“TO­DA AGEN­TE TEM ES­SE RE­CEIO”

No­va­men­te apai­xo­na­da, a apre­sen­ta­do­ra con­fes­sa que gos­ta que vão ter com ela e lhe fa­lem na rua. Uma con­ver­sa on­de re­vê o seu per­cur­so, os co­le­gas com quem já tra­ba­lhou, e se emo­ci­o­na ao fa­lar de quem já es­tá de fo­ra, co­mo é o ca­so do ami­go Elá­dio Clí­ma­co

TV Guia - - Estrelas - TEX­TO ISABEL LARANJO | FO­TOS PAU­LO MI­GUEL MAR­TINS

Ser ma­dri­nha de uma mar­cha po­pu­lar (Oli­vais) ava­li­za a sua po­pu­la­ri­da­de?

Acho que sim. Is­to vem so­bre­tu­do do fac­to de as pes­so­as gos­ta­rem de nós e de sen­ti­rem que es­ta­mos jun­to de­las. Es­ta sem­pre foi uma ma­nei­ra mui­to mi­nha de es­tar. Dou-me bem com to­da a gen­te, ado­ro es­tar no meio das pes­so­as, co­nhe­cer as su­as his­tó­ri­as de vi­da, por is­so é que gos­to mais dos pro­gra­mas em di­rec­to. E is­to é um bo­ca­di­nho, tam­bém, co­mo se fos­se um pro­gra­ma. Ao mes­mo tem­po vou sa­ben­do al­gu­mas his­tó­ri­as das pes­so­as que aqui es­tão e a his­tó­ria da pró­pria mar­cha. Ve­jo a von­ta­de e a gar­ra com que eles se en­tre­gam a is­to e que é mui­to bo­ni­to de ser ver.

No Aqui Por­tu­gal tam­bém ti­nha es­se con­tac­to mui­to pró­xi­mo com o pú­bli­co. É pa­ra con­ti­nu­ar?

Es­ti­ve du­ran­te al­guns me­ses a apre­sen­tar o Aqui Por­tu­gal, du­ran­te a au­sên­cia do nos­so que­ri­do Hél­der Reis. Ele es­te­ve a gra­var, pe­lo mun­do in­tei­ro, o No­tí­ci­as do Meu País, mas já ter­mi­nou e es­tá de regresso. Por is­so, já não irei fa­zer o pro­gra­ma de for­ma tão as­sí­dua. Se­rá qu­an­do al­gum de­les ti­ver de se au­sen­tar por al­gum mo­ti­vo. Tem pe­na? Gos­ta de o fa­zer?

É um pro­gra­ma que me dá imen­so go­zo fa­zer. Es­ta­mos em con­tac­to com o pú­bli­co, va­mos ao en­con­tro das nos­sas tra­di­ções, da nos­sa his­tó­ria, que nos dá mui­to or­gu­lho fa­zer. Mos­tra­mos o que de me­lhor se faz no nos­so país: as nos­sas gen­tes, a nos­sa cul­tu­ra, as nos­sas pai­sa­gens, que são lin­dís­si­mas e tão di­fe­ren­tes de re­gião pa­ra re­gião. Há sem­pre tan­to pa­ra co­nhe­cer so­bre o nos­so país! E eu sou uma apai­xo­na­da por Por­tu­gal!

E já fez ou­tros pro­gra­mas des­te gé­ne­ro...

Co­me­cei por fa­zer um pa­ra a RTP2, há 25 anos, que se cha­ma­va Vi­a­gens na Mi­nha Terra. De­pois, fiz o Des­co­brir Por­tu­gal, com o Elá­dio Clí­ma­co, e fiz vá­ri­as ve­zes o Ve­rão To­tal. Mas é sem­pre uma re­des­co­ber­ta. Há sem­pre al­go de no­vo, al­go que não co­nhe­cía­mos. Ca­da vi­a­gem, e ca­da pro­gra­ma, é sem­pre uma no­vi­da­de. E is­so é que me faz ser ain­da mais apai­xo­na­da por Por­tu­gal: pe­lo País, pe­las gen­tes, pe­los re­can­tos, pe­los en­can­tos que te­mos. So­mos úni­cos no mun­do!

Já vol­tou a al­gum sí­tio on­de ti­ves­se es­ta­do a tra­ba­lhar, por ter fi­ca­do apai­xo­na­da por es­sa terra?

Já, mui­tos, e por vá­ri­as ra­zões: um res­tau­ran­te que gos­tei mui­to; as pai­sa­gens são des­lum­bran­tes e que­ro par­ti­lhá-las com ou­tras pes­so­as. Pe­las gen­tes, pe­la sim­pa­tia das pes­so­as, pe­la for­ma co­mo nos aco­lhem. Is­so são os nos­sos aplau­sos. Qu­an­do che­ga­mos a uma lo­ca­li­da­de e as pes­so­as nos re­co­nhe­cem, vêm ter con­nos­co, que­rem fa­lar con­nos­co, is­so é mui­to bom. Além de ser gra­ti­fi­can­te, é o re­co­nhe­ci­men­to do nos­so tra­ba­lho que nem sem­pre te­mos. Por­que, qu­an­do es­ta­mos a tra­ba­lhar em te­le­vi­são, não ve­mos o ou­tro la­do. Par­ti­ci­pou no gran­de even­to que foi a Eu­ro­vi­são. Es­pe­ra­va que al­gu­ma vez o fi­zes­se em Por­tu­gal? To­dos os anos, não es­pe­rá­va­mos, mas ha­via sem­pre uma rés­tia de es­pe­ran­ça. Eu, que acom­pa­nhei al­gu­mas par­ti­ci­pa­ções, lem­bro-me per­fei­ta­men­te de que hou­ve ve­zes em que a es­pe­ran­ça foi mai­or. Nun­ca ti­nha si­do; foi em 2017. E ain­da bem que as­sim foi por­que Por­tu­gal es­tá na mo­da. Por­tu­gal é, mais do que nun­ca, fa­la­do, tal co­mo a ci­da­de de Lis­boa. Por­tan­to, acho que es­te acon­te­ci­men­to veio na al­tu­ra cer­ta ao nos­so país. E a can­ção do Sal­va­dor, era, e é, fa­bu­lo­sa! Ain­da me ar­re­pio de ca­da vez que a ou­ço.

Qual a gran­de di­fe­ren­ça en­tre o Eu­ro­fes­ti­val des­te ano e os ou­tros, or­ga­ni­za­dos nou­tros paí­ses?

Não há di­fe­ren­ças as­sim tão gran­des por­que é um formato uni­for­me. En­vol­ve mui­ta gen­te e, co­mo já ti­nha ti­do es­se con­tac­to, na­da dis­to pa­ra mim foi no­vi­da­de. Fiz vá­ri­os anos os co­men­tá­ri­os, a par­tir de vá­ri­os paí­ses, pa­ra a RTP. É um even­to que en­vol­ve mui­ta gen­te, mui­tos fãs da Eu­ro­vi­são, há pes­so­as do mun­do in­tei­ro que se jun­tam. É um con­ví­vio mui­to sau­dá­vel. So­bre­tu­do, é fan­tás­ti­ca a for­ma co­mo a mú­si­ca é ver­da­dei­ra­men­te uni­ver­sal e co­mo une to­da a gen­te e der­ru­ba qual­quer ti­po de bar­rei­ras, se­ja a lín­gua, a re­li­gião, o que for. É bo­ni­to de ser ver, por­que as pes­so­as es­tão ali pe­la mú­si­ca. Al­guns fãs es­tran­gei­ros ain­da se re­cor­dam de mú­si­cas por­tu­gue­sas an­ti­gas. E con­se­guem can­tá-las! Qu­an­do foi a pri­mei­ra vez que tra­ba­lhou no Eu­ro­fes­ti­val? A pri­mei­ra Eu­ro­vi­são que acom­pa­nhei foi em 2006. Is­to ain­da foi num ano de tran­si­ção do Elá­dio Clí­ma­co pa­ra mim. Fui acom­pa­nhar o Elá­dio Clí­ma­co pa­ra ten­tar per­ce­ber co­mo é que tu­do se pro­ces­sa­va, e foi em Atenas. Há pou­co tem­po, Elá­dio Clí­ma­co deu uma en­tre­vis­ta mui­to emo­ti­va em que se quei­xa­va de se sen­tir aban­do­na­do. Co­mo olha pa­ra es­ses co­le­gas mais ve­lhos?

Olho com mui­ta ad­mi­ra­ção e com a no­ção de que são pes­so­as que es­tão no ple­no das su­as fa­cul­da­des e que po­dem dar mui­to mais. O Elá­dio, pa­ra além de uma ima­gem, é uma voz in­con­tor­ná­vel da te­le­vi­são. Por­tan­to, gos­ta­ria que ele fos­se mais apro­vei­ta­do. Ele tam­bém tem ou­tro dom, além da te­le­vi­são, que é fa­zer te­a­tro. Por­tan­to, en­tris­te­ce-me que as pes­so­as, com o pas­sar dos anos, se­jam pos­tas de la­do. Há sem­pre uma for­ma de con­ti­nu­ar a fa­zer com que elas se sin­tam bem, se sin­tam a fa­zer o que mais gos­tam e tão bem fa­zem. O Elá­dio é um ho­mem que tem mui­to pa­ra dar e dei­xou-me al­gu­ma tristeza pe­lo fac­to de ter mos­tra­do os seus sen­ti­men­tos, por se sen­tir aban­do­na­do. Ele po­de sen­tir is­so, mas ele nun­ca se­rá es­que­ci­do. Ele é o Sr. Te­le­vi­são e há-de ser até ao fim. (emo­ci­o­na-se).

Apren­deu mui­to com Elá­dio? O Elá­dio é eter­no. Há-de sem­pre fa­zer par­te da His­tó­ria. Apren­di mui­to com ele e com to­das as pes­so­as com quem tra­ba­lhei e com quem tra­ba­lho. Nes­ta pro­fis­são, co­mo na vi­da, é uma apren­di­za­gem diá­ria que fa­ze­mos, tan­to com as pes­so­as mais velhas co­mo com as mais no­vas. O me­lhor que ti­rei, e ti­ro, di­a­ri­a­men­te da mi­nha pro­fis­são é es­sa par­ti­lha que exis­te en­tre vá­ri­as ge­ra­ções. O que de bom me traz, o que apren­do.

A Isabel te­ve o pri­vi­lé­gio de tra­ba­lhar com ou­tros gran­des no­mes da te­le­vi­são, en­tre­tan­to de­sa­pa­re­ci­dos. Con­se­gui tra­ba­lhar com mui­tas pes­so­as que ad­mi­ra­va, que via na te­le­vi­são e que acha­va que eram ina­tin­gí­veis! Nun­ca na vi­da pen­sa­va em tê-las ao meu la­do e, de re­pen­te, ti­ve o pra­zer de tra­ba­lhar e apren­der com elas. É o ca­so do Fer­nan­do Pes­sa, do Ar­tur Agos­ti­nho, do Fi­a­lho Gou­veia. São no­mes in­con­tor­ná­veis e che­guei a tra­ba­lhar com eles.

Com o pas­sar do tem­po, tem me­do que lhe acon­te­ça o mes­mo que acon­te­ceu a Elá­dio Clí­ma­co?

Acho que to­da a gen­te tem es­se re­ceio. Pro­cu­ro não pen­sar mui­to no fu­tu­ro e vi­ver no pre­sen­te. Não sa­be­mos o que nos vai acon­te­cer e ca­da vez mais é com­pli­ca­do fa­zer pro­jec

“Con­se­gui tra­ba­lhar com mui­tas pes­so­as que ad­mi­ra­va e que acha­va que eram

ina­tin­gí­veis ”

tos, pla­nos pa­ra o fu­tu­ro. As coi­sas aca­bam ca­da vez mais ra­pi­da­men­te, por is­so o me­lhor é apro­vei­tar o que te­nho de bom. Pro­fis­si­o­nal­men­te, agra­de­ço imen­so a es­ta di­rec­ção e a es­ta ad­mi­nis­tra­ção que têm vin­do a apos­tar em mim, ou­tra vez, e a fa­zer-me sen­tir bem!

Tem pla­nos pa­ra qu­an­do a te­le­vi­são aca­bar?

A vi­da, por mui­to que gos­te­mos de uma coi­sa e nos em­pe­nhe­mos a fa­zê-la, vai-nos sem­pre mos­tran­do ou­tros ca­mi­nhos pe­los quais po­de­mos ir se, de re­pen­te, as coi­sas não cor­re­rem as­sim tão bem.

Quais?

Is­so não vou di­zer! (ri­sos)

Além de ser ma­dri­nha de uma mar­cha vai es­tar nas noivas de Santo António. Que sig­ni­fi­ca is­so pa­ra si? Qu­an­do es­tou na­que­les ca­sa­men­tos, fi­co en­can­ta­da. São his­tó­ri­as de amor ver­da­dei­ras, de pes­so­as que se que­rem unir e es­co­lhem es­te dia pa­ra o fa­zer. Além de to­da a aju­da que os ca­sais re­ce­bem, e que é im­por­tan­te, é a tra­di­ção. Mui­tos de­les sem­pre pen­sa­ram que ha­vi­am de ser noi­vos de Santo António. Há ali uma li­ga­ção emo­ci­o­nal, de gran­de fé, e por­tan­to é sem­pre um mo­men­to bo­ni­to.

Qu­an­do ali es­tá, sen­te um ape­lo no co­ra­ção?

Na­que­le dia, sin­to-me so­bre­tu­do mui­to emo­ci­o­na­da e ma­dri­nha de­les to­dos.

Santo António é um santo da sua de­vo­ção?

É. E é uma de­vo­ção an­ti­ga, que já vem da mi­nha avó Isabel. Vá­ri­as ve­zes por ano, cos­tu­mo ir à igre­ja de Santo António, on­de me sin­to mui­to bem, e fi­co ali a es­cu­tar o si­lên­cio e a sen­tir a paz que me

traz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.