SE­DE DE MUN­DO.

VOGUE (Portugal) - - Portada - Por Carlota Mo­rais Pires, em Lon­dres.

Du­as mar­cas por­tu­gue­sas a dar cartas no pa­no­ra­ma lon­dri­no.

Joana Le­mos de­mo­rou dois anos a cri­ar a sua mar­ca de sa­pa­tos, mas só es­pe­rou seis me­ses pa­ra a ver des­fi­lar em Lon­dres.

O que é que a Fre­a­klo­set tem? A co­me­çar, uma de­sig­ner que nos diz que es­te é só o pri­mei­ro pas­so.

Cho­ve tor­ren­ci­al­men­te em Lon­dres e es­tá uma mul­ti­dão pre­pa­ra­da pa­ra in­va­dir o edi­fí­cio on­de acon­te­ce a se­ma­na de Mo­da mas­cu­li­na. Ape­sar do ce­ná­rio caó­ti­co, Joana Le­mos sor­ri, ain­da que an­si­o­sa­men­te. Mi­nu­tos de­pois co­me­ça­va o des­fi­le da bri­tâ­ni­ca Si­bling, que cal­çou os ma­ne­quins com sa­pa­tos Fre­a­klo­set, a mar­ca de sa­pa­tos que Joana ha­via lan­ça­do há ape­nas seis me­ses. A co­la­bo­ra­ção co­me­çou em ju­lho e foi su­ge­ri­da pe­la agên­cia in­gle­sa que tra­ba­lha a co­mu­ni­ca­ção das du­as mar­cas. De­pres­sa se tor­na­ram cúm­pli­ces (“ti­nham tu­do a ver”) e dei­xa­ram o pro­ces­so cri­a­ti­vo fluir. Ain­da bem – trans­mi­ti­ram en­ten­di­men­to e cri­a­ti­vi­da­de e mo­der­ni­da­de que es­pe­ra­mos das co­le­ções de ago­ra.

A his­tó­ria da Fre­a­klo­set é cur­ta mas faz-nos que­rer pa­rar pa­ra ou­vir. “Tu­do co­me­çou com uma fo­to­gra­fia de stre­et sty­le, em que uma ra­pa­ri­ga ves­ti­da de pre­to cal­ça­va uns sa­pa­tos Jil San­der com a so­la cor-de-ro­sa. Ado­rei a ima­gem, fi­quei com ela na ca­be­ça. Mais tar­de, foi o pon­to de par­ti­da pa­ra o meu pro­je­to de mes­tra­do em Mar­ke­ting, que fiz em Bar­ce­lo­na. Sem­pre gos­tei de sa­pa­tos e in­te­res­sa­va-me o con­cei­to de customização, por is­so fez sen­ti­do jun­tar tu­do”, ex­pli­ca Joana. Tem 26 anos e as idei­as cla­ras, bem de­fi­ni­das, de­sem­po­ei­ra­das. Fa­la do fu­tu­ro com pers­pi­cá­cia e sem he­si­ta­ções, traz os te­mas pa­ra a me­sa à ve­lo­ci­da­de da luz. Con­ta co­mo foi mo­ti­va­da pe­lo ori­en­ta­dor a ma­te­ri­a­li­zar es­te seu pro­je­to e que sen­tiu a ne­ces­si­da­de de es­tu­dar de­sign an­tes de avan­çar por­que “sa­bia bem o que que­ria mas ti­nha di­fi­cul­da­de em tra­du­zir tu­do pa­ra o pa­pel”. Foi pa­ra No­va Ior­que, fez um se­gun­do mes­tra­do no IADE. Visitou fá­bri­cas, es­co­lheu ma­te­ri­ais, jun­tou de­se­nhos e inspirações, mas só con­se­guiu lan­çar a mar­ca pas­sa­dos dois anos, al­tu­ra em que te­ve a cer­te­za de que to­dos os por­me­no­res, dos sa­pa­tos ao soft­ware, es­ta­vam co­mo ti­nha ide­a­li­za­do. O no­me foi her­da­do do blo­gue que Joana es­cre­via com a ir­mã, a que cha­ma­ram Fre­a­klo­set por gos­ta­rem de aces­só­ri­os mais ex­cên­tri­cos. “É ines­pe­ra­do e pro­vo­ca­dor”, diz. Nes­te mo­men­to, a mar­ca vi­ve de cin­co mo­de­los, to­dos eles per­so­na­li­zá­veis, fei­tos em pe­le e pro­du­zi­dos in­di­vi­du­al­men­te. O site é cle­an e in­tui­ti­vo, con­vi­da-nos a en­trar e a com­bi­nar to­das as co­res de que gos­ta­mos no mes­mo par de sa­pa­tos. Os pre­ços os­ci­lam en­tre os 240 e os 300 eu­ros; na­tu­ral­men­te, os sa­pa­tos das co­le­ções mas­cu­li­na e fe­mi­ni­na já cri­a­dos são mais aces­sí­veis do que os cus­to­mi­za­dos. “En­quan­to não in­cluí­mos no­vos ma­te­ri­ais a ideia é de­sen­vol­ver mais co­res. Des­de ju­nho já ven­de­mos pa­ra 16 paí­ses e ul­tra­pas­sá­mos os ob­je­ti­vos que tí­nha­mos es­ta­be­le­ci­do pa­ra 2016. Ain­da so­mos só três, mas qu­e­re­mos alar­gar a equipa e atin­gir me­tas mui­to con­cre­tas: pa­ra es­te ano o gran­de ob­je­ti­vo é ter os nos­sos sa­pa­tos à ven­da em lo­jas e re­tai­lers online, co­mo a Far­fet­ch.com, e cres­cer nos mer­ca­dos mais in­te­res­san­tes nes­te mo­men­to, co­mo o Nor­te da Eu­ro­pa e o Rei­no Uni­do. E ago­ra va­mos ter a co­le­ção num sho­wro­om em Pa­ris.” O telemóvel to­ca, Joana lê a men­sa­gem e in­ter­rom­pe a en­tre­vis­ta com ur­gên­cia: “É de No­va Ior­que!”, diz. “Que­rem fa­lar con­nos­co so­bre a Fashi­on We­ek!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.