ANOS DOU­RA­DOS.

Tip­pi He­dren, uma das mais fa­mo­sas lou­ras de Hit­ch­cock, con­ver­sa com a ne­ta, a atriz Da­ko­ta John­son, so­bre ho­mens, leões e as su­as no­vas me­mó­ri­as.

VOGUE (Portugal) - - Portada - Fo­to­gra­fia de Co­li­e­na Rent­me­es­ter.

Da­ko­ta John­son en­tre­vis­ta a avó Tip­pi He­dren so­bre a ge­ra­ção de atri­zes da fa­mí­lia e os 87 anos de vi­vên­ci­as da ma­tri­a­ca. Por Wil­li­am Mor­row.

Da­ko­ta John­son pa­re­ce li­gei­ra­men­te em pâ­ni­co ao apro­xi­mar-se da ca­sa da avó, Tip­pi He­dren, na Sham­ba­la Pre­ser­ve – o san­tuá­rio de leões e ou­tros fe­li­nos de gran­de por­te fun­da­do por He­dren na dé­ca­da de 70 nas ter­ras bra­vi­as a nor­te de Los An­ge­les, es­cre­ve Tim Wal­ker. É a pri­mei­ra vez que John­son aqui vem des­de que um in­cên­dio flo­res­tal qua­se en­go­liu a pro­pri­e­da­de no ve­rão pas­sa­do, dei­xan­do fi­las de tron­cos de ár­vo­res car­bo­ni­za­dos a es­cas­sos me­tros dos re­cin­tos dos ani­mais.

“É tão es­tra­nho pa­ra mim”, diz, en­quan­to ob­ser­va a ce­na apo­ca­líp­ti­ca sen­ta­da ao vo­lan­te do seu SUV Audi. Ape­sar do sus­to, os fe­li­nos e a ca­sa de He­dren fi­ca­ram in­có­lu­mes, e a se­nho­ra de 86 anos dá as bo­as-vin­das à sua ne­ta, pa­re­cen­do tão ele­gan­te e com­pos­ta co­mo sem­pre, ves­tin­do uma blu­sa sem man­gas pre­ta às pin­tas e um co­lar de di­a­man­tes sim­ples, ofe­re­ci­do pe­la fi­lha e mãe de John­son, Me­la­nie Grif­fith – o elo per­di­do des­ta di­nas­tia de atri­zes com três ge­ra­ções.

John­son cum­pri­men­ta He­dren afe­tu­o­sa­men­te, cha­man­do-lhe Mor­mor, a pa­la­vra su­e­ca pa­ra avo­zi­nha. Com um look informal, com­bi­nan­do uma T-shirt bran­ca e cal­ças de gan­ga pre­sas com um cin­to Gucci, a es­tre­la de As Cinquenta Som­bras de Grey, com 27 anos, en­tre­ga à avó os pre­sen­tes que lhe trou­xe: uma ma­la e uns ócu­los de sol Marc Ja­cobs. “São gi­rís­si­mos! Dei­xei o meu ou­tro par em ca­sa da tua mãe”, diz He­dren, ex­pe­ri­men­tan­do os ócu­los – e exi­bin­do, co­mo é seu cos­tu­me, as lon­gas unhas pin­ta­das de dou­ra­do. A an­ti­ga (e fa­mo­sa) lou­ra de Hit­ch­cock tem ago­ra o ca­be­lo cin­zen­to cor­ta­do cur­to.

Johnny Depp, o ga­to do­més­ti­co de He­dren, pas­seia-se pe­la co­zi­nha. Ele não po­de sair de ca­sa – não vá, sem que­rer, en­trar num dos re­cin­tos dos gran­des fe­li­nos, o mais pró­xi­mo dos quais se si­tua a uns es­cas­sos três me­tros da ja­ne­la da ca­sa de jan­tar e é o lar de uma ti­gre­sa de 13 anos cha­ma­da Mo­na, que não es­tá à vis­ta quan­do He­dren e John­son se sen­tam pa­ra al­mo­çar. “Já não te­nho pa­la­dar nem ol­fa­to, por is­so não me in­te­res­so mui­to por co­mi­da”, diz Tip­pi. “Dei du­as que­das e ba­ti com a ca­be­ça no mes­mo sí­tio e is­so afe­tou os meus ner­vos ol­fa­ti­vos. Foi há mais de 10 anos.” “Mas a Mor­mor ado­ra cho­co­la­te…”, diz a ne­ta. “Sim, mas is­so é por­que já ado­ra­va cho­co­la­te an­tes. Mas é pe­ri­go­so não ter ol­fa­to por­que não me cheira a fu­mo. Man­dei ti­rar to­dos os equi­pa­men­tos a gás cá de ca­sa!”

A ca­sa era ori­gi­nal­men­te uma ca­sa mó­vel, à qual He­dren foi acres­cen­tan­do vá­ri­as ex­ten­sões ao lon­go das dé­ca­das. “Veio a re­bo­que”, co­men­ta. “Nun­ca me es­que­ce­rei do dia em que des­ceu a co­li­na.” No in­te­ri­or, as pa­re­des es­tão re­ves­ti­das por fotografias da fa­mí­lia e dos gran­des fe­li­nos de Sham­ba­la, e as pra­te­lei­ras chei­as de li­vros que re­fle­tem as su­as múl­ti­plas car­rei­ras: Mo­da, ci­ne­ma, Áfri­ca e vi­da sel­va­gem. He­dren com­pi­lou re­cen­te­men­te as su­as me­mó­ri­as num li­vro, Tip­pi, uma bi­o­gra­fia ho­nes­ta que pro­je­ta o olhar so­bre a sua in­fân­cia pas­sa­da no Midwest e a sua car­rei­ra de mo­de­lo na No­va Io­que da dé­ca­da de 50.

DA­KO­TA JOHN­SON (DJ) Mor­mor, co­mo co­me­çou a ser mo­de­lo?

TIP­PI HE­DREN (TH) Ti­nha 18 anos e ia na rua, em Min­ne­a­po­lis, quan­do uma mu­lher se di­ri­giu a mim, deu-me um car­tão pro­fis­si­o­nal e dis­se: “Po­de dar is­to à sua mãe e pe­dir-lhe que a tra­ga à lo­ja Do­nald­son’s? Gos­ta­ría­mos que fos­se nos­sa mo­de­lo nos des­fi­les de Mo­da das ma­nhãs de sá­ba­do.” E eu pen­sei: “Que di­ver­ti­do!”

DJ Ti­nha des­fi­les to­das as se­ma­nas?

TH Sim. Nós vi­vía­mos num su­búr­bio cha­ma­do Mor­ning­si­de e to­dos os sá­ba­dos de ma­nhã eu ia até à ci­da­de. A rou­pa era de um es­ti­lo mui­to for­ti­es: sai­as de xa­drez com ca­mi­so­las de ca­xe­mi­ra, so­que­tes e mo­cas­sins. Era fo­fi­nha.

DJ O que tem vestido ho­je?

Tip­pi He­dren com a ne­ta, Da­ko­ta John­son, e a fi­lha Me­la­nie Grif­fith, fo­to­gra­fa­das no Cha­te­au Mar­mont.

DJ Não foi mui­to di­fe­ren­te do pri­mei­ro ca­sa­men­to da mãe e do pai [o ator Don John­son]. Tal­vez eu de­va se­guir a tra­di­ção e ca­sar-me em se­gre­do com al­guém as­sim não mui­to ade­qua­do? Se não re­sul­tar à pri­mei­ra, vol­to a ten­tar com ou­tro!

TH Eu e o Pe­ter fi­ze­mos ou­tro ca­sa­men­to nu­ma ado­rá­vel igre­ja lu­te­ra­na em Long Is­land. As fotografias são de­ma­si­a­do que­ri­das pa­ra des­cre­ver: pa­re­ce­mos du­as cri­an­ças a ca­sa­rem-se. Ele ti­nha 19 anos e eu 22.

DJ A mãe ca­sou-se aos 18 anos. Te­nho de me des­pa­char! Que ida­de ti­nha a mãe quan­do a Mor­mor se ca­sou com o No­el [Marshall, o se­gun­do ma­ri­do de He­dren]?

TH Ain­da era uma miu­di­nha.

DJ Ela ain­da é uma miu­di­nha.

TH Se­rá sem­pre a mi­nha pe­que­ni­na. Mas cres­ceu e trans­for­mou-se nu­ma mu­lher mag­ní­fi­ca e po­de­ro­sa.

DJ A mi­nha mãe ti­nha 14 anos e o meu pai 22 quan­do se co­nhe­ce­ram e se apai­xo­na­ram. E pron­to. A Mor­mor não fi­cou mui­to fe­liz, pois não?

TH Não! Ali es­ta­va um ator no­vo, su­per­char­mo­so e gi­rís­si­mo – ele ti­nha tu­do. E a mi­nha pe­que­ni­na foi-se en­vol­ver com "aqui­lo"? Era pe­dir de­ma­si­a­do. Mas ela é mui­to de­ter­mi­na­da. E tam­bém fu­giu pa­ra se ca­sar…

DJ Pa­ra Las Ve­gas.

TH Lem­bro-me per­fei­ta­men­te do sí­tio on­de es­ta­va quan­do des­co­bri. Nós tí­nha­mos um te­le­fo­ne na pa­re­de, ao la­do das es­ca­das e re­ce­bi uma cha­ma­da: “Olá ma­mã! É a Me­la­nie. Es­tou com o Don. Adi­vi­nha? Acabámos de nos ca­sar!” Eu gri­tei: “Oh não!”

DJ So­mos to­das tão tei­mo­sas. Qu­an­tos anos ti­nha quan­do parou de tra­ba­lhar co­mo mo­de­lo?

TH Trin­ta e um. Tra­ba­lhei mui­to mais tem­po do que a mai­o­ria das mo­de­los. Es­ta­va a fi­car mais ve­lha, por is­so co­me­cei a fa­zer anún­ci­os te­le­vi­si­vos. De­pois, re­ce­bi uma cha­ma­da nu­ma sex­ta-fei­ra, 13 de ou­tu­bro de 1961, de um ho­mem a per­gun­tar se eu era a ra­pa­ri­ga do anún­cio da Se­go. Eu dis­se: “Sim, porquê?” Ele dis­se que ha­via uma pes­soa in­te­res­sa­da em mim, mas não po­dia di­zer-me quem era. Por fim, ad­mi­ti­ram que Al­fred Hit­ch­cock que­ria fa­zer um con­tra­to co­mi­go. Ter um con­tra­to com Hit­ch­cock era mui­to ex­ci­tan­te. Mas à me­di­da que o tem­po ia pas­san­do, ele que­ria exer­cer ca­da vez mais con­tro­lo so­bre mim. E nós não so­mos es­se ti­po de pes­so­as – não so­mos bo­as de con­tro­lar.

DJ Ah pois não. Não nes­ta fa­mí­lia. Quão drás­ti­cas e quão rápidas fo­ram as mu­dan­ças na vos­sa re­la­ção?

TH Foi um pe­río­do de tem­po lon­go, que me per­mi­tiu fa­zer Os Pás­sa­ros e Mar­nie. Mas quan­do as exi­gên­ci­as de Hit­ch­cock se tor­na­ram in­su­por­tá­veis eu dis­se-lhe que que­ria res­cin­dir o con­tra­to. As úl­ti­mas pa­la­vras que me dis­se fo­ram: “Vou ar­rui­nar a tua car­rei­ra.” E eu res­pon­di-lhe: “Faz o que qui­se­res”, e ba­ti-lhe com a por­ta na ca­ra. E ba­ti mes­mo com for­ça! Ele man­te­ve o con­tra­to du­ran­te mais dois anos, pa­gan­do-me 600 dó­la­res por se­ma­na. Além de ser um ho­mem mau, tam­bém era mes­qui­nho.

DJ Ho­je em dia, as coi­sas acon­te­cem no es­pa­ço pú­bli­co. Já não há tan­tas opor­tu­ni­da­des pa­ra com­por­ta­men­tos sor­ra­tei­ros ou imo­rais. TH O meu top não é de um de­sig­ner im­por­tan­te, mas é giro. A tua mãe deu-me es­te co­lar de di­a­man­tes. Os brin­cos de pé­ro­las… te­nho-os des­de sem­pre. Qua­se nun­ca per­co coi­sas, por is­so se não se es­tra­ga­rem, fi­cam pa­ra sem­pre. O meu es­ti­lo é ele­gan­te, mas sim­ples. Na­da vis­to­so, na­da exa­ge­ra­do.

DJ Já ti­nha es­ta­do em No­va Ior­que an­tes de se mu­dar pa­ra lá?

TH: Tra­ba­lhei em Min­ne­a­po­lis du­ran­te mui­to tem­po, mas No­va Ior­que es­ta­va sem­pre a ace­nar-me. No­va Ior­que era o sí­tio pa­ra on­de uma mo­de­lo que­ria ir. Ei­le­en Ford, da Ford Mo­dels, ti­nha-me di­to pa­ra lhe en­vi­ar as mi­nhas fotografias e eu en­vi­ei. De­pois, ela te­le­fo­nou-me e dis­se: “Ve­nha pa­ra No­va Ior­que.” Eu só ti­nha di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra lá che­gar, vi­a­jan­do em pé num com­boio du­ran­te três di­as! E de­pois o su­fi­ci­en­te pa­ra fi­car uma se­ma­na no Bar­bi­zon Ho­tel for Wo­men.

DJ Pa­re­ce uma ce­na do The Bell Jar! Co­mo foi che­gar a Ma­nhat­tan pe­la pri­mei­ra vez?

TH Eu es­ta­va a vi­ver em Min­ne­a­po­lis, por is­so não ti­nha me­do de es­tar nu­ma ci­da­de. Mas, e daí, acho que nun­ca ti­ve me­do de na­da, pa­ra di­zer a ver­da­de. As mo­de­los de No­va Ior­que eram chi­ques, com um as­pe­to pro­fis­si­o­nal e mui­to con­cen­tra­das nas su­as car­rei­ras. E eu não sou mui­to al­ta. Mas es­tar em No­va Ior­que foi di­ver­ti­do e ex­ci­tan­te. Apren­di imen­so so­bre rou­pa e ab­sor­vi tu­do o que po­dia. Fiz não sei qu­an­tas ca­pas de re­vis­tas, so­bre­tu­do pa­ra a Se­ven­te­en. Ain­da te­nho uma cai­xa cheia de re­vis­tas.

DJ Sem­pre gostou de Mo­da? Quais eram os seus so­nhos de in­fân­cia?

TH Que­ria fa­zer pa­ti­na­gem ar­tís­ti­ca – há 10.000 lagos no Min­ne­so­ta –, mas os meus pais não ti­nham di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra eu ir a au­las, por is­so cos­tu­ma­va as­sis­tir às au­las das mi­nhas ami­gas e de­pois ia pa­ra um dos lagos lá do bair­ro e trei­na­va.

DJ A sua mãe apoi­ou-a na car­rei­ra de mo­de­lo?

TH Sim. Nós éra­mos lu­te­ra­nos e os nos­sos pais edu­ca­ram-me, a mim e à mi­nha ir­mã, com va­lo­res mo­rais for­tes. Eu sem­pre sou­be li­dar com qual­quer “si­tu­a­ção” com que me de­pa­ras­se – e as­sim foi. A pri­mei­ra coi­sa que fiz quan­do che­guei a No­va Ior­que foi pro­cu­rar uma igre­ja lu­te­ra­na per­to do sí­tio on­de es­ta­va a vi­ver. Em Los An­ge­les, dei ca­te­que­se.

DJ Co­mo co­nhe­ceu o Pop-pop [o avô de Da­ko­ta, Pe­ter Grif­fith] em No­va Ior­que?

TH Fui con­vi­da­da a in­ter­pre­tar um pa­pel pe­que­no nu­ma sé­rie te­le­vi­si­va e o Pe­ter era um dos ato­res.

DJ Não con­se­gui­mos fu­gir aos ato­res nes­ta fa­mí­lia. Eles es­tão em to­do o la­do.

TH Ain­da es­tão a apa­re­cer. Es­tá­va­mos a tra­ba­lhar num ce­ná­rio com um pal­co e eu caí e ma­go­ei o quei­xo e o Pe­ter veio aju­dar-me. E foi as­sim que co­me­çou.

DJ Co­mo foi des­co­brir que es­ta­va grá­vi­da?

TH Fi­quei fe­li­cís­si­ma. Vi­e­mos pa­ra a Ca­li­fór­nia e, da­qui, des­ce­mos até ao Mé­xi­co, on­de nos ca­sá­mos em se­gre­do, um ano e meio de­pois de nos ter­mos co­nhe­ci­do.

No set do fil­me The Birds de Al­fred Hit­ch­cock, 1963.

Tip­pi He­dren com a fi­lha Me­la­nie Grif­fith, 1966. Me­la­nie Grif­fith, 1975. Tip­pi He­dren com o leão Neil em sua ca­sa na Ca­li­for­nia, 1971. Al­fred Hit­ch­cock e Tip­pi He­dren em Can­nes, 1963. Me­la­nie Grif­fith com o pri­mei­ro ma­ri­do, Don Jo­nh­son, 1976.

Me­la­nie Grif­fith e Da­ko­ta Jonshon, 2002.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.