RI­CAR­DO PRE­TO, o ide­a­lis­ta

VOGUE (Portugal) - - Televisão -

sto­res na­que­le país. Foi es­co­lhi­do, ele, um in­glês e um ame­ri­ca­no, pa­ra de­se­nhar pa­ra to­do o mer­ca­do asiá­ti­co: li­nhas pa­ra mu­lher e ho­mem e, num ex­clu­si­vo, a U uma co­le­ção-cáp­su­la de as­si­na­tu­ra, as­sim co­mo os aces­só­ri­os de am­bas. Olha­mos à vol­ta e as pa­re­des nu­as são in­ter­rom­pi­das por um enor­me mo­od­bo­ard for­ra­do de pa­pe­li­nhos, te­ci­dos, ano­ta­ções. “Fe­cha­mo-nos aqui, eu e a mi­nha equipa, e é ge­ni­al!” Já en­tre­gou a sua ter­cei­ra “le­va” de co­le­ções, pro­duz seis de seis em seis me­ses. “É mui­to in­ten­so”, con­cor­da, mas to­da aque­la ener­gia o acen­de. Es­tá em cin­co de­part­ment sto­res nas Fi­li­pi­nas, em 25 pon­tos de ven­da, nu­ma no­va es­ca­la: “Ago­ra pos­so ser li­vre cri­a­ti­va­men­te”, diz. Nos pri­mei­ros seis me­ses, já es­tá no top de ven­das. “A mar­ca foi mui­to bem acei­te. Nos pri­mei­ros tem­pos, es­ta­va tão fe­liz que me caíam lá­gri­mas de co­mo­ção a meio do dia.”

Nu­ma con­ver­sa com Paula Re­go, es­ta per­gun­tou-lhe: “Tra­ba­lha qu­an­tas ho­ras por dia?” “O dia to­do”, res­pon­deu. “Faz bem, só as­sim é que um ar­tis­ta con­se­gue”, dis­se-lhe a ar­tis­ta. Ri­car­do já não acre­di­ta no ta­len­to in­com­pre­en­di­do, mas não se es­que­ce que vi­veu anos nes­te ate­liê. Apon­ta pa­ra o can­to on­de dor­mia: “ti­nha um som­mi­er to­do bran­co, com um edre­dão e qua­tro al­mo­fa­das gran­des”, sor­ri. “E guar­da­va a rou­pa aqui”, um ar­má­rio an­ti­go be­lís­si­mo que ocu­pa uma pa­re­de in­tei­ra. “Era um pu­to im­pa­rá­vel.” Ri­car­do co­me­çou, aos 29 anos, a tra­ba­lhar pa­ra Di­no Al­ves (“Ain­da o tra­to por mes­tre, foi a pri­mei­ra pes­soa que me ex­pli­cou o me­ca­nis­mo da Mo­da, e me fez des­lum­brar”) e Os­val­do Mar­tins, ao mes­mo tem­po que fa­zia mon­tras e pro­du­ções de Mo­da. Vi­veu pa­ra o Bair­ro Al­to, on­de se “en­tur­mou” com a ce­na ar­tís­ti­ca e boé­mia, e co­nhe­ceu João Ro­mão com quem re­lan­çou, ao la­do de Di­no, Luís Pe­rei­ra, Isabel Bran­co e Má­rio Ma­tos Ri­bei­ro, as Ma­no­bras de Maio – a sua pri­mei­ra pla­ta­for­ma pa­ra apre­sen­tar uma co­le­ção, e o em­brião do que veio a ser de­pois a Mo­dalis­boa (on­de co­me­çou a des­fi­lar em 2006). “Na al­tu­ra, es­ta­va tão pre­o­cu­pa­do em fa­zer a si­lhu­e­ta Ri­car­do Pre­to que me es­que­cia de fa­zer bol­sos nas pe­ças!”, con­ta.

Do que mais gos­ta é de ver uma mu­lher a pas­se­ar um vestido seu, se­jam as mu­sas Cláudia Efe, Be­a­triz Ba­tar­da, Da­li­la Ro­dri­gues, Isabel Abreu ou Ma­ria João Pi­nho, ou anó­ni­mas. Co­mo em pe­que­no, ado­ra ver as su­as bo­ne­cas nas mãos cer­tas. “Ado­ro mu­lhe­res in­te­li­gen­tes e hi­per­fe­mi­ni­nas, pa­ra mim é o to­po da Be­le­za.” Mas não acre­di­ta na ido­la­tria, nem per­de tem­po com a ce­le­bri­da­de (“Ain­da per­ce­bo uma Lady Ga­ga, mas não uma Kardashian.”) “A mu­lher é mui­to ins­pi­ra­do­ra pa­ra mim, da pos­tu­ra cor­po­ral, da be­le­za, do la­do dark (e até ma­ca­bro)… O ser hu­ma­no é o ex­po­en­te má­xi­mo. Não pos­so dei­xar de gos­tar de pes­so­as.” Ri­car­do Pre­to é um ho­mem-leão que ad­mi­ra a gran­de­za da fron­ta­li­da­de, mas nu­ma so­ci­e­da­de po­li­ti­ca­men­te cor­re­ta, apren­deu a tor­nar-se mais re­ser­va­do. “É um ba­lan­ço que a vi­da nos traz. Mas con­ti­nuo a acreditar no mun­do.”

De vez em quan­do dá au­las nu­ma uni­ver­si­da­de em Var­só­via, e da úl­ti­ma vez fa­lou na ra­pi­dez da Mo­da. “Tens de acom­pa­nhar es­ta má­qui­na, por is­so tem­po é o mai­or lu­xo do sé­cu­lo XXI.” E o que faz pa­ra sa­cu­dir o stress? “Ado­ro cor­rer, é tão vi­ci­an­te; tan­to qu­an­to o se­xo", ri-se. Mas tam­bém faz uma ca­mi­nha­da anu­al, so­zi­nho du­ran­te três di­as, 50 qui­ló­me­tros por dia, até Fá­ti­ma (“mas po­dia ir a Sobral de Mon­te Agra­ço, é o ca­mi­nho que con­ta”): “Pa­ra es­tar co­mi­go, ana­li­so e sin­to a vi­da ple­na. Hu­mil­da­de é a pa­la­vra que pe­ço, e vol­to sem­pre um ho­mem mais cen­tra­do.” Tem um pro­je­to a lon­go pra­zo pa­ra a Ásia, que de­pois se­gui­rá pa­ra ou­tros con­ti­nen­tes. “Não pos­so di­zer mais… só que é um ca­mi­nho ilu­mi­na­do.” Olha­mos lá pa­ra fo­ra os dois e ve­mos ca­va­los a pas­tar. “Ho­je tra­ba­lho tan­to qu­an­to tra­ba­lha­va, mas con­si­go sen­tar-me e re­fle­tir, é tu­do mais pen­sa­do e edi­ta­do. E, sim, é claro que o su­ces­so me atrai, mas vou sem­pre pe­lo que me ins­pi­ra, es­tou mui­to per­to da mi­nha es­sên­cia.” Pau­sa. “Mas quan­do ve­jo um co­lar meu na Vo­gue, o meu des­fi­le, uma en­tre­vis­ta, lem­bro-me sem­pre, mas sem­pre, do prin­cí­pio e co­mo foi im­por­tan­te che­gar aqui. E ser uma pes­soa de bem com a vi­da.” PB

Os olhos de Ri­car­do ga­nham ain­da mais luz jun­to à enor­me ja­ne­la do seu ate­liê nas Olai­as. A ca­ve to­da bran­ca pa­re­ce sus­pen­sa na mol­du­ra de ver­de que en­tra pe­la sa­la, na­tu­re­za ines­pe­ra­da nas tra­sei­ras de pré­di­os so­tur­nos. Pa­re­ce­mos des­cer no al­ça­pão de Ali­ce pa­ra uma su­a­ve nu­vem de con­for­to. Na am­pla se­cre­tá­ria es­tão ve­las, re­vis­tas e os brin­cos da úl­ti­ma es­ta­ção; Ri­car­do ser­ve-nos um chá de jas­mim e es­tá fe­liz. Ali, a sua si­lhu­e­ta re­cor­ta­da na pai­sa­gem, mes­mo ao la­do da sa­la de cor­te e cos­tu­ra, ima­gi­na co­le­ções que ru­mam à Fi­li­pi­nas. É um de­sig­ner de ate­liê, mas ho­je com uma dis­ci­pli­na de pro­du­ção, uma vi­são de mer­ca­do e um pú­bli­co no mun­do. "Que­ro de­se­nhar prêt-à-por­ter, não ser um de­sig­ner de fes­ta.”

Cres­ceu em Bre­jos de Azei­tão, nu­ma “quin­ta que era o meu mun­do”. Re­cor­da as ho­ras es­que­ci­das em que de­se­nha­va bo­ne­cas que de­pois re­cor­ta­va, “ca­da uma ti­nha uma cai­xa com o seu guar­da-rou­pa e os aces­só­ri­os”, que de­pois ofe­re­ci­as às ami­gas, e às fi­lhas das ami­gas dos seus pais: “Ado­ra­va vê-las a brin­car com as mi­nhas coi­sas.” A mãe tra­zia-o a Lis­boa, quan­do vi­nha às ga­le­ri­as do Ritz,“o meu sí­tio pre­fe­ri­do”, ou ar­ran­jar o ca­be­lo à bou­ti­que Ayer, e ele via-se ro­de­a­do pe­las mu­lhe­res mais vi­a­ja­das da al­tu­ra. “Eu ia lá era ver a rou­pa”, ri-se, “e à noi­te dei­ta­va-me com um sor­ri­so de orelha a orelha. Aos 8 anos, pe­di à mi­nha mãe pa­ra me com­prar a Vo­gue”.

Ain­da va­ci­lou pa­ra as Ar­tes-plás­ti­cas, mas es­tu­dou Ar­qui­te­tu­ra, “o mais se­gu­ro”, sor­ri. Na ver­da­de, a sua pai­xão sem­pre foi a Mo­da: “Tu­do o que tem a ver com Mo­da me pre­en­che”, diz. Por is­so, e por­que sem­pre te­ve jei­to pa­ra pe­gar em coi­sas e trans­for­má-las, já le­va 25 anos de sty­ling, vi­tri­nis­mo, vi­su­al mer­chan­di­sing, far­das (pa­ra o Mu­seu Paula Re­go em Cas­cais e ago­ra pa­ra o ho­tel do Bair­ro Al­to pa­ra on­de de­se­nhou “pe­ças in­tem­po­rais ins­pi­ra­das na ar­qui­te­tu­ra e nas co­res de Lis­boa”) e guar­da-rou­pa pa­ra, en­tre ou­tros, o co­reó­gra­fo Rui Horta (“é co­mo se fi­zes­se um des­fi­le de ima­ge-ma­kers”) – e, aci­ma de tu­do, há uma dé­ca­da que o se­gui­mos na Mo­dalis­boa e ago­ra no Por­tu­gal Fashi­on. “Apren­di tu­do o que po­dia apren­der com a in­dús­tria do Nor­te”, con­ta, “fui ter com vá­ri­as pes­so­as e en­con­trei uma que me or­ga­ni­zou o tra­ba­lho. Ho­je, dos ca­der­nos das mi­nhas co­le­ções, sai tu­do”. Ao mes­mo tem­po, es­te­ve na Áus­tria e per­ce­beu que, “se vol­tas­se, já con­se­gui­ria fa­zer ne­gó­cio. O que eu que­ro: ver a mi­nha rou­pa, em no­me pró­prio, nou­tros paí­ses”.

Tu­do co­me­çou a acon­te­cer em ju­lho de 2015, quan­do foi cha­ma­do a No­va Ior­que pa­ra um tra­ba­lho nas Fi­li­pi­nas, na Rus­tan, lí­der das de­part­ment

A mu­lher é mui­to ins­pi­ra­do­ra pa­ra mim, da pos­tu­ra cor­po­ral, da be­le­za, do la­do dark

(e até ma­ca­bro)…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.