Fe­li­ci­da­de a QUAL­QUER PRE­ÇO

A TV Guia dei­xa-lhe já aqui os fi­nais mais de­se­ja­dos: Zé é mor­to por He­le­na, a vi­lã é al­ve­ja­da a ti­ro por To­más... não sem an­tes qua­se des­truir o dia do ca­sa­men­to de Mi­guel e Luí­sa

TV Guia - - A Escaldar - TEX­TO HU­GO AL­VES I FO­TOS RI­CAR­DO RUELLA E D.R.

Pre­pa­re-se pa­ra um dos fi­nais mais vi­o­len­tos de sem­pre de uma no­ve­la. Pai­xão não po­dia aca­bar de for­ma mais trá­gi­ca. Dis­pos­ta a não ser pre­sa, de­pois de ter mor­to Ana Ri­ta (Jo­a­na Ri­bei­ro), e sa­ben­do que Mi­guel (Al­ba­no Je­ró­ni­mo) reu­niu pro­vas con­tra si, He­le­na (Jo­a­na Sol­na­do) rap­ta o en­ge­nhei­ro. Man­tém-no fe­cha­do num con­ten­tor, amar­ra­do, ame­a­çan­do-o que, se ele fu­gir, aca­ba com a vi­da de Ca­ta­ri­na (Ma­til­de Ser­rão) e Luí­sa (Mar­ga­ri­da Vi­la-No­va), grá­vi­da do se­gun­do fi­lho.

Pa­ra des­pis­tar Ma­ria Pau­la (Ri­ta Blan­co) e os res­tan­tes, diz que es­te es­tá fu­gi­do à Po­lí­cia – ele é da­do ini­ci­al­men­te co­mo cul­pa­do da mor­te da jo­vem –, mas Luí­sa não acre­di­ta. “Jú­lia (Inês He­ré­dia), con­tra­tei um de­tec­ti­ve pri­va­do pa­ra vi­gi­ar a He­le­na, po­de ser que nos le­ve ao Mi­guel…”

A vi­lã sa­be dis­so e, por is­so, pe­de aju­da a Emí­dio (Jor­ge Estreia) – que aca­bou de ma­tar a mãe de Ca­ro­li­na (Laura Du­tra) e tam­bém pre­ci­sa fu­gir. “Eu pre­ci­so de sair ur­gen­te­men­te com o con­ten­tor num ca­mião”, pe­de-lhe a vi­lã. Es­te diz-lhe que só po­de­rão fa­zê-lo via car­guei­ro. Ela acei­ta. “Es­se é o meio de trans­por­te per­fei­to pa­ra mim. Emí­dio, se me aju­da­res, re­ce­bes mais um mi­lhão”, pro­me­te a vi­lã. “Eu e o Mi­guel num cru­zei­ro...”, com­ple­ta, lou­ca.

De­pois vai ao ho­tel. Vai ven­der a sua par­te da ac­ções do gru­po. Es­tão to­dos pre­sen­tes: Jú­lia, To­más (Pe­dro Sou­sa), Bé (Bár­ba­ra Lou­ren­ço)... e Luí­sa, que se pre­pa­ra pa­ra acei­tar as ac­ções de He­le­na, qu­an­do per­ce­be o que es­ta quer: di­nhei­ro pa­ra de­sa­pa­re­cer com Mi­guel. No­ta a an­si­e­da­de na vi­lã qu­an­do he­si­ta na as­si­na­tu­ra e pas­sa ao ata­que. “Por­que é que tens tan­ta pressa?”, per­gun­ta-lhe. A ou­tra ten­ta dis­far­çar. Luí­sa não he­si­ta. “Eu sei que és tu que o tens e que­res es­te di­nhei­ro pa­ra de­sa­pa­re­ce­res com ele, mas eu não vou dei­xar.”

He­le­na ri-se e usa o seu trun­fo. Sa­ca do seu te­le­mó­vel, on­de tem um ví­deo on­de se vê Mi­guel: “Luí­sa, nes­te mo­men­to, o me­lhor pa­ra to­dos é es­tar com a He­le­na. Man­da um bei­jo à Ca­ta­ri­na e diz que a ado­ro. Tal­vez pos­sa vol­tar a vê-la um dia. Amo-te mui­to, mas tens de me es­que­cer.”

Luí­sa per­ce­be que al­go es­tá mal, mas não con­se­gue per­ce­ber o quê. “Co­mo po­des ver, ele es­tá mui­to bem e cheio de von­ta­de de fi­car co­mi­go”, diz He­le­na, com ar de triun­fo. Luí­sa per­de a com­pos­tu­ra e co­me­ça a im­plo­rar. “Tu rap­tas­te-o! Ele não quer fi­car con­ti­go! Tu sa­bes bem a quan­ti­da­de de ve­zes que ele te pe­diu pa­ra nos dei­xa­res em paz.” A ou­tra ri-se dos pe­di­dos e sai triun­fan­te de­pois de Luí­sa, der­ro­ta­da, as­si­nar e dar-lhe o di­nhei­ro que ela exi­ge.

BATALHANAVAL

Mas a vin­gan­ça da vi­lã não fi­ca por ali. Re­sol­ve mon­tar uma ar­ma­di­lha a Luí­sa. Sa­ben­do que es­ta a man­dou se­guir e a Emí­dio, de­ci­de tra­má-la. Pa­ra a ator­men­tar, li­ga-lhe com uma pro­pos­ta: “Vou só dar-te uma opor­tu­ni­da­de de te des­pe­di­res de­le.” Ela acei­ta e a vi­lã man­da-lhe a lo­ca­li­za­ção. To­más ou­ve a con­ver­sa e pe­de à ir­mã pa­ra ir com ela, mas es­ta re­cu­sa. Es­te, con­tu­do, dá­lhe uma ar­ma pa­ra ela se de­fen­der.

A mãe de Ca­ro­li­na vai ter com a vi­lã ao porto de Por­ti­mão. Lá, en­con­tra a ri­val que man­da um ho­mem re­vis­tá-la. A ar­ma é des­co­ber­ta e He­le­na usa is­so pa­ra que Luí­sa não pos­sa ver Mi­guel. O ho­mem pe­ga ne­la e co­me­ça a ar­ras­tá-la pa­ra um con­ten­tor di­ri­gi­do à Chi­na. Há ou­tras mu­lhe­res ali. É um con­ten­tor de trá­fi­co hu­ma­no. Luí­sa fi­ca em pâ­ni­co. “O Mi­guel não te vem sal­var. Ele não es­tá aqui. E tu ago­ra vais fa­zer um gran­de pas­seio. Na­da co­mo um cru­zei­ro pa­ra re­la­xa­res um bo­ca­di­nho. E um cru­zei­ro na Ásia. Sou ou não sou ge­ne­ro­sa? Vais pa­ra a Chi­na. Há um chi­nês com mui­to di­nhei­ro, in­te­res­sa­do em ti, tem uma que­da por loi­ras”, dis­pa­ra, go­zo­na. “Vais fi­nal­men­te ter tu­do o que me­re­ces: ser dro­ga­da e pros­ti­tu­ta nos be­cos e ru­e­las de Pe­quim. Adeus, ma­na”, despede-se, ati­ran­do-a pa­ra den­tro do con­ten­tor. Nes­se mo­men­to, Luí­sa per­ce­be que Mi­guel só po­de es­tar num es­pa­ço ali ao pé... pois a nu­me­ra­ção do seu con­ten­tor é se­me­lhan­te à que viu no ví­deo que a vi­lã lhe man­dou. De­ses­pe­ra­da, co­me­ça a gri­tar pe­lo ama­do.

ÀSPORTASDAMORTE

En­tre­tan­to, no ou­tro con­ten­tor on­de tem es­ta­do fe­cha­do há vá­ri­os di­as, Mi­guel con­se­gue

fi­nal­men­te sol­tar-se. Sem o sa­ber, He­le­na vai ter com ele e en­con­tra a por­ta aber­ta. Co­me­ça a gri­tar de rai­va.

O en­ge­nhei­ro es­tá azam­bo­a­do por tu­do o que so­freu e por is­so é fa­cil­men­te apa­nha­do por um dos ca­pan­gas da vi­lã. Es­ta fi­ca ali­vi­a­da ao ver que o seu ama­do não de­sa­pa­re­ceu. Ele, po­rém, não de­sis­te. “Nun­ca vou de­sis­tir da Luí­sa e da Ca­ta­ri­na, nun­ca vou vi­ver con­ti­go! Pre­fi­ro mor­rer a aca­bar os meus di­as ao teu la­do.” He­le­na, ao ou­vir is­so, sor­ri de for­ma tris­te. Sa­ca de uma cai­xa de pri­mei­ros so­cor­ros. “Vou con­ce­der-te o teu úl­ti­mo de­se­jo. Aque­la par­te de que só fi­ca­vas co­mi­go mor­to? Eu pen­sei e acei­to a tua pro­pos­ta. Sa­bes que achei que com oZé (Mar­co Del­ga­do) pre­so ia en­con­trar al­gu­ma paz... mas, só qu­an­do aca­bei com ele, é que fi­quei se­re­na, e ago­ra, se não posso ser fe­liz con­ti­go, pre­fi­ro mor­rer con­ti­go. O Pro­po­fol ac­tua rá­pi­do e não vais sen­tir dor. Amo-te Mi­guel!”

O en­ge­nhei­ro ten­ta re­sis­tir, mas ela en­fia-lhe a agu­lha qu­an­do su­bi­ta­men­te apa­re­ce Luí­sa... e o ir­mão To­más – que a se­guiu e a li­ber­tou do con­ten­tor. Tem uma pis­to­la. Apon­ta-a ao ca­pan­ga e a He­le­na en­quan­to Luí­sa ten­ta per­ce­ber o que ela fez a Mi­guel. To­más age por ins­tin­to. Ma­ta o ho­mem e le­va He­le­na pa­ra o con­ten­tor on­de a ir­mã es­ta­va e tran­ca-a lá den­tro. “Sa­bes aque­le des­ti­no que que­ri­as pa­ra a mi­nha ir­mã? Vai ser teu…”

En­tre­tan­to, Mi­guel é le­va­do pa­ra as ur­gên­ci­as. E tu­do apon­ta que não vá es­ca­par. Na sa­la de ur­gên­ci­as, o mé­di­co pe­de a Luí­sa que se des­pe­ça do seu gran­de amor. Ela, em cho­que, en­tra em tra­ba­lho de par­to e dá à luz a pe­que­na Marta. Qua­se que em sin­to­nia, Mi­guel re­cu­pe­ra da in­jec­ção de Pro­po­fol...

O TI­RO NO CA­SA­MEN­TO

Pas­sa­ram-se 10 me­ses. É o dia do ca­sa­men­to, na praia, de Mi­guel e Luí­sa. É um dia per­fei­to. Es­tão to­dos no are­al on­de vai ser a gran­de fes­ta. Ape­nas Ma­ria Pau­la acha que ain­da al­gu­ma coi­sa po­de cor­rer mal.

Sem que nin­guém se aper­ce­ba, uma ca­da­vé­ri­ca He­le­na sur­ge do na­da. Luí­sa dá os úl­ti­mos re­to­ques no ves­ti­do an­tes de ser cha­ma­da pe­la con­ser­va­do­ra. Ma­ria Pau­la obs­trói, sem que­rer, o ti­ro per­fei­to pre­pa­ra­do por He­le­na. É, de res­to, ela que dá de ca­ras com a vi­lã, que per­gun­ta: “Es­tou feia não é?” Ma­ria Pau­la tem a be­bé Marta no co­lo, e He­le­na co­me­ça a apro­xi­mar-se de­la qu­an­do sur­ge To­más. Es­te agar­ra a vi­lã. Pe­de à mãe de Mi­guel que vá pa­ra a fes­ta. Le­va He­le­na pa­ra uma du­na e, sem pi­e­da­de, qu­an­do es­tou­ra uma gar­ra­fa de cham­pa­nhe, dá-lhe um ti­ro na ca­be­ça. “Ago­ra sim. Já não há na­da que pos­sa me­ter-se no vos­so ca­mi­nho. Te­nho a cer­te­za de que vão ser mui­to fe­li­zes, os qua­tro”, diz Ma­ria Pau­la.

Mi­guel e Luí­sa bei­jam-se lou­ca­men­te e cor­rem pe­la praia fe­li­zes.

He­le­na ten­ta des­truir a fe­li­ci­da­de de Luí­sa e Mi­guel rap­tan­do-o e de­pois ten­tan­do que a ri­val se­ja usa­da pa­ra trá­fi­co hu­ma­no... ... mas fa­lha e aca­ba, mais tar­de, por ser mor­ta a ti­ro no ca­sa­men­to,

por To­más.

Mi­guel e Luí­sa aca­bam por ca­sar na praia, mui­to

fe­li­zes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.