ALE­XAN­DRA MOURA, a ar­tis­ta

VOGUE (Portugal) - - Televisão -

O ate­liê de Ale­xan­dra Moura é uma re­a­li­da­de en­can­ta­do­ra­men­te pa­ra­le­la. Uma sa­la char­mo­sa ao fun­do de um cor­re­dor des­cas­ca­do de te­tos al­tos, an­ti­gos e dig­nos, num pa­la­ce­te no Prín­ci­pe Re­al, o mes­mo que al­ber­ga a Em­bai­xa­da. No bal­cão da Gin Lo­vers nin­guém sa­be quem é Ale­xan­dra Moura, mui­to me­nos que ela tra­ba­lha por ci­ma do bar. Ale­xan­dra ri-se quan­do lhe con­ta­mos o epi­só­dio, há mui­to tem­po que o seu olhar vê mui­to além da pai­sa­gem pre­sen­te. No chão es­tão cai­xas de en­co­men­das pa­ra en­vi­ar pa­ra a Open Ce­re­mony no Ja­pão, a The num­ber 4 no Kuwait, a Bac­kro­om em Xan­gai, a Be­ams no Ja­pão e a Les Fil­les e a Dosha­bu­ri, pla­ta­for­mas de ven­da online. Ale­xan­dra dei­xou a pe­que­na lo­ja que ti­nha na R. D. Pe­dro V, on­de es­te­ve qua­tro anos, pa­ra se de­di­car in­tei­ra ao mun­do. “A lo­ja foi um pas­so su­pe­rim­por­tan­te, on­de nos apro­xi­má­mos do cli­en­te e em tem­po re­al ti­ve­mos

fe­ed­back das co­le­ções. E con­cluí que há mui­ta gen­te in­crí­vel, e com uma avi­dez de sa­ber as es­tó­ri­as que es­tão por trás das coi­sas. Não é um con­su­mi­dor que con­so­me com a fri­e­za do

hy­pe, é cu­ri­o­so: co­mo são fei­tas as coi­sas, co­mo se che­gou à pe­ça e à co­le­ção. É o pú­bli­co pa­ra o qual eu sem­pre achei que es­ta­va a tra­ba­lhar.” Em Por­tu­gal, o tra­ba­lho de Ale­xan­dra ain­da é um ni­cho, mas os es­tran­gei­ros eram atraí­dos pa­ra a sua lo­ja. “As pes­so­as an­dam à pro­cu­ra da di­fe­ren­ça, do que tem de­sign, um con­cei­to e um ro­man­tis­mo, e não é mas­si­fi­ca­do.”

“Fa­ze­mos aqui a mo­de­la­gem e tra­ba­lha­mos os pro­tó­ti­pos em pa­no cru, on­de afi­na­mos os de­ta­lhes, e os mol­des fi­nais já se­guem pa­ra os ate­li­ês ou pa­ra as fá­bri­cas po­de­rem pro­du­zir”, ex­pli­ca-nos, de­pois de nos apre­sen­tar a sua sor­ri­den­te equipa. De­di­car-se ao ate­liê é, se­gun­do Ale­xan­dra, “as­su­mir o amor que que­ro pôr nas coi­sas. É cons­ci­en­te o de­sign, a pes­qui­sa, mas é in­cons­ci­en­te mi­mar, mes­mo, a pe­ça. Às ve­zes até à exaus­tão, mas es­sa car­ga tem uma ener­gia mui­to ro­mân­ti­ca. Sin­to a ne­ces­si­da­de de passar es­se amor, sem ser a al­guém es­pe­cí­fi­co, mas quem com­pra aque­la pe­ça sen­te-o. É co­mo uma men­sa­gem se­cre­ta que es­sa pe­ça le­va a al­guém”, sor­ri. “Acho pi­a­da ao se­cre­tis­mo, não te­mos de pro­var na­da a nin­guém, nem so­mos de apre­go­ar que é um sen­ti­men­to. Mas es­ta vi­da que an­da­mos a vi­ver tem es­pe­vi­ta­do a mi­nha ne­ces­si­da­de de ex­por amor nas coi­sas.”

Es­ta per­so­na­li­da­de ar­tís­ti­ca de Ale­xan­dra Moura, a ge­ne­ro­si­da­de e o per­fec­ci­o­nis­mo que põe em tu­do o que faz es­tão nas su­as co­le­ções. É das de­sig­ners que me­lhor, mais pro­fun­da e in­te­li­gen­te­men­te, re­fle­te so­bre o seu tem­po. “Vi­ve­mos nu­ma es­pé­cie de la­do su­pér­fluo das coi­sas, pa­re­ce ha­ver uma cer­ta hi­po­cri­sia. Ago­ra ex­põe-se tu­do, mas na re­a­li­da­de não se fa­la nas coi­sas. Fa­la-se por tó­pi­cos e tí­tu­los, mas não se fa­la re­al­men­te. Ho­je vi­ve-se o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to e o que fi­ca bem – prin­ci­pal­men­te nas re­des so­ci­ais.” Por is­so, não tem me­do de ir bus­car te­mas con­tro­ver­sos, e que se po­dem tra­du­zir em co­le­ções mais agres­si­vas, se­ja a ins­pi­ra­da no Mi­la­gre das Ro­sas ou com uma men­sa­gem frontal em prol da igual­da­de de gé­ne­ro (que lhe va­leu um prémio de re­co­nhe­ci­men­to: o Prémio Mu­lhe­res Cri­a­do­ras de Cul­tu­ra, dis­tin­ção atri­buí­da pe­la Co­mis­são pa­ra a Ci­da­da­nia e a Igual­da­de de Gé­ne­ro e pe­los ga­bi­ne­tes do se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra e da se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos Par­la­men­ta­res e da Igual­da­de). “O ser hu­ma­no es­tá a per­ce­ber as ca­pa­ci­da­des bru­tais do ser fe­mi­ni­no, e is­so po­de as­sus­tar a di­vi­são de po­der. A mi­nha ideia tem si­do, ca­da vez mais, uni­for­mi­zar e uni­fi­car, cor­tar al­guns pro­to­co­los e có­di­gos e uni-los, dar po­der àque­las pe­ças pa­ra se­rem usa­das por am­bos os se­xos.” Es­ta co­le­ção de in­ver­no, por exem­plo, que di­zem es­tar cheia de de­ta­lhes fe­mi­ni­nos, não são mais do que os fo­lhos, os la­ços, os ja­bots, os bro­ca­dos “que vêm do ves­tuá­rio mas­cu­li­no de épo­cas pas­sa­das”, sor­ri.

le­xan­dra Moura es­tá nu­ma fa­se de “apalpar ter­re­no”, co­nhe­cer, fa­zer contactos. Em­bo­ra te­nha sho­wro­om em Pa­ris, co­me­çou a ar­ris­car por Lon­dres por­que, de al­gu­ma for­ma, “tem que ver com o nos­so mer­ca­do e com a nos­sa ma­nei­ra de fa­zer e de es­tar na Mo­da. Em Pa­ris há uma se­ri­e­da­de, um com­pro­mis­so; Lon­dres é o fer­vi­lhar de idei­as, ex­pe­ri­men­ta mais e is­so ali­men­ta-me. Lon­dres é mais fá­cil pa­ra mim, pa­ra ex­pe­ri­men­tar con­cei­tos. Co­mo me­tró­po­le mul­ti­cul­tu­ral que é tem uma gran­de sin­to­nia en­tre as di­fe­ren­tes ma­nei­ras de es­tar, é um espírito de aven­tu­ra, não tem mui­to pu­dor, nem mui­tos me­dos. Pa­ris é mais con­ti­da, cons­ci­en­te e tem um pro­gra­ma”. A ver­da­de é que mui­tas mar­cas es­tão a vol­tar a Lon­dres à pro­cu­ra des­ta re­ce­ti­vi­da­de e avi­dez. E Ale­xan­dra es­tá a dar-se mui­to bem com ela. Na úl­ti­ma es­ta­ção, apre­sen­tou a co­le­ção de ve­rão no ho­tel Edi­ti­on em par­ce­ria com a Won­der­land e “foi mui­to en­gra­ça­do: sal­tar um pa­ta­mar e dar vi­da às pe­ças den­tro de um am­bi­en­te e com a revista que al­ber­ga o espírito da mar­ca. Cor­re bem. É mais len­to, são mui­tas mar­cas (é uma lou­cu­ra com­ple­ta), mas tem ti­do fe­ed­back e per­ce­bi que a mar­ca já não é tão des­co­nhe­ci­da pa­ra al­guns buyers, que já vol­tam na es­ta­ção se­guin­te”.

A mi­nha ideia tem si­do, ca­da vez mais, uni­for­mi­zar e uni­fi­car, cor­tar al­guns pro­to­co­los e có­di­gos e uni-los, dar po­der àque­las pe­ças pa­ra se­rem usa­das por am­bos os se­xos

Ale­xan­dra Moura com rou­pa da pró­pria. Isil­da com vestido em tu­le, brin­cos e san­dá­li­as em pe­le, tu­do ALE­XAN­DRA MOURA.

Maquilhagem: Tom Perdigão. Ca­be­los: Cláu­dio Pa­che­co pa­ra Chi­a­do Stu­dio, as­sis­ti­do por An­dreia San­tos. Mo­de­los: Ága­ta / We­a­re­mo­dels Isil­da / Cen­tral Mo­dels

A Vo­gue agra­de­ce ao MNAA – Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­te An­ti­ga to­das as fa­ci­li­da­des con­ce­di­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.