MALGOSIA, A BE­LA.

VOGUE (Portugal) - - Portada - Por Ana Mur­cho. Fo­to­gra­fia Mar­cin Tysz­ka. Re­a­li­za­ção Pau­lo Ma­ce­do.

Se­du­to­ra com as pa­la­vras e o cor­po, Malgosia é do­na de mui­tos ta­len­tos e nin­guém es­ca­pa aos seus en­can­tos.

En­tre o er­ro de cri­a­ção e a pu­re­za es­tá Malgosia Be­la, be­lís­si­ma, mo­de­lo en­tre as mo­de­los, uma com­bus­tão de sen­su­a­li­da­de imi­nen­te e in­te­li­gên­cia vo­raz. De­ma­si­a­do atra­en­te, de­ma­si­a­do mu­lher, de­ma­si­a­do hu­ma­na. De­pois da ses­são pa­ra a Vo­gue, em Var­só­via, en­tre­vis­ta com uma be­le­za in­do­má­vel.

Ca­mi­sa em ce­tim de se­da e saia em se­da, am­bas DIOGO MI­RAN­DA. Brin­co em ou­ro com di­a­man­te, CAROLINA CURADO. Pul­sei­ra em me­tal mar­te­la­do,

DS­QUA­RED2. Mei­as em ren­da,

CAL­ZE­DO­NIA. Sa­pa­tos em pe­le en­ver­ni­za­da, SAINT LAU­RENT.

Tú­ni­ca em se­da char­meu­se, CÉ­LI­NE.

Se não nos im­por­tar­mos, Malgosia Be­la (Cra­có­via, 1977) pre­fe­re fa­zer a en­tre­vis­ta por email. É a pró­pria que nos dá con­ta des­sa von­ta­de, ao te­le­fo­ne, nu­ma con­ver­sa vá­ri­as ve­zes in­ter­rom­pi­da pe­los de­sen­con­tros pró­pri­os do mun­do mo­der­no. “Ado­ro es­cre­ver e te­nho mais tem­po pa­ra pen­sar nas res­pos­tas. Sou mais eu. Já que es­ta não é uma en­tre­vis­ta do ti­po ‘Qual é a sua cor pre­fe­ri­da?’, e já que não es­ta­mos fren­te a fren­te, pre­fe­ria. Mas pro­me­to res­pon­der a tu­do ain­da ho­je.” Si­lên­cio. Nor­mal­men­te im­por­ta­mo-nos, sim, mas nor­mal­men­te não so­mos apa­nha­dos por es­ta voz quen­te e pau­sa­da, que sai num tom cal­mo e edu­ca­do, as pa­la­vras pro­fe­ri­das as­sim, nu­ma ca­dên­cia. Fo­mos apa­nha­dos na teia – fo­mos se­du­zi­dos. E por is­so não nos im­por­tá­mos que es­ta en­tre­vis­ta fos­se fei­ta por email e que es­te tex­to fos­se, de cer­ta for­ma, es­cri­to a qua­tro mãos com Malgosia Be­la.

“Quan­do era miú­da, vi um vi­de­o­clip na MTV que re­su­mia tu­do o que sig­ni­fi­ca­va Mo­da pa­ra mim. Era o Fre­e­dom do Ge­or­ge Mi­cha­el. Eu não sa­bia na­da so­bre o as­sun­to além das ca­ras das su­per­mo­de­los (e dos cor­pos!).” An­tes de ser mu­sa de Ch­loé e Gi­ven­chy, Versace e Stella Mccart­ney, Miu Miu e Max Ma­ra – a lis­ta de cam­pa­nhas que pro­ta­go­ni­zou é in­fi­ni­ta –, Malgosia Be­la vi­via uma exis­tên­cia lon­ge do re­bu­li­ço e do gla­mour que ha­vi­am de ca­rac­te­ri­zar o seu dia a dia. Aos 21 anos, quan­do foi “des­co­ber­ta”, es­ta­va a es­tu­dar mú­si­ca clás­si­ca e nun­ca ti­nha an­da­do de avião. Co­mo a pró­pria as­su­miu mais tar­de, foi uma la­te blo­o­mer, ou se­ja, já ti­nha “a ca­ra e o cor­po que vi­ria a ter, não era uma te­e­na­ger de 14 anos em de­sen­vol­vi­men­to”. Já era Malgosia, a be­la. Des­ses tem­pos guar­da bo­as re­cor­da­ções: “Um dos meus pri­mei­ros tra­ba­lhos foi uma cam­pa­nha pa­ra a Jil San­der fo­to­gra­fa­da pe­lo Da­vid Sims, em 1999. Tu­do era di­fe­ren­te na al­tu­ra e o mais im­por­tan­te é que não ha­via fo­to­gra­fia di­gi­tal. Ago­ra pa­re­ce-me que tí­nha­mos mui­to mais tem­po…”

Aos 39 anos, com um fi­lho se­mi­a­do­les­cen­te e uma car­rei­ra pa­ra­le­la no ci­ne­ma, con­ti­nua a ser uma das mo­de­los mais re­qui­si­ta­das da in­dús­tria (é re­gu­lar nas pá­gi­nas da Vo­gue Pa­ris, da Vo­gue Ita­lia e da Self Ser­vi­ce), e faz par­te da re­du­zi­da lis­ta de íco­nes da in­dús­tria, de acor­do com o site Mo­dels.com. Os tra­ba­lhos, no en­tan­to, são es­co­lhi­dos a de­do. “Tu­do de­pen­de da qua­li­da­de do tra­ba­lho. A equipa, o pres­tí­gio ou os be­ne­fí­ci­os fi­nan­cei­ros. Com a con­di­ção, ob­vi­a­men­te, de na­da mais im­por­tan­te es­tar no ca­mi­nho (fa­mí­lia e mo­ti­vos pes­so­ais). Na ver­da­de é bas­tan­te sim­ples.” Nes­te ca­so, foi mes­mo bas­tan­te sim­ples. pe­sar do frio, a ses­são pa­ra a Vo­gue cor­reu bem. “Foi rá­pi­do. Es­tá­va­mos des­pa­cha­dos em du­as ho­ras, sig­ni­fi­ca que éra­mos uma boa equipa.” Se­rá es­te o se­gre­do pa­ra a sua lon­ge­vi­da­de? Es­ta se­re­ni­da­de com que abor­da ca­da ques­tão? “Não há se­gre­dos… É uma com­bi­na­ção de bom ti­ming, sor­te e tra­ba­lho ár­duo. Ne­nhu­ma des­sas coi­sas fun­ci­o­na­ria por si pró­pria.” Os des­fi­les, por exem­plo, não a se­du­zi­ram o su­fi­ci­en­te e há mui­to que aban­do­nou as pas­se­rel­les. “As pas­se­rel­les, de­fi­ni­ti­va­men­te, não são pa­ra mim. Por mais que gos­te de es­tar à fren­te das câ­ma­ras, a mi­nha con­fi­an­ça de­sa­pa­re­ce quan­do vou des­fi­lar… Es­tou mui­to fe­liz por ter dei­ta­do is­so pa­ra trás das cos­tas!” Fi­cou a re­pre­sen­ta­ção, em to­das as su­as for­mas. E aí te­ve co­mo pro­fes­sor o mes­tre en­tre os mes­tres: Ri­chard Ave­don. “O que pos­so di­zer? Um dos melhores fo­tó­gra­fos e re­tra­tis­tas de sem­pre. Um no­me fun­da­men­tal quan­do se trata de fo­to­gra­far rou­pa. Um ho­mem fan­tás­ti­co, dó­cil e ge­ne­ro­so que me en­si­nou mui­to so­bre o meu tra­ba­lho e co­mo fa­zê-lo bem.” Ami­go, co­le­ga e ob­je­to de es­tu­do, já que quan­do che­gou a ho­ra de es­cre­ver a sua te­se de mes­tra­do (em An­tro­po­lo­gia Cul­tu­ral) Malgosia es­co­lheu pa­ra um dos te­mas Fo­to­gra­fia e Ri­chard Ave­don, o ho­mem que ama­va as mu­lhe­res. Em tem­pos afir­mou que o seu tra­ba­lho era “tor­nar o tra­ba­lho do fo­tó­gra­fo mais sim­ples”. Foi tam­bém com o gi­gan­te ame­ri­ca­no que apren­deu a re­du­zir-se a es­ta sim­pli­ci­da­de? “Man­te­nho es­sa afirmação. O pa­pel de uma mo­de­lo é tam­bém tor­nar o tra­ba­lho de to­da a gen­te mais sim­ples. As­si­mi­lar to­do o con­cei­to de uma ima­gem. Fa­zer com que a rou­pa, o sty­ling, o ca­be­lo, a maquilhagem, e, no fim, to­da a ima­gem pa­re­çam cre­dí­veis.” La­te blo­o­mer, mas nem por is­so me­nos mag­ní­fi­ca.

Quan­do era miú­da, vi um vi­de­o­clip na MTV que re­su­mia tu­do o que sig­ni­fi­ca­va Mo­da pa­ra mim. Era o Fre­e­dom do Ge­or­ge Mi­cha­el.

Pa­ga va­lo­res as­tro­nó­mi­cos a um pu­blic re­la­ti­ons/agên­cia in­ter­na­ci­o­nal, mas tam­bém tem re­ce­bi­do um apoio inu­si­ta­do da in­dús­tria do Nor­te do nos­so país que fi­nal­men­te se es­tá a abrir pa­ra a cri­a­ção na­ci­o­nal. O seu ate­liê de con­fe­ção é na Figueira da Foz, ou­tras pe­ças são fei­tas mais a nor­te em sí­ti­os di­fe­ren­tes. “Mui­tos in­dus­tri­ais já per­ce­be­ram que o ni­cho é o ca­mi­nho do fu­tu­ro. Es­ta coi­sa da mas­si­fi­ca­ção, do pa­co­te, do ma­go­te, da car­nei­ra­da, es­toi­ra com tu­do, a co­me­çar pe­los tra­ba­lha­do­res. Ain­da pre­va­le­ce, por­que de­mo­ra al­gum tem­po pa­ra a cons­ci­ên­cia ser mai­or.” Quan­do dá au­las, na Es­co­la de Mo­da ESART diz aos seus alu­nos, a pro­pó­si­to do pú­bli­co-al­vo: “Ago­ra não se sa­be bem, já não con­si­go fa­lar em ida­des, mas pen­so num pos­sí­vel li­festy­le.” E quem é o seu pú­bli­co? “São sem­pre pes­so­as mui­to in­for­ma­das, que pes­qui­sam, olham, vi­a­jam (tam­bém na sua ca­be­ça, no com­pu­ta­dor, no telemóvel) e têm a ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber ou­tras cul­tu­ras e ma­nei­ras de es­tar. E cul­ti­vam is­so. Se­rão, ine­vi­ta­vel­men­te, mais sen­so­ri­ais e gos­tam das áre­as da cul­tu­ra, qu­an­to mais não se­ja por afi­ni­da­de. Pes­so­as que pro­cu­ram es­sa in­di­vi­du­a­li­da­de, distinguir-se e des­ta­car-se, mar­car a di­fe­ren­ça.” E o que en­si­na ela às ge­ra­ções vin­do­ras? “Apren­di a gos­tar mui­to de dar au­las, par­ti­lho com eles an­gús­ti­as, os me­dos, as ale­gri­as, pro­je­to fra­gi­li­da­des. Às ve­zes pa­ra­mos a au­la e con­ver­sa­mos so­bre o mun­do, a nos­sa área. E di­go-lhes: ‘Se não ti­ve­rem espírito de sacrifício e ten­ta­rem ter uma iden­ti­da­de e se des­ta­ca­rem, não vão ser na­da.’ Tam­bém lhes pe­lo do pra­zer que é lu­tar e ter cer­tas con­quis­tas. Lu­tei sem­pre so­zi­nha, nun­ca per­ten­ci a lob­bi­es, por is­so quem tem de se lem­brar de mim, con­ti­nua a lem­brar.

Es­ta­mos a vi­ver uma épo­ca de mu­dan­ças, fins de ci­clo e re­co­me­ços. “O ano 2016 foi de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção do que és e do que que­res pro­je­tar. Ago­ra é o iní­cio de tu­do, es­ta­mos a co­me­çar a ca­mi­nhar de no­vo, vêm as co­lhei­tas das se­men­tei­ras que fo­ram fei­tas.” Es­pe­ra, na­tu­ral­men­te, que 2017 so­li­di­fi­que e con­cre­ti­ze a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, pa­ra que pos­sam nascer no­vos pro­je­tos. “Vou tra­ba­lhar mui­to!”, diz no sor­ri­so em par que lhe co­nhe­ce­mos. “E is­so não tem de me­ter me­do. Não sei fa­zer mais na­da. Ti­ve qua­tro di­as de férias e dei por mim a ar­ru­mar o quar­to do ho­tel”, ri-se.

E do que pre­ci­sa a Mo­da na­ci­o­nal?, per­gun­ta­mos. “De me­nos tro­nos e de me­nos ilhas”, res­pon­de sem he­si­tar. Ale­xan­dra Moura não é uma out­si­der, mas, da mes­ma for­ma, tam­bém não faz ques­tão de per­ten­cer, es­tar em fes­tas, dar-se com as pes­so­as cer­tas e em­pres­tar rou­pa a su­pos­tos fa­mo­sos, e escolhe ca­da en­tre­vis­ta que dá. “Tem de ha­ver um cui­da­do na ex­po­si­ção das tu­as coi­sas. Tem de fa­zer sen­ti­do na­que­le mo­men­to.” Uma per­so­na­li­da­de co­mo a sua já te­ria de­sis­ti­do do País, mas ela sem­pre quis fi­car, cha­mem-lhe tei­mo­sia, espírito de mis­são, ide­a­lis­mo, po­e­sia. “Não sei se fiz bem ou mal, mas te­nho a mi­nha vi­da aqui.” E ago­ra ain­da mais, des­de que é mãe de fa­mí­lia: “É mui­to du­ro con­ci­li­ar tu­do, ca­sa, tra­ba­lho, mas é mui­to im­por­tan­te. E pro­va­vel­men­te o Ro­dri­go vai gos­tar de sa­ber que a mãe lu­tou pe­los ide­ais de­la.” Ao mes­mo tem­po, ali, na­que­la se­cre­tá­ria, jun­to à ja­ne­la com vis­ta so­bre uma Lis­boa ir­re­gu­lar e sim­ples, jun­to aos cha­ri­ots da sua rou­pa e a uma pe­que­na me­sa co­ber­ta de es­quis­sos on­de re­pou­sa um vi­nil dos The Smiths, a ar­tis­ta rein­ven­ta-se. Uma e mui­tas ve­zes. “Pre­ci­so mui­to de se­re­ni­da­de men­tal”, diz, “da mi­nha fa­mí­lia, de es­tar na na­tu­re­za e de es­tar com os meus ami­gos que não per­ce­bem na­da de Mo­da”. l PB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.