CON­VER­SA DE RA­PA­RI­GAS.

VOGUE (Portugal) - - Portada - Por Ch­loe Mal­le.

Girls es­tá na sua úl­ti­ma tem­po­ra­da e deixa-nos cin­co anos de re­a­lis­mo e di­ver­são. Por Ch­loe Mal­le.

No mo­men­to em que Girls, a sé­rie au­daz, hi­la­ri­an­te e ino­va­do­ra de Le­na Du­nham, em­bar­ca na úl­ti­ma tem­po­ra­da, ela e as su­as com­pa­nhei­ras re­fle­tem so­bre os al­tos e os bai­xos de cres­cer no ecrã.

Le­na Du­nham co­nhe­ce bem os su­per­la­ti­vos. Es­tão 27 ºc e não há nu­vens no céu nes­te dia de se­tem­bro em que nos en­con­tra­mos com a cri­a­do­ra e es­tre­la de Girls no Atlan­tic Ter­ra­ce Mo­tel em Mon­tauk, No­va Ior­que. Du­nham, num fa­to de mergulho de man­ga com­pri­da cor-de-ro­sa Bar­bie e com o ca­be­lo aco­bre­a­do apa­nha­do num car­ra­pi­to no al­to da ca­be­ça, es­tá a re­a­li­zar o pri­mei­ro epi­só­dio da úl­ti­ma tem­po­ra­da da sua fa­bu­lo­sa sé­rie, que se­rá emi­ti­do no dia 12 de fe­ve­rei­ro. Os seus apon­ta­men­tos são pon­tu­a­dos por afir­ma­ções de che­er­le­a­der: “Fan­tás­ti­co, fan­tás­ti­co! Não po­dia ter si­do me­lhor!” Pa­ra con­tro­lar o ca­lor e não so­frer hi­per­ter­mia, tem uma bol­sa de ge­lo na cai­xa de pri­mei­ros so­cor­ros no meio do pei­to e os seus Pu­ma pe­lu­dos ar­ra­nham o chão en­quan­to ela tran­si­ta de trás pa­ra a fren­te da câ­ma­ra. “As­sim que eu des­pir a par­te de ci­ma, tu fi­cas dis­traí­do”, diz ela ao ator-con­vi­da­do Riz Ah­med, aca­ba­do de sair de The Night Of, que in­ter­pre­ta um ins­tru­tor de surf per­ple­xo com as tra­pa­lha­das da per­so­na­gem de Du­nham, Han­nah Hor­vath.

Da­qui a uma se­ma­na, o seu fe­ed de Ins­ta­gram iniciará um lu­to ex­tra­va­gan­te pe­lo fim da sé­rie, mas por en­quan­to o am­bi­en­te é ale­gre e fa­mi­li­ar. “Tens uma lis­ta de ce­nas no bol­so ou es­tás só fe­liz por me ver?”, per­gun­ta a um mem­bro da equipa téc­ni­ca que res­pon­de mos­tran­do-lhe a lis­ta. “Es­tá tu­do bem na al­deia?”, per­gun­ta de se­gui­da ao as­sis­ten­te de re­a­li­za­ção. A al­deia é o acam­pa­men­to mon­ta­do no ou­tro la­do do mo­tel, on­de a pro­du­to­ra exe­cu­ti­va da sé­rie, Jen­ni Kon­ner, e a sua equipa es­tão co­la­dos aos mo­ni­to­res. Eles res­pon­dem: “Tu­do bem!”, em co­ro. Mo­men­tos mais tar­de, avan­çam pa­ra ou­tra ce­na. “OK”, diz o téc­ni­co da mis­tu­ra de som a um co­le­ga. “Sei que is­to vai aca­bar, mas te­re­mos sem­pre Mon­tauk.”

Foi há qua­se cin­co anos que os es­pec­ta­do­res vi­ram pe­la pri­mei­ra o al­ter ego de Du­nham no pe­que­no ecrã: Han­nah, a jo­vem as­pi­ran­te a escritora, de 24 anos, cu­jo nar­ci­sis­mo dis­pli­cen­te só é equi­pa­ra­do à sua ansiedade es­ma­ga­do­ra. Ela e as ami­gas apre­sen­ta­ram uma ima­gem sem fil­tros do des­con­for­to vi­vi­do pe­los mil­len­ni­als de clas­se mé­dia: Shoshan­na, a in­gé­nua ma­nía­ca in­ter­pre­ta­da por Zo­sia Ma­met; Jes­sa, o pro­ver­bi­al espírito li­vre que che­ga du­as ho­ras atra­sa­da a um jan­tar em sua hon­ra “com um vestido-co­ber­tor fa­bu­lo­so com­pra­do num mer­ca­do gre­go qual­quer”, de­sem­pe­nha­da por Je­mi­ma Kir­ke; e Mar­nie (Al­li­son Wil­li­ams), a me­ni­na res­pon­sá­vel, com um guar­da-rou­pa Ann Tay­lor, o ba­ró­me­tro que me­de a in­fe­li­ci­da­de das ou­tras, e cu­jas frus­tra­ções ser­vem fre­quen­te­men­te de es­pe­lho às dos es­pec­ta­do­res.

Faz exa­ta­men­te cin­co anos es­ta se­ma­na que o quar­te­to de atri­zes, en­tão des­co­nhe­ci­das, se sen­tou no ban­co-ca­pi­to­né no can­to do Ca­fé Co­let­te, em Wil­li­ams­burg, pa­ra a sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta so­bre a sé­rie, ain­da por es­tre­ar, da HBO. As com­pa­ra­ções com o gru­pi­nho de Car­rie Bradshaw eram ine­vi­tá­veis. “Não é o no­vo Se­xo e a Ci­da­de”, dis­se Du­nham na al­tu­ra. “Es­tas per­so­na­gens vi­ram es­sa sé­rie e é pro­vá­vel que ela te­nha in­flu­en­ci­a­do a for­ma co­mo se com­por­tam em No­va Ior­que, mas a sua re­a­li­da­de é ex­tre­ma­men­te di­fe­ren­te.” Ao con­trá­rio das su­as pre­de­ces­so­ras mais gla­mo­ro­sas, cu­jos Ma­no­los em ce­tim emer­gem de car­ros com mo­to­ris­ta na aber­tu­ra do Tao, es­tas jo­vens apa­nham o com­boio da li­nha L pa­ra ra­ves em Bushwick com vestidos de cam­braia da Forever 21.

Mas no pre­ci­so ins­tan­te em que co­me­çá­va­mos a in­ter­ro­gar-nos se as per­so­na­gens es­ta­ri­am con­de­na­das a afo­gar-se no seu pró­prio so­lip­sis­mo, a sé­rie co­me­çou a ex­pan­dir-se. Quan­do che­gou à acla­ma­da quin­ta tem­po­ra­da, as ra­pa­ri­gas es­ta­vam a ir a sí­ti­os que nós, e tal­vez nem mes­mo Du­nham, nun­ca tí­nha­mos ima­gi­na­do: Shoshan­na ao Ja­pão; Mar­nie a Chi­na­town, des­cal­ça e com o co­ra­ção par­ti­do.

“Eu e a Mar­nie éra­mos mui­to pa­re­ci­das no iní­cio, mas co­me­çá­mos ra­pi­da­men­te a se­guir ca­mi­nhos se­pa­ra­dos”, diz Wil­li­ams, en­ro­la­da no so­fá ao la­do das su­as co­le­gas num es­tú­dio em Red Ho­ok pa­ra a sua se­gun­da ses­são fo­to­grá­fi­ca pa­ra a Vo­gue, “mas tem ha­vi­do al­guns pa­ra­le­los in­crí­veis, co­mo dois ca­sa­men­tos no mes­mo ano – um dos quais foi um de­sas­tre de pro­por­ções épi­cas e que aca­bou num di­vór­cio rá­pi­do e in­fi­de­li­da­de”.

“O ca­sa­men­to de­la na vi­da re­al”, co­men­ta, im­pá­vi­da, Du­nham que tem sen­ti­do um pra­zer le­gí­ti­mo em ex­plo­rar as ator­men­ta­das in­cur­sões das su­as per­so­na­gens na vi­da adul­ta. A da­da al­tu­ra na ter­cei­ra tem­po­ra­da, Shoshan­na con­ven­ce Han­nah e o seu na­mo­ra­do vai-e-vem Adam (Adam Dri­ver) a jo­ga­rem Ver­da­de ou Con­sequên­cia nu­ma vi­a­gem de car­ro. Adam não co­nhe­ce o jo­go. “Ver­da­de ou Con­sequên­cia é um dos jo­gos mais di­ver­ti­dos do mun­do”, ex­pli­ca Han­nah. “É o jo­go que en­si­na as cri­an­ças a por­ta­rem-se co­mo adul­tos.”

Es­ta evo­lu­ção tam­bém acon­te­ceu fo­ra do ecrã. Co­mo diz Ma­met: “Ti­ve­mos opor­tu­ni­da­de de fa­zer mu­dan­ças e me­ta­mor­fo­ses cri­a­ti­vas nas nos­sas vi­das pes­so­ais e acho que os nos­sos es­pec­ta­do­res tam­bém.” “Quer di­zer, só as his­tó­ri­as con­ta­das pe­lo ca­be­lo da Zo­sia, tem­po­ra­da atrás de tem­po­ra­da…” Du­nham olha pa­ra ela, ma­ra­vi­lha­da. O afe­to que sen­tem uma pe­la ou­tra – e pe­las su­as ho­mó­lo­gas fic­ci­o­nais – é pal­pá­vel. “Es­tão cons­tan­te­men­te a di­zer-me que não é pos­sí­vel gos­tar des­tas per­so­na­gens e eu pen­so: ‘Mas o que que­rem di­zer com is­so?’”, diz Du­nham. “Wal­ter Whi­te e Tony So­pra­no ma­ta­vam, li­te­ral­men­te, pes­so­as e to­da a gen­te di­zia ‘ado­ro-os’. Tu­do o que nós fa­ze­mos é ser mal­cri­a­das e con­su­mir dro­gas de vez em quan­do, e não é pos­sí­vel gos­tar de nós?!”

“E o Dex­ter?”, per­gun­ta Wil­li­ams, em tom de go­zo.

“Quan­do ti­ve a pri­mei­ra reu­nião com a HBO e me per­gun­ta­ram ‘o que quer fa­zer?’, eu res­pon­di: ‘não ve­jo nin­guém pa­re­ci­do co­mi­go ou de quem eu gos­te na te­le­vi­são’”, ex­pli­ca Du­nham. “E ago­ra – não es­tou a di­zer que fo­mos nós que co­me­çá­mos, por­que acho que es­ta­mos a vi­ver num mo­vi­men­to zeit­geisty nes­sa di­re­ção – mas en­tre Amy Schu­mer, Bro­ad City e Mindy Ka­ling, is­so mu­dou.” O pro­du­tor exe­cu­ti­vo Judd Apa­tow re­su­me as coi­sas com a se­guin­te fra­se: “Ela al­te­rou com­ple­ta­men­te a pai­sa­gem. Há imen­sa te­le­vi­são fan­tás­ti­ca fei­ta no en­cal­ço de Girls. Não ha­via qual­quer pre­ce­den­te pa­ra aque­le ní­vel de ho­nes­ti­da­de e ou­sa­dia.”

Ab­bi Ja­cob­son, de Bro­ad City, con­cor­da que Du­nham deu iní­cio a um no­vo mo­men­to: “A Le­na foi uma das pri­mei­ras de uma va­ga de cri­a­do­res que es­cre­vi­am e in­ter­pre­ta­vam o seu pró­prio ma­te­ri­al.” Até os no­mes das sé­ri­es atu­ais – In­si­de Amy Schu­mer, The Mindy Pro­ject – con­fir­mam que elas co­me­çam e aca­bam com a sua cri­a­do­ra e pro­ta­go­nis­ta. “Acho que as pes­so­as que me são mais pró­xi­mas es­tão far­tas das pes­so­as ar­ru­ma­di­nhas, com as su­as vi­das ar­ru­ma­di­nhas que se ir­ri­tam por­que o ma­ri­do não ar­ru­mou a rou­pa lavada ou não dei­tou o li­xo fo­ra”, diz Schu­mer, atriz con­vi­da­da de Girls que par­ti­ci­pou ori­gi­nal­men­te nu­ma audição pa­ra o pa­pel de Shoshan­na e cu­ja sé­rie có­mi­ca de sket­ches atre­vi­dos se­gue cla­ra­men­te es­te ethos. “É di­ver­ti­do ver as pes­so­as se­rem des­pe­di­das e atin­gi­das por es­per­ma.”

Des­de os pri­mór­di­os que o se­xo foi fre­quen­te, es­tra­nho e ex­plí­ci­to em Girls, dan­do ori­gem tan­to a crí­ti­cas ace­sas co­mo a pa­la­vras de gra­ti­dão. Do quar­to à ba­nhei­ra, Han­nah sem­pre es­te­ve mui­to à von­ta­de com mos­trar tu­do. Des­de Olym­pia, de Ma­net, que a exi­bi­ção de um cor­po fe­mi­ni­no não sus­ci­ta­va tan­ta po­lé­mi­ca. “Le­na é um pára-rai­os. A sé­rie é um pára-rai­os”, diz Kon­ner. A há­bil om­ni­pre­sen­ça de Du­nham nas re­des so­ci­ais tam­bém a pôs de­bai­xo de fo­go. “O le­ma de Le­na é ‘vi­ven­do e apren­den­do’, e acho que por ve­zes a ve­lo­ci­da­de com que as coi­sas vêm na nos­sa di­re­ção nos faz sen­tir co­mo ‘ah, es­tá bem’, e de­pois ela che­ga e con­ta a ver­são de­la e diz: ‘Mal­ta, eu nem se­quer me aper­ce­bi do que es­ta­va a fa­zer.’”

“Al­te­rou com­ple­ta­men­te a pai­sa­gem. Há imen­sa te­le­vi­são fan­tás­ti­ca fei­ta no en­cal­ço de Girls. Não ha­via qual­quer pre­ce­den­te pa­ra aque­le ní­vel de ho­nes­ti­da­de e ou­sa­dia.”judd

Apa­tow

on­ner re­fe­re-se à po­lé­mi­ca ge­ra­da pe­las su­po­si­ções de Du­nham nu­ma en­tre­vis­ta a Lenny Let­ter so­bre a fal­ta de in­te­res­se que de­mons­trou por ela o seu com­pa­nhei­ro de me­sa no bai­le do Me­tro­po­li­tan, Odell Beckham Jr., se­gui­das ra­pi­da­men­te de um pe­di­do de des­cul­pas no Ins­ta­gram.

Foi o ti­po de pos­tu­ra hu­mil­de que ela tam­bém as­su­miu em re­a­ção às crí­ti­cas ini­ci­ais à fal­ta de di­ver­si­da­de na sé­rie. “Apren­de­mos bem e de­pres­sa”, diz Kon­ner. “Aqui­lo trans­for­mou a nos­sa ma­nei­ra de pen­sar em re­la­ção a to­dos os ele­men­tos das con­tra­ta­ções.” Os pro­du­to­res con­tri­buí­ram pa­ra a po­lé­mi­ca ao apre­sen­ta­rem a per­so­na­gem do hips­ter re­pu­bli­ca­no de Do­nald Glo­ver co­mo na­mo­ra­do de cur­ta du­ra­ção de Han­nah na se­gun­da tem­po­ra­da. Sem­pre hou­ve uma au­to­cons­ci­ên­cia iró­ni­ca na for­ma co­mo a sé­rie li­da com o es­cru­tí­nio cons­tan­te. Na quar­ta tem­po­ra­da, por exem­plo, quan­do Han­nah fra­cas­sa co­mo pro­fes­so­ra subs­ti­tu­ta, as pa­la­vras “os er­ros são os por­tais da des­co­ber­ta”, de Ja­mes Joy­ce, es­tão im­pres­sas so­bre o qua­dro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.