Mica Ar­ga­na­raz

VOGUE (Portugal) - - Modelos -

Quan­do não es­tá a des­fi­lar pa­ra Karl La­ger­feld (en­tre Cha­nel e Fen­di, a mo­de­lo já faz par­te do se­le­to gru­po de pre­fe­ri­das do kai­ser, ao pon­to de po­der di­zer-nos: “Não po­de ima­gi­nar to­das as coi­sas que ele sa­be, é uma pes­soa cheia de co­nhe­ci­men­to”), Mica Ar­ga­na­raz di­ver­te-se com Binx Wal­ton e Ju­lia No­bis, ofi­ci­o­sa­men­te o gang de ra­pa­ri­gas mais co­ol da Mo­da. São elas que as­su­mem o pa­pel prin­ci­pal no Ins­ta­gram da ar­gen­ti­na, fo­to após fo­to, re­fle­xo des­se le­ma “apro­vei­ta ao má­xi­mo” tão pró­prio dos es­pí­ri­tos li­vres, que ar­ras­tam con­si­go mi­lha­res de se­gui­do­res. “Sa­be­mos que a di­ver­são vai ser a do­brar. É sem­pre um pra­zer par­ti­lhar es­tes mo­men­tos com os ami­gos.”

Ca­be­lo des­go­ver­na­do e ma­xi­la­res de so­nho, Mica Ar­ga­na­raz é no­me obri­ga­tó­rio nas pas­se­rel­les Pra­da e nas cam­pa­nhas Louis Vuit­ton de Ni­co­las Ghes­quiè­re. Lon­ge vão os tem­pos em que a “ara­nha” (co­mo lhe cha­ma­vam à cus­ta de bra­ços e per­nas in­fi­ni­tos) não ga­nha­va pon­tos en­tre os ho­mens da sua ter­ra na­tal. Por­que era “de­ma­si­a­do ma­gra”, e is­so era pou­co ape­la­ti­vo aos olhos dos ar­gen­ti­nos. É ago­ra uma Man­go Girl, tal co­mo Kate Moss e Clau­dia Schif­fer an­tes de­la. Co­mo se sen­te por fa­zer par­te des­te clu­be tão es­pe­ci­al? “Su­per­con­ten­te!”, ga­ran­te.

A aven­tu­ra em Mar­ro­cos foi mais uma ex­pe­ri­ên­cia po­si­ti­va a jun­tar à sua car­rei­ra im­pe­cá­vel. “Foi du­ro, mas tra­ba­lhar com a equipa e com a Fred tor­nou tu­do mui­to di­ver­ti­do. Uso rou­pa mui­to co­ol nes­ta cam­pa­nha. Há um fa­to pra­te­a­do, meio ga­lá­ti­co, que ado­ro, e tam­bém um tren­ch co­at ex­tra­lar­go.” Ela, que vi­ve das lu­zes da ri­bal­ta den­tro e fo­ra do pla­te­au, não de­mo­ra mui­to tem­po a fi­car pron­ta de ma­nhã (“Se gos­tar de uma coi­sa, uso-a”) e não en­con­tra ex­pli­ca­ção ra­ci­o­nal pa­ra os seus in­ve­ja­dos ca­ra­cóis: “Não há se­gre­do, é ape­nas o meu ca­be­lo!” Ain­da se lem­bra da pri­mei­ra pe­ça que com­prou com o seu di­nhei­ro, “um par de Con­ver­se, de uma edi­ção es­pe­ci­al, acho eu”, e no que diz res­pei­to a re­gras de Mo­da se­gue du­as: “Man­te­nha-se sim­ples e con­for­tá­vel e não pen­se de­ma­si­a­do so­bre as coi­sas.”

Se qui­ser en­con­trar-se com ela, não a procure na lo­ja mais con­cor­ri­da de Pa­ris ou no cen­tro co­mer­ci­al mais ba­da­la­do de No­va Ior­que. Nos tem­pos li­vres, Mica gos­ta de ler (“Um bom li­vro é sem­pre uma boa for­ma de des­per­tar a cri­a­ti­vi­da­de”) e de ir a ex­po­si­ções. A pró­pria as­su­me que, se não fos­se ma­ne­quim, tal­vez se vi­ras­se pa­ra as ar­tes: “Co­mo ado­ro pin­tar, tal­vez de­sen­vol­ves­se o meu sen­ti­do ar­tís­ti­co.” Por es­tes di­as, no en­tan­to, a fra­se que mais uti­li­za ain­da é: “Ligue ao meu agen­te, es­tou bo­o­ked out!” En­tre­tan­to vai-se ser­vin­do de al­guns tru­ques pa­ra so­bre­vi­ver a uma vi­da nó­ma­da: “Dor­mir o mais pos­sí­vel, ter sem­pre fru­tos se­cos na ma­la e man­ter-me hi­dra­ta­da.” l

Cam­pa­nha Man­go, fe­ve­rei­ro 2017, Mica & Fre­de­rik­ke

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.