Luís Car­va­lho, o so­nha­dor

VOGUE (Portugal) - - Televisão -

le­xan­dra Moura, pri­mei­ro, co­mo pro­fes­so­ra. Ri­car­do Pre­to, de­pois, pa­ra quem tra­ba­lhou co­mo as­sis­ten­te. Pe­lo meio, es­ta­gi­ou com Filipe Faís­ca, que lhe deu os en­si­na­men­tos de ate­liê, e, por fim, acei­tou uma po­si­ção co­mo de­sig­ner na Sal­sa. “Não era o que eu que­ria, mas foi im­por­tan­te fa­zê-lo. Aca­bou por se re­ve­lar es­sen­ci­al pa­ra o meu crescimento pes­so­al e pro­fis­si­o­nal, co­nhe­cer a par­te mais in­dus­tri­al, a par­te co­mer­ci­al, li­dar com for­ne­ce­do­res e ti­mings. Tu­do foi im­por­tan­te pa­ra dar o pas­so a se­guir, que foi cri­ar a mi­nha mar­ca.”

Vol­ta­mos ao du­e­lo de ti­tãs que ima­gi­na­mos mo­rar na ca­be­ça de Car­va­lho: de um la­do do rin­gue, o ho­mem de ne­gó­ci­os ra­ci­o­nal; do la­do opos­to, o so­nha­dor da ta­tu­a­gem, que aca­ba por ven­cer to­dos os com­ba­tes com a ma­gia do ins­tin­to e uma cer­ta po­e­sia de co­ra­ção. “Eu vou to­man­do as de­ci­sões quan­do as sin­to. Eu sen­tia que ti­nha de ser na­que­la al­tu­ra, por­que fa­zia sen­ti­do. Eu sen­tia que fa­zia sen­ti­do.” De­pois de uma pri­mei­ra co­le­ção di­vul­ga­da em lo­ok­bo­ok, che­gou a Mo­dalis­boa. Es­tá­va­mos em 2013, as pa­re­des dos Pa­ços do Con­ce­lho re­tum­ba­vam com Shel­ter, dos The XX, num abri­go es­tam­pa­do de um már­mo­re ex­plo­si­vo, con­tras­ta­do com cin­zen­to e dis­pos­to em ca­ma­das acu­ti­lan­tes de li­nhas retas. Afi­nal, a ar­qui­te­tu­ra sem­pre es­te­ve lá.

Mais de três anos de­pois, Luís Car­va­lho é uma mar­ca. “Tens de te de­di­car mui­to, con­tro­lar tu­do, es­tar sem­pre em ci­ma. Quan­do co­me­cei ti­nha só um es­cri­tó­rio, mas de­pois per­ce­bi que era im­por­tan­te dar o pas­so se­guin­te se­não nun­ca sai­ria da­que­le re­gis­to de apre­sen­tar uma co­le­ção, fa­zer o des­fi­le, ven­der uma ou ou­tra pe­ça e era só is­so. Per­ce­bi que não era ren­tá­vel, não era is­so que que­ria pa­ra a mi­nha vi­da. Por is­so, abri a lo­ja e o ate­liê [em Vizela], con­tra­tei pes­so­as pa­ra tra­ba­lhar co­mi­go. Foi o pró­xi­mo pas­so. Es­te ano con­tra­tei mais uma pes­soa pa­ra ge­rir a mar­ca e me aju­dar com a par­te co­mer­ci­al. Até por­que é pre­ci­so de­le­gar, an­tes era eu que fa­zia tu­do: fa­zia as fo­tos de pro­du­to, con­tac­ta­va as lo­jas, tra­ta­va das ven­das. Pre­ci­so de al­guém que se de­di­que a is­so, pre­ci­so de me in­ter­na­ci­o­na­li­zar. Va­mos ser sin­ce­ros: não se ven­de o su­fi­ci­en­te cá em Por­tu­gal. Eu tra­ba­lho bem no meu ate­liê, a fa­zer rou­pa por me­di­da, mas tam­bém não que­ro ser a cos­tu­rei­ra da ci­da­de.” O pri­mei­ro des­ti­no é Es­pa­nha, “pen­so que te­nho um pro­du­to ca­paz de re­sul­tar em Bar­ce­lo­na e Ma­drid. Vou co­me­çar por aí. Pe­que­nos pas­sos”.

É en­gra­ça­do co­mo as su­as pe­ças conseguem ser uma ma­te­ri­a­li­za­ção qua­se per­fei­ta do seu dis­cur­so: há uma su­a­vi­da­de ro­mân­ti­ca na voz de se­da, flui­da e ren­di­da à emoção, de mãos da­das com cer­te­zas, as­ser­ti­vi­da­des e fra­ses pe­rem­tó­ri­as. Até aque­la bo­la de es­pe­lhos, que con­ti­nu­ou a ro­dar mes­mo de­pois do des­fi­le ter­mi­nar, foi uma afirmação ca­te­gó­ri­ca, uma pro­vo­ca­ção e uma ca­tar­se no fim de uma Mo­dalis­boa expectante que via o seu ca­len­dá­rio re­du­zi­do. “Pen­so sem­pre de­pois de um des­fi­le: ‘E ago­ra? O que é que fa­ço a se­guir?’ Es­tou a tra­ba­lhar na pró­xi­ma co­le­ção e acho que é uma boa jun­ção do que fiz pa­ra a pri­ma­ve­ra com o que te­nho fei­to até aqui. É pre­ci­so dei­xar as pes­so­as em­pol­ga­das.” I.C. Pá­tio da Ga­lé. 9 de ou­tu­bro de 2016. No úl­ti­mo des­fi­le da Mo­dalis­boa, as lu­zes da pas­se­rel­le apa­ga­ram-se e os re­fle­xos in­fi­ni­tos de uma bo­la de es­pe­lhos co­los­sal dan­ça­vam aos pri­mei­ros acor­des de He­art of Glass, que se dis­ten­deu nu­ma per­for­man­ce de 12 mi­nu­tos de Alex D’al­va Tei­xei­ra, em ro­sa to­tal, gui­tar­ra in­cluí­da. “On­ce I had a lo­ve and it was a gas”, e as lu­zes as­cen­di­am, e o des­fi­le de Luís Car­va­lho pa­ra a pri­ma­ve­ra 2017 rom­pia com o que lhe co­nhe­cía­mos, de re­pen­te cheio de cor, de lan­te­jou­las e de um sty­ling de so­bre­po­si­ções – um body me­ta­li­za­do e um slip dress e uma ban­da­na e mei­as aci­ma do jo­e­lho. “Às ve­zes pre­ci­sa­mos de um aba­não e de fa­zer as pes­so­as pen­sar: ‘Ok, ele pas­sou-se. Não tem na­da a ver com o que ele cos­tu­ma fa­zer.’ Cer­to, ti­nha mui­ta cor, mas o de­se­nho es­ta­va lá. O sty­ling e as co­res eram di­fe­ren­tes. Tem de ser, se­não as pes­so­as sen­tam-se e pen­sam: ‘já sei o que vou ver.’” Três me­ses de­pois, es­ta­mos sen­ta­dos na rua das Ja­ne­las Ver­des, ao abri­go da luz, e quan­do Luís ges­ti­cu­la pa­ra apoi­ar o dis­cur­so, as man­gas re­tra­em-se pa­ra re­ve­lar, no an­te­bra­ço di­rei­to, mes­mo a ca­mi­nho do pul­so, “dre­a­mer” es­cri­to na­que­la tin­ta que é pa­ra sem­pre.

Po­de co­me­çar por pa­re­cer um con­tras­sen­so, já que Luís é ex­tre­ma­men­te pru­den­te, cau­te­lo­so, ra­ci­o­nal, “vi mui­tas mar­cas e co­le­gas a co­me­çar, e a ter hy­pe ime­di­a­to, a ter co­ber­tu­ra e su­ces­so, mas pas­sa­do um ano aca­ba­vam por­que não ti­nham es­tru­tu­ra. Da­vam pas­sos mai­o­res do que as per­nas. Sem­pre que to­mo uma de­ci­são, lem­bro-me que não que­ro es­tra­gar o que cons­truí até ago­ra. Que­ro ter es­ta mar­ca por mui­tos anos”. To­da a gen­te lhe diz que o bi­chi­nho co­me­çou com a mãe, “que ti­nha uma con­fe­ção, mas aqui­lo não era Mo­da, era uma fá­bri­ca. Só que eu sem­pre an­dei lá no meio, brin­ca­va com os tra­pos que ela ti­nha pa­ra lá. Não sei se is­so me in­flu­en­ci­ou di­re­ta­men­te ou não. No no­no ano, quan­do ti­ve de decidir o que que­ria fa­zer, fiz os tes­tes psi­co­téc­ni­cos e to­dos eles me di­zi­am pa­ra se­guir Mo­da ou Ar­qui­te­tu­ra. Ar­qui­te­tu­ra sem­pre foi mais ób­vio, por­que des­de pe­que­ni­no que me lem­bro de de­se­nhar plan­tas e cri­ar es­pa­ços. Era uma coi­sa ou ou­tra”. Foi a ou­tra. De­pois da es­co­la pro­fis­si­o­nal, já de Mo­da, que lhe en­si­nou a téc­ni­ca, “li­cen­ci­ei-me em Cas­te­lo Bran­co e sou­be o que que­ria fa­zer. Que­ria ter uma mar­ca pró­pria. É claro que, no iní­cio, o meu con­cei­to era di­fe­ren­te – lá es­tá, quan­do co­me­ças que­res fa­zer tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, não pen­sas no ne­gó­cio, na mar­ca, que­res fa­zer a coi­sa mais es­tra­nha do mun­do e que­res re­vo­lu­ci­o­nar tu­do. De­pois per­ce­bes que con­se­gues fa­zer is­so sem que a rou­pa se­ja uma pa­lha­ça­da”. Tam­bém con­tri­buiu ter a aju­da dos mes­tres, dois de­les com quem par­ti­lha es­te ar­ti­go.

Sem­pre que to­mo uma de­ci­são, lem­bro-me que não que­ro es­tra­gar o que cons­truí até ago­ra. Que­ro ter es­ta mar­ca por mui­tos anos”.

Luis Car­va­lho com ca­sa­co, COS. Isil­da com vestido em se­da, LUÍS CAR­VA­LHO. Brin­cos, H&M.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.