“FI­ZE­RAM dela a vi­lã”

A ma­dri­nha do an­tiquá­rio con­ta o que acon­te­ceu na In­do­né­sia: as dis­cus­sões, as ten­ta­ti­vas de re­con­ci­li­a­ção, os mo­men­tos ín­ti­mos e... as fa­lhas gra­ves da pro­du­ção, que pi­o­ra­ram ain­da mais a re­la­ção do ca­sal

TV Guia - - REALITY TV -

Are­la­ção de Lí­dia e Fran­cis­co foi a pri­mei­ra a ter­mi­nar, lo­go de­pois de uma lua-de-mel de­sas­tro­sa, em Ba­li. O ca­sal não se en­ten­deu, con­for­me já foi no­ti­ci­a­do, mas ago­ra a TVGuia re­ve­la to­da a ver­da­de so­bre o que ver­da­dei­ra­men­te acon­te­ceu na­que­la se­ma­na. Hou­ve dis­cus­sões, ten­ta­ti­vas de re­con­ci­li­a­ção e até mo­men­tos de gran­de in­ti­mi­da­de, mas, se a re­la­ção não deu­cer to, aculp apa­re­ce não ter si­do ape­nas dos dois .“A pró­pria pro­du­ção tem cul­pas no car­tó­rio ”, acu­sa ama­dri­nha­do noi­vo, Ma­ria João.

A ami­ga de Fran­cis­co co­me­ça por con­tar que fi­cou de pé atrás lo­go no dia do ca­sa­men­to. “É es­tra­nho ela não ter nem uma ami­ga a apoiá-la ... Per­ce­bi lo­go que ela era uma pes­soa pro­ble­má­ti­ca e is­so re­ve­lou-se de­pois. Em Ba­li, ha­via al­tu­ras em que es­te­ve su­per bem-dis­pos­ta e de­pois, de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, pas­sa­va-se da ca­be­ça e co­me­ça­va aos gritos”, re­ve­la, con­tan­do tam­bém que o ca­sal te­ve vá­ri­os mo­men­tos bons quan­do es­ta­vam so­zi­nhos e que, mes­mo de­pois de uma gran­de dis­cus­são, hou­ve uma ten­ta­ti­va de re­con­ci­li­a­ção... mas falhada.

No en­tan­to, pa­ra Ma­ria João, a pro­du­ção tam­bém fa­lhou em vá­ri­os mo­men­tos ao lon­god alua-de-mel .“Hou­ve vá­ri­as si­tu­a­ções que con­tri­buí­ram pa­ra o que acon­te­ceu.To­da agen­te per­ce­beu que a Lí­dia es­ta­va de­se­qui­li­bra­da. En­tão, qua­léa ló­gi­ca de le­va­rem uma pes­soa co­mo ela, que ain­da por ci­ma á su­per de­fen­so­ra dos ani­mais,

pa­ra uma lu­ta de ga­los até à mor­te? Co­mo é ób­vio ela odi­ou, far­tou-se de cho­rar e saiu de lá trans­tor­na­da. Mas is­so a pro­du­ção não mos­trou”, diz, acres­cen­tan­do ain­da que hou­ve ou­tras si­tu­a­ções que de­sa­gra­da­ram aos noi­vos: “Eles não gra­va­vam 24 ho­ras por dia. Hou­ve vá­ri­os mo­men­tos em que es­ta­vam sem fa­zer na­da e nem se­quer po­di­am sair do ho­tel, por­que a pro­du­ção fi­cou com os pas­sa­por­tes e os car­tões de ci­da­dão e, co­mo é ób­vio, eles não iam an­dar por Ba­li sem iden­ti­fi­ca­ção. Pe­di­ram vá­ri­as ve­zes, por­que que­ri­am ir pas­se­ar os dois, mas foi sem­pre re­cu­sa­do.”

Ma­ria João acre­di­ta que até as ima­gens que fo­ram trans­mi­ti­das ti­ve­ram um sen­ti­do. “Só mos­tra­ram o la­do mau dela. Fi­ze­ram dela

a vi­lã do pro­gra­ma”, diz, ques­ti­o­nan­do ain­da co­mo é que uma pes­soa co­mo a Lí­dia po­de ser acei­te num pro­gra­ma des­te gé­ne­ro: “Ela pre­ci­sa de aju­da. O Fran­cis­co tem mui­ta pe­na dela, por­que acha que ela de­ve mes­mo ser acom­pa­nha­da, e sen­te-se re­vol­ta­do. Co­mo é que os psi­có­lo­gos não per­ce­be­ram que ela ti­nha pro­ble­mas? Ele sen­te-se usa­do e mui­to ma­go­a­do, por­que pa­re­ce que to­da agen­te per­ce­beu que ela era as­sim e pu­se­ram-na­no pro­gra­ma só pa­ra dar au­di­ên­ci­as.”

EX-AMI­GO DE­NUN­CIA

“Olhei pa­ra a te­le­vi­são e pen­sei que es­ta­va a ver um fan­tas­ma.” É des­ta for­ma que o em­pre­sá­rio António Sou­sa des­cre­ve a sen­sa­ção que te­ve quan­do viu o ex-ami­go Fran­cis­co Gou­veia na SIC co­mo can­di­da­to a noi­vo à pri­mei­ra vis­ta. “Há 12 anos que an­do a pa­gar a so­li­ci­ta­do­res e a gas­tar di­nhei­ro com cus­tas ju­di­ci­ais pa­ra re­a­ver os 60 mil eu­ros que ele me fi­cou a de­ver e nin­guém o con­se­gue lo­ca­li­zar. E, de re­pen­te, es­pe­tei-me com ele na te­le­vi­são. Foi um choque!”, assume o em­pre­sá­rio de Cascais.

António Sou­sa acu­sa Fran­cis­co, de 52 anos, de o ter en­ga­na­do com uma le­tra co­mer­ci­al no va­lor de 60 mil eu­ros que o con­cor­ren­te te­le­vi­si­vo nun­ca pa­gou. O ca­so foi pa­rar ao tri­bu­nal em 2006 e Fran­cis­co com­pa­re­ceu a to­das as au­di­ên­ci­as, in­clu­si­ve à de con­de­na­ção. “Ele era notificado, por­que da­va a morada de um tio no Es­to­ril e foi sem­pre a tri­bu­nal. Mas, a par­tir do mo­men­to em que foi con­de­na­do, eva­po­rou-se. De­sa­pa­re­ceu, não tem ca­sa, não tem con­ta de te­le­mó­vel, de água, de luz, não tem um car­ro em­no­me­de­le, na­da, na­da”, con­ta o le­sa­do. Fran­cis­co não es­tá, con­tu­do, so­zi­nho nes­te pro­ces­so ju­di­ci­al. “Co­mo, na al­tu­ra, ele es­ta­va ain­da ca­sa­do com a Síl­via Men­don­ça e a le­tra ti­nha si­do pas­sa­da em no­me dos dois, te­nho ten­ta­do lo­ca­li­zá-la, mas tam­bém ela es­ca­pa aos so­li­ci­ta­do­res. Sei que tra­ba­lha no es­cri­tó­rio do ad­vo­ga­do João Na­bais, mas in­for­ma­ram-nos des­se es­cri­tó­rio que es­sa pes­soa não tra­ba­lha­va lá. Tam­bém de­ve ser fan­tas­ma, por­que apa­re­ce co­mo co­la­bo­ra­do­ra des­ses ad­vo­ga­dos”, ga­ran­te.

O con­cor­ren­te te­le­vi­si­vo e sua ex-mu­lher, Síl­via Ma­ria dos San­tos Men­don­ça, es­tão

da­dos co­mo in­sol­ven­tes a tí­tu­lo par­ti­cu­lar e nin­guém lhes con­se­gue exe­cu­tar a dívida a António Sou­sa, que, com ju­ros e ta­xas, che­gou aos 69 mil eu­ros. “Ti­ve­de­pa­gar­no ban­co es­sa le­tra, pe­nho­ran­do a mi­nha pró­pria ca­sa. Ho­je não de­vo di­nhei­ro a nin­guém. As mi­nhas em­pre­sas cum­prem to­das as obri­ga­ções, mas o di­nhei­ro que per­di com eles, mais as des­pe­sas com os pro­ces­sos, da­vam pa­ra ter uma vi­da mais con­for­tá­vel”, des­cre­ve.

MAIS DÍ­VI­DAS EM JO­GO

As­sim que viu o ex-ami­go na te­le­vi­são, António ac­ci­o­nou os me­ca­nis­mos ju­di­ci­ais e no-

ti­fi­cou a pro­du­to­ra Shi­ne Iberia Por­tu­gal no sen­ti­do de pe­nho­rar to­dos os ren­di­men­tos que es­ta ve­nha a pa­gar ao con­cor­ren­te. “Além des­ta dívida, ti­nha ou­tros pro­ces­sos con­tra o Fran­cis­co, mas dou-os co­mo per­di­dos.Ago­ra, es­ta­si­tu­a­çãoép ara le­var até às úl­ti­mas con­sequên­cia. Fui rou­ba­do, fui bur­la­do por ele e pe­la ex-mu­lher e go­za­do, pois an­da­ram a com­prar ca­sas es­tan­do in­sol­ven­tes e nin­guém os apa­nhou.”

Além da dívida a António Sou­sa, es­te em­pre­sá­rio tem co­nhe­ci­men­to de mais ca­lo­tes do ex-ami­go. A Au­to La­go, Co­mér­cio de Au­to­mó­veis Lda., a em­pre­sa de­le que fi­cou in­sol­ven­te, tem tam­bém um pro­ces­so a cor­rer no Tri­bu­nal de Se­tú­bal, uma ac­ção or­di­ná­ria em que Fran­cis­co, a ex-mu­lher e o stand fa­li­do fo­ram con­de­na­dos a pa­gar à Au­to Su­e­co uma dívida su­pe­ri­or a 70 mil eu­ros, se­gun­do cons­ta nos documentos a que a TV Guia te­ve aces­so .“Fi­quei em es­ta­do de choque quan­do o vi ir pa­ra a te­le­vi­são­di­zer que era ho­nes­to e mui­to ami­go do seu ami­go. Sin­ce­ra­men­te, ou­vir o ho­mem que me mentiu e rou­bou di­zer is­to dei­xou-me em choque e re­vol­ta­do e foi por is­so que ti­ve que de­nun­ci­ar es­te escândalo”, de­cla­ra, dei­xan­do um exem­plo de co­mo o ex-ami­go tra­ta es­te as­sun­to. “En­tão ele dá-se ao lu­xo de go­zar na ca­ra de um so­li­ci­ta­dor pa­go por mim que foi ao an­tiquá­rio de­le na Avenida Sa­bóia, no Es­to­ril, di­zen­do-lhe na ca­ra que ele não era o se­nhor Fran­cis­co Gou­veia. Is­to é ati­tu­de de uma pes­soa sé­ria, ho­nes­ta e ami­ga do seu ami­go? Não me pa­re­ce”, re­ma­ta. António Sou­sa ga­ran­te que não vai cru­zar os bra­ços .“Vou con­se­guir que ele e a ex-mu­lher me pa­guem tu­do o quem e de­vem. Após ver o pro­gra­ma, man­deiSMSa vá­ri­os ami­gos co­muns a quem ele tam­bém de­ve di­nhei­ro pa­ra os aler­tar”. “Se ele é mes­mo uma pes­soa sim­ples e hon­ra­da, não po­de vir fa­lar que já te­ve uma vi­da boa e me­lhor e que ho­je não a tem, mas tem que di­zer que li­xou a vi­da a vá­ri­os ami­gos”, con­clui. So­bre es­te as­sun­to, a ma­dri­nha do con­cor­ren­te ga­ran­te que é tu­do men­ti­ra. “Co­moé que po­dem di­zer que não o en­con­tram? To­da a gen­te sa­be on­de ele mo­ra. Os dois até já se cru­za­ram vá­ri­as ve­zes nu­ma dis­co­te­ca no Es­to­ril! Além dis­so, uma pes­soa que an­da fu­gi­da à Jus­ti­ça vai pa­ra um pro­gra­ma de te­le­vi­são?”, ques­ti­o­na. ●

TEX­TO JOÃO BÉNARD GARCIA E PATRÍCIA C. BRAN­CO I FO­TOS RI­CAR­DO RUELLA E D.R.

Em Ba­li, o ca­salte­ve vá­ri­os mo­men­tos fe­li­zes que não fo­ram mos­tra­dos pe­la pro­du­ção dopro­gra­ma A ma­dri­nha de Fran­cis­co per­ce­beu lo­go no dia do ca­sa­men­to que Lí­dia era “pro­ble­má­ti­ca”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.