“O nos­so amor TRANS­CEN­DE tu­do”

Ca­sa­da há um ano com Daniel Oli­vei­ra, o no­vo ho­mem-for­te da SIC, e com uma fi­lha de dois me­ses, Ali­ce, a apre­sen­ta­do­ra sen­te-se fe­liz com a vi­da que tem. Aos pou­cos, irá re­gres­sar ao tra­ba­lho e aos ecrãs

TV Guia - - ESTRELAS ENTREVISTA - TEX­TO ISA­BEL LARANJO | FOTOS PAU­LO MI­GUEL MARTINS

Ees­ta­mos aqui pa­ra co­nhe­cer a no­va pro­gra­ma­ção da SIC. Co­mo é que vai ser o seu re­gres­so? Bom, vou re­gres­sar aos pou­cos. Vai sen­do gra­du­al, co­mo é nor­mal de­pois de ter uma be­bé. Es­ta­va pre­vis­to re­gres­sar já quan­do es­ta­va grá­vi­da, is­so já es­ta­va fa­la­do com a SIC. Is­so man­tém-se mas a seu tem­po, não pa­ra já. Vai ser aos pou­cos. Co­mo é que es­tá a ser es­ta no­vi­da­de de ser mãe? Es­tá a ser óp­ti­mo! Es­tá a ser mui­to bom. Só quan­do so­mos mães é que per­ce­be­mos efec­ti­va­men­te o que é ser mãe. E é um turbilhão de sen­ti­men­tos! É di­fí­cil, os pri­mei­ros tem­pos são du­ros. Não é cor-de-rosa co­mo al­gu­mas pes­so­as pin­tam mas tem to­das as co­res. Tem si­do mui­to es­pe­ci­al.

Sen­te mui­to a fal­ta da Ali­ce quan­do não es­tás com ela?

Cla­ro! Eu es­tou aqui mas es­tou com o co­ra­ção lá. Sa­be bem es­pai­re­cer um bo­ca­di­nho mas de­pois é aque­la sau­da­de de sen­tir o chei­ro da mi­nha fi­lha. Qu­e­ro abra­çá-la, qu­e­ro bei­já-la! Uma pes­soa fi­ca an­si­o­sa por che­gar a ca­sa e é mui­to bom.

Tem aju­das pa­ra cui­dar de­la?

Ho­je, por exem­plo, es­tá com a avó e es­tá mui­to bem. Tem si­do mui­to bom, uma enor­me aprendizagem.

Co­mo de­fi­ne a sua fi­lha, ape­sar de ain­da ser mui­to be­bé?

É uma be­bé exi­gen­te. De res­to é um do­ce, é um be­bé nor­mal. É nor­mal que cho­rem, por­que é des­ta for­ma que cha­mam por nós pa­ra que se­jam acu­di­das as su­as ne­ces­si­da­des. Dor­mem, às ve­zes mais ou­tras ve­zes me­nos. Is­so tam­bém de­pen­de dos es­tí­mu­los que tem: há di­as mais agi­ta­dos e ela aca­ba por acu­sar es­ses di­as, mas faz par­te.

Já dá bo­as noi­tes, dor­me bem? Há aque­les be­bés que gos­tam de dor­mir o dia to­do, co­mem e dor­mem. A mi­nha fi­lha não, gos­ta de ver tu­do o que es­tá a acon­te­cer à vol­ta. É mui­to cu­ri­o­sa. De res­to, é co­mo a mai­or par­te dos be­bés, quer co­lo, mi­mo, e eu dou­lhe mui­to co­lo e

mi­mo.

Até ago­ra qu­al foi a si­tu­a­ção mais com­pli­ca­da de ser mãe?

Acho que após o nas­ci­men­to é uma sur­pre­sa. Não es­ta­mos pre­pa­ra­das pa­ra aqui­lo que vem e só quan­do vi­ve­mos o pós-par­to é que per­ce­be­mos a di­nâ­mi­ca. O fac­to de vi­ver­mos nu­ma bo­lha e pas­sar­mos a ser o su­por­te de vi­da de ou­tro ser, que es­tá de­pen­den­te de nós. Só que ao mes­mo tem­po te­mos que cui­dar de nós e man­ter-nos sau­dá­veis, fí­si­ca e men­tal­men­te, pa­ra que pos­sa­mos ser a me­lhor mãe pos­sí­vel pa­ra aque­le be­bé.

É fá­cil fa­zer es­sa ges­tão?

Nem sem­pre. Há a fal­ta de so­no, não sa­ber por­que é que um be­bé cho­ra… Tu­do is­so tem si­do mui­to de­sa­fi­an­te mas tam­bém é mui­to gra­ti­fi­can­te. Nes­ta fa­se, ela já tem três me­ses, quan­do sor­ri tu­do o res­to pas­sa. Mes­mo as noi­tes di­fí­ceis!

Tam­bém há que cui­dar do ca­sa­men­to por­que há um ele­men­to no­vo que che­ga à fa­mí­lia.

Cla­ro queé ne­ces­sá­rio man­te­res­sa­di­nâ mi­ca de ca­sal queéim por­tan­te. No nos­so ca­so sem­pre fo­mos mui­to ca­sei­ros e is­so aju­da um bo­ca­di­nho nes­ta no­va fa­se. Dei­xa­mos de ser três, pas­sa­mos a ser qua­tro, já tí­nha­mos a nos­sa ca­de­la, que já nos veio mu­dar um bo­ca­di­nho a lo­gís­ti­ca. De res­to, tem si­do pro­gres­si­vo e es­tá a ser mui­to bom. O nos­so amor trans­cen­de e ul­tra­pas­sa tu­do.

Co­moé­queéo Daniel en­quan­to pai? É fan­tás­ti­co! É aqui lo­que eu acha­va que ia ser. Es­tá pre­sen­te nos mo­men­tos im­por­tan­tes, nos ba­nais tam­bém, eéump ai mui­to pre­sen­te.

Mu­da fral­di­nhas ou não tem mui­to jei­to?

Faz tu­do o que tem a fa­zer. Tem jei­to e uma óp­ti­ma re­la­ção com a fi­lha. Ela ri-se mui­to pa­ra ele.

O Daniel é mui­to di­fe­ren­te da­qui­lo que as pes­so­as vêem na te­le­vi­são? Pa­ra­mi­mé um bo­ca­di­nho in­gra­to res­pon­de­ra is­so, por­que par ami­mo Da­ni­e­lé aqui­lo eé mui­to mais. A cho­que to­das as pes­so­as têm uma sé­rie de ca­ma­das.

Per­gun­to de ou­tra ma­nei­ra: o que é que a fez apai­xo­nar pe­lo Daniel?

Oi­to anos de­pois? A pes­soa ex­tra­or­di­ná­ria que eleé,o co­ra­ção enor­me que ele tem, o seu sen­ti­do de hu­mor, a sua in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, o fac­to de ser um ho­mem que olha pa­ra o la­do e pa­ra os seus. São tan­tas coi­sas que é di­fí­cil des­cre­ver. No ví­deo do nos­so ca­sa­men­to eu dis­se: ‘É no si­lên­cio das pa-

la­vras que eu o amo mais’. Efec­ti­va­men­te, é is­so que acon­te­ce, por­que há coi­sas que não são di­zí­veis. É di­fí­cil ex­pli­car, sen­te-se.

Co­mo é que olha pa­ra o cres­ci­men­to pro­fis­si­o­nal do seu ma­ri­do, que ho­je é di­rec­tor-ge­ral de en­tre­te­ni­men­to? So­bre­tu­do por­que é sa­bi­do que o Daniel cres­ceu a pul­so.

Co­mo um enor­me or­gu­lho! Tu­do o que ele con­quis­tar é mais do que me­re­ci­do. Que ca­rac­te­rís­ti­cas é que ele tem que o fi­ze­ram che­gar tão lon­ge?

ODa­ni­e­lé uma men­tec ria ti­va,é um tra­ba­lha­dor na­to. É um ho­mem que es­tá jun­to dos seus, não se dis­tan­cia da­que­les com qu­em tra­ba­lha, a equi­pa é equi­pa e es­tão ao mes­mo ní­vel.Éo pri­mei­ro a es­tar pre­sen­te, da­qui­lo que as­sis­ti já há uns anos, e de cer­ta for­ma tam­bém me fez apai­xo­nar por ele. É um ho­mem que se dá de cor­po e al­ma àqui­lo que faz.Éo mai­or crí­ti­co de­le mes­mo, acha que há sem­pre coi­sas no­vas pa­ra fa­zer e há sem­pre que ino­var. Es­te é um pas­so de gi­gan­te na car­rei­ra de­le. Quan­do sou­be en­ca­rou is­to co­mo? Com enor­me fe­li­ci­da­de!

O seu ma­ri­do pe­diu-lhe al­gum con­se­lho?

Te­mos, no ou­tro, al­guém com qu­em par­ti­lha­mos as nos­sas dú­vi­das, as nos­sas cer­te­zas, com qu­em de­sa­ba­fa­mos. Quan­do eu sou­be que ele iria dar es­te pas­so, sen­ti-me imen­sa­men­te fe­liz. Acho que é as­sim que nos sen­ti­mos quan­do a pes­soa que ama­mos, e aque­les de qu­em gos­ta­mos, con­cre­ti­zam al­go de tão es­pe­ci­al e que é me­re­ci­do. O Daniel che­gou até aqui com mui­to tra­ba­lho, com mui­ta de­di­ca­ção. É mui­to bom na­qui­lo que faz. Te­nho um enor­me or­gu­lho no pro­fis­si­o­nal e no ho­mem que ele é.

Tem re­ceio que es­ta no­va eta­pa da car­rei­ra de­le ti­re tem­po à fa­mí­lia?

Não. Tu­do tem o seu tem­po e acho que se nos or­ga­ni­zar­mos bem, es­se tem­po épos­sí­vel.Énor mal que, se ca­lhar, num dia es­te­ja­mos mais de­di­ca­dos a uma coi­sa e no ou­tro com­pen­sa-se. Faz par­te. Is­to acon­te­ce com qual­quer pes­soa, os di­as não são sem­pre os mes­mos, têm di­nâ­mi­cas di­fe­ren­tes, e va­mos sur­fan­do nis­so. Mas ele, ain­da as­sim, con­ti­nua a es­tar pre­sen­te o que tem de es­tar.

Co­moé­queé ser ca­sa­da co­mum su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­co? Fa­lam mui­to de tra­ba­lho, em ca­sa?

Sem­pre se­pa­ra­mos as coi­sas e man­te­mos es­sa se­pa­ra­ção, que é es­sen­ci­al. E de­pois, é pa­ra es­tes ca­sos que dá imen­so jei­to ter um agen­te (ri­sos). ●

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.