MA­RIA ANA e Ri­car­do Aboim In­glez

VOGUE (Portugal) - - Arquitetura/design -

Ri­car­do traz às cos­tas a ex­pe­ri­ên­cia do ate­liê de Jo­sé Adrião, Ma­ria Ana dos Fs­smgn Ar­qui­tec­tos, mas es­se pe­so tra­du­ziu-se nu­ma le­ve­za bran­ca que co­me­ça a tor­nar-se ima­gem dos Aboim In­glez Ar­qui­tec­tos. Ve­ja-se a re­a­bi­li­ta­ção do apar­ta­men­to Ro­dri­gues da Fon­se­ca, ou tal­vez prin­ci­pal­men­te o in­fi­ni­to Mon­te da Aza­ru­ji­nha, que atin­giu a harmonia mais pu­ra na pai­sa­gem alen­te­ja­na.

A TEN­DÊN­CIA EMER­GEN­TE QUE SE VAI RE­VE­LAR BA­SI­LAR.

A in­for­ma­li­da­de. Ca­da vez mais os es­pa­ços ten­dem a ser aber­tos e co­mu­ni­can­tes. Há uma re­a­li­da­de re­cen­te na so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa que se pren­de com o ha­bi­tar. A no­ção de nú­cleo fa­mi­li­ar e, por con­sequên­cia, do es­pa­ço ti­do co­mo ha­bi­ta­ção, al­te­rou-se subs­tan­ci­al­men­te nas úl­ti­mas dé­ca­das. A par­ti­lha de uma ca­sa, en­tre ami­gos, é ho­je uma re­a­li­da­de e as res­pos­tas es­pa­ci­ais pa­ra es­sa no­va abor­da­gem são es­ti­mu­lan­tes. O pa­pel que os ar­qui­te­tos te­rão nes­sa no­va de­fi­ni­ção vai de­mons­trar-se ba­si­lar no ha­bi­tar de ama­nhã. Jul­ga­mos que o re­cur­so ao ar­qui­te­to, en­quan­to pro­fis­si­o­nal pen­sa­dor e va­lo­ri­za­dor de pa­tri­mó­nio, ca­paz de an­te­ci­par trans­for­ma­ções so­ci­ais e com uma lei­tu­ra abran­gen­te das su­as ações, se de­mons­tra­rá co­mo ge­ra­dor de mais-va­li­as so­ci­o­e­co­nó­mi­cas e pa­tri­mo­ni­ais pa­ra quem pre­ten­de in­ves­tir. “O” OB­JE­TO.

O lá­pis, o nos­so gran­de ali­a­do e um con­tra­tem­po da era di­gi­tal. A DI­VI­SÃO QUE VAI GA­NHAR PRO­TA­GO­NIS­MO.

Não an­te­ve­mos o pro­ta­go­nis­mo de uma di­vi­são. An­te­ve­mos, sim, a ca­pa­ci­da­de in­te­gra­do­ra do(s) es­pa­ço(s), ca­pa­ci­da­de es­sa que de­ve­rá de­se­ja­vel­men­te con­ta­mi­nar os seus utilizadores, le­van­do-os à to­le­rân­cia, à in­te­ra­ção e à tro­ca. Cre­mos que es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas se po­dem ma­ni­fes­tar nu­ma sa­la, num co­zi­nha, num átrio ou num cor­re­dor. Tu­do de­pen­de do pro­je­to, dos cli­en­tes, do pro­gra­ma e do es­pa­ço. Aci­ma de tu­do, a ar­qui­te­tu­ra não de­ve ter res­pos­tas ge­ne­ra­lis­tas mas par­ti­cu­la­res. É is­so que a tor­na es­pe­ci­al. A TEN­DÊN­CIA IM­POR­TA­DA DE OU­TRA DÉ­CA­DA.

O tem­po pa­ra o diá­lo­go – é do sé­cu­lo pas­sa­do.

Mon­te da Aza­ru­ji­nha, Évo­ra

Con­jun­to de pe­ças Ape­ri­ti­vo, em me­tal, UTIL.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.