Nas­ceu uma NOVA­mu­lher “Nes­ta al­tu­ra da mi­nha vi­da, até me fi­ca bem”

Jú­lia é a mais re­cen­te apos­ta da SIC pa­ra as tar­des e a apre­sen­ta­do­ra não po­dia es­tar mais ra­di­an­te, mes­mo sen­do “obri­ga­da” a mu­dar de es­ti­lo aos 56 anos.

TV Guia - - ACTUAL SIC - TEXTO HUGO AL­VES | FOTOS RI­CAR­DO RUELLA

Aes­treia de Jú­lia, na SIC, foi pau­ta­da por mui­tas vi­si­tas es­pe­ci­ais. Nos bas­ti­do­res, Jú­lia Pi­nhei­ro ti­nha tal­vez a que mais a emo­ci­o­nou: o seu com­pa­nhei­ro dos úl­ti­mos qua­tro anos no pe­que­no ecrã, João Pau­lo Ro­dri­gues. “Is­to só pro­va bem a ter­nu­ra que não pas­sa en­tre nós, an­tes pe­lo con­trá­rio”, di­zia, em­be­ve­ci­da, pe­la vi­si­ta do ami­go.

Es­con­di­do, mas mais lon­ge dos ho­lo­fo­tes, es­te­ve tam­bém o di­rec­tor de Pro­gra­mas, Da­ni­el Oli­vei­ra, o gran­de men­tor des­te no­vo for­ma­to. “O pro­gra­ma sur­giu de con­ver­sas que ti­ve­mos os dois e que ele le­vou em fren­te”, ex­pli­ca a apre­sen­ta­do­ra, de 56 anos, com uma al­te­ra­ção subs­tan­ci­al: o vo­lu­me da sua voz bai­xou. “Aten­ção, não vi­ram nin­guém di­fe­ren­te ali.

Ape­nas es­ta­rei mais cal­ma e se­re­na na con­du­ção des­te for­ma­to. Foi-

me pe­di­do que ti­ves­se me­nos his­tri­o­nis­mo e acho que, nes­ta al­tu­ra da mi­nha vi­da, na ver­da­de, até me fi­ca bem.”

DEIXARAS PES­SO­AS RESPIRAR

En­tre os con­vi­da­dos do pri­mei­ro pro­gra­ma es­te­ve Tony Car­rei­ra, mas Jú­lia Pi­nhei­ro lá vai avi­san­do os por­tu­gue­ses que não es­pe­rem ver fa­mo­sos sen­ta­dos no seu so­fá to­dos os di­as, nem se­quer to­das as se­ma­nas. “O pro­gra­ma se­rá sem­pre di­fe­ren­te. Uns di­as, tem ca­ras co­nhe­ci­das, ou­tros não. Qu­e­ro é ver o la­do po­si­ti­vo da vi­da”, avan­ça a apre­sen­ta­do­ra, re­co­nhe­cen­do, no en­tan­to, que is­so se­rá di­fí­cil: “Vou fa­zer 222 pro­gra­mas por ano, mais coi­sa me­nos coi­sa, e não sei se to­dos os te­mas se­rão fá­ceis... Mas ten­ta­re­mos ter sem­pre um es­pa­ço pa­ra as pes­so­as res­pi­ra­rem. Por is­so es­te meu tom tam­bém mais cal­mo.”

Com mais uma opor­tu­ni­da­de pro­fis­si­o­nal em Car­na­xi­de, após se­te anos a per­der pa­ra a TVI, Jú­lia acre­di­ta que os re­sul­ta­dos po­dem vir a ser me­lho­res. “Cla­ro que es­tou pre­o­cu­pa­da com as au­di­ên­ci­as, mas não co­mo ri­vais. A ver­da­de é que, du­ran­te um ano, não ti­ve­mos na­da de subs­tan­ci­al em an­te­na. Sim, es­ta­va lá o Dr. Saú­de, for­ma­to que mui­to gos­ta­va, mas o res­to eram re­pe­ti­ções de no­ve­las... e es­te pro­gra­ma ser­ve pa­ra cap­tar aten­ções. É al­go di­fe­ren­te de tu­do o que es­tá em an­te­na e que até se tem fei­to ul­ti­ma­men­te, qu­er no tom, qu­er na for­ma de apre­sen­ta­ção. E es­sa é a nos­sa van­ta­gem.”

CUIDADO COM RONALDO

Um dos as­sun­tos que po­de­rão ser abor­da­dos no pro­gra­ma é a po­lé­mi­ca à vol­ta de Cris­ti­a­no Ronaldo. Pa­ra já, Jú­lia Pi­nhei­ro re­cu­sa fa­zer quais­quer jul­ga­men­tos. “Não vou fa­zer co­men­tá­ri­os. Fa­la­rei even­tu­al­men­te no pro­gra­ma...”, ad­mi­te, ter­mi­nan­do: “Ape­nas di­go que ele nos en­cheu de or­gu­lho e que a pre­sun­ção da ino­cên­cia de­ve ser ab­so­lu­ta e de­fi­ni­ti­va até ao apu­ra­men­to da ver­da­de.” ●

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.