OsSEGREDOS de um An­jo

Sem ta­bus, o An­jo mais ve­lho fa­la do seu pas­sa­do en­quan­to cri­an­ça nas ta­ber­nas com o pai e o avô, da nos­tal­gia do Alen­te­jo, de co­mo em 2017 a du­pla de ir­mãos te­meu o fim da car­rei­ra e ain­da de um con­cer­to es­pe­ci­al

TV Guia - - ESTRELAS - TEX­TO JOÃO BÉNARD GARCIA | FO­TOS LI­LI­A­NA PE­REI­RA

Nel­son Ro­sa­do, 42 anos, o pri­mo­gé­ni­to da du­pla mu­si­cal An­jos, fa­la com emo­ção so­bre o Alen­te­jo e dá uma ex­pli­ca­ção pa­ra is­so. Aca­ba­do de ser elei­to – jun­to com o ir­mão Sér­gio, de 38, e com mais um pu­nha­do de fi­gu­ras pú­bli­cas – em­bai­xa­dor da re­gião, re­ve­la à TVGuia o que o emo­ci­o­na e dei­xa com lá­gri­mas nos olhos: “Quan­do ou­ço o Can­te Alen­te­ja­no bem can­ta­do emo­ci­o­no-me. Ho­je ti ve­de res­pi­rar fun­do e olhar pa­ra ci­ma pa­ra me aguen­tar por­que aque­la so­no­ri­da­de me­xe mes­mo mui­to co­mi­go.” A emo­ção de Nel­son tem uma ex­pli­ca­ção. E tam­bém uma ori­gem. “Há 30 e mui­tos anos o meu pai e o meu avô le­va­vam-me pa­ra as ta­ber­nas. Eu ve­nho des­sa fa­dist ice ... Eu nas­ci des­sas ter­tú­li­as e foi aí que fui bus­car mui to­do meu es­pí­ri­to de ar­tis­ta”, con­fes­sa. Nel­son era um ca­traio de 10 anos, mas ga­ran­te que se lem­bra de tu­do. “Te­nho flashes de ou­vir as con­ver­sas de­les, das his­tó­ri­as, lem­bro-me dos bal­cões em pe­dra már­mo­re, dos co­pos de três, das ses­sões de ane­do­tas, das ter­tú­li­as. Só com ho­mens, tu­doà­des­garr ada, das­ba ta­lhas e dos de­sa­fi­os das­dé ci­mas, que são­qua dr asa­quià mo­da do Alen­te­jo, uma es­pé­cie de des­gar­ra­da em ver­so uns pa­ra os ou­tros, lem­bro­me dis­so, de­cla­ma­do. Lem­bro-me dis­so co­mo se fos­se ho­je”, con­ta, com um sor­ri­so sau­do­sis­ta no ros­to.

E foi por ter sau­da­des das ter­tú­li­as nas ta­ber­nas e tam­bém dos na­tais pas­sa­dos na re­gião que es­te alen­te­ja­no com cos­te­la do la­do da mãe ar­ras­tou a mu­lher, Síl­via, e os fi­lhos, pri­mei­ro Kelly e de­pois o pe­que­no Ke­vin, pa­ra uma aven­tu­ra na pla­ní­cie. “Vim a en­con­trar no Alan­dro­al, atra­vés dos ami­gos do meu pai, em Ter ena, um lu­gar mui­to es­pe­ci­al, eso­té­ri­co. Eu e a Síl­via en­con­trá­mos há 12 anos um mon­te, que os pró­pri­os po­pu­la­res bap­ti­za­ram de Ta­pa­da do An­jo, que é um sí­tio es­pe­ci­al, co­mum a ener­gia te­lú­ri­ca úni­ca que ema­na da ter­ra”, re­ve­la, jus­ti­fi­can­do co­mo con­se­guiu ar­ras­tar to­da a fa­mí­lia: “Aqui­lo ba­teu-me, ba­teu-nos, e éum­ret iro espiritual, um re­ti­ro­fa­mil iar,éum­re for­ço de ener­gia pa­ra mim, pa­ra a mi­nha fa­mí­lia e pa­ra os meu­sa­mi­gos.”

Se­rá nes­se mon­te que o An­jo mais ve­lho da du­pla pla­neia con­cre­ti­zar um dos seus so­nhos pes­so­ais, que dei­xa de ser se­cre­to de­pois de re­ve­la­do à TVGuia. “Te­nho­o­so­nho de em 2020 fa­zer um con­cer­to que se­rá úni­co, ao ar li­vre, uma coi­sa só com ami­gos, na Ta­pa­da do An­jo. Va­mos cha­mar uma gen­te gi­ra e se­rá uma noi­te úni­ca de fes­ta e de pa­ró­dia e vai du­rar até aguen­ta­rem ”, diz, en­tre ri­sa­das.

ES­TI­VE­RAM EM RIS­CO DE ACA­BAR

En­quan­to o con­cer­to te­lú­ri­co pa­ra ami­gos não acon­te­ce, a du­pla An­jos, que re­nas­ceu o ano pas­sa­do pa­ra o gran­de pú­bli­co com o ál­bum Lon­ge, es­tá de regresso aos con­cer­tos de es­tra­da e pre­pa­ra-se pa­ra co­me-

“O Lon­ge foi um ál­bum fei­to no fio da na­va­lha. Po­día­mos ter aca­ba­do co­mo gru­po”

mo­rar 20 anos de car­rei­ra en­quan­to pro­jec­to: “Por­to, 23 de Mar­ço, se­rá o ar­ran­que da tour­née das co­me­mo­ra­ções dos 20 anos dos An­jos”, re­ve­la Nel­son, adi­an­tan­do mais uma da­ta: “Mar­ço é no Por­to e de­pois va­mos fe­char em Lis­boa no fi­nal do ano. Mar­ço vai ser mui­to es­pe­ci­al. Vai ser o ar­ran­que, to­da a gen­te vai que­rer ver o que te­mos mon­ta­do, co­mo va­mos or­ga­ni­zar uma tour­née com um es­pó­lio bru­tal de 20 anos de can­ções. Se­lec­ci­o­ná­mos um lo­te de 33 can­ções, não as va­mos can­tar to­das. São to­das co­nhe­ci­das, pro­va­vel­men­te da­rá um ál­bum, es­ta­mos pe­lo me­nos a abrir ca­mi­nho pa­ra gra­var um ál­bum ao vi­vo.” “Es­ta­mos a com­por um con­cer­to happy, com mui­to pa­ra ci­ma, pois gos­ta­mos de coi­sas di­nâ­mi­cas”, sa­li­en­ta.

Sa­tis­fei­to com o re­sul­ta­do do ál­bum Lon­ge, lan­ça­do em 2017, Nel­son con­fes­sa que a du­pla dos ir­mãos nas­ci­dos no Seixal lan­çou o dis­co com o cre­do na bo­ca. “Foi um ál­bum fei­to no fio da na­va­lha por­que po­dia ter cor­ri­do mal e aí te­ría­mos aca­ba­do en­quan­to gru­po, po­dia ter des­cam­ba­do. Es­ti­ve­mos se­te anos sem apre­sen­tar no­vas mú­si­cas e de­pois con­vi­dá­mos mal­ta jo­vem co­mo a Ca­ro­li­na Des­lan­des, o Di­o­go Pi­çar­ra, o Agir e o Ki­lat, que fez uma par­ce­ria con­nos­co. Fi­ze­mos um som ac­tu­al, mas a mal­ta per­ce­be que is­to são os An­jos e es­se foi o bom fe­ed­back que ti­ve­mos.”

A BA­LA­DA “CO­E­LHO”

O mi­la­gre que aju­dou a re­no­var a ban­da acon­te­ceu por aca­so, em Maio do ano pas­sa­do, quan­do, du­ran­te o seu ca­sa­men­to com An­dreia Nas­ci­men­to, a sua com­pa­nhei­ra dos úl­ti­mos 20 anos, Sér­gio Ro­sa­do lhe de­di­ca uma mú­si­ca. “Aqui­lo não es­ta­va pre­vis­to e de re­pen­te o Sér­gio faz a ba­la­da que eu nun­ca ti­nha can­ta­do, co­mo é que é pos­sí­vel, já tí­nha­mos can­ta­do tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, mas nun­ca aqui­lo. Aqui­lo só é pos­sí­vel can­tar com sen­ti­men­to”. Eter­no é “a his­tó­ria de amor de­les que é trans­ver­sal a to­das as pes­so­as. Pa­ra nós, mú­si­cos, é mais fá­cil fa­zer com­pli­ca­do, o di­fí­cil é fa­zer fá­cil e o Sér­gio fez o fá­cil. Es­ta can­ção foi um co­e­lho que o Sér­gio ti­rou da car­to­la”, con­ta Nel­son, que diz ser “uma ba­la­da que mar­ca a vi­da de mui­ta gen­te, que já es­tá a bom­bar na no­ve­la Va­lor da Vi­da, na TVI, e na RFM e na Antena 1 agar­ra­ram a mú­si­ca.” ●

“O te­ma Eter­no foi um co­e­lho que o meu ir­mão ti­rou da car­to­la, uma ba­la­da

mar­can­te.”

O An­jo mais ve­lho da du­pla emocionou-se ao es­cu­tar o Can­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.