Pi­sar o RIS­CO

VOGUE (Portugal) - - Tendência - Por Ana Mur­cho.

Se de­pen­der da Mo­da, na pró­xi­ma es­ta­ção va­mos an­dar pe­los ares, tan­tos fo­ram os sti­let­tos e com­pen­sa­dos que des­fi­la­ram nas pas­se­rel­les. Mas tam­bém há chi­ne­los ul­trar­ra­sos e sa­bri­nas mi­ni­ma­lis­tas. Afi­nal, on­de fi­ca o meio-ter­mo?

Não há na­da no­vo pa­ra es­cre­ver so­bre sa­pa­tos e há tu­do de no­vo pa­ra es­cre­ver so­bre sa­pa­tos. Co­mo as pai­xões as­so­la­pa­das, os sa­pa­tos são o aces­só­rio in­fi­ni­to, a his­tó­ria ina­ca­ba­da, o ví­cio in­cu­rá­vel. Ne­nhu­ma mu­lher tem de­ma­si­a­dos pa­res de sa­pa­tos, da mes­ma for­ma que ne­nhu­ma mu­lher tem, ou te­ve, de­ma­si­a­das his­tó­ri­as de (des)amor. En­tre sal­tos al­tís­si­mos que nun­ca sa­em do ar­má­rio, mas que te­rão o seu mo­men­to de gló­ria num sá­ba­do à noi­te apo­ca­líp­ti­co e ténis de co­res gar­ri­das que com­pe­tem com All Star de uma vi­da, vi­ve­mos en­tre três pa­res de an­kle bo­ots e ten­ta­mos es­con­der os 37 pa­res di­fe­ren­tes que ame­a­çam des­truir a nos­sa ten­ta­ti­va “me­nos é mais”. E nis­to che­ga­mos à pri­ma­ve­ra de 2017, a que­rer tu­do no­vo ou­tra vez.

Di­re­ta­men­te do Olim­po da Mo­da, sur­ge-nos Ales­san­dro Michele com pla­ta­for­mas que ju­rá­mos nun­ca mais cal­çar (re­pa­rou que um dos mo­de­los é o fa­mo­so lo­a­fer da Gucci com mais uns cen­tí­me­tros?) e bo­tas em pe­le e vi­nil (apa­ren­te­men­te são san­dá­li­as, mas só apa­ren­te­men­te) que res­pon­dem aos nos­sos mai­o­res de­se­jos de ge­ek do­mi­na­trix, Dem­na Gva­sa­lia com bo­tas-cal­ça em ne­o­pre­no, o su­pras­su­mo do sexy, e Anthony Vac­ca­rel­lo com sti­let­tos ver­ti­gi­no­sos – e de­li­ci­o­sos. Se­rá que a Gucci, a Ba­len­ci­a­ga e a Saint Lau­rent se uni­ram pa­ra nos tra­mar? Cal­ma, há sal­tos pa­ra to­das. Se há al­guém que sa­be do as­sun­to é Tha­lia Tse­re­ve­gou, Senior Fo­otwe­ar Buyer no Net-a-por­ter, a quem pe­di­mos aju­da. “Es­ta tem­po­ra­da é so­bre o re­gres­so da fe­mi­ni­li­da­de. O sal­to sexy dos sti­let­tos re­gres­sou em gran­de às pas­se­rel­les. Ado­ra­mos os sa­pa­tos YSL com o sal­to em for­ma de lo­go e as san­dá­li­as com la­ços da Off Whi­te, usa­das com mei­as de brilhantes. Os kit­ten he­els tam­bém re­gres­sa­ram em for­ça, prin­ci­pal­men­te em ce­tim ou com de­ta­lhes nos tor­no­ze­los, co­mo fi­ve­las ou ti­ras fi­ni­nhas. Es­ti­ve­ram em vá­ri­os des­fi­les, co­mo Al­tu­zar­ra, Ale­xan­der Wang ou Ve­te­ments. Pa­ra es­ti­los mais práticos, os chi­ne­los de pis­ci­na vi­e­ram pa­ra fi­car e são, sem dú­vi­da, o item de cul­to da es­ta­ção. Ado­rei o mo­de­lo ul­tra­or­na­men­ta­do da Lan­vin, uma óti­ma op­ção que nos le­va do dia pa­ra a noi­te.” Mas não fa­lá­va­mos de sexy­ness e de­vas­si­dão? Co­mo as­sim chi­ne­los de pis­ci­na e flip flops? “A Mo­da sem­pre ex­pres­sou a in­di­vi­du­a­li­da­de, as tendências que in­flu­en­ci­am as co­le­ções de ho­je são vas­tas. Do stre­et sty­le aos anos 80 e 90, os des­fi­les re­fle­tem a di­ver­si­da­de e o es­pec­tro de es­ti­los que as mu­lhe­res pro­cu­ram.”

E as mu­lhe­res pro­cu­ram os sa­pa­tos al­tís­si­mos da Ken­zo, sim, mas tam­bém as bo­tas fu­tu­ris­tas da Cha­nel e da Di­or, as sa­bri­nas ul­trar­ra­sas de Nar­ci­so Ro­dri­guez e Hai­der Ac­ker­mann e, con­ve­nha­mos, os chi­ne­los Dol­ce & Gab­ba­na, que dão um no­vo sig­ni­fi­ca­do à ex­pres­são “ho­je acor­dei as­sim”. Cha­mem-lhe in­di­vi­du­a­li­da­de, per­so­na­li­da­de, von­ta­de, o que pre­fe­ri­rem, mas a Mo­da con­ju­ga-se ca­da vez mais na pri­mei­ra pes­soa e exis­te além da for­ça das tendências – o cli­ché “é tu­do uma ques­tão de gos­to” nun­ca fez tan­to sen­ti­do. Mal as tem­pe­ra­tu­ras su­bam o ter­re­no a pi­sar é vas­to. Tha­lia Tse­re­ve­gou des­ta­ca as mu­les da At­ti­co e os pumps da co­la­bo­ra­ção Ve­te­ments X Ma­no­lo Blah­nik. Na nos­sa lis­ta es­tão as pla­ta­for­mas im­pos­sí­veis de Marc Ja­cobs, a ver­são mais con­ti­da da Miu Miu e qual­quer cor das bo­tas-cal­ça da Ba­len­ci­a­ga. Tam­bém acei­ta­mos en­tre­gas dos já men­ci­o­na­dos sti­let­tos Saint Lau­rent, e os ténis con­ti­nu­a­rão a ser a me­lhor op­ção pa­ra as ca­su­al Fri­days. Ténis? Aguen­ta­rão o ata­que do sa­pa­tos-de­se­jo? “Em­bo­ra an­te­ci­pe­mos que es­sa ten­dên­cia pos­sa acal­mar, os ténis não mos­tram si­nal de abran­da­men­to. As nos­sas cli­en­tes não se can­sam dos mo­de­los Su­per Star, da Gol­den Go­o­se, e dos Ori­gi­nal Achil­les, da Com­mon Pro­jects”, ex­pli­ca Tha­lia. Sa­pa­tos, sem­pre os sa­pa­tos. Es­ses de quem Ma­don­na dis­se se­rem melhores que o se­xo. Ape­nas, e só, por­que du­ram mais tem­po. l

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.