TE­MA.

VOGUE (Portugal) - - Portada -

As bai­nhas dos vestidos so­bem e ga­nham um as­pe­to do­ce, ins­pi­ra­do em Lo­li­ta. Ino­cên­cia ou pe­ca­do?

O no­vo do­cu­men­tá­rio so­bre Fran­ca Soz­za­ni, a di­re­to­ra da Vo­gue ita­li­a­na re­cen­te­men­te de­sa­pa­re­ci­da, não po­de­ria ter um tom mais pes­so­al – foi re­a­li­za­do pe­lo fi­lho. Lynn Ya­e­ger espreita os bas­ti­do­res.

Quem vai de­sem­pe­nhar o meu pa­pel?”, per­gun­tou Fran­ca Soz­za­ni quan­do o fi­lho, Fran­ces­co Car­roz­zi­ni, lhe dis­se que es­ta­va a pla­ne­ar um fil­me so­bre a vi­da de­la. “É a mãe que vai fa­zer de Fran­ca”, res­pon­deu-lhe ele. E quem me­lhor pa­ra dar vi­da à es­pe­ta­cu­lar car­rei­ra des­ta editora-che­fe, que pas­sou 28 anos à fren­te da Vo­gue ita­li­a­na, do que a pró­pria?

O no­vo fil­me bi­o­grá­fi­co de Car­roz­zi­ni, Fran­ca: Cha­os and Cre­a­ti­on, de­mo­rou seis anos a com­ple­tar. Em­bo­ra ele te­nha co­me­ça­do por mer­gu­lhar nou­tros fil­mes bi­o­grá­fi­cos – o do­cu­men­tá­rio de An­der­son Cooper so­bre a sua pró­pria mãe; Ita­li­a­na­me­ri­can de Martin Scorsese; My Ar­chi­tect de Natha­ni­el Kahn, so­bre o pai, Louis Kahn, e Sto­ri­es We Tell de Sa­rah Pol­ley, en­tre ou­tros. Al­gu­mas das fi­gu­ras cen­trais des­ses fil­mes es­ta­vam mor­tas. Mas mes­mo es­tan­do vi­vas, se­ri­am apa­ren­te­men­te tão

im­pe­ne­trá­veis qu­an­to a enig­má­ti­ca Soz­za­ni, que en­tre­tan­to tam­bém nos dei­xou?

Con­ven­cer a mãe a em­bar­car no pro­je­to não foi uma ta­re­fa fá­cil. “Ela dis­se que sim, mas ha­via mui­tos mas”, re­cor­da Car­roz­zi­ni. “E quis pa­rar vá­ri­as ve­zes. Era de­ma­si­a­do di­fí­cil. Achei que aqui­lo ia tu­do ao fun­do umas se­te ou oi­to ve­zes! Dis­cu­ti­mos imen­so. Se não es­ti­ves­se sa­tis­fei­ta com a mú­si­ca, as co­res, al­guns fil­mes pri­va­dos que não que­ria ver di­vul­ga­dos, ela não fa­zia o fil­me. Foi im­pla­cá­vel!”, con­ta Car­roz­zi­ni, rin­do-se. “Hou­ve imen­sos ‘vai-te li­xar’ e imen­sos ‘ado­ro-te’.” A mi­nha mãe trata-me co­mo trata os fo­tó­gra­fos com quem tra­ba­lha: se não a ou­vir­mos, é por­que es­tá tu­do bem.” Foi mui­to mais fá­cil fa­zer a mãe fa­lar so­bre a sua vi­da pro­fis­si­o­nal do que con­tar a sua his­tó­ria pes­so­al, mas mes­mo as­sim, Soz­za­ni era co­nhe­ci­da por ser uma mu­lher de pou­cas pa­la­vras, diz Car­roz­zi­ni. E, com efei­to, fi­ca­mos com uma boa no­ção da sua au­to­ri­da­de si­len­ci­o­sa nas ce­nas em que Car­roz­zi­ni a fil­ma a pas­se­ar so­zi­nha, per­fei­ta­men­te pen­te­a­da e re­quin­ta­da­men­te ves­ti­da num Cen­tral Park co­ber­to de ne­ve.

“Hou­ve imen­sos ‘vai-te li­xar’ e imen­sos ‘ado­ro-te’.” A mi­nha mãe trata-me co­mo trata os fo­tó­gra­fos com quem tra­ba­lha: se não a ou­vir­mos, é por­que es­tá tu­do bem.” Fran­ces­co Car­roz­zi­ni

A pri­mei­ra ver­são do fil­me foi re­jei­ta­da – Soz­za­ni dis­se-lhe, su­cin­ta­men­te, que não era su­fi­ci­en­te­men­te pro­fun­do, que pa­re­cia um fil­me te­le­vi­si­vo –, mas am­bos con­cor­da­ram que a ver­são fi­nal, con­cluí­da em abril, es­ta­va boa. Car­roz­zi­ni diz que es­pe­ra ter con­se­gui­do con­cre­ti­zar os con­se­lhos ami­gá­veis de Baz Luhrmann: “Faz só o fil­me que pu­de­res fa­zer – en­vol­ve-te a ti e à tua mãe”, dis­se-lhe o re­a­li­za­dor.

Car­roz­zi­ni sem­pre sou­be, pra­ti­ca­men­te des­de que nas­ceu, que Soz­za­ni não era uma mãe co­mum. Não só era am­bi­ci­o­sa e de­ter­mi­na­da, co­mo a sua te­me­ri­da­de, a ima­gi­na­ção sem li­mi­tes e a ma­nei­ra úni­ca de abor­dar pro­ble­mas so­ci­ais atra­vés da Mo­da a dis­tin­gui­am das su­as con­tem­po­râ­ne­as pro­fis­si­o­nais. “Eu nem se­quer sa­bia o que es­ta­va a fa­zer – até a mim me sur­pre­en­deu”, dis­se Soz­za­ni, rin­do-se ao ava­li­ar um tra­ba­lho que in­cluía exi­bir mo­de­los em po­ses ou­sa­das em ce­ná­ri­os mon­ta­dos com cons­ci­ên­cia so­ci­al e fo­to­gra­fa­das por pro­fis­si­o­nais fa­mo­sos que não só tes­ta­vam os li­mi­tes co­mo os trans­cen­di­am. Co­mo Bru­ce We­ber, que tra­ba­lhou com ela des­de os pri­mei­ros tem­pos, ex­pli­ca no fil­me: “Ela não me fa­zia um mi­lhão de per­gun­tas. E eu pen­sa­va: ‘uau, ela con­fia em mim!’”

Du­ran­te qua­se três dé­ca­das, e con­fi­an­do em lu­mi­ná­ri­as co­mo We­ber, Pe­ter Lind­bergh e Tim Wal­ker, Soz­za­ni foi cri­an­do um por­te­fó­lio que in­clui tra­ba­lhos co­mo Wa­ter & Oil, de 2010, fa­mo­so por mos­trar a mo­de­lo Kris­ten Mc­me­namy co­ber­ta de pe­tró­leo e dei­ta­da na praia, nu­ma re­fe­rên­cia evi­den­te ao ter­rí­vel der­ra­me pe­tro­lí­fe­ro da BP. O fo­tó­gra­fo des­te em­pre­en­di­men­to es­can­da­lo­so foi o seu ca­ma­ra­da e apoi­an­te Ste­ven Mei­sel, que fo­to­gra­fou mui­tas ca­pas de Soz­za­ni e a acom­pa­nhou nas po­lé­mi­cas sub­se­quen­tes (o que es­tá is­to a fa­zer nu­ma revista de Mo­da?) que le­va­ram Soz­za­ni à CNN. “Por­que não pos­so fa­lar nis­so? Por­que não po­de uma revista de Mo­da fa­lar so­bre o que se pas­sa no mun­do?”, re­a­gia Soz­za­ni quan­do os crí­ti­cos su­ge­ri­am que os seus tó­pi­cos – mu­lhe­res a des­fa­le­cer em ce­mi­té­ri­os, mu­lhe­res pre­sas, mu­lhe­res a so­fre­rem abu­sos, um gru­po de mo­de­los em vá­ri­as eta­pas de ci­rur­gi­as plás­ti­cas – não têm lu­gar em re­vis­tas. “As pes­qui­sas de mer­ca­do di­zem sem­pre: faz is­to, faz aqui­lo.” Ela en­co­lhe os om­bros: “Sem­pre fiz o opos­to do que di­zi­am. Acho que, nos di­as de ho­je, uma revista de Mo­da não po­de li­mi­tar-se a mos­trar rou­pa e mais na­da.”

O exem­plo mais fa­mo­so des­te ma­ni­fes­to é, pos­si­vel­men­te, o seu Black Is­sue de ju­lho de 2008, uma de­ci­são de fo­to­gra­far só mo­de­los ne­gras. Em­bo­ra al­guns te­nham pen­sa­do que ela o fez com o ob­je­ti­vo de eco­ar a fla­gran­te se­gre­ga­ção que se sen­te na in­dús­tria, Soz­za­ni dis­se-nos que a sua in­ten­ção foi pre­ci­sa­men­te a con­trá­ria. “Eu sa­bia que ia ser po­lé­mi­co, mas ti­nha a cer­te­za que era o mo­men­to cer­to.” Com efei­to, a edi­ção es­go­tou e foi re­e­di­ta­da du­as ve­zes.

Fran­ca Soz­za­ni nas­ceu nu­ma fa­mí­lia prós­pe­ra do Nor­te de Itá­lia (a bi­o­gra­fia in­clui fil­mes pri­va­dos de­la em cri­an­ça nu­mas férias de ve­rão ma­ra­vi­lho­sas) e sem­pre pen­sou que “ia ter uma vi­da bur­gue­sa – um ma­ri­do, fi­lhos, uma ca­sa no cam­po, uma ca­sa na praia”. Ca­sou-se no­va, mas a união foi bre­ve. Quan­do lhe per­gun­tam por que ra­zão avan­çou com o ca­sa­men­to, ela res­pon­de, im­pas­sí­vel: “Por­que já es­ta­va ves­ti­da.” Pla­ne­a­va es­tu­dar Fí­si­ca na uni­ver­si­da­de – nun­ca ima­gi­nan­do a mis­tu­ra in­fla­má­vel que iria apre­sen­tar nas pá­gi­nas de uma revista – an­tes de mu­dar pa­ra Filosofia e Literatura.

En­tão, acon­te­ce­ram du­as coi­sas que a mu­da­ram pa­ra sem­pre: apai­xo­nou-se por Yves Saint Lau­rent – por­que, con­tou, ele da­va per­mis­são pa­ra uma mu­lher se ves­tir co­mo um ho­mem – e, em fi­nais da dé­ca­da de 60, visitou Lon­dres. “Na­que­la al­tu­ra ha­via uma for­ma de ves­tir mui­to con­ser­va­do­ra em Itá­lia”, re­cor­dou. “Quan­do fui a Lon­dres, des­co­bri um mun­do in­tei­ra­men­te no­vo e is­so mu­dou-me com­ple­ta­men­te: não só na mi­nha abor­da­gem à rou­pa, co­mo até na mi­nha ma­nei­ra de vi­ver. Es­tá­va­mos a res­pi­rar uma atmosfera com­ple­ta­men­te an­ti­es­ta­blish­ment. Tal­vez, na mi­nha ca­be­ça, eu nun­ca te­nha vol­ta­do.”

Soz­za­ni nun­ca aban­do­nou aque­le olhar re­vo­lu­ci­o­ná­rio. Des­de o iní­cio, “sa­bia que a Vo­gue ita­li­a­na não ia ser uma me­ra revista so­ci­al. Era im­por­tan­te pa­ra mim fa­zer al­go di­fe­ren­te”. Al­go mui­to di­fe­ren­te: o im­pac­to das fotografias, a lin­gua­gem in­ter­na­ci­o­nal das ima­gens, a for­ma sin­gu­lar co­mo fun­di­am a re­a­li­da­de bru­tal com a fan­ta­sia, são o que dá um po­der es­pe­ci­al ao tra­ba­lho de Soz­za­ni. “Eu acres­cen­to o so­nho”, di­zia ela. E em­bo­ra is­so se­ja ver­da­de, há uma re­a­li­da­de con­cre­ta atrás des­se so­nho – uma re­a­li­da­de que o seu fi­lho ex­põe de for­ma bri­lhan­te em Fran­ca: Cha­os and Cre­a­ti­on. To­man­do co­mo te­ma es­ta icó­ni­ca editora, que até en­tão per­ma­ne­ce­ra uma fi­gu­ra bas­tan­te mis­te­ri­o­sa, ele mos­tra-nos uma mu­lher – uma mãe! – cu­ja vi­são sem­pre es­te­ve en­tre­la­ça­da com co­ra­gem e hu­mor. No en­tan­to, em­bo­ra as ima­gens da sua revista se­jam pro­vo­can­tes, a mão in­vi­sí­vel por trás de­las é de­li­ca­da. “Te­mos de ser le­ves na vi­da”, ex­pli­ca Soz­za­ni. “Pa­ra mim, a le­ve­za é quan­do a pro­fun­di­da­de nos per­mi­te vo­ar al­to.” l

Fran­ca Soz­za­ni com o fi­lho, Fran­ces­co Car­roz­zi­ni.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.