do co­me­teu o seu pe­ca­di­lho ci­vi­li­za­ci­o­nal ao ser apa­nha­do por uma pa­tru­lha da GNR a con­du­zir um car­ro Hon­da Ci­vic sem ma­trí­cu­las.Não­pa­rouàor­dem­da­pa­tru­lha,des­cul­pou-se­co­mu­ma­le­ga­do­rou­bo­das­ma­trí­cu­las, pres­tou fal­sas de­cla­ra­ções, ga­nhou um au­to­de­con­tra-or­de­na­ção,aca­bou­mul­ta­do e com o car­ro apre­en­di­do. Fez quei­xa dos mi­li­ta­res e ain­da pe­de qua­se qua­tro mil eu­ros de in­dem­ni­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.